So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 1 de maio de 2010

Primeira pagina - 01 - 05 - 2010

Povos pré-romanos em Portugal - Cónios

Mapa das principais tribos pré-Romanas em Portugal e suas migrações. Turduli a vermelho, Celtici castanho e Lusitani em azul. Os Conii encontram-se no sul.

Os cónios (do latim, Conii), também denominados cinetes, foram os habitantes das actuais regiões do Algarve e Baixo Alentejo, no sul de Portugal, em data anterior ao séc. VIII a.C., até serem integrados na Província Romana da Lusitânia. Inicialmente foram aliados dos Romanos quando estes últimos pretendiam dominar a Península Ibérica.


Origem

A origem étnica dos cónios permanece uma incógnita. Para os defensores das teorias linguísticas actualmente aceites, a origem comum na Anatólia ou no Cáucaso das línguas europeias e indianas: ou seja, línguas indo-europeias, os cónios teriam origem celta, proto-celta, ou pré-céltica ibérica.

Essas teorias, relativamente recentes, foram aceites com facilidade, em grande parte por aqueles que rejeitavam qualquer ligação dos europeus a África.

Antes da teoria da origem caucasiana, muitos europeus julgavam-se descendentes de Jafé, conforme escrito na Bíblia, no livro de Génesis 10:5. Cronistas da antiguidade greco-romana enumeram mais de 40 tribos ibéricas, entre elas a tribo cónia, como sendo descendentes de Jafé, pai dos europeus.

História

Os cónios aparecem pela primeira vez na história pela mão do historiador grego Heródoto no séc. V a.c., e mais tarde referidos por Rufo Avieno, na sua obra Ode Maritima, como vizinhos dos cempsios ao sul do do rio Tejo e dos sefes a norte.

Antes do sec. VIII a.C., a zona de influência cónia, segundo estudo de caracterização paleoetnológico da região, abrangeria muito para além do sul de Portugal. Com efeito, o referido estudo baseando-se em textos da antiguidade grego-romana bem como na toponímia de Coimbra del Barranco, em Múrcia, Espanha, e de Conímbriga, propõe que os cónios ocuparam uma região desde o centro de Portugal até ao Algarve e todo o sul de Espanha até Múrcia. Em abono desta tese podemos acrescentar o Alto de Conio, e o pico de Conio no munícipio de Ronda, na região autónoma da Andaluzia.

Segundo Schulten, que considera os cónios uma das tribos Lígures e afirmou que «Os Lígures são o povo original da Península», os cónios também teriam marcado presença, não só em Portugal como em Espanha e na Europa, onde os lígures se fixaram. Confirmando esta teoria temos os seguintes topónimos:

  • No norte de Espanha, encontramos no desfiladeiro, a passagem Puerto de Conio ou alto de Conio na região autónoma das Astúrias, onde terão habitado a tribo dos coniscos, descendentes dos construtores do dolmen de Pradías, de época neolítica, para muitos relacionada com os cónios. Nesta região terá existido uma cidade, a actualmente desconhecida Asseconia, incluída num dos Caminhos de Santiago. Também, estudos genéticos indicam que os bascos são o povo mais antigo da península e poderão estar relacionados com os cónios através da tribo dos vascones.
  • Na França, os lígures também terão sido "empurrados" para as regiões montanhosas. Mas, em vez da Ronda espanhola ocuparam a região do Ródano-Alpes. O testemunho da presença lígure poderá ser a tribo iconii, conhecidos pelas tribos vizinhas como os Oingt, originando a localidade de Oingt (Iconium em latim) e a região de Oisans.
  • No norte de Itália, junto ao Ródano italiano a marca da presença lígure dos cónios, para além da Ligúria também nos aparece, um pouco mais a norte, não só nas comunas Coniolo e Cónio, como na província com o mesmo nome, na província de Cónio, da região de Piemonte.

Para outros investigadores que terão ido mais longe, os povos “Ibéricos” além de possuírem a Península Ibérica, França, Itália e as Ilhas Britânicas, penetram na península dos Balcãs, e ocuparam uma parte de África, Córsega e norte da Sardenha. Actualmente, e à luz de recentes estudos genéticos, aceita-se que uma raça com características razoavelmente uniformes ocupou o sul de França (ou pelo menos a Aquitânia), toda a península Ibérica e uma parte de África do norte e da Córsega. Os topónimos a seguir enumerados também atestam estes dados:

  • Nas Ilhas Britânicas o assentamento fortificado romano Viroconium, atribuido à tribo cornovii, proveniente da Cornualha. Provavelmente, utilizados pelos romanos como tribo tampão contra os ataques escoceses e incursões irlandesas.
  • Muitos autores concordam que a língua cónia teria um substrato muito antigo relacionado com Osco, Latim e Ilírico.
  • No Chipre encontramos uma localidade com o topónimo Konia
  • Nos Balcãs encontramos a tribo dos trácios cicones que poderão estar relacionados com os cónios e com os povos que invadiram a Anatólia, no sec. XII a. C. e posteriormente fundaram as cidades de Conni, na Frígia e de Iconium, na Anatólia.

Escrita

No Baixo Alentejo e Algarve foram descobertos vários vestígios arqueológicos que testemunham a existência de uma civilização detentora de escrita, adoptada antes da chegada dos fenícios, e que se teria desenvolvido entre o século VIII e o V a.C.. A escrita que está presente nas lápides sepulcrais desta civilização e nas moedas de Salatia (Alcácer do Sal) e é datável na Primeira idade do Ferro, surgindo no sul de Portugal e estendendo-se até à zona de fronteira.

As estelas mais antigas recuam até ao século VII a.C. e as mais recentes pertencem ao século IV. O período áureo desta civilização coincidiu com o florescimento do reino de Tartessos, algo a que não deverá ser alheio à intensa relação comercial e cultural existente entre os dois povos e que se julgava ser distinta da dos cónios. Daí a razão para que a denominação desta escrita comum não ser nem tartéssica nem cónia mas antes escrita do sudoeste, referindo a região dos achados epigráficos e não à cultura dos povos que as gravaram.

Não é consensual a designação da primeira escrita na península ibérica. Para muitos historiadores é a escrita do sudoeste (SO) ou sud-lusitana. Já os linguistas, utilizam as designações de escrita tartéssica ou turdetana. Outros concordam com a designação de escrita cónia, por não estar limitada geograficamente, mas relacionada com o povo e a cultura que criou essa escrita. E, segundo Leite de Vascocelos com os nomes konii e Konni , que aparecem inscritos em várias estelas.

A posição destes estudiosos deve-se à concordância das teorias-hipóteses históricas e modelos linguísticos actualmente aceites nos meios científicos. Estas posições baseiam-se em evidências linguísticas. Só que até à data não foram encontrados dados arqueológicos evidentes, daí que investigadores duvidem da existência dos cónios, outros negam a existência de celtas na península apesar das fontes antigas e das evidências arqueológicas.

Cidade principal

Mapa antigo do Golfo de Cádis, Bética. A localização provável de Conistorgis é a norte de Ossonoba (actual cidade de Faro).

A cidade principal do país dos cónios era Conistorgis, que em língua cónia, significaria "Cidade Real", de acordo com Estrabão, que considerava a região celta. Foi destruída pelos lusitanos, por estes terem-se aliado aos romanos durante a conquista romana da Península Ibérica. A localização exacta desta cidade ainda não foi descoberta. No entanto, em Beja,[9] existem vestígios do que poderá ter sido uma grande cidade pré-romana. São muitos os autores que admitem a possibilidade de Beja ter sido fundada sobre as ruínas da famosa Conistorgis.

Religião

Aparentemente, antes da chegada dos romanos, os cónios eram monoteístas. O deus dos Cónios era Elohim, segundo uma estela que se encontra presentemente no Museu de Évora.

O Sudoeste na Idade do Ferro, desde o séc. VI a.C., apresenta um complexo de influências religiosas tartéssicas, gaditanas (bastante helenizadas) e célticas ou pré-célticas, correspondente a uma zona de grandes interacções culturais e movimentos de populações.


Wikipedia

Imprensa: o «triunfo pessoal» de Mourinho e o Inter «heróico»...

Barcelona-Inter

A eliminação do Barcelona e consequente passagem do Inter à final da Liga dos Campeões, depois da segunda mão das meias-finais em Camp Nou teve, obviamente, destaque na imprensa mundial. Em Itália, a Gazzetta dello Sport diz que o Inter foi heróico», a Marca e o AS, jornais de Madrid, remetem para o facto de os culés falharem a decisão no Santiago Bernabéu, e os diários catalães viram a agulha para a liga espanhola. Mas há mais pelo mundo fora.


Como se disse, a Gazzetta dello Sport exulta o triunfo interista e de José Mourinho. «De que serve marcar golos quando se pode deslizar, tapar, recuar, parar, libertar? O Inter volta à final da Liga dos Campeões. O Inter vai a Madrid. fá-lo à italiana, com puro sofrimento, com uma barricada, perdendo por 1-0. Samuel, o muro. Zanetti, o anti-Messi. Lúcio. Júlio César. Depois, todos os outros, desde Etoo e Milito até Mariga. São eles os heróis de Barcelona.»


Uma muralha Especial: a crónica do Barça-Inter link  externo


Veja o desenvolvimento da notícia no Mais Futebol link externo


TVi24


Redução do 'rating' é 'duvidosa' para economistas alemães...

Redução do 'rating' é 'duvidosa' para economistas alemães

A redução da nota da dívida de Portugal pela agência de "rating" Standard & Poor´s foi na quarta-feira considerada "duvidosa" pela edição alemã do Financial Times, que sublinha que a economia portuguesa teve uma forte recuperação nos últimos meses.

"Os dados macroeconómicos de Portugal não pioraram nas últimas semanas e meses", afirma o chefe do gabinete de estudos económicos do Dekabank, Ulrich kater, no mesmo jornal.

Outro economista citado pelo Financial Times Deutschland, Roland Doehrn, do Instituto de Pesquisa RWI, defendeu também que a situação económica de Portugal "não é motivo" para agravar a nota da sua dívida.

"Os problemas económicos de Portugal e da Grécia não se agudizaram agora, o que mostra, mais uma vez, que as economias nacionais, durante a crise, se tornam um joguete dos mercados internacionais, com forte apoio das agências de rating", observou ainda Doehrn.

No artigo chama-se ainda a atenção para o facto de Portugal ter subido, em Março, no Índice ESI da Comissão Europeia, que mede diversos indicadores de 91 para 95,2 pontos, enquanto que a Grécia desceu sucessivamente no mesmo índice nos últimos cinco meses.

Além disso, as previsões de crescimento económico do Governo português - de 0,7 por cento do Produto Interno Bruto em 2010 e quase um por cento em 2011 - são positivas e na opinião dos analistas do Commerzbank, segundo maior banco privado alemão, são também "bastante realistas".

O jornal alemão destaca ainda que Governo e oposição chegaram a acordo em fins de Março sobre um novo Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) e que a dívida pública portuguesa, 78,6 por cento do PIB, "é moderada", em comparação com os 115 por cento da Grécia.

Porém, na opinião de Charles Wyplosz, professor no Institute of International Studies, de Genebra, citado pelo Financial Times Deutschland, entretanto "já não interessam as perspectivas económicas de um país, quando este cai na mira dos mercados".

"Nos dias que correm, todos os países com défices e dívidas elevados são vulneráveis a ataques dos mercados, porque quando os investidores começam a apostar contra um país, os outros vão atrás", explicou o economista.

Wyplosz afirmou ainda que as agências de "rating" desempenham um "papel especial" neste processo, como "os canais de transmissão do círculo vicioso" que amplificam o sentir dos mercados.

É possível, no entanto, travar esta espiral e acalmar os mercados, "não através do anúncio de um pacote de ajudas financeiras de outros países, mas sim através da implementação do mesmo pacote", refere Ulrich Leuchtmann, perito em macroeconomia do Commerzbank, dando o exemplo do que aconteceu na Hungria.

Quando este país da Europa de Leste iniciou negociações com o FMI, há dois anos, os mercados não reagiram, mas quando as primeiras ajudas chegaram, a taxa de risco da Hungria melhorou.

DN

Autoridades alertam para "ponto negro" na A25 junto a Vouzela...


O Conselho Coordenador de Segurança Rodoviária Distrital decidiu identificar o troço da A25, entre os nós de Vouzela e Oliveira de Frades, mais concretamente entre os quilómetros 59,1 e 59,2, como zona de acumulação de acidentes, isto é, "ponto negro", devido ao elevado número de sinistros que ali têm vindo a registar-se.


Segundo o governador civil de Viseu, Miguel Ginestal, houve um total de 19 despistes, que provocaram sete feridos ligeiros, naquele pequeno troço ao longo de todo o ano de 2009 e a tendência mantém-se com quatro acidentes durante os primeiros três meses deste ano, embora, para já, não tenha havido vítimas, apenas danos materiais.


Os números levaram as autoridades a reforçar os meios de segurança e de fiscalização no local. "O Destacamento de Trânsito irá aumentar as acções de controlo de velocidade, além disso iremos chamar a atenção dos condutores para o facto de naquela zona a velocidade estar limitada aos 100 quilómetros à hora", anunciou Miguel Ginestal.
O governador civil de Viseu lembrou ainda que por parte do concessionário da auto-estrada já foram tomadas medidas em Setembro do ano passado, numa altura em que já se verificava uma tendência para a acumulação de sinistros naquela zona.


De acordo com Ugo Berardinelli, da concessionária Ascendi, foram colocados sinais de trânsito, garantindo ainda que foram feitos testes que permitiram verificar que não se trata de uma zona de acumulação de água e que o piso tem boa aderência.
O major Fernandes, da GNR, assegurou que na origem da maioria dos acidentes está excesso de velocidade.

DV

Indiano diz que não come nem bebe há 70 anos...

Um indiano de 83 anos, alegadamente santo, está a ser estudado pelos médicos por uma estranha razão. O ancião afirma ter passado os últimos 70 anos sem comer nem beber, adianta a «Sky News».

Os médicos militares têm esperança que as investigações possam ajudar os soldados a desenvolver estratégias de sobrevivência. Prahlad Jani está em observação permanente, sob o olhar atento de 30 médicos, durante três semanas de testes. Foi instalada uma câmara no quarto do hospital e uma outra acompanha-o sempre que ele se desloca.

«Este estudo pode descobrir a sobrevivência humana sem comida ou bebida», afirmou o director da investigação, G. Ilavazahagan, acrescentando que pode «ajudar nas estratégias de sobrevivência durante catástrofes naturais».

Desde o início da experiência, a 22 de Abril, que Jani não come, não bebe e não utiliza a casa de banho.

G. Ilavazahagan explicou que querem perceber «que energia garante a existência» de Jani, e contou que «ele medita para ter energia».

Jani garante ter sido abençoado por uma deusa, quando tinha oito anos e, desde então, pode viver sem comer.

TVi24

Novo ataque numa escola na China fere 29 crianças...

Novo ataque numa  escola na China fere 29 crianças
Multidão juntou-se à porta da escola onde ocorreu o crime

A maioria das crianças da escola infantil de Taixing, uma cidade da província de Jiangsu, com idades entre os quatro e os cinco anos, encontram-se estáveis, mas há cinco em “estado crítico” devido à gravidade dos golpes desferidos por um homem, de 47 anos, informa a agência noticiosa Nova China.

O atacante, um desempregado de uma empresa de seguros, irrompeu na sala munido com uma faca de 20 centímetros e começou a apunhalar as crianças, conta a agência oficias.

Dois professores e um segurança ficaram também feridos durante o ataque.

Informações que circularam, hoje, na internet davam conta de que a maioria das crianças teria morrido, na sequência do ataque, informação que foi desmentida por fontes oficiais.

Ontem, quinta-feira, um outro homem feriu com uma faca 16 crianças de uma escola, no mesmo dia em que foi executado o médico que há um mês matou oito crianças, também com uma arma branca.

Os cidadãos estão cada vez mais apreensivos com a sucessão de ataques deste género, e já exigiram ao Governo que tome medidas que protejam as crianças nas escolas e penas mais severas para os autores destes ataques.

JN

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Primeira pagina - 30 - 04 - 2010

Povos pré-romanos em Portugal - Coelernos

Os coelernos (em latim coelerni) era um povo pré-romano montanhês, um dos que resistiram até à chegada dos suevos, durante as invasões bárbaras na fase final do Império Romano. Os coelernos viviam entre os rios Tua e Sabor, no interior do norte de Portugal, a sul da província de Ourense (Galiza), onde tinham o seu oppidum, ou "cidade", mais importante: Coeliobriga, o actual Castromao (Celanova, Ourense).

Wikipedia

Perpétua por forçar jovem a mexer-lhe nos seios ...

Uma mulher de 34 anos, natural do Nevada, Estados Unidos, foi condenada por forçar um jovem de 13 anos a mexer-lhe nos seios.

A decisão judicial, tomada em Novembro passado, está a levantar agora polémica por ser considerada extrema por algumas vozes norte-americanas. No entanto, o tribunal defende-se com o facto do acto estar enquadrado no “abuso sexual de menores de 14 anos”.

A advogada de Lyn Taylor, a mulher condenada, mostrou-se revoltada com a pena, alegando tratar-se de uma decisão “cruel e rara”. Taylor colocou a mão do rapaz de 13 anos sobre o seu seio, enquanto usava um sutiã. Mais tarde, rejeitou negociar um acordo judicial por não querer ficar registada como abusadora sexual.

CM

Chinês que apunhalou 13 crianças foi executado...

O cirurgião chinês que a 23 de Março apunhalou 13 crianças à porta de uma escola matando oito delas, foi executado, na quarta-feira, na província de Fujian, sudeste do país. Execução acontece 20 dias depois de emitida a sentença judicial, anunciou a agência Xinhua.

A nota da Xinhua não especifica o método da execução utilizado, mas na China os condenados à morte são habitualmente executados com injecção letal ou um tiro na nuca.

Zheng, 41 anos, apunhalou 13 crianças à porta da Escola Primária Experimental da cidade de Nanping, localidade onde tinha trabalhado como médico numa clínica.

TVi24

Feto desmembrado encontrado em Santa Comba Dão...

Um feto desmembrado por animais foi encontrado ontem numa vinha de Pinheiro de Ázere, em Santa Comba Dão. A descoberta macabra foi feita pelas 21 horas, tendo bombeiros e autoridades estado no local durante mais de três horas, como relata a TVI.

A população juntou-se no local, em estado de choque. «É uma coisa que não se faz. Não tenho palavras», disse à TVI uma das pessoas alertada pela situação. Outros dos populares lamentou a situação, dizendo «que não é bom para a terra. As pessoas não sabem nem querem falar».

Não há indícios sobre o que poderá ter acontecido mas o caso está nas mãos da Polícia Judiciária.

TVi24

Municípios de Cinfães e Viseu entre os melhores na eficiência financeira...


Cinfães, no distrito de Viseu, está em primeiro lugar no ranking global dos 20 melhores municípios portugueses de média dimensão, em matéria de eficiência financeira. Já a autarquia de Viseu aparece em quinto lugar. No ranking dos municípios de pequena dimensão, Mortágua ocupa a segunda posição.
Estes são alguns dos dados que constam do anuário financeiro dos municípios, apresentado pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, relativamente a 2008.
Actualmente, existem em Portugal 308 municípios, que podem ser categorizados em três dimensões: pequenos - com população menor ou igual a 20.000 habitantes; médios - com população superior a 20.000 e menor ou igual a 100.000 habitantes; e grandes - com mais de 100.000 habitantes.
Nos resultados económicos, Viseu é o terceiro melhor colocado, ainda dentro do grupo dos municípios de média dimensão, aparecendo em 13.º lugar relativamente aos 308 municípios portugueses.
Dados que, para o presidente da Câmara de Viseu, Fernando Ruas não são surpresa. "O resultado apresentado só prova a boa situação financeira da Câmara", lembrou.
O segredo, segundo o autarca, esteve na "salvaguarda atempada da almofada financeira", já que a autarquia "teve a capacidade de prever as situações" e estar preparada para "os tempos de crise".
Ainda de acordo com o relatório, Viseu é o primeiro município, uma vez mais de média dimensão, a constar do ranking dos municípios com maior rácio receitas líquidas/receitas previstas, aparecendo em quinto lugar nos municípios com mais liquidez.
Fernando Ruas, também presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, explicou, a propósito, que "entre Quadros Comunitários de Apoio a liquidez orçamental é sempre mais difícil". No entanto, realçou, "em Viseu as obras continuam. Fazêmo-las, mesmo quando se verifica, como actualmente, um grande atraso na aplicação do Quadro de Referência Estratégico Nacional".
Alguns dados
Na rubrica dos municípios sem ou com baixo endividamento líquido em 2008, Penedono e Cinfães são as autarquias que ocupam a melhor posição.
Já na análise ao número de municípios que apresentam um menor peso das despesas com pessoal nas despesas totais, o ranking, no distrito de Viseu, é liderado por S. João da Pesqueira.
Em sentido inverso está o de S. Pedro do Sul, município que, no entanto, mais diminuiu a dívida entre 2005 e 2008.

Dívida dos municípios
chegou aos 7,1 milhões
De acordo com o relatório e em termos globais, os 308 municípios portugueses apresentaram em 2008 resultados económicos positivos de 303,35 milhões de euros, o que representa uma queda de 37,32 por cento face a 2007. Por cada três autarquias portuguesas, há uma que apresenta resultados económicos negativos.
A dívida dos 308 municípios chegou aos 7,1 milhões de euros, um aumento de 7% face a 2007. E, mais de metade do débito, um montante de 3,7 mil milhões, está concentrada em 35 câmaras. Os resultados económicos, que traduzem a diferença entre os proveitos e os custos, foram negativos em 115 municípios nacionais.
Das 23 autarquias de grande dimensão, cinco apresentaram resultados negativos (Barcelos, Matosinhos, Seixal, Vila Nova de Gaia e Setúbal), mais três municípios do que em 2007.
Mas a quebra mais significativa ocorreu nas autarquias de pequena dimensão, com menos de 100.000 habitantes.
Segundo o anuário, metade das autarquias portuguesas continua sem pagar as dívidas dentro dos prazos e, em geral, tem despesas superiores às receitas angariadas.
Paralelamente, a despesa dos municípios ultrapassa em cerca de 30 por cento a sua capacidade de pagamento, o que significa que os autarcas gastam mais do que aquilo que podem pagar. Lisboa, Vila Nova de Gaia e Porto são os maiores devedores.
De acordo com o estudo, a despesa dos municípios está 30% acima da sua capacidade de pagamento.
Fernando Ruas lembrou que todas as contas relativamente a 2008 já foram analisadas em 2009, mas admitiu a possibilidade do relatório ser discutido na reunião do conselho directivo da Associação Nacional de Municípios.

DV

Portugal é terceiro no ranking da FIFA....

Portugal subiu ao terceiro lugar do «ranking» da FIFA pela primeira vez na sua história. A selecção nacional ganhou um lugar na actualização de Abril, divulgada na quarta-feira, mesmo sem ter jogado.

A lista do mês regista igualmente mudança de líder. O Brasil voltou a superar a Espanha e é agora nº 1 do Mundo.

O seleccionador Carlos Queiroz também já comentou o ranking, destacando as maiores responsabilidades que daí advêm. «Aumenta a responsabilidade de todos nós, não só da selecção, mas do futebol português como um todo, jogadores, treinadores, dirigentes e agentes desportivos, no sentido de sabermos conciliar os nossos interesses e as razões que nos unem para podermos continuar a investir, a formar jogadores, a formar técnicos, para que o nosso futebol continue a prestigiar o nome de Portugal por esse mundo fora», considerou o técnico, em declarações ao site da FPF.

Veja o desenvolvimento da notícia no Mais Futebol link externo

TVi24

Gordon Brown chama «fanática» a eleitora...

O primeiro-ministro britânico foi apanhado numa situação embaraçosa, apelidando uma mulher de «fanática», depois de esta o ter confrontado durante a campanha eleitoral.

A viúva de 66 anos, Gillian Duffy, expressou as suas preocupações a Gordon Brown acerca da imigração da Europa de Leste e ambos conversaram de forma aparentemente amigável, noticia o «Telegraph»

O que o primeiro-ministro não sabia é que ainda tinha o microfone ligado enquanto se afastava no carro e vociferava com a sua equipa, por ter permitido aquele encontro, que classificou de «desastre», chamando Gillian de «fanática».

A senhora que, inicialmente, se mostrou satisfeita com as respostas do primeiro-ministro, afirmando que «aparentava ser um bom homem», ficou bastante zangada quando ouviu as considerações de Brown.

O primeiro-ministro telefonou a Gillian Duffy para se desculpar pessoalmente pelo ocorrido.

TVi24


IURD acusada de enviar ilegalmente dinheiro para Portugal...

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) é acusada de ter enviado irregularmente para fora do Brasil, inclusive para Portugal, cerca de 400 milhões de reais (171,5 milhões de euros), divulgou esta quarta-feira a imprensa brasileira.

Segundo o jornal ‘O Estado de São Paulo’, a IURD é acusada de ter enviado para o exterior cerca de 5 milhões de reais (2,143 milhões de euros) por mês entre 1995 e 2001 em remessas supostamente ilegais (que alcança o montante de 400 milhões de reais) feitas através da casa de câmbio Diskline para Portugal e Estados Unidos.

A acusação foi feita pelos de sócios da casa de câmbio Diskline, Cristina Marini e Marcelo Birmarcker, que aceitaram colaborar com as investigações do Ministério Público no Brasil e da Promotoria de Nova Iorque (Estados Unidos) pela chamada delação premiada (terão benefícios em caso de condenação).

Cristina Marini, sócia da Diskline, depôs na terça-feira ao Ministério Público Estadual de São Paulo e confirmou o que já havia dito à Justiça Federal brasileira e à Promotoria da cidade de Nova Iorque.

IGREJA NEGA ACUSAÇÕES

O advogado Antônio Pitombo, que defende a IURD e seus dirigentes, nega as acusações. Os dois sócios resolveram colaborar depois de a Justiça americana ter investigado a actividade nos Estados Unidos com base no pedido de cooperação internacional feito em Novembro de 2009 por autoridades brasileiras.

Em Nova Iorque, ambos são investigados por suspeita de fraude e de desvio de recursos da IURD em território norte-americano.

Cristina Marini afirmou aos promotores paulistas que começou a enviar dinheiro da Igreja Universal para o exterior em 1991 e as operações ter-se-iam intensificado entre 1995 e 2001.

A sócia da Diskline disse que recebia pessoalmente o dinheiro (em espécie) e, ainda segundo a testemunha, algumas vezes foi buscar o dinheiro a subterrâneos de templos no Rio de Janeiro.

Cristina Marini disse no depoimento aos promotores paulistas que depositou o dinheiro nos Estados Unidos e em Portugal.

Além dela, os promotores e procuradores ouviram o depoimento de Marcelo Birmarcker, que confirmou a realização de supostas operações irregulares de câmbio para a IURD, mas não soube informar os valores.

Em Agosto de 2009, a 9.ª Vara Criminal de São Paulo aceitou denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) e instaurou ação penal contra Edir Macedo (líder da IURD) e nove integrantes da Igreja Universal.

Todos são acusados de formação de grupo criminoso e lavagem de dinheiro e a acusação sustenta que o dinheiro arrecadado dos fiéis da IURD seguiu para empresas no exterior e depois foi repatriado por empresas fictícias abertas em nome de dirigentes da Igreja Universal.

CM

E se fosse multado sempre que mete o carro na garagem? Acontece!...

Imagine que sempre que estacionava o carro na sua garagem era multado. É o que acontece ao estudante britânico Maxwell Cannon. Tudo porque o portão da sua casa fica em frente a uma faixa de autocarros numa movimentada rua de Harrington, em Inglaterra.

O estudante de química já recebeu algumas multas de quase 70 euros por entrar com o seu carro em marcha-atrás na garagem. O argumento do polícia é que o rapaz atrapalha o trânsito enquanto espera pela diminuição do tráfego para efectuar a manobra, de acordo com o jornal «Mail».

Maxwell também já foi autuado por parar o carro na faixa reservada a autocarros enquanto esperava para entrar com veículo na garagem, desta vez, de frente.

O caso foi levado ao tribunal e o juiz não aceitou os argumentos de Cannon. O problema do jovem parece assim não ter solução. Apenas esperar ter a sorte de não estar um polícia por perto sempre que entra com o carro na garagem.

TVi24

Morreu o ex-jogador Morais...

Morreu o ex-jogador Morais

O antigo jogador do Sporting, João Morais, morreu, hoje, no Porto, aos 74 anos vítima de doença prolongada.

O Sporting está de luto pela morte de João Morais, antigo jogador leonino que conquistou para o clube de Alvalade a Taça das Taças, em 1964.

O antigo futebolista João Morais morreu, terça feira, no Porto, segundo fonte familiar.

João Morais, 74 anos, que estava internado no Instituto Português de Oncologia do Porto há mais de uma semana, morreu cerca das 22:00 de terça feira, não estando ainda marcado o funeral.

O antigo internacional português deu ao Sporting o seu único título continental, ao apontar de canto directo o golo da vitória sobre o MTK de Budapeste, na finalíssima da Taça das Taças de 1963/64, a 15 de maio, em Antuérpia.

Dois dias antes daquele que ficaria para a história como o "cantinho do Morais", Sporting e MTK empataram 3-3 na final, em Bruxelas. Pelo caminho, o Sporting deixou o Manchester United e o Lyon.

João Morais iniciou a carreira no Sporting de Alcabideche, tendo passado pelo Estoril-Praia e Torreense. Chegou ao no Sporting Clube de Portugal em 1954

DN

Clegg aceita aliança com trabalhistas...

Clegg aceita aliança com trabalhistas

Grupo parlamentar liberal-democrata vai ser decisivo em caso de coligação

O líder dos liberais-democratas, Nick Clegg, admitiu na terca-feira uma aliança governamental com os trabalhistas, após as eleições de 6 de Maio, primeiro colocando como condição a ausência de Gordon Brown no Executivo, para seguidamente aceitar a continuação do actual primeiro-ministro.

A mais recente sondagem, realizada pelo instituto ComRes para o diário The Independent e para a ITV News, concedia 32% aos conservadores de David Cameron - em queda desde o fim de semana - e 31% aos liberais-democratas, que continuam a subir nos inquéritos da ComRes. O partido de Clegg está a recolher os índices mais elevados desde 2004, quando o instituto iniciou sondagens.

Os trabalhistas continuam abaixo dos 30%, registando apenas 28% de intenções de voto. Contudo, atendendo à natureza do escrutínio, uninominal e maioritário a uma volta, ainda assim, o partido de Gordon Brown teria o maior número de deputados: 268. Os conservadores teriam 238 e os liberais-democratas limitar-se-iam a 112. Assim, este grupo parlamentar seria determinante para a formação de maiorias.

Se a cooperação com os trabalhistas era dada como inevitável, Clegg hesitou sobre as suas modalidades. Primeiro, domingo, naquelas que foram consideradas afirmações arrogantes, o líder liberal-democrata admitiu disponibilidade para trabalhar com os trabalhistas, desde que estes não obtivessem a maioria de deputados, ficando em terceiro lugar no voto popular. Em seguida, segunda-feira, manteve a tese de cooperação com os trabalhistas, mas vetando a continuação de Gordon Brown como primeiro-ministro. Finalmente, ontem, assumiu uma atitude de maior humildade, dizendo que "não será um problema" trabalhar com o actual líder trabalhista. "Não é a mim mas aos eleitores que cabe decidir como será constituído o próximo Governo", afirmou à BBC.

Estas declarações levaram os conservadores a desencadearem uma barragem de críticas a Nick Clegg, equacionando o voto nos liberais-democratas como um voto pela continuidade de Brown no Governo.

Uma outra sondagem, YouGov-The Sun, confirma o primeiro lugar dos conservadores (33%), a segunda posição par o partido de Clegg (29%) e o terceiro lugar para os trabalhistas (28%).

DN

Portugal é o terceiro da Europa com mais greves...

Portugal é o terceiro  da Europa com mais greves
Transportes pararam um dia e prejudicaram 1,5 milhões de pessoas

No dia em que se cumpriu uma greve geral dos transportes, que terá afectado cerca de 1,5 milhões de pessoas, provocando quebras de produtividade de 30 %, o JN soube que um estudo europeu coloca Portugal na terceira posição com mais greves convocadas.

Com os sindicatos a congratularem-se com o nível de adesão à greve do sector dos transportes, que em alguns casos foi de 100%, a CGTP lembra que "a greve é e sempre foi o último instrumento dos trabalhadores".

Arménio Carlos, da CGTP, sublinha que "é necessária coragem dos trabalhadores para avançarem para uma greve", e dá como exemplo a paralisação de ontem, "a que aderiu um número significativo de trabalhadores de empresas privadas".

Nesse sentido, frisou "que as paralisações continuam a fazer todo o sentido", referindo um estudo Europeu que "coloca Portugal, em 2008, na terceira posição, atrás da Grécia e da França, em número de greves declaradas, o que prova que são credíveis e têm o apoio dos trabalhadores".

Quanto à greve de ontem, para Amável Alves, da FECTRANS (Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações), "é um sinal que deve ser lido pelo Governo e pelas entidades patronais de que devem reabrir os processos negociais".

Recorde-se que a contestação de ontem prendia-se com três razões: o congelamento dos salários, o bloqueio das negociações dos contratos colectivos de trabalho (ver caixa) e as privatizações.

Da parte da UGT, além do elogio à adesão à greve, João Proença disse que esta "revela o descontentamento geral" dos trabalhadores e apontou o dedo aos empresários privados que pretendem lucrar "à custa" dos salários.

Os custos desta paralisação não estão contabilizados, mesmo assim, alguns especialistas apontam para quebras na produtividade na ordem dos 30%. Por outro lado, admitiram que os impactos de mobilidade foram menores do que os previstos (devido à não paralisação dos metros de Lisboa e Porto e a fraca adesão dos STCP e Carris).

Já do lado do Governo, o secretário de Estado dos Transportes reconheceu que a greve provocou "incómodos", mas ressalvou que o Governo não cederá às reivindicações dos sindicatos, alegando que o Orçamento do Estado "não comporta crescimento de custos".

Carlos Correia da Fonseca assegurou que o Governo mantém a sua postura de "diálogo" com os sindicatos, com reuniões agendadas, mas não abre "excepções", lembrando que o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) estipula um "crescimento de 0% nos salários" do sector público. Além disso, alegou, "o Orçamento do Estado não comporta crescimento de custos, como é desejado por muitos sindicatos".

O ministro da Presidência, Silva Pereira, apelou à "reflexão" dos sindicatos.

* COM LUSA


JN

Financial Times: «Portugal está a arder»...

Os alemães andam preocupados com a situação económica portuguesa. A edição alemã do «Financial Times» escreve mesmo em título «Portugal está também a arder», cita a «TSF».

Veja aqui o comentário sobre o rating em directo na TVI link  externo
E veja aqui o comentário de bolsa em vídeo link  externo

A agência de notação financeira Standard & Poors reduziu em dois níveis o rating da dívida portuguesa. É agora mais arriscado emprestar dinheiro a Portugal, o que tem como consequência a penalização das empresas.

Veja o desenvolvimento da notícia na Agência Financeira link  externo

TVi24

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Primeira pagina - 29 - 04 - 2010

Povos pré-romanos em Portugal Célticos...

Os célticos¹ (em latim, CELTICI, que significa celta) é o nome dado aos celtas que habitavam a zona do Alentejo ocidental no sul de Portugal, mas poderiam também ocupar território dos Turdetanos.

Segundo Jorge de Alarcão a "designação Celtici seria um colectivo que abrangeria diversos populi, designadamente os Sefes, os Cempsii e talvez também os Lusitani" [1].

As povoações dos Célticos na Lusitânia eram Lacobriga, Caepiana, Braetolaeum, Miróbriga, Arcóbriga, Meribriga, Catraleucus, Turres, Albae e Arandis[2].

Os célticos eram vizinhos dos Turdetanos com quem partilhavam as planícies do Alentejo, ocupando os célticos a parte ocidental. É Ptolomeu (c. 90 - c. 168 d.C.), baseado em autores mais antigos como Possidónio e Artemidoro, que distingue os dois povos no século II d.C.

Wikipedia


Nokia apresenta (mais um) rival do iPhone...

A Nokia apresentou esta terça-feira link externo o seu novo modelo, que pretende ser mais um rival do iPhone. Trata-se do N8, um equipamento com ecrã táctil e funções muito avançadas, com destaque para a câmara fotográfica com sensor de 12 megapíxeis, óptica Carz Zeiss e flash Xénon.

Para além disso, também é capaz de filmar em alta definição e até editar vídeos de forma mais ou menos básica, devido ao software que vem de série. O ecrã tem 3,5 polegadas, com tecnologia OLED, e tem saída HDMI, para ligação a um televisor com alta definição.

Entre as suas principais características surge, igualmente, a memória interna de 16 GB, extensível a 48 GB através de cartões microSD.

O N8 já tem o novo sistema operativo Symbian 3, que foi preparado para suportes multitácteis, para enfrentar precisamente o sistema do iPhone, bem como o Android, da Google. Construído numa peça de alumínio, estará disponível em cinco cores diferentes e surgirá nas lojas no terceiro trimestre com um preço de 370 euros (livre).

TVi24


Alemanha: primeira muçulmana nomeada ministra...

A germano-turca Aygül Özkan tornou-se na terça-feira, a primeira muçulmana a ascender a ministra, na Alemanha, apesar de ter defendido a retirada dos crucifixos das salas de aula das escolas públicas, gerando polémica no seu próprio partido, a União Democrata Cristã (CDU).

foto Holger Hollemann/Lusa
Alemanha: primeira  muçulmana nomeada ministra

Özkan, 38 anos, prestou juramento no Parlamento Regional de Hannover, e é a nova ministra dos assuntos sociais do executivo da Baixa-Saxónia, liderado pelo democrata cristão Christian Wullf, em coligação com os Liberais do FDP.

O governador do mais extenso estado federado da Alemanha teve de sair em defesa de Özkan, pouco antes da cerimónia de posse, devido às polémicas declarações sobre os crucifixos nas escolas, que a nova ministra entretanto retirou com um pedido de desculpas.

Em entrevista publicada na última edição do semanário Focus, Özkan - que está sob protecção policial, depois de ter recebido ameaças de morte de neonazis - tinha afirmado que "os símbolos religiosos não têm nada que estar nas escolas públicas".

Em outra entrevista, ao magazine Der Spiegel, a nova ministra defendeu também a adesão da Turquia à União Europeia, contrariando assim abertamente o programa do partido da chanceler Angela Merkel.

As ondas de choque provocadas pelas suas declarações, que levaram alguns políticos a exigir a retirada da sua designação para ministra, só acalmaram quando Özkan pediu desculpa ao grupo parlamentar da CDU no parlamento regional da Baixa-Saxónia e de Wulff lhe ter reiterado a confiança.

O chefe do governo da Baixa-Saxónia, em declarações à televisão pública ARD, fez um apelo para que as declarações de Özkan não fossem "sobrevalorizadas", alegando que nas referidas entrevistas "ela disse 99 por cento de coisas inteligentes e só um por cento foram afirmações provocantes".

As organizações de imigrantes muçulmanos na Alemanha estão divididas quanto às afirmações iniciais da nova ministra no que se refere à retirada dos crucifixos das salas de aulas.

O presidente da Comunidade Turca na Alemanha, Kenan Kolat, acusou a CDU de travar uma discussão "desnecessária" alegando que Özkan se limitou a reproduzir o acórdão proferido em 1995 pelo Tribunal Constitucional sobre os crucifixos nas escolas públicas, em que se diz que o Estado tem de ser neutro.

Já o Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha, organização de cariz mais religioso, defendeu a manutenção dos crucifixos nos estabelecimentos de ensino alemães, alegando que "a religião deve ser visível no espaço público, o que é valido para todas as religiões".

Filha de imigrantes turcos, nascida em Hamburgo, Aygül Özkan é uma empresária formada em direito, que começou a sua carreira política na CDU há seis anos. É casada com um médico alemão, e o casal tem um filho.

Segundo a imprensa germânica, na origem da sua escolha para ministra esteve uma recomendação da própria chanceler Ângela Merkel, que a conheceu e ficou entusiasmada com o seu talento político.

JN

Metro de Lisboa está em "falência técnica"...

O Metropolitano de Lisboa encontra-se em "falência técnica", revela uma auditoria do Tribunal de Contas, que denuncia ainda a "apatia do Estado" face à situação da empresa.

O Metropolitano de Lisboa enfrenta, "à semelhança" das outras "empresas públicas prestadoras de serviço público de transporte urbano", uma situação económico-financeira "degradada", segundo a auditoria divulgada hoje, terça-feira, pelo Tribunal de Contas (TC).

De acordo com o TC, para o cenário de falência técnica têm contribuído diversas circunstâncias, tais como o facto de se encontrar "por realizar 30,1 milhões de euros referentes ao aumento" do Capital Estatutário do Metro, "não obstante já terem decorrido mais de sete anos após a determinação legal daquele aumento".

Os valores das "indemnizações compensatórias devidas pelo Estado, além de serem atribuídos tardiamente, revelam-se bem aquém do necessário para fazer face aos défices de exploração", diz o TC, adiantando que a situação "deficitária" do Metro de Lisboa "não é alheia" ao facto de o serviço público prestado ter base "em preços de venda fixados administrativamente, não suficientemente compensados, para além de a actualização dos mesmos ter sido efectuada, até 2004, abaixo da taxa de inflação".

"Apatia do Estado"

O TC diz também que "é inexplicável a contínua apatia e delonga, por parte do Estado, em sanear" a situação económica do Metropolitano de Lisboa, "pese embora tal situação já tenha sido denunciada" em relatórios anteriores, "quer, ainda, em trabalhos efectuados pela Direcção Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais (actual IMTT)".

"Também lesivo" para o Metropolitano, diz o TC, tem sido a "atribuição de indemnizações compensatórias pelo Estado já perto do final dos exercícios económicos, com a consequência de obrigar o Metropolitano a antecipar o seu recebimento, através da contracção de empréstimos bancários, agravando, assim, os seus já pesados custos financeiros".

"Desajustamento da realidade"

O relatório menciona ainda o "desajustamento da realidade" do "modelo da repartição da receita" dos passes de viagem.

"Só em 2008, o Metropolitano, de acordo com os seus cálculos, deixou de arrecadar 12 milhões de euros devido ao modelo de repartição da receita dos passes intermodais e combinados ser, ainda hoje, efectuada com base em dados estatísticos resultantes de um inquérito datado de 1989 e, por consequência, fortemente desajustado da realidade", sustenta o TC.

JN

Um terço dos partos em 2008 foi feito por cesariana...

Um  terço dos partos em 2008 foi feito por cesariana

O número de cesarianas continua a crescer em Portugal, tendo representado 32,5 por cento do total de partos em 2008, segundo um relatório da Direcção-geral da Saúde (DGS). As autoridades querem reduzir a taxa para 20 por cento.

O aumento relativamente ao ano de 2007 é de apenas meio ponto percentual, mas em termos brutos significam mais 913 partos por cesariana.

O Plano Nacional de Saúde (PNS) 2004-2010 reconhece a importância da taxa de cesarianas como critério de qualidade e tem como meta a sua redução para 20 por cento até 2010.

Segundo o relatório da DGS concluído este mês, em 2008 houve 86 831 partos, mais 1454 do que no ano anterior.

Do total, pouco mais de metade foi parto considerado normal (sem recurso a quaisquer instrumentos auxiliares), 32,5 por cento foram cesarianas e 13,4 por cento representam partos com recurso a fórceps ou a ventosas.

O projecto "Pelo direito ao normal", apoiado por um vasto grupo de peritos, pretende promover o parto natural "sem qualquer intervenção, mas assistido por profissional de saúde".

Segundo o documento proposto por este grupo, e que está em análise na DGS, a indução do trabalho de parto pode vir a ser excluído do conceito de parto normal.

A indução do trabalho de parto (com recurso a medicamento ou rupturas de membranas), o uso de fórceps, ventosas ou anestesia geral ficam, segundo esta proposta, excluídos da classificação de parto normal, bem como o nascimento por cesariana.

A rotura artificial de membranas só poderá ser incluída caso seja realizada sem o intuito de induzir o trabalho de parto.

O documento, a que a agência Lusa teve acesso, recomenda ainda que se evite a utilização por "rotina" de clisteres, a raspagem dos pelos públicos, a aceleração do trabalho de parto e a restrição de alimentos e água, procedimentos comuns em maternidades portuguesas.

"É um projecto que se propõe construir um consenso sobre conceitos, princípios e práticas promotoras do parto normal, entre os grupos profissionais directamente envolvidos na assistência ao parto, utilizando uma metodologia que inclui a perspectiva do cidadão", refere o documento.

No documento, em que se revê todo o conceito e prática do parto normal, pretende alcançar-se um consenso e neste momento está a ser certificado pela Ordem do Médicos, Ordem dos Enfermeiros e Direcção-Geral da Saúde, segundo fonte ligada ao processo.

Do grupo de peritos que subscreve o documento, encontram-se o presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia, Luís Graça, o também ginecologista e presidente do conselho de administração da Maternidade Alfredo da Costa (ANA), Jorge Branco, e Ana Campos, directora do serviço de Obstetrícia da mesma maternidade.

JN

Polícia preocupada com segurança do Monstro de Loch Ness...

Muitas mães escocesas devem ter utilizado o ameaçador Monstro de Loch Ness como incentivo para forçar os filhos a comer a sopa ou arrumar os brinquedos. Quem é que não se lembra das histórias e imagens da curiosa criatura? O que não se sabia é que a existência do «Nessie» foi seriamente considerada pelas autoridades, que estavam preocupadas com a segurança do monstro, noticia a Sky News.

De acordo com um relatório, de 1930, agora divulgado pelo Arquivo Nacional da Escócia, a segurança da criatura era uma preocupação. O chefe da polícia de Inverness-shire referiu que era «duvidoso que a polícia tivesse poder para proteger» o Nessie.

No seguimento de várias publicações de fotografias, em 1933 foi pedido ao Instituto escocês que confirmasse a existência da serpente marinha no lago. Os ministros propuseram a colocação de «observadores de confiança» nas margens do lago, esperando alguma aparição.

Se a existência tivesse sido provada, o passo seguinte passaria por prender o Nessie sem o ferir, algo complicado tendo em conta a profundidade e tamanho do lago.

No entanto, o mito continuou até aos dias de hoje e qualquer eventual prova que tenha havido relativa ao caso foi arquivada.

TVi24

Secretário de Estado dá a conhecer medidas para combater desemprego...


O Governo vai disponibilizar 500 milhões de euros para combater o desemprego através da iniciativa "Emprego 2010". De acordo com o secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional, Valter Lemos, o objectivo é apoiar um total de 700 mil pessoas através das diversas medidas previstas no programa.
No auditório da Associação Industrial de Viseu, o governante explicou, durante uma sessão de apresentação do programa, que o objectivo é o de estimular a criação de emprego e promover a inserção profissional de desempregados, numa altura crítica, em que é necessário apoiar o crescimento económico que de forma ténue se tem vindo a registar nos primeiros meses deste ano.

17 medidas
As 17 medidas que integram o programa estão divididas em três eixos, nomeadamente, a promoção e o apoio à manutenção do emprego, a inserção de jovens no mercado de trabalho e a criação de emprego e o combate ao desemprego. Dos diversos instrumentos criados e adaptados a partir de programas já existentes, destacam-se o apoio à manutenção do emprego e redução da precariedade, o apoio à contratação de trabalhadores, o apoio à inserção profissional de jovens, o apoio à inserção profissional de públicos particularmente vulneráveis e os instrumentos de apoio à criação de empresas e do próprio emprego por desempregados.
Uma das grandes novidades do programa é a de contemplar também acções de formação para empresários, nomeadamente de pequenas e médias empresas, já que muitas das vezes estes não têm tempo e acesso a medidas deste género. Pretende-se criar nos empresários uma maior confiança na gestão das suas empresas, sublinhou Valter Lemos. "Normalmente, os gestores e empresários das grandes empresas têm outras possibilidade de participarem neste tipo de acções", finalizou.
A iniciativa é gerida pelo Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP) e pelo Instituto de Segurança Social (ISS), estando as medidas nela contempladas, à disposição das empresas, autarquias, instituições de solidariedade social e outras entidades empregadoras.

DV

Mais de 400 jovens dentistas emigraram para Inglaterra...

Há jovens licenciados em Medicina Dentária a ganhar à volta de 500 euros. Outros, pagos à percentagem, auferem menos ainda. A culpa é do excesso de licenciados, que os obriga, não raras vezes, a procurar o estrangeiro. Só em Inglaterra estão já mais de 400.

A denúncia partiu do recém- -formado Sindicato dos Médicos Dentistas (SMD), que alerta para a difícil integração de jovens licenciados no mercado de trabalho. Um risco para o qual a Ordem da classe (OMD) tem vindo a alertar há alguns anos, perante a multiplicação de cursos superiores. Portugal conta já com sete faculdades, em que se inscrevem anualmente perto meio milhar de estudantes.

"Existe uma enorme quantidade de médicos dentistas", admite António Roseiro, do SMD, que recusa, contudo, falar em excesso. "O que há em excesso é a falta de assistência", com um acesso aos cuidados orais ainda restrito para grande parte da população portuguesa. Por falta de cuidados orais no Serviço Nacional de Saúde - que o programa dos cheques-dentista só resolve em pequena parte.

Do seu lado, o bastonário da OMD prefere mesmo falar em excesso. Portugal tem dentistas a mais para um país com a acessibilidade a cuidados orais como o nosso. Diz Orlando Monteiro da Silva que ainda há a ideia errada de que a Medicina Dentária é como o resto da Medicina e tem boas saídas profissionais. "Não é de todo assim".

Resultado: alguns aceitam trabalhar com salários baixos, mas, sendo um "profissão independente, livre e autónoma, nenhum organismo pode interferir" no assunto. "Em 98% dos casos, são profissionais liberais que trabalham em consultórios próprios ou a recibo verde". Por que é que aceitam essas condições? "Porque têm medo de falr", diz António Roseiro. Daí resulta a falta de meios para uma formação contínua que é essencial na profissão, garante. Sobra a solução da emigração. "Só em Inglaterra, há três meses, estavam mais de 400 portugueses registados na respectiva Ordem", assegura o bastonário. E há mais noutros países.

JN

Murros e arremesso de ovos no Parlamento ucraniano...

O Parlamento da Ucrânia foi palco de uma acesa polémica, na terça-feira, por causa da aprovação de um acordo que autoriza a permanência de uma base russa no Mar Negro. A sessão foi marcada por calorosas discussões, troca de ferozes insultos, cenas de pancadaria e até granadas de fumo atiradas ao presidente da Assembleia, avança a agência France Press.

Os deputados aprovaram, com 236 votos favoráveis de um total de 450 representantes, o acordo que prevê a permanência da base russa na Crimeia, até 2042.

No entanto, esta aprovação não teve nada de pacífica. Os deputados engalfinharam-se e o presidente da câmara, Volodimir Litvin, foi impiedosamente atacado com ovos e granadas de fumo. Nos arredores do Parlamento, milhares de opositores clamaram «Morte aos traidores» e «Crimeia é nossa! Fora frota de Moscovo!».

As forças policiais tentaram impedir o avanço dos manifestantes e mantê-los afastados dos partidários do presidente Vicktor Yanukovich, reunidos atrás de uma faixa com a frase «Ucrânia e Rússia, aliados estratégicos».

Em Moscovo, o acordo foi também aprovado pela Duma, com 410 votos a favor.

TVi24


Morreu no passeio sem ajuda...

Um sem-abrigo, em Nova Iorque, morreu ensanguentado no passeio, depois de ter sido esfaqueado quando tentava ajudar uma mulher que estava a ser assaltada. A indiferença da sociedade foi filmada por uma câmara de vigilância.

A história de Hugo Alfredo Tale-Yax está a correr o Mundo, intitulando de herói este sem-abrigo, imigrante guatemalteco nos EUA.

Na manhã de domingo, Hugo Alfredo apercebeu-se que uma mulher estaria em apuros ao ser assaltada por um homem armado com uma faca e confrontou o atacante. O homem esfaqueou-o no peito várias vezes e fugiu deixando o sem-abrigo, que ainda tentou correr para o apanhar, no chão, mesmo em frente a uma câmara de vigilância.

A hora que se segue a este incidente mostra a indiferença da sociedade moderna. Pelo menos 20 pessoas passaram pelo corpo do homem, que esteve estendido no passeio mais de uma hora, revela o “New York Post”. Nem mesmo a mulher que Hugo Alfredo tentou ajudar o socorreu.

Por momentos, parece que alguém teve pena do sem-abrigo e se aproximou, mas foi apenas para tirar uma fotografia com o telemóvel.

Quando os bombeiros foram chamados, já nada havia a fazer. Por baixo do cadáver de Hugo Alfredo Tale-Yax estava uma poça de sangue. A polícia de Nova Iorque, que reconstruiu a história do assalto através de imagens de câmaras de vigilância, procura agora a mulher assaltada e o homem que terá esfaqueado o sem-abrigo até à morte, escreve o “Washington Post”.

JN


Maioria dos portugueses com excesso de peso julga ter o peso ideal...

Cerca de 60% da população com excesso de peso e um terço dos obesos consideram estar no peso ideal . "É a negação da situação, da realidade", diz a nutricionista Isabel do Carmo.

Apenas 15,5% das pessoas com excesso de peso e 28% dos obesos afirmam ter já feito dietas, indica uma análise realizada por uma consultora científica através de entrevistas telefónicas, em 2009, a uma amostra representativa de 1500 pessoas.

A endocrinologista Isabel do Carmo considera muito elevada a percentagem de pessoas que afirmam ter o peso ideal. "É a negação da situação, da realidade", comentou à Agência Lusa.

Em termos globais, o estudo, a que a Lusa teve acesso, estima que mais de 40 por cento dos portugueses tenham peso acima do normal.

Isabel do Carmo salienta, contudo, que o estudo foi realizado com base na altura e peso fornecidos pelos próprios inquiridos: "A tendência é para fornecerem mais altura e menos peso, é uma mentira inconsciente. Penso que são resultados menores do que a realidade".

"Mesmo com este desconto, o quadro é mau e é mais uma razão para as pessoas tomarem medidas e passarem da consciência aos actos. Tomarem medidas em termos de dieta e de exercício físico", aconselha a nutricionista.

Maior obesidade na zona Centro

Segundo o estudo, a região de Lisboa é a que tem maior percentagem de pessoas com excesso de peso (34,7%), mas os níveis mais elevados de obesidade estão na zona Centro, com uma prevalência de 13,7%.

No entanto, as cinco regiões apresentam prevalências semelhantes. Todas têm mais de 30% de população com excesso de peso e a obesidade situa-se entre os 8,3% e os 13,7%.

A diferença entre excesso de peso e obesidade é definida pelo índice de massa corporal (relação entre peso e altura).

Alguém com 1,65 metros e com 70 quilos terá um índice de massa corporal (IMC) de 26, considerando-se que tem excesso de peso. Uma pessoa com 1,70 metros e com 85 quilos é já considerada obesa (com IMC a partir de 30).

Saber comer

Os problemas de peso têm uma correspondência directa com os hábitos alimentares dos portugueses, como demonstra o estudo.

Quase metade dos inquiridos diz tomar um pequeno-almoço ligeiro, quando esta deveria ser a refeição mais importante do dia.

Já ao almoço, 20% consome uma refeição abundante e mais de 80% come de forma moderada ou abundante.

Ao jantar, apenas 30% opta por uma refeição ligeira, como é aconselhado pelos médicos, e há mais de 8% que come de forma abundante.

O estudo que é hoje, terça-feira, apresentado em Lisboa, alerta ainda que a população obesa e com excesso de peso sofre de vários problemas de saúde associados à sua condição física: 37,5% dos obesos tem hipertensão e 16,1% sofre de diabetes.

JN

Stress causa maioria das faltas por doença profissional...

Stress causa maioria das faltas por doença profissional

O stress está na origem de mais de metade do total de dias de trabalho perdidos por motivo de doença relacionada com a profissão, representando um elevado custo em termos de sofrimento humano e em termos económicos, alerta a OIT.

Segundo um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), preparado para assinalar o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, que se comemora a 28 de Abril, o stress foi considerado a segunda causa mais frequente dos problemas de saúde relacionados com o trabalho, tendo atingindo 22 por cento dos trabalhadores da União Europeia em 2005.

A OIT refere estudos realizados em países europeus e noutros países desenvolvidos que revelam que o stress está na origem de 50 a 60 por cento do total de dias de trabalho perdidos.

"Tudo isso representa um custo que pode ser considerável do ponto de vista do sofrimento humano e do peso económico que este [o stress] representa para o indivíduo e para sociedade", diz o relatório a que a agência Lusa teve acesso.

De acordo com o documento, a longo prazo o stress relacionado com o trabalho pode originar lesões músculo-esqueléticas, hipertensão, úlceras digestivas e doenças cardiovasculares.

Pode ainda contribuir para uma incapacidade de fazer face às exigências do trabalho e pode ser um factor de depressão ou até de suicídio.

Segundo a OIT, os factores psicossociais são já reconhecidos como sendo problemas de dimensão mundial que afectam todos os países, todas as profissões e todos os trabalhadores.

O aumento da flexibilidade e da precariedade do emprego, a intensificação dos ritmos de trabalho e os problemas relacionais no meio laboral são alguns dos factores que estão na origem do aumento do stress relacionado com o trabalho .

Para pôr cobro à situação a OIT defende a necessidade de procurar melhorar as medidas de prevenção e dos processos de diagnóstico para as doenças profissionais e para os sistemas nacionais de vigilância da saúde dos trabalhadores.

Defende, em particular, a necessidade de introduzir medidas de prevenção específicas com vista à redução das potenciais consequências do stress relacionado com o trabalho.

Este ano a OIT decidiu dedicar o relatório do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho aos "Riscos emergentes e novas formas de prevenção num mundo de trabalho em mudança".

Segundo a OIT os novos riscos profissionais e os riscos emergentes podem ser causados por inovações técnicas ou por mudanças sociais ou organizacionais como as novas tecnologias e os novos processos de produção.

A Organização lembra que as novas tecnologias se utilizam no mundo inteiro, e com uma frequência cada vez maior, assim como processos de fabrico modernos que recorrem às nanotecnologias e às biotecnologias.

As previsões apontam para que até 2020 cerca de 20 por cento de todos os produtor fabricados no mundo usarão as nanotecnologias, que actualmente são usadas em área como a saúde.

DN

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Primeira pagina - 28 - 04 - 2010

Aconteceu no Celta-Villarreal: dois colegas aos empurrões...

O jogo entre o Celta de Vigo e o Villarreal B foi palco de um momento inusitado. Yoel, guarda-redes dos galegos, não gostou de um falhanço do colega Roberto Trashorras e fez questão de demonstrá-lo a todo o mundo. A jogada acabou com um golo para o Villarreal e Yoel perdeu a cabeça.

Correu metade do relvado e deu uns valentes empurrões ao desesperado Trashorras, avançado da equipa.

Pode ver no vídeo seguinte este instante caricato no segundo escalão espanhol.

TVi24



Ladrões assaltam cadeia para roubar... reclusos...

Já nem na prisão se pode estar sossegado. Em Amesterdão, o local preferido dos ladrões para a realização das actividades criminosas é exactamente a prisão, avança a Sky News.

Em menos de dois meses já se registaram dois assaltos. Os prisioneiros têm direito a uma folga semanal e é nessa altura que os ladrões aproveitaram para lhes roubar as televisões, entre outras coisas.

De acordo com o Ministério da Justiça da Holanda, a cadeia não apresenta grandes níveis de segurança, por se tratar de um espaço que visa a aproximação do recluso com a sociedade.

Tão próximos ficaram da sociedade que nem da experiência de serem roubados os querem privar.

TVi24

Maioria esmagadora vota a favor da independência...

Maioria esmagadora vota a favor da independência

A maioria esmagadora dos catalães (92,16 por cento) votou domingo a favor da independência da Catalunha, numa consulta popular simbólica marcada pela diminuição da participação, quando comparado com anteriores referendos, notícia hoje a imprensa catalã e espanhola.

Mais de 92 por cento à favor e 5,34 por cento contra: este foi o resultado do terceiro referendo simbólico sobre a independência da Catalunha, realizada em 221 municípios da região separatista e organizado por associações civis pró-independência.

Estes números são avançados por responsáveis do referendo e pela imprensa catalã e espanhola quando já foram escrutinados 90 dos municípios.

Dos mais de 1,3 milhões de catalães que no domingo foram chamados às urnas, apenas 265 600 cidadãos votaram no referendo, segundo números da coordenadora nacional.

Na última consulta popular realizada sobre a matéria, em Fevereiro deste ano, a participação situou-se nos 21 por cento, enquanto que em Dezembro do ano passado, esta chegou quase aos 30 por cento, destaca a imprensa catalã e espanhola.

"É a favor de que a Catalunha seja um Estado soberano, democrático e social, integrado na União Europeia?" foi a pergunta que os catalães consultados foram convidados a responder no domingo.

A consulta popular foi realizada dez dias após o Tribunal Constitucional ter adiado novamente uma decisão sobre a validade do novo estatuto catalão, que em 2006 deu maior autonomia para a região, em que é elevada à categoria de "nação".

Os separatistas e nacionalistas catalãs e, em menor medida, os socialistas catalães (que governam a região com o apoio dos separatistas da esquerda), opõem-se a qualquer veto do Tribunal Constitucional ou alteração do estatuto.

Artur Mas, o presidente do partido nacionalista de centro-direita catalão Convergência i Unio (CiU), advertiu mais uma vez no sábado de que seria "anormal" que um tribunal "dividido e mediatizado" decidisse contra a vontade expressa da maioria dos catalães.

O partido de Mas é considerado favorito nas sondagens para as próximas eleições regionais em Novembro de 2010.

O porta-voz do referendo, Uriel Bertran, lembrou que, ao somar os resultados das três voltas de consulta, os votos favoráveis à independência da Catalunha atingem os 500 mil, um resultado que faz com que a organização "já não tenha medo" de realizar uma nova consulta popular em Barcelona, prevista para abril de 2011.

DN

Assassinado à facada em festa de aniversário....

Acabou em tragédia um desentendimento entre amigos ocorrido durante uma festa de aniversário, ontem de madrugada, domingo, em Vila Praia de Âncora, Caminha. David, de 24 anos, sucumbiu devido a grave ferimento causado por objecto cortante. A PJ investiga.

Pouco passava das 3.30 horas de domingo quando uma altercação entre amigos tomou conta da festa de aniversário que decorria em apartamento situado na Rua Dr. Mesquita da Silva, no coração de Vila Praia de Âncora.

Segundo amigos da vítima, na origem do diferendo terá estado o desaparecimento de um telemóvel, propriedade da namorada de um dos residentes no imóvel, pessoa essa que terá acusado David. Gerou-se, então, uma violenta discussão, que em pouco tempo passou a agressão física, tendo os envolvidos no conflito transitado do interior do apartamento para as escadas do prédio. Terá sido aí que David foi gravemente ferido, com um objecto cortante, supostamente, uma faca de cozinha, vindo a desfalecer.

"Mal saí do apartamento para as escadas fui atingido com um gás no rosto que não me deixou ver nada. Andei pelas escadas durante alguns minutos sem saber para onde ia. Os meus olhos ardiam imenso. Só quando cheguei à rua é que comecei a recuperar a visão", conta um amigo de David, dando conta que viu, então, o jovem desfalecido no chão. "A princípio, pensei que tivesse ficado tonto com o gás e caído, mas depois é que vi que a sua roupa estava toda ensanguentada".

Segundo Eldon Vaz, primo da vítima, David queixava-se de fortes dores no peito e pedia que o levassem para o hospital. "Ainda ligámos para as emergências, mas como a ambulância tardava em chegar, colocámos o David no carro e seguimos para Viana. Ele pediu várias vezes que o levássemos logo para o hospital", conta.

No caminho, um dos pneus do carro furou, obrigando os jovens a imobilizar a viatura, já em Carreço, Viana do Castelo. Uma equipa do INEM acorreu, então, àquela localidade, vindo a encontrar David "com uma pulsação muito fraca", contam os amigos. Daria entrada nas Urgências do hospital vianense em estado crítico. Dez minutos volvidos, a unidade de saúde comunicava aos amigos do jovem o seu falecimento.

Profundamente emocionado, Daniel Carvalho, pai do jovem, não encontra explicações para o sucedido: "O meu filho era uma pessoa sensacional. Muito calmo e amigo. Não há palavras para esta tragédia".

À hora de fecho desta edição, a Polícia Judiciária interrogava alguns dos indivíduos que se encontravam na festa, entre os quais uma rapariga. Ao que o JN conseguiu apurar, a PJ não havia, ainda, procedido a qualquer detenção.

Em Âncora, o vidro da porta do prédio completamente estilhaçado e uma extensa mancha de sangue no pavimento davam conta da tragédia. Mas ali, o JN não viria a encontrar alguém que pudesse contar o que aconteceu.

JN

Jovem suicida-se após rejeição em 200 empregos...

Jovem suicida-se após rejeição em 200 empregos

Família quer criar fundação para ajudar a lidar com o mercado de trabalho

Vicky Harrison estudou som e imagem e tinha o sonho de ser produtora de televisão. Inicialmente foi sobre essa área que incidiu a sua procura de emprego. À medida que o tempo foi passando alargou o âmbito da pesquisa, até ser candidata a empregada de balcão, de mesa, repositora em cadeias de supermercados. Mas a reposta foi sempre negativa. Duzentas recusas e dois anos depois, a jovem britânica, de 21 anos, pegou em várias caixas de comprimidos e suicidou-se por overdose.

A tragédia aconteceu há um mês mas só agora a família parece ter encontrado coragem para tornar o caso público nos media. Os pais e o namorado, a quem deixou bilhetes de despedida, pretendem criar uma fundação que ajude os jovens a lidar com as dificuldades do mercado de trabalho. Numa altura em que as eleições legislativas britânicas estão à porta e o desemprego atinge dois milhões e meio de jovens no Reino Unido, os críticos do Labour, no poder, acusam as suas políticas de estarem a "criar uma geração perdida". Os mais radicais culpam a abertura que existe face aos imigrantes, que fazem o mesmo trabalho que os cidadãos britânicos, mas por salários relativamente mais baixos.

"A Vicky era uma rapariga brilhante e inteligente que entrou em depressão por não conseguir encontrar trabalho. Estar no desemprego durante tanto tempo, parecia-lhe demasiado humilhante", disse a mãe, Louise, de 43 anos, citada pelos media britânicos. "Teve tantas recusas que a sua confiança ficou afectada. Ela sentia que não tinha futuro", afirmou o pai, Tony, de 53 anos, ao jornal local Lancashire Telegraph.

Vicky Harrison cresceu em Darwen, Lancashire, tendo-se formado com boas notas pela Faculdade de Runshaw, em Leyland, integrando depois a universidade londrina de South Bank. Não chegou a completar o curso, porque não estava a gostar muito dele. Foi então que iniciou a difícil missão de entrar no mercado de trabalho. A 30 de Março, recebeu a última recusa de um infantário. No dia seguinte o pai encontrou-a estendida na sala de estar. "Eu já não quero ser mais eu. Não fiquem tristes, a culpa não é vossa, só quero que sejam felizes", escreveu a jovem no seu epitáfio.

A família criou agora um memorial na Internet: http://vicky-harrison.gonetoosoon.org contém alguns dados e algumas fotografias de Vicky, permite deixar mensagens de apoio, escrever tributos, acender velas e oferecer presentes virtuais.

DN

Liberdade deve ser valorizada...


“É urgente melhorar a qualidade da democracia”, defendeu ontem Francisco Sarsfield Cabral na comemoração do 36.º aniversário da Revolução dos Cravos, data que se assinalou na sede da Junta de Freguesia de Ranhados, em Viseu.

Na sua opinião, os portugueses devem ser “mais independentes como sociedade civil” e não se devem “encostar” ao Estado. “Nós não gostamos do Estado, porque pagamos impostos, mas depois quando há algum problema, recorremos ao Estado”, afirmou durante a sua intervenção.
Sarsfield Cabral disse que “devemos valorizar a liberdade que temos”, mesmo considerando que houve “desilusão depois da revolução liberal”, pois mudaram-se muitas leis “de uma forma radical”. “Confiamos demais na mudança das leis. Somos um país que acredita que a mudança das leis resolve tudo, depois, se se cumprem ou não, não interessa”, acrescentou.

O jornalista lembrou que viveu 35 anos debaixo da censura do Estado Novo e, após a revolução do 25 de Abril, o sentimento que ficou foi de “desilusão”: “Houve esperanças que não foram cumpridas, houve mudanças e uma certa decepção”.

A regularização das contas públicas só foi conseguida à custa da ditadura, quando Salazar entrou para o Governo, “e ele conseguiu uma coisa que não conseguimos na democracia”.
Sarsfield Cabral acredita que esta não é a mais grave crise portuguesa, mas sublinha que é preciso “mudar o perfil exportador” para “pôr as contas públicas em ordem em democracia”.
“Infelizmente, o desemprego não vai baixar tão cedo. Estão a fechar muitas fábricas e a abrir poucas e a maior parte das que abrem têm pouca mão-de-obra, porque utilizam cada vez mais tecnologia”, lamentou, referindo que a “fraca qualificação dos portugueses é outro obstáculo”.
Na cerimónia, que pretendeu assinalar o dia da conquista da liberdade, estiveram representadas várias entidades e discursaram os representantes dos partidos políticos com assento na Assembleia Municipal, assim como o presidente deste órgão, Almeida Henriques, e o presidente da Junta de Ranhados, António Mateus

DV

Exploradores crêem ter encontrado Arca de Noé...

Um grupo de investigadores de Hong Kong e da Turquia descobriu, no monte Ararat, na Turquia, amostras de madeira com 4800 anos que, segundo julgam, poderão pertencer à Arca de Noé.

foto Welcomearmenia.com
Exploradores crêem  ter encontrado Arca de Noé
Ararat visto a Arménia

A equipa, formada por seis investigadores de Hong Kong e outros nove da Turquia e que conta com o apoio do Governo turco, revelou domingo que descobriu, em Outubro de 2009, durante as escavações no monte Ararat, um pedaço de madeira com 38 milímetros que terá cerca de 4800 anos, segundo os resultados das análises realizadas.

De acordo com Yeung Wing-Cheung, um dos investigadores, a idade da amostra de madeira coincide com a data de construção da Arca de Noé apontada pela Bíblia.

Apesar de haver fortes indícios de que as amostras encontradas - de madeira a restos de cordas que se julgam ter servido para prender os animais - pertençam à Arca de Noé, os investigadores não confirmam, para já, esta tese, até porque, sublinha Yeung, "nunca ninguém viu a arca".

foto www.noahsarksearch.com
Exploradores crêem  ter encontrado Arca de Noé
Perfil do Ararat

"Porém, as amostras coincidem com os relatos históricos", acrescentou.

O investigador alemão Gerrit Aalten, que também integrou a expedição ao Monte Ararat, considera que "há uma grande quantidade de evidências sólidas de que a estrutura encontrada é a lendária Arca de Noé".

O geólogo turco Ahmet Ozbeck observa que a baixa temperatura e as condições ambientais dos depósitos de glaciar e do material vulcânico ajudaram a preservar a estrutura de madeira encontrada a quatro mil metros acima do nível do mar.

A equipa de investigadores de Hong Kong e da Turquia não quis avançar com detalhes sobre o local da descoberta, alegando estar a aguardar que o Governo turco crie ali uma área de preservação para a continuação das escavações.

foto www.noahsarksearch.com
Exploradores crêem  ter encontrado Arca de Noé
Locais de exploração arqueológica no Ararat

O monte Ararat tem sido alvo de várias investigações sobre a eventual existência da Arca de Noé, sobre a qual não existe, até ao momento, qualquer certeza científica.

Em 2006, uma expedição arqueológica liderada por cristãos norte-americanos alegou ter encontrado uma formação rochosa nas montanhas do Irão que teria semelhanças com a arca, uma tese refutada por vários especialistas que levantaram dúvidas sobre a possibilidade de a estrutura ter sobrevivido milhares de anos.

Outros especialistas apontaram mesmo ser impossível um barco naufragar a uma altitude superior a 3000 metros.

A lenda da Arca de Noé, comum ao cristianismo, judaísmo e islamismo, conta que Deus decidiu criar um dilúvio para destruir o mundo por causa da perversidade humana, tendo, antes disso, dito a Noé, um dos seus seguidores, para construir uma arca e salvar um par de cada espécie animal.

JN