So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 18 de abril de 2009

Forcada a Casar ..........

A menina de 11 anos, de etnia cigana, que foi forçada a casar com um rapaz de 18 anos, terá sido raptada pelo tio paterno. A rapariga já regressou a casa dos pais adoptivos, mas apresenta sinais de trauma psicológico.


Entregue à família pela Polícia Judiciária na passada quinta-feira, a menina apresenta sinais que preocupam os pais adoptivos, também eles de etnia cigana, a residirem na freguesia de Sanguedo, Santa Maria da Feira. "Ela acorda de noite aos gritos e a chamar por nomes Urbina Monteiro e Tiago Robalo.


Dizem que a menina "não anda bem" e tem "pesadelos" e que apresenta também alguns "queixumes" físicos por causa da experiência a que foi submetida. Sinais que não estão a ter acampanhamento especializado.


Indignados com os acontecimentos, os pais que a acolheram com um ano e meio de idade, em circunstâncias que não esclareceram, convergem agora a sua revolta contra o irmão do pai adoptivo, a quem acusam de ser o responsável pelo rapto. Ele, a mulher, o filho e um quarto elemento estão em prisão preventiva, acusados do crime de rapto e outros crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual.


Maria Urbina Monteiro conta que o cunhado e a esposa foram a casa fazer uma visita, na tarde do passado domingo. "A minha cunhada pediu-me para levar a menina ao café para irem comprar cigarros e o meu cunhado ficou na rua". "Vim cozinhar e quando dei conta já tinham ido embora com a criança", contou Maria Urbina Monteiro.


Só mais tarde, por intermédio de outros familiares, acabaria por confirmar que a adolescente se encontrava com o casal e que fora sujeita a um casamento forçado, com o filho dos raptores. "Quando soubemos que a tinham casado o meu marido desmaiou duas vezes", recorda. O pai adoptivo, Tiago Robalo, afirma que não foi no encalço da filha por se encontrar com pulseira electrónica e por isso impedido de se ausentar do local. A opção foi relatar o caso às autoridades.


Maria Urbina Monteiro refere que a criança foi submetida a um ritual cigano de confirmação de virgindade antes do casamento, que lhe está a provocar algum desconforto físico e psicológico, mas que não terá sido abusada sexualmente. "O rapaz esteve deitado com a menina depois do casamento, mas não abusou dela", garante também o pai, que afirma nada ter contra o rapaz. "Ele portou-se muito bem e se o vir dou-lhe um abraço". "A culpa foi do meu irmão que o meteu nesta confusão", diz.


Afirma, ainda, que o jovem de 18 anos conviveu com a menina em Oliveira de Azeméis, concelho onde os raptores e família adoptiva viveram no mesmo acampamento, durante vários anos. "Ele levou-a muitas vezes à escola e sempre se portou bem", garantem. "Queremos que seja feita justiça é com o pai dele. Não lhe perdoamos", dizem.


"A nossa filha tem que estudar e um dia vai casar com quem gostar". "Não concordamos que seja obrigada a casar tão nova e com quem não quer", garante o casal.


"Isto nada tem a ver com as tradições ciganas"


É a primeira vez que acontece o rapto de uma criança de etnia cigana para a forçar a casar. Quem o garante é o presidente da União Romani, Vítor Marques, assegurando ainda que o que se passou com a menina de Santa Maria da Feira "nada tem a ver com as tradições do casamento cigano". Helena Torres, do Gabinete de Apoio às Comunidades Ciganas do Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, confirma, considerando que se trata de um "caso de polícia". "Aliás, é a primeira vez que nos damos conta de um caso de uma criança cigana numa família de acolhimento. Ainda mais sendo esta família a fazer a denúncia à PJ, preferindo não tratar a questão dentro da lei da comunidade", aponta Vítor Marques. O presidente da União Romani garante ainda que já é pouco habitual na comunidade haverem casamentos com menores de 17 anos. "Sabemos que muitas miúdas ainda casam prematuramente. Mas já começa a não ser tão cedo", anui Helena Torres. "Começa a haver uma certa consciencialização sobre a maturidade das crianças", justifica Vítor Marques, os contornos do casamento cigano, que começa com o pai do jovem a pedir ao pai da rapariga a sua mão em casamento. Faz-se então uma festa de "pedido de casamento". Normalmente, o casamento só ocorre um ano depois. Até lá, os noivos não se podem ver. Muitas vezes, porém, acontece "fuga", em que os noivos fogem para casar mais cedo ou um deles foge para casar com outra pessoa. A festa do casamento, que começa com a recepção dos convidados, dura normalmente três dias e é suportada por uma colheita feita entre os convidados. A cerimónia ocorre no segundo dia, à meia-noite, após confirmação de que "o casamento não mancha a honra e a dignidade das famílias". Nessa altura, os noivos são vestidos e colocados perante os padrinhos. "Atiram-se amêndoas e flores", revela Vítor Marques. Só no final da festa é que os noivos podem ter contacto entre si.


Mais de metade...............

São do Porto, sobretudo do comércio e indústria, criadas há menos de dez anos, que empregam até cinco trabalhadores e vendem menos do que 500 mil euros/ano. É este o retrato das empresas que mais abriram insolvência no primeiro trimestre.


Portugal não é uniforme, no que toca à crise. Das 957 empresas falidas entre Janeiro e Março deste ano, mais de metade (529) está na faixa litoral Norte do país, nos distritos do Porto, Braga e Aveiro. O Porto é, de longe, o local onde mais empresas fecharam portas, quase um terço do total. A completar os quatro distritos que se distinguem entre os "mais falidos" está Lisboa.


Eram sobretudo empresas muito pequenas, sociedades por quotas cujos sócios empregavam não mais do que cinco trabalhadores (neste período, só fecharam 51 empresas com mais do que meia centena de pessoas). Este tipo de empresas forma a estrutura base da economia portuguesa e está a receber o maior impacto da recessão instalada no mundo.


Os dados da consultora Dun & Bradstreet não especificam as actividades mais afectadas, mas deixam claro que o comércio (somando o grossista ao de retalho) e a indústria são as mais expostas às falências - ambas respondem por mais de metade das insolvências declaradas no início do ano.


Logo a seguir vem a construção civil, que desde 2002 tem visto muito negócio simplesmente a desaparecer, em grande medida porque já não se vendem (nem constroem) tantas casas quanto durante os anos 90, tal como tem alertado insistentemente o presidente da federação dos construtores, Reis Campos. E que também tem reflexos nos encerramentos de empresas do ramo imobiliário: 17 este ano, face a apenas duas no ano passado.


Empresas familiares atingidas


As mais afectadas pela crise são, assim, as empresas mais pequenas, muitas vezes onde trabalha toda uma família e que sobrevivem vendendo para poucos clientes, acrescentou António Marques, presidente da Associação Industrial do Minho (AIMinho). Quando um desses clientes - como, por exemplo, a Qimonda ou a Autoeuropa, que reduzem ou fecham a produção - corta nas encomendas, as empresas mais pequenas ficam sem suporte e, muitas vezes, acabam por não resistir e fechar as portas, disse.


Além disso, em tempos de crise como o actual as empresas maiores cortam nos serviços prestados em "out-sourcing", o que também ajuda a acabar com o negócio das empresas mais pequenas, acrescentou António Marques.


Mas esta é, também, a razão pela qual, diz, o desemprego não está a disparar: "Podem ser muitas empresas, mas empregam poucas pessoas". Por isso, em termos de trabalho, causa mais prejuízo o fecho de uma grande do que de muitas pequenas, explicou.


Apesar de tudo, a situação das empresas e dos trabalhadores "vai ficar pior antes de ficar melhor". A avaliar pelas carteiras de encomendas no têxtil, por exemplo, pelo menos até Setembro António Marques espera encontrar números mais negros do que os agora revelados.


sexta-feira, 17 de abril de 2009

Um grande ponto de referencia em Viseu.

O Palácio do Gelo abriu há um ano e por aquele espaço já passaram mais de 7 milhões e meio de pessoas. Até Maio este empreendimento recebe várias actividades, entre elas o espectáculo "ABBAcadabra" que vai animar este sábado a Pista de Gelo


Situada no último piso do Palácio do Gelo Shopping, a Pista de Gelo, prepara-se para acolher no próximo sábado, pelas 21h 30m, um espectáculo musical inédito em Portugal, promovido por um conjunto de bailarinas - Dancing Queens.
Esta é uma das iniciativas que este shopping tem programadas até Maio e que visam assinalar o seu primeiro aniversário.
"Até 16 de Maio, altura em que o Palácio receberá um grande evento, são muitas as acções que vão passar por este espaço", anunciou José Arimateia, relações públicas do Grupo Visabeira, ao qual pertence o empreendimento. Uma dessas acções decorre a partir do dia 20 com uma exposição sobre Zeca Afonso, uma actividade que envolve também alunos das escolas Alves Martins, Infante D. Henrique e Jean Piaget que vão dar a conhecer os trabalhos que realizaram sobre o cantor português.


ABBAcadabra


Já durante o espectáculo de sábado haverá oportunidade para ser formalmente entregue o disco de ouro referente ao projecto "ABBAcadabra".
Depois de ter invadido a tabelas de vendas em Portugal, onde atingiu o pódio e conquistou a marca de disco de ouro, o projecto "ABBAcadabra" corporiza-se nas "Dancing Queens", duas bailarinas portuguesas que prometem levar revivalismo e ao mesmo tempo modernidade às pistas de dança do nosso país.
"ABBAcadabra" consiste num projecto de dança idealizado por alguns dos melhores DJ's do Reino Unido que deram às músicas dos AbBa uma roupagem moderna e actual, capaz de esbater o conflito de gerações e agradar a todas as idades.
As "Dancing Queens" são a face mais visível de um espectáculo inovador que cruza música, dança, multimédia e novas tecnologias com a presença de um VJ (video-DJ).


Sete milhões e meio
de pessoas


A partilha com o público viseense de projectos e actividades é um dos objectivos da direcção do Palácio do Gelo, conforme explicou José Arimateia.
Num ano de existência, o grupo faz um balanço positivo, lembrando que por aquele espaço já passaram mais de 7 milhões e meio de pessoas, números que estavam dentro das expectativas aquando do arranque deste projecto.
"Temos tido a preocupação de dar ao nosso público animações e actividades diversas, algumas delas inovadoras como o foram as semanas regionais ou as parcerias lançadas com instituições de Viseu como foi o caso do Conservatório", sublinhou o relações públicas. "Queremos continuar junto da comunidade a acolher projectos interessantes", concluiu José Arimateia.

Nos nao pagamos................

Na reunião do executivo, o presidente afirmou que a Câmara vai seguir a orientação da Associação Nacional de Municípios para o não pagamento da Taxa dos Recursos Hídricos. Fernando Ruas adiantou, ainda, que o projecto das obras de Repeses, de alargamento da estrada, também já está pronto.


A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) aconselhou os municípios a impugnarem o pagamento da Taxa dos Recurso Hídricos, a não ser que seja exigido por via judicial. A proposta foi levada à reunião do executivo viseense e foi aprovada com dois votos de abstenção, por parte dos vereadores socialistas.
"A orientação é para que nós não paguemos a taxa a não ser que nos seja exigido via judicial, portanto não pagamos porque ela vai repercutir-se na factura dos cidadãos", explicou o presidente da Câmara de Viseu e, simultaneamente, presidente da ANMP, Fernando Ruas.
O vereador socialista, Miguel Ginestal adiantou que votaram "a favor no regulamento da manutenção do saneamento e do apoio a famílias carenciadas mas, no que diz respeito ao regulamento das tarifas de água os vereadores abstiveram-se, por uma questão de coerência".
"Somos contra a tarifa de disponibilidade, sempre fomos, porque não têm de ser os viseenses a pagar uma taxa que foi abolida, a do aluguer do saneamento que a autarquia substituiu pela taxa de disponibilidade e, como tal, os nossos votos foram de abstenção", explica Miguel Ginestal.
Um argumento que o autarca não aceita, porque, segundo explicou aos jornalistas, "é precisamente o contrário". "Nós, ao não pagar a Taxa dos Recursos Hídricos, estamos a poupar o cidadão, porque esta taxa irá ser reflectida na factura dos viseenses. Nós não pagamos para o cidadão não pagar e achei que as pessoas se iriam associar com facilidade, mas afinal não. Não percebi o sentido do voto dos dois vereadores", salienta .
Enquanto presidente da ANMP, Fernando Ruas já tinha dito que "esta taxa parece inoportuna e vem ao arrepio do que tem sido feito a nível dos municípios e nacional, perante a crise mundial que se está a atravessar". "Esperamos que o bom-senso impere", declarou.


Alargamento da estrada em Repeses com
projecto pronto


Durante a reunião, o edil anunciou ainda que o projecto das obras de alargamento da estrada, em Repeses, entre a Rotunda onde se situa o stand de motas da Hondavis e o restaurante O Lavrador, junto aos semáforos, "está pronto". "Só não arrancam as obras de imediato, para darmos algum espaço de descanso aos moradores de Repeses, depois deste tempo todo em obras, que terminaram agora e para a Câmara poder armar-se financeiramente. Mas o projecto está pronto", garantiu Fernando Ruas.
Segundo o edil, "ao entrar em Repeses parece que se está na cidade e para que fiquem quatro vias, entre o IP3 e o centro da cidade, só falta mesmo aquele pequeno troço". "É, certamente o mais pequeno, mas, também, o mais custoso, uma vez que haverá casas que terão de ser demolidas", aponta.l


Vai ser inaugurada oficilamente...........

A Pousada de Viseu, aberta ao público há cerca de dois meses, tem registado "taxas de ocupação médias de 50 por cento", disparando os números aos fins-de-semana, "com ocupações superiores a 85 por cento".


De acordo com a directora de Marketing do Grupo Pestana, Patrícia Reimão, a Pousada de Viseu "tem tido bons níveis de ocupação, para além de ter suscitado a curiosidade de muitos viseenses".


"A aceitação tem sido muito boa, estando a correr como esperávamos. Como se trata de uma pousada com um conceito diferente, acaba por atrair muita gente", acrescentou.
A Pousada de Viseu, do Grupo Pestana, abriu no dia 19 de Fevereiro, resultando da reconstrução do antigo hospital da cidade, um edifício do século XIX. Hoje, realiza-se a cerimónia de inauguração oficial e será presidida pelo primeiro-ministro, José Sócrates.


Patrícia Reimão explicou que a Pousada de Viseu "é muito procurada e frequentada por famílias". "Temos quartos que comunicam entre si, através de portas interiores, o ideal para famílias, daí que sejam muito requisitados", justificou.
A directora de Marketing destaca, também, o facto de a Pousada de Viseu ser frequentada "por um público fiel à marca".


"As pessoas já conhecem outras pousadas e vêm ver como é a de Viseu. O facto de ter SPA e piscina interior, acaba por chamar a atenção", sublinhou.
Patrícia Reimão realçou, também, que se tem verificado "uma grande curiosidade por parte da população de Viseu".


Os viseenses "frequentam a pousada, tanto para beber um café, almoçar ou jantar". O facto de estar instalada no centro da cidade" é uma mais valia. Mais central seria impossível!".
A Pousada de Viseu, que representa um investimento de 15 milhões de euros, tem 84 quartos, sendo 20 suites, é a única do grupo com SPA e piscina interior e tem, também, piscina exterior, ginásio e dois restaurantes, um com portas para o exterior. O claustro central do edifício foi coberto, dando origem a uma sala para eventos com capacidade para cerca de 500 pessoas. O majestoso edifício - que abriu como hospital em 1842 - tem, no cimo, três estátuas, com o nome de Fé, Esperança e Caridade.


Foi cedido, durante 30 anos, pela Santa Casa da Misericórdia de Viseu ao Grupo Pestana, em 2005, numa altura em que já estava desactivado há sete anos. As obras de reconversão do antigo hospital iniciaram-se em Março de 2007, tendo sido o projecto assinado pelo arquitecto Gonçalo Byrne.


"Esquecido" em .......


Um bebé de dois meses ficou durante uma tarde "esquecido" numa farmácia em Mangualde. A mãe foi lá com ele, pediu a uma farmacêutica para ficar um bocadinho com a criança que já voltava, mas acabou por aparecer apenas duas horas depois.


O caos instalou-se quando os farmacêuticos pensaram que o bebé tinha sido abandonado, acabando por chamar a GNR
A mulher chegou ao estabelecimento por volta das 14h40m. Pediu para lhe receitarem umas gotas para as cólicas do filho que estava a chorar intensamente. Uma das funcionárias acabou por pegar na criança para a tentar acalmar. Foi nessa altura que a mãe pediu se o menino podia ficar ali um bocadinho, que ela já voltava.


A progenitora tinha entrado na farmácia com uma amiga, que entretanto já tinha saído.
Duas horas depois de ter deixado o bebé, a mãe ainda não tinha voltado à farmácia. A criança estava muito agitada e foi necessário os funcionários prepararem leite quente para a acalmar.
Como a mãe nunca mais chegava, a hipótese do menino ter sido abandonado começou a ganhar consistência. "Achámos isto tudo muito estranho", contou um dos funcionários A mesma fonte disse, ainda, que após terem conseguido o contacto da mãe, tentaram ligar "para aí umas dez vezes, mas o telemóvel estava desligado". Foi então que decidiram chamar a GNR.
"Ela acabou por aparecer porque alguém conseguiu falar com ela e dizer-lhe que as autoridades tinham sido alertadas e que estariam à procura dela", avançou um dos populares.
A GNR já estava no local há cerca de 40 minutos quando a progenitora chegou. Sem dar explicações plausíveis, disse apenas que se demorou mais do que o previsto.


Perante o alerta feito para a GNR, as autoridades avisaram de imediato os serviços sociais. A mãe acabou por ser acompanhada por uma assistente social e uma psicóloga. As técnicas escusaram-se a fazer qualquer comentário, adiantando apenas que o bebé "se encontrava bem".
A demora de quase três horas por parte da mãe para ir buscar o filho, sem ter sido dada uma explicação válida, é vista como "muito estranha" pelas pessoas que ali estavam a assistir aos acontecimentos. "Se ela não o queria abandonar, houve pelo menos negligência", frisou uma das populares.
Apesar de todo o alarido provocado pelo “abandono” do bebé na farmácia, a situação não resultou em acção criminosa.


"Recebemos uma chamada a dar conta de uma situação que indicava tratar-se do abandono de um bebé. Perante este indício, alertamos os serviços sociais. A mãe acabou por aparecer na farmácia", disse o comandante da GNR de Mangualde, justificando que, desta forma, não há a prática de nenhum crime.


Ele alerta......

Um responsável do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras lançou esta quinta-feira um alerta relativo ao aumento das pressões da imigração ilegal e das redes mafiosas, aquando do lançamento das grandes obras públicas.


O alerta foi lançado durante o I Seminário de Segurança Interna, que decorreu em Torres Vedras e foi organizado pela revista Segurança e Defesa, numa iniciativa que abordou a criminalidade e os resultados do Relatório de Segurança Interna de 2008.


O responsável do SEF para o Algarve, inspector superior José Van der Keller, falava no painel a "Transnacionalidade do Crime", moderado por Figueiredo Lopes, e foi nesse âmbito que chamou à colação a ameaça que paira sobre o nosso país por parte das organizações mafiosas que controlam a imigração ilegal.


"Actualmente assiste-se a uma inflexão dos fluxos migratórios", devido à crise económica, que reduz o mercado de trabalho, apontou Van der Keller, mas logo que sejam lançadas as grandes obras públicas, como o TGV, o novo aeroporto de Lisboa e a nova ponte sobre o Tejo, o mercado de trabalho vai voltar a abrir e pode haver uma maior pressão das redes mafiosas de leste para "o fornecimento de mão-de-obra barata", uma ameaça que Portugal tem que encarar.


Para Van der Keller, responsável pela operação "Turfa", que recentemente levou ao desmantelamento de uma rede designada "Odessa", que tinha base na Ucrânia e operava em vários Estados europeus, salientou também os riscos de começarem a chegar ao nosso país radicais islâmicos, a partir do Norte de África - uma questão sempre associada ao terrorismo. "E é essencial que se afaste a ideia de que o desmantelamento corresponde ao fim de uma rede, é preciso conseguir que as vítimas se transformem em testemunhas, sem o que todo o processo pode ruir", salientou.


Aquele responsável do SEF salientou também a necessidade de Portugal estreitar ainda mais os laços com a Guiné-Bissau e Cabo Verde, Estados que podem ser utilizados pelas redes nigerianas que controlam o tráfico de seres humanos virado para a prostituição, assim como outros crimes, como a falsificação de cartões.


A África Ocidental e Central foi também uma das preocupações no seminário, desta feita no tráfico de droga, expressas pelo novo número dois da Unidade Nacional de Combater ao Tráfico de Estupefaciantes da PJ, coordenador superior Joaquim Pereira.


O investigador, que estava antes colocado na Europol, destacou a cada vez maior influência que os narcotraficantes da América Latina e do Sul estão a ter na região, com destino à Europa, passando por Portugal e Espanha.


A ameaça já não passa apenas pela cocaína e pelo haxixe a partir do Norte de África. "Foram identificadas também nessas regiões novas rotas de droga, desta feita para a heroína". O ministro da Administração Interna encerrou os trabalhos.


Se nao justificar...........

O Fisco vai passar a aceder directamente às contas bancárias dos contribuintes quando suspeitar que o seu património excede em 100 mil euros o rendimento declarado. Caso não possa justificar estes rendimentos, é tributado a uma taxa de 60%.


A medida, ontem aprovada em Conselho de Ministros, visa dar mais agilidade ao combate à fraude e evasão fiscais - e à detecção de eventuais actos ilícitos - e começará a ser aplicada aos rendimentos a partir de 2010. As principais alterações que tem em relação às "armas" de que a administração fiscal já hoje dispõe, são o facto de o contribuinte não poder travar o acesso às suas contas bancárias e de os rendimentos que não puderem ser justificados passarem a ser tributados a uma taxa de 60%.


A legislação em vigor já prevê a derrogação do sigilo bancário, mas o acesso a esta informação bancária pode ser suspenso se o contribuinte interpuser recurso. Com o diploma agora aprovado (e que seguirá para a Assembleia da República onde será discutido e analisado em conjunto com uma proposta do BE que também ontem foi viabilizada) este recurso deixa de ter efeitos suspensivos.


"Indícios" ou "suspeitas fundadas" de que um determinado contribuinte tem um património que supera em pelo menos 100 mil euros o valor dos rendimentos que apresentou na declaração do IRS, permitirão o acesso directo (sem autorização do contribuinte ou judicial) às contas bancárias, bastando para o efeito um despacho do director-geral dos Impostos. Se o visado conseguir justificar esta diferença de rendimentos, será tributado à taxa de IRS que lhe corresponde. Caso não justifique, verá ser-lhe aplicada a referida taxa de 60% - uma "novidade" do sistema fiscal português. Quando a origem destes rendimentos indiciar práticas ilegais, o caso será remetido para as autoridades.


Depois de sublinhar que este sistema tornará o levantamento do sigilo bancário "mais expedito" e que esta proposta é até "mais ampla" do que a do Bloco de Esquerda, o ministro das Finanças referiu que o limite dos 100 mil euros é suficiente para evitar que se lance "uma suspeição generalizada sobre todos os contribuintes".


Para o fiscalista Diogo Leite de Campos, aquele valor de 100 mil euros é, precisamente, o ponto mais negativo desta proposta. " A medida em si pode ser positiva, mas deve evitar-se a coscuvilhice e uma 'caça às bruxas'"defendendo que o "intervalo de 100 mil euros é pequeno" podendo provocar excessos de actuação por parte do fisco. "É preciso que haja um controlo da acção inspectiva", refere, defendendo ainda a necessidade de os contribuintes visados se poderem justificar perante uma "entidade independente".


Ouvida pela Agência Lusa, a procuradora Maria José Morgado considerou que a medida agora aprovada é "crucial" e "só peca por tardia". Depois de sublinhar que "o sigilo bancário é uma legislação inteiramente desfasada da realidade", Maria José Morgado lamentou que tenha sido a actual conjuntura de crise a impulsionar a adopção destas "medidas cruciais".


A procuradora lembrou, no entanto,que no crime económico o Minisério Público já dispõe, desde 2002, para quebrar o sigilo bancário.


Teixeira dos Santos e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais adiantaram que a administração fiscal dispõe actualmente de um variado leque de fontes de informação - cruzamento de dados, denúncias, recepção de informação das conservatórias ou mesmo a consulta de páginas na Internet ou de artigos da chamada Imprensa "cor-de-rosa" - que lhe permitem detectar divergências entre os rendimentos declarados e o estilo de vida ou hábitos de consumo dos consumidores. "Existem metodologias de recolha de informação. Há uma vasta grelha para recolha e análise de informação" referiu Teixeira dos Santos. Estes métodos são, de resto, já actualmente usados para a realização da avaliação indirecta ou a detecção das chamadas manifestações de fortuna.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Imagens do sismo em Italia filmado de uma camera de vigilancia

Aguarelas de Hitler...................

Duas aguarelas da autoria de Hitler, pintadas em 1914, vão ser leiloadas em Nuremberga, na Alemanha.


As obras "Gehöft" (Granja) e "Hofanlage am Fluss" (Casario junto ao rio) serão postas à venda nos dias 23 e 25 de Abril.


Já em 2006 foram encontradas numa casa belga, 21 pinturas do lider nazi. Foram leiloadas em Inglaterra por 170 mil euros.


Entre 1907 e 1909 Hitler tentou entrar para a Academia de Arte de Viena, mas o director sugeriu-lhe que estudasse arquitectura.


Queriam.......

Queriam casar menina de 11 anos com rapaz de 18 e foram detidos pela PJ



A menor terá sido raptada, domingo, na zona de Santa Maria da Feira. Um dos detidos encontrava-se na situação de evadido e com mandados de captura pendentes.


A Polícia Judiciária (PJ) deteve três homens e uma mulher suspeitos do crime de rapto de uma menor de 11 anos, que queriam casar com um indivíduo de 18 anos, contra a sua vontade e a da sua família, anunciou aquela fonte policial.


Os detidos, com idades entre os 17 e os 41 anos, foram identificados pela PJ como presumíveis autores dos crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual da menor, revela a PJ, em comunicado enviado à Lusa.


A menor terá sido raptada, domingo, na zona de Santa Maria da Feira e esteve retida pelos arguidos, "contra a sua vontade e a da família, por um período de perto de três dias", adianta a PJ.


De acordo com aquela fonte policial, a criança foi "subtraída para efeitos de casamento com um indivíduo de 18 anos de idade".


A menina foi resgatada pela PJ durante a intercepção dos arguidos, na zona de Montemor-o-Velho.


Dois dos detidos têm antecedentes criminais por crimes contra o património e um deles encontrava-se na situação de evadido e com mandados de captura pendentes.


Todos os arguidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coacção tidas por adequadas, diz a PJ.


Eles dizem que a culpa e .........


"As mentiras do casal destruíram a Luz. Hoje, o Ocean Club é uma sombra do que foi. A nossa revolta é com o casal, porque foi por causa de uma invenção que destruíram a nossa vida. Muitos ficaram sem emprego e a hipótese de encerramento é cada vez mais provável."


O desabafo, de um ainda funcionário do aldeamento do Algarve – de onde Madeleine desapareceu faz no próximo dia 3 dois anos –, ilustra a 'revolta' para com os McCann. Que são acusados de simular um rapto e de provocar a debandada de turistas da vila algarvia.


Agora, os mais de cem trabalhadores despedidos nestes últimos dois anos prometem avançar para os tribunais e exigir o pagamento dos prejuízos. 'Estamos à procura de um advogado que seja especialista em Direito de Trabalho. O que pretendemos é que seja feita justiça. A empresa alegou despedimentos por quebra de facturação e nas cartas de despedimento referiu expressamente que se deveu ao caso McCann. Foi por causa de eles terem avançado para a versão do rapto que a Luz deixou de ser procurada em termos turísticos. O aldeamento foi o primeiro a sentir a quebra', diz o mesmo funcionário, que declina identificar-se.


Mesmo assim, os trabalhadores do Ocean Club garantem que a empresa teve um comportamento correcto para com eles. 'Depois da balbúrdia que a família McCann provocou, era impossível conseguirmos resistir. Os clientes foram embora, as reservas caíram logo nesse Verão. Os postos de trabalho foram postos em causa.'


A dimensão do descalabro foi tal que, em Maio de 2007, quando Madeleine desapareceu do apartamento, o Ocean Club, que gere 400 moradias, dava emprego a 130 pessoas. 'Hoje somos 27. Mas até quando?', interroga-se a mesma testemunha.


As histórias de desespero são muitas. Mulheres e homens com 40/50 anos que, de repente, ficam sem emprego. 'A vila é pequena e todos foram afectados com o caso. Não há capacidade para arranjar alternativas e há muitas famílias com problemas graves. Gente que tinha mais de 20 anos de casa e agora, de repente, fica sem saber o que fazer. E muitos dos comerciantes também estão a fazer um esforço para aguentar as portas abertas até ao Verão. Só que, se o negócio não melhorar, poderão ser obrigados a fechar', concluiu um ex-funcionário.


A IMPOSSIBILIDADE DO RAPTO DA CRIANÇA


Dois anos depois, o mistério mantém-se. E sem que tenha sido descoberto o corpo da criança, a hipótese de homicídio teve de ser formalmente abandonada. Restam as contradições que dificilmente sustentam a tese de rapto avançada pelos pais e que tornaram o Ocean Club num local amaldiçoado.


Os McCann garantem, então, que deixaram Maddie a dormir com os irmãos e que foi Kate quem deu pela ausência da criança. Seria cerca das 22h00 e, garante o casal, de 15 em 15 minutos algum adulto do grupo vigiaria os quartos para verificar que não entrara nenhum intruso. Nas primeiras horas após o desaparecimento, Kate garantiu que a janela fora estroncada. Um raptor acedera ao quarto e levara a menina.


As análises laboratoriais não confirmaram a tese. Na janela só havia vestígios de ADN de Kate. Não há rasto de qualquer estranho. Também a cama onde a criança teria dormido parece estar intacta. O raptor teria igualmente de passar por duas outras crianças para chegar a Maddie. A hipótese de rede pedófila foi afastada por se tratar de uma criança com apenas três anos. Também é estranho que Madeleine não tivesse gritado nem acordado quando a levaram.


DISCURSO DIRECTO


'VOU SER TESTEMUNHA' (Gonçalo Amaral, ex-inspector da PJ)


– Os empregados do aldeamento pretendem avançar com um processo contra o casal, depois dos despedimentos. Entende a motivação?


Gonçalo Amaral – Não só compreendo como acho que têm razão. Estou disposto a ser testemunha deles, se assim o quiserem. Porque é mentira o rapto.


– Como é que este caso afectou a vila da Luz?


– Hoje, a praia da Luz é uma vila-fantasma. Os ingleses deixaram de ir para ali.


– E os pais devem ser responsabilizados?


– Entendo que sim porque contaram uma mentira. Eles sabem que Madeleine está morte e que não havia raptores.


dizem que e pela religiao.......

As crianças, com idades compreendidas entre os 7 e os 17 anos, foram descobertas depois de uma delas ter sido vista a vasculhar caixotes do lixo à procura de alimentos.


Um casal muçulmano de "iluminados" afirmando agir em nome da religião foi detido em França por ter violentado e feito passar fome a oito dos seus filhos, nomeadamente um adolescente com apenas 22 quilogramas.


"Temos um iluminado, com um funcionamento que se assemelha ao de uma seita", explicou o procurador a quem foi confiado o processo em Perpignan (sul), Jean-Pierre Dréno, para qualificar o pai de família, precisando que a mãe partilhava as mesmas ideias.


"Isto vai muito para lá da prática religiosa rigorosa", acrescentou, rejeitando qualquer associação entre estas sevícias e a religião muçulmana.


As crianças, com idades compreendidas entre os 7 e os 17 anos, foram descobertas na casa do casal no sábado durante uma inspecção, depois de um deles, uma rapaz de 13 anos, que não pesava mais de 32 quilogramas para os seus 1,65 metros, ter sido visto a vasculhar caixotes do lixo à procura de alimentos em Banyuls-sur-Mer (sul).


"O adolescente, a tremer de frio, com vestígios de sangue na face, pés descalços, com frieiras, de uma magreza extrema, explicou que acabava de sofrer um castigo porque tinha roubado um punhado de açúcar em pó", indicou o procurador.


A mãe tinha-lhe batido com um pau. Duas das irmãs de 13 anos e meio e de 15 foram encontradas num estado igualmente lamentável, não pesando mais do que 22 quilogramas.


O pai de família de 49 anos, um vendedor ambulante de origem marroquina, e a mulher de origem eslava convertida ao Islão e mais velha um ano, afirmavam querer educar os filhos no estrito respeito da religião.


A família vivia na pobreza, "em autarcia, sem relação com os vizinhos", numa habitação social onde os investigadores não encontraram provisões de alimentos, segundo o procurador.


Os vizinhos falam de uma família "discreta" e dizem não ter suspeitado de nada.


"Eram pessoas fechadas consigo mesmas. Ele não dizia bom dia, ela era muito magra, branca, sem dentes..", declarou uma vizinha, Evelyne Galia.


Os pais explicaram que praticavam escrupulosamente a sua religião e achavam que se impunha um regime alimentar muito severo", precisou o magistrado. E quando as regras ditadas pelo chefe de família não eram respeitadas, avançavam os castigos corporais.


O pai explicou que o filho foi castigado porque precisava de ser reeducado por "ter o hábito de mentir". O facto de ter emagrecido era aliás "um bom sinal". Isso queria dizer que efectivamente lhe foi tirada a mentira que estava nele", acrescentou.


As mais velhas estudavam por correspondência "sob o controlo da mãe" em casa. Os pais tinham-nas tirado do colégio, recusando submeter-se à proibição em França do uso do véu na escola pública.


Este pai de família "diz o que lhe vem à cabeça", reagiu o instituto muçulmano da Mesquita de Paris. Lembrou que as crianças são dispensados do Ramadão, assim como os idosos e as mulheres grávidas.


Três dos oitos filhos que vivem no domicilio familiar, os mais magros, foram hospitalizados e os outros colocados num lar de acolhimento. Foi pedida uma perícia médico-psicológica para todas as crianças.


Um nono filho do casal, maior de idade, já não morava com os pais.


Vai ser uma grande ajuda....

Oprah Winfrey vai receber os pais de Madeleine McCann no talk-show que é transmitido em vários canais de televisão por todo o mundo.


O programa de uma hora será gravado na próxima semana, em Chicago, e irá para o ar nos Estados Unidos no dia 3 de Maio, assinalando os dois anos sobre o desaparecimento da menina britânica.


Recorde-se que a famosa apresentadora de televisão Oprah Winfrey foi eleita a mulher mais influente do mundo do entretenimento, liderando a lista "Power 100" que é publicada pelo jornal "The Hollywood Reporter" anualmente.


É a apresentadora deste talk-show há cerca de 22 anos e exerce a sua influência aos mais diversos níveis. Mais recentemente, o seu apoio público à candidatura de Barack Obama foi considerado de grande peso na vitória do senador na eleições presidenciais dos Estados Unidos da América.


A crise faz que.....

O dinheiro falta na carteira. Para pagar dívidas (na sua maioria créditos), muitas vezes as famílias cortam na alimentação. Esta é uma realidade que tem vindo a aumentar. Na Cáritas de Viseu, por exemplo, são cada vez mais os pedidos de ajuda. "Há famílias desesperadas que dizem que têm o frigorífico vazio", relata António Borges, presidente da instituição


As situações dramáticas de famílias que estão a passar por dificuldades económicas aumentam e a comprová-lo estão os pedidos de ajuda que diariamente chegam às instituições de apoio social. Estes organismos ajudam "naquilo que podem", essencialmente com bens alimentares e vestuário.
"Há pessoas que chegam aqui a pedir emprestados cinco ou dez euros", exemplificou António Borges, ressalvando que "isto é como pedir esmola", mas de uma forma encapotada. Contou que a instituição que dirige tem ajudado casos pontuais, evitando muitas vezes que as pessoas fiquem sem luz ou sem água. "Ajudamos quando podemos, às vezes até a pagar a renda, porque as receitas também não são muitas", lamentou.
Para quem trabalha no terreno, nomeadamente em ATL's, a realidade também começa a preocupar. Há casos em que se nota que as crianças estão ansiosas para que chegue a hora de comer. "Temos dois ou três casos em que verificamos que os meninos chegam aqui cedo e estão à espera do meio da manhã para o lanche. Ao almoço também pedem sempre para repetir. Eles não estão sub-alimentados, mas leva-nos a suspeitar de que não estão a ser bem alimentados", contou uma técnica de apoio social.
Se a pobreza sempre existiu, actualmente os casos são mais complicados, atingindo pessoas da classe média, aqueles a quem já são chamados de "os novos pobres".
"Temos casais em que ficaram os dois no desemprego e desprotegidos de apoios sociais. Vivem situações aflitivas e temo-los assistido, essencialmente, com géneros alimentares. A roupa e os medicamentos são outros bens que conseguimos oferecer", lembrou António Borges.
"Temos dado a aspirina porque não conseguimos dar o antibiótico", desabafou António Borges, lamentando o facto de nem sempre "se conseguir dar resposta às graves dificuldades que existem".


Gabinete de crise


Face ao aumento do número de pedidos de ajuda que têm chegado, a Cáritas avançou no início deste ano com um gabinete de crise, por forma a dar uma resposta mais eficaz. "Estamos a dar uma atenção muito especial aos flagelos sociais que acarretam problemas que levam à exclusão e conflitualidade social acrescida, com propensão a comportamentos desviantes e marginalizantes de muitos indivíduos", sustentou António Borges.
A título de exemplo, o presidente da Cáritas anunciou que em Março deste ano já chegaram até ao Gabinete 100 pedidos, contra 56 em Fevereiro e 81 em Janeiro. "A tendência é de aumentar", salientou, recordando que no ano passado foram ajudadas 1760 pessoas, enquanto que em 2007 o número ascendeu às 1200.
António Borges destacou ainda o atendimento social que é dado aos imigrantes. "Também nos batem à porta a pedir assistência e apoio para encontrar trabalho ou para se legalizarem", disse.

Eu digo o mesmo.

A direcção da Associação Nacional de Farmácias pretende solicitar à ministra da Saúde uma avaliação independente sobre a qualidade da prescrição de fármacos, defendendo haver "intervenção da indústria farmacêutica" no acto médico.


Num debate promovido na segunda-feira pela SIC Notícias, com Pedro Nunes, bastonário da Ordem dos Médicos (OM), João Cordeiro lançou um desafio para que seja feita uma "avaliação do receituário". E explicou que esse diagnóstico, que ficaria a cargo da Inspecção-Geral da Saúde e da Procuradoria-Geral da República, destinar-se-ia a "avaliar a qualidade da prescrição médica".


Confrontado com esta pretensão, Pedro Nunes perguntou qual é "o crime" que justifica a actuação da Procuradoria-Geral da República, tendo João Cordeiro respondido: "A intervenção da indústria farmacêutica na prescrição de medicamentos".


Ontem, no entanto, a própria Ordem dos Médicos divulgou um comunicado solicitando ao inspector-geral da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde "que desencadeie o competente inquérito com vista à identificação e avaliação das eventuais receitas que o dr. João Cordeiro diz possuir." A OM diz "estranhar profundamente que o presidente da ANF, estando na posse de tais receitas, alegadamente indiciadoras de vício de prescrição, não o tenha imediatamente comunicado às autoridades competentes para que pudessem proceder a uma investigação sobre a matéria, limitando-se a usá-las para fazer insinuações insultuosas que afectam toda uma classe na sua dignidade e na sua credibilidade."


João Cordeiro afirmou, estar "a analisar esses documentos para apresentar às entidades oficiais", esperando divulgar o seu conteúdo ainda esta semana.


Nos tambem senhor Presidente.

As previsões de uma forte contração económica foram o pretexto para Cavaco Silva manifestar preocupação com a situação do país e para a Oposição exigir ao Governo a apresentação do segundo Orçamento rectificativo.


Perante a dimensão da crise, o presidente da República não ficou calado e confessou, ontem, aos jornalistas que as previsões do Banco de Portugal, divulgadas na terça-feira, que indicam um crescimento negativo de 3,5% "não podiam ser mais negativas". Reconheceu, no entanto, que seria "muito difícil" terem sido diferentes devido à dependência do exterior da economia portuguesa.


"Os números revelados não podiam ser mais negativos e, por isso, todos nós estamos preocupados", disse o chefe de Estado, citado pela Lusa.


Na opinião de Cavaco Silva, apesar das previsões do Banco de Portugal, o mais importante é que, em termos nacionais, se reflicta já sobre qual a posição em que o país se deve colocar para quando termine a crise internacional. E aconselhou o Governo a estabelecer como prioridade o combate ao desemprego.


"O problema do desemprego que deve ser uma prioridade, olhando para aqueles que estão a ser atingidos de forma particular pela crise". Foi a recomendação deixada pelo presidente ao Governo de Sócrates.


Outro conselho de Cavaco foi o da necessidade de "colocar os olhos no futuro", ou seja, "nos factores críticos" que podem permitir ao país "estar na linha da frente da recuperação económica". Dois desses factores críticos, segundo o presidente são a produtividade e a competitividade, sobre os quais "é necessário actuar já hoje", para que o país possa "vencer depois", pelo que a aposta deve ser "no conhecimento", nas universidades e nas empresas.


"Caso contrário, podemos ter crise este ano, ter crise no ano de 2010 e até depois dessa data", alertou, depois de considerar que o país tem de escolher, deixando a mensagem: "Queremos estar na primeira linha da recuperação económica ou que a situação seja tão complicada ou ainda mais complicada do que aquela que hoje atravessamos? Porque se for assim, lamentamo-nos hoje e vamos lamentar-nos no futuro e, como povo diz, é chorar sobre leite entornado".


No Parlamento, onde o CDS-PP marcou um debate de actualidade, a resposta do Governo à exigência do Orçamento rectificativo para que reforço nas áreas sociais foi o silêncio. O ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, optou por ignorar as declarações de Diogo Feio (CDS-PP), Honório Novo (PCP) e de Luís Fazenda (BE). Todos quiseram saber quando apresentará o Executivo o rectificativo, mas o governantes apenas reafirmou que a linha de rumo traçada pelo Governo "de lançamento de obras públicas vai continuar" e que "o rendimento dos portugueses, que não perderem o emprego vai aumentar". Ao considerar as previsões do Banco de Portugal, "um soco no estômago", Paulo Portas, o líder parlamentar do CDS-PP, acusou o Governo de ter "falhado as previsões" e, por consequência seguir "políticas erradas".


Ainda a muito por fazer.

Uma bactéria que pode matar foi detectada na comida em lares de idosos e em cantinas hospitalares. E as refeições escolares servidas em seis concelhos não convenceram os técnicos. Eis dois estudos do último dia do I Congresso de Saúde Pública


"A alimentação escolar será segura?" A resposta não sossegará decerto muitos pais, mas poderá servir de alerta. Um estudo levado realizado em 264 amostras, na rede pré-escolar e em escolas do primeiro ciclo do ensino básico de seis autarquias da Grande Lisboa - exceptuando esse concelho - revela que só 41% das refeições foram consideradas satisfatórias, em termos de saúde.


O departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Nacional de Saúde Pública (INSA) Ricardo Jorge procurou micro-organismos patogénicos nos almoços das crianças, entre os três e os dez anos, e concluiu que 23% - quase 1/4 das mesmas - não preenchiam os requisitos: não satisfaziam.


Ao falar no I Congresso de Saúde Pública - que ontem terminou na Fundação Gulbenkian, em Lisboa -, Nuno Rosa adiantou que 60% dos menús escolares sãocompostos em exclusivo por produtos cozinhados e somente 4% constituídos por ingredientes crús - saladas e fruta.


Da reduzida quantidade de alimentos "verdes" apenas 10% tinha uma qualidade sanitária satisfatória. O perigo dos agentes invasivos nos ingredientes crús, foi um dos apsectos sublinhados, de manhã, por Isabel Santos.


A perita do Laboratório de Microbiologia dos Alimentos, também do INSA, anunciou à plateia a detecção da bactéria "listeria monicytogenes" - responsável pela doença infecciosa: listeria - em 101 amostras alimentares em cantinas públicas de escolas, hospitais e lares da terceira idade.


A técnica admitiu que o consumo cada vez mais frequente de legumes frescos - conservados através de sistemas de refrigeração - poderá estar na origem do aparecimento da bactéria.


Um agente patogénico que pode ser mortal para doentes crónicos e recém-nascidos - a taxa de mortalidade é de 25% - e se aloja-se, sobretudo, em vegetais em decomposição, na carne de porco e de vaca, salames, patés de frango e de peru.


Alerta deixou por sua vez, Jorge Torgal, director do Instituto de Higiene e Medicina Tropical - contra o consumo de depuralina, "uma substância nociva ao organismo", mas que por ser muito publicitada "vende milhões".


quarta-feira, 15 de abril de 2009

Lendas do distrito de Viseu

Lenda de Viseu


" D. Ramiro II, Rei das Astúrias e de Leão, que reinou desde o anno de Christo de 931 até o de 950, n'uma excurção que fez de Vizeu, onde então residia, por terras de moiros, viu e enamorou-se da famosa Zahara, irmã de Alboazar, rei moiro, ou alcaide do castello de Gaia sobre o rio Douro.
Recolheu-se D. Ramiro a Vizeu com o coração tão captivo, e a razão tão perdida, que sem respeito aos laços, que o uniam a sua esposa D. Urraca, ou como outros lhe chamam D. Gaia, premeditou e executou o rapto de Zahara.
Enquanto o esposo infiel se esquecia de Deus e do mundo nos braços da moira gentil n'um palácio à beira mar, o vingativo irmão de Zahara, trocando affronta por affronta, veio de cilada, protegido pela escuridão de uma noite, assaltar e roubar nos seus próprios paços a rainha D. Gaia.
A injúria vibra n'alma de Ramiro o ciúme e o desejo de vingança.
O ultrajado monarcha vôa à cidade de Vizeu, escolhe os mais valentes d'entre os seus mais aguerridos soldados, e la vae á suaa frente caminho do Douro.
Chegando à vista do castello d'Alboazar, deixa a sua cohorte occulta n'um pinhal, e disfarçado em trajes de peregrino, dirige-se ao castello, e por meio de um anel, que faz chegar às mãos de D. Gaia lhe annuncia a sua vinda.
O peregrino é introduzido immediatamente à presença da rainha, que fica a sós com elle. Alboazar tinha ido para a caça. D. Ramiro atira para longe de si as vestes e as barbas, que o desfiguravam, e corre a abraçar a esposa. Esta porém repelle-o indignada, e lança-lhe em rosto a sua traição.
No meio de um vivo diálogo de desculpas de uma parte, e de recriminações da outra, volta da caçada Alboazar. D. ramiro não pode fugir. Já se sentem na proxima sala os passos do moiro. A rainha, parecendo serenar-se, occulta o marido n'um armário, que na camara havia. Mas apenas entrou Alboazar, ou fosse vencida d'amor por elle, ou cheia d'odio para com o esposo pela fé trahida, abre de par em par as portas do armário, e pede vingança ao moiro contra o christão traidor.
D'ahi a pouco era levado el-rei D. Ramiro a justiçar sobre as ameias do castello. Chegado ao logar de execução pediu o infeliz, que lhe fosse permittido antes de morrer despedir-se dos sons accordes da sua bozina. Sendo-lhe concedida esta derradeira graça, D. Ramiro empunha o instrumento, e toca por tres vezes com todas as suas forças.
Era este o signal ajustado com os seus soldados, escondidos no proximo pinhal, para que, ouvindo-o, lhe acudissem apressadamente. Portanto n'um volver d'olhos foi o castello cercado, combatido, tomado, e depois incendiado. A desprevenida guarnição foi passada ao fio da espada, e Alboazar teve a morte dos valentes: expirou combatendo. E D. Gaia, como ao passar o Douro para a margem opposta, se lastimasse e mostrasse dôr, vendo abrasar-se o castel'o, foi victima também do ciume de D. Ramiro que cego d'ira a fez debruçar sobre a borda do barco, cortando-lhe a cabeça de um golpe d'espada.
Á fortaleza em ruínas ficou o povo chamando o castello de Gaia, à margem do rio, onde aportou o barco de D. Ramiro, deu-lhe o nome de Miragaia, em memória d'aquele fatal mirar da misera rainha ".
Esta é pois a lenda que se presume ter dado origem ao Brasão de Viseu.
Temos assim que o Castelo representa o de Alboazar, o tocador de corneta, o rei D. Ramiro e a árvore, o bosque em que se esconderam os habitantes de Viseu.
Lenda ou fábula ela representa uma forma de interpretação e porque carregada de antiguidade merece bem que se respeite como tal. Mas fazendo fé em Vilhena Barbosa, nem tudo será hipotético porque " D. Ramiro II roubou a moira Zahara, irmã ou filha d'Alboazar, a qual se fez christã, tomando no baptismo o nome de Artida ou Artiga. Repudiando a rainha D. Urraca, casou segundo uns, ou viveu amancebado segundo outros, com Zahara de quem teve um filho, chamado D. Alboazar Ramires que foi o primeiro fundador do Mosteiro de Santo Thirso ".


A Cura do Infante


O culto de Nossa Senhora de Cárquere, na região de Viseu, já se fazia na época, anterior à nacionalidade, em que D. Rodrigo perdeu a Espanha para os Mouros, sendo provavelmente muito mais antiga. Durante a invasão moura, a imagem foi escondida num carvalho oco, juntamente com uma caixa de relíquias, os sinos da ermida e uma cruz de prata. Estes objectos foram aí esquecidos. Muitos anos depois, nasceu D. Afonso Henriques com um grave problema de saúde: o pequeno infante não tinha acção nas pernas, do joelho para baixo. O seu aio, Egas Moniz, teve um sonho em que lhe apareceu Nossa Senhora. A Virgem mandou-o ir a Cárquere e cavar em determinado local, onde encontraria os restos da ermida e a sua imagem. Deveria então mandar construir uma nova igreja e sobre o altar colocar o infante, passando aí uma noite de vigília. A construção terminou quando D. Afonso Henriques tinha cinco anos e as indicações da Virgem foram cumpridas. No dia seguinte, o infante andou e correu como uma criança saudável. O conde D. Henrique, perante este milagre, agradeceu à Virgem mandando construir um mosteiro junto à igreja que doou aos cónegos regentes de Santo Agostinho.


Lenda dos Távoras


A tradição diz que os irmãos D. Tedo e D. Rausendo, os protagonistas desta lenda, que se terá passado em 1037, eram descendentes de Ramiro II de Leão. Os corajosos irmãos já há muito tempo tentavam tomar o castelo de Paredes da Beira que estava na posse do emir mouro de Lamego, sem qualquer sucesso. Mas um dia, esgotados todos os outros recursos, D. Tedo e D. Rausendo decidiram usar a astúcia para conseguirem apoderar-se da fortaleza. Numa manhã do dia de S. João em que os mouros saíam habitualmente do castelo para se banharem nas águas do Távora, os dois irmãos e o seu exército disfarçados de mouros prepararam uma emboscada e entraram no castelo, matando a maior parte mouros que lá tinham ficado. Avisados por alguns mouros que tinham conseguido fugir do assalto, os mouros que festejavam no rio prepararam-se para voltar ao castelo quando foram atacados no rio por D. Tedo e os seus guerreiros que os dizimaram a todos. O vale do rio onde se travou a sangrenta luta ficou a ser chamado por Vale D'Amil em lembrança dos mouros que tinham sido mortos aos mil. A lenda diz que os dois irmãos tomaram a partir da batalha o apelido de Távora, em memória do rio onde se tinha desenrolado a vitória, e adoptaram nas suas armas um golfinho sobre as ondas simbolizando D. Tedo que com o seu cavalo tinha vencido os Mouros nas águas do rio.


Lenda da Caninha Verde


Em tempos que já lá vão, nos primeiros tempos da Reconquista, vivia num palácio em Fataunços, perto de Vouzela, o nobre guerreiro El Haturra, descendente do famoso chefe mouro Cid Alafum. El Haturra era velho e feio e nunca era visto sem a sua bengala, uma velha cana que vinha sendo transmitida na sua família, de geração em geração, entregue ao seu novo possuidor com umas palavras misteriosas... Ora, o facto de El Haturra se fazer acompanhar por aquela cana negra e ressequida era objecto de troça de todos, a tal ponto que um seu amigo, o jovem português Álvaro o aconselhou a desfazer-se dela. El Haturra confidenciou-lhe então que a vara tinha magia e que se um dia chegasse a ficar verde era o sinal sagrado do profético encontro de dois primos descendentes de Cid Alafum. Nesse dia esperado, as terras e os tesouros do antigo chefe mouro voltariam à posse da família e as formosas mouras seriam desencantadas. Uma condição essencial era que ambos os descendentes professassem a religião de Alá. Um dia, passeavam El Haturra e o seu amigo Álvaro pelo campo quando viram uma linda princesa acompanhada por uma formosa aia, de cabelo negro e olhos azuis, que cavalgava um cavalo negro. De repente, a vara começou a ficar verde e El Haturra começou a rejuvenescer, tornando-se jovem e belo. Ao primeiro olhar, El Haturra tinha reconhecido na aia a descendente de Cid Alafum e, juntamente com Álvaro, saiu atrás das duas jovens que se dirigiam à corte do rei de Portugal. Diz a lenda que El Haturra conseguiu convencer a jovem aia a casar-se com ele e o rei de Portugal abençoou a união com uma condição: o baptismo de El Haturra. De início o agora jovem El Haturra opôs-se veemente, mas por fim a sua paixão foi mais forte e aceitou o desejo real. O baptismo ficou marcado para o dia do casamento e foi então que aconteceu algo de extraordinário: no momento em que estava a ser baptizado, El Haturra voltou a ser velho e feio como dantes. A magia da caninha verde só seria válida se ambos os nubentes professassem a religião de Maomé. A noiva desmaiou naquele mesmo momento e nunca mais quis ouvir falar no seu noivo que desapareceu para sempre, enquanto que a sua cana verde foi guardada num sítio secreto. Segundo a tradição, se alguém gritar "Viva o fidalgo da caninha verde!" no mesmo local e à mesma hora em que se deu o encontro entre os dois descendentes de Cid Alafum, ouvirá gargalhadas alegres das mouras encantadas que pensam que chegou a hora da sua libertação.


A Senhora da Lapa


Diz a lenda que a imagem de Nossa Senhora da Lapa apareceu num penedo de difícil acesso, na Beira Alta. Os devotos construíram-lhe um templo num local mais acessível, mas a imagem da Senhora fugia para o seu penedo sempre que a punham na nova capela. Este facto insólito ocorreu tantas vezes que os devotos fizeram a vontade à Virgem e construíram-lhe uma capela no penedo. E a Senhora da Lapa lá está hoje, num sítio em que para a ver o crente tem de entrar de lado, por mais magro que seja. Curiosamente, o crente mais gordo de lado entra sempre. Um dos milagres atribuídos a esta Senhora é o que ocorreu com um caminhante que, adormecendo junto à capela, entrou-lhe na boca entreaberta uma cobra. Aflito, o homem acordou e imediatamente invocou no seu pensamento a Senhora da Lapa. Conta a lenda que a cobra imediatamente virou a cabeça para fora da boca, sendo depois apanhada e morta.


Por pouca duracao, e depois quanto vai aumentar?

O regulador da energia irá fornecer as tarifas de venda a clientes finais que irão vigorar a partir de 1 de Julho de 2009 até 30 de Junho de 2010.


A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) deverá anunciar, esta quarta-feira, uma baixa das tarifas de gás natural para os consumidores, tendo em conta que os preços desta matéria-prima estão em queda nos mercados internacionais há cerca de seis meses, apurou a Lusa.


O regulador da energia irá fornecer as tarifas de venda a clientes finais (consumidores) que irão vigorar a partir de 1 de Julho de 2009 até 30 de Junho de 2010. Tendo em conta que a decisão final sobre as tarifas e preços regulados será vinculativa com o parecer do conselho tarifário, assim como os comentários das empresas reguladas, a ERSE só elaborará a decisão final até 15 de Junho.


A revisão da tarifa reflecte a variação do preço de aquisição do gás natural (indexado ao preço dos combustíveis nos mercados internacionais) e os custos previstos para o terminal de recepção, armazenamento e regaisificação de GNL e para o armazenamento subterrâneo.


As estimativas de evolução da cotação do gás natural, a curto prazo, são de uma descida acentuada, tendo em conta o mecanismo de formação de preços de gás natural e do preço do petróleo, que teve uma forte subida até Julho de 2008, seguida de uma descida significativa nos restantes meses, tendo estabilizado no primeiro trimestre de 2009.


Atencao.

Trabalhadores por conta de outrem ou pensionistas têm até à meia-noite desta quarta-feira para entregar a declaração de IRS via Internet. E, pelos dados que constam no site da DGCI, é de prever algum congestionamento.


Os contribuintes com rendimentos de trabalho dependente ou pensões têm até à meia-noite de hoje para entregar a declaração de IRS, através da Internet. Expirado este prazo, a entrega da declaração apenas pode ser feita mediante o pagamento de uma multa. A partir de amanhã e até 25 de Maio começa o "acerto" de contas da II fase.


Os dados que ontem constavam no site da Direcção-Geral de Contribuições e Impostos (DGCI) indiciam que muitos contribuintes das categorias A e H deixaram para a última hora - ou seja, para hoje - a entrega da declaração do IRS - sendo, por isso, de esperar uma forte afluência às declarações electrónicas e possivelmente algum congestionamento. Até ontem, havia registo de 1 960 mil declarações de IRS relativas à I fase entregues pela Internet. Este número é inferior aos 2 062 mil declarações submetidas em 2008, pelo que um significativo número de contribuintes deverá avançar com o preenchimento e entrega do IRS nas próximas horas.


As declarações electrónicas do IRS pela Internet têm este ano uma novidade: permitirá o acesso ao reembolso cerca de um mês após a entrega da declaração, desde que o contribuinte em questão não tenha dívidas fiscais nem apresente divergências de rendimento relativamente a alguns elementos que são já do conhecimento do fisco. Estes mesmos critérios - reembolso mais rápido e verificação de determinadas condições - serão aplicados a todos os contribuintes que por serem trabalhadores independentes ou possuírem rendimentos de outras categorias que não apenas a A e H (trabalho dependente e pensões) apenas podem entregar a declaração na II fase, cujo prazo em papel acaba a 30 de Abril, enquanto pela Internet se estende até 25 de Maio.


Para auxiliar os cidadãos na entrega, via Internet, da declaração de IRS, a DGCI alargou o horário de apoio. Assim, hoje, tal como ontem, o horário será alargado até às 22 horas. A DGCI tem também uma linha de atendimento (707 206 707) para facilitar a obtenção de esclarecimentos.


Entretanto, no decurso deste mês, a DGCI vai iniciar o envio de mensagens SMS aos contribuintes, "informando-os, numa primeira fase, do valor do reembolso do IRS resultante das declarações que foram entregues na I fase". "Até ao final do mês deverão ser abrangidos cerca de 500 mil contribuintes", número que irá aumentado à medida que forem sendo concluídos os processos.


Tem 2,46 metros

Zhao Liang, 27 anos, "está de boa saúde e não sofre de quaisquer complicações relacionadas com a sua altura".


Com 2,46 metros de altura, Zhao Liang não terá dificuldade em convencer o júri do Guinness World Records e destronar o actual "homem mais alto do mundo", que mede "apenas" 2,36 metros.


A candidatura de Zhao Liang foi anunciada pela imprensa oficial hoje, um dia depois de ele ter sido operado a um tendão num hospital de Tianjin, norte da China.


Zhao Liang, 27 anos, "está de boa saúde e não sofre de quaisquer complicações relacionadas com a sua altura", disse um cirurgião chinês.


Se a sua altura for confirmada pelo júri do Guinness, Zhao Liang irá destronar o compatriota Bao Xishun, que mede menos dez centímetros.


Zhao Liang, que chegou a tentar uma carreira de basquetebolista na província natal, Henan, centro da China, é 17 centímetros mais alto que o gigante chinês da NBA, Yao Ming, dos Houston Rockets.


O pai de Zhao, no entanto, tem apenas 1,80 metros e a mãe 1,68.


Aos 17 de idade, Zhao sofreu uma lesão muscular que o afastou do basquetebol e em 2006 um grupo artístico contratou-o como mágico, disse um jornal chinês.


Depois da operação a que foi agora submetido, Zhao poderá voltar a andar normalmente dentro de dois meses, mas os médicos aconselharam-no a abster-se de exercícios físicos intensos.


E a crise.

Os criminosos estão a "atacar" no parque de estacionamento do Hospital de S. Teotónio de Viseu. Os ladrões partem os vidros das viaturas e roubam o que houver no interior

A PSP de Viseu está a investigar diversos furtos em automóveis que têm vindo a ocorrer nos últimos dias no parque de estacionamento do Hospital de São Teotónio. Os criminosos aproveitam as horas de menor movimento para "escolherem" os carros que querem assaltar e depois actuam em poucos segundos, partindo um vidro para depois retirar os objectos de valor e se colocarem em fuga.
A PSP tem vindo a receber várias queixas, no entanto, o comandante interino daquela força de segurança, subintendente Almeida Campos, lembrou que, apesar de público, aquele espaço não é patrulhado pelos agentes a não ser que sejam chamados pelos responsáveis da instituição.
Interceptar os ladrões é uma tarefa muito complicada, já que o parque de estacionamento é muito grande, oferecendo espaço para albergar centenas de viaturas. Além disso, os assaltantes têm à sua disposição várias entradas e saídas para fugirem, mesmo que sejam vistos a furtar objectos.


Prevenir


De acordo com as autoridades, a melhor opção continua a ser a prevenção para evitar os furtos. Para tal, as pessoas não devem deixar objectos à vista no interior das viaturas, tais como carteiras, computadores portáteis e telemóveis. No caso de não ser possível levar os artigos consigo, os proprietários devem deixá-los na mala do carro, por ser o espaço do automóvel menos acessível. No entanto, não convém colocar os objectos na mala já depois de estacionado o carro, porque, muitas das vezes, os ladrões estão a observar as suas vítimas.l


Agora nimguem passa.

Um holandês preparava-se para viajar para Bruxelas e um africano para o Senegal, ambos com passagem pela capital portuguesa.


Um holandês e um cidadão africano de nacionalidade não divulgada foram detidos em dois aeroportos do Brasil quando tentavam embarcar para Lisboa na posse de cocaína, informou hoje a polícia federal brasileira.


O holandês preparava-se para viajar para Bruxelas, via Lisboa, quando foi apanhado no aeroporto de Salvador (Bahia) com cerca de dois quilogramas de cocaína escondidos no fundo falso da mala que transportava, segundo a polícia.


No outro caso, o africano foi detido sexta-feira, no aeroporto de Brasília, depois de ter ingerido 45 cápsulas com um total de 900 gramas da mesma droga e quando aguardava o embarque para Dakar (Senegal), via Lisboa.


Finalmente, um espanhol que pretendia viajar para a Alemanha foi apanhado segunda-feira à noite no aeroporto de Guararapes, no Recife, com 3,5 quilos de cocaína de alta pureza oculta em latas e pacotes de comida, quando ia embarcar para a Alemanha.


Todos ficaram detidos por delito de tráfico internacional de drogas, que prevê penas de entre cinco e 15 anos de prisão.


Ela foi esperta, mas foi apanhada.

A enfermeira do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira foi apanhada e esta suspensa preventivamente.


Uma enfermeira do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira foi apanhada a tentar introduzir na cadeia dois telemóveis, escondidos em duas sandes que levava na merenda, contou à agência Lusa fonte do sistema prisional.


A Direcção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP) confirmou à Lusa a ocorrência, a 31 de Março passado, e sublinhou que "foram de imediato accionados os competentes mecanismos de investigação, estando a decorrer processo disciplinar, no âmbito do qual foi determinadas a imediata suspensão preventiva da funcionária".


"Até ao termo do processo disciplinar, a DGSP não se pronuncia sobre as circunstâncias, antecedentes ou outras questões relacionadas com a infracção disciplinar", declarou fonte da Direcção-Geral dos Serviços Prisionais.


De acordo com o relato feito à Lusa, o aumento das apreensões de telemóveis a reclusos daquela cadeia central do Norte, levou a que a que a direcção do Estabelecimento Prisional apertasse o esquema de vigilância, tanto aos presos, como às visitas ou a funcionários.


"Tanta quantidade era impressionante", manifestou a fonte, contando que numa revista efectuada numa noite, há cerca de duas semanas, a 12 celas foram encontrados 10 telemóveis.


No último dia de Março, a enfermeira, que "já trabalha na enfermaria da prisão de Paços de Ferreira há mais de 15 anos", fez passar, como habitualmente, a mala e alguns objectos pessoais pela máquina de Raios X e o saco da merenda à parte, onde levava dois iogurtes, maçãs e duas sandes, embrulhadas em papel de cozinha.


Segundo a fonte, a guarda prisional de serviço pediu à enfermeira para fazer passar o saco da merenda pelo detector de metais, tendo recebido uma resposta indignada que não admitia que desconfiassem dela e que, por esse motivo, já nem ia entrar para trabalhar.


A indignação da funcionária fez aguçar a desconfiança dos guardas prisionais, que ao passarem o saco pela máquina de Raios X descobriram dois telemóveis escondidos dentro de duas sandes que a enfermeira levava para o lanche.


Os telemóveis são objectos muito apetecidos pelos presos, tanto para falar com familiares e amigos, como para controlar negócios no exterior, como o tráfico de droga, e chegam a ter preços que oscilam entre os 200 e os 500 euros, dependendo do modelo e do tamanho, relatou a fonte do sistema prisional.


Os telemóveis são introduzidos nas prisões das mais variadas maneiras, e pelas mais variadas pessoas, tendo já sido detectados casos de familiares dos presos, e presos, que os introduzem nos órgãos genitais ou no ânus. O mesmo esquema é utilizado para as drogas.


De acordo com dados fornecidos pela DGSP, este ano foram apreendidos até 30 de Março 27 telemóveis na cadeia de Paços de Ferreira, dos 230 detectados em todo o sistema prisional.


Durante o ano de 2008 foram apreendidos 1.092 telemóveis em todo o sistema prisional português, 86 dos quais em Paços de Ferreira.


Em 2008 foram apreendidos 5.882,01 gramas de estupefacientes nas prisões do país e até 30 Março deste ano 1,651,70 gramas.


Se Portugal tinha 2 milhoes de pobres em 2006, quantos tera agora?

Estudo feito em 2006 identificou cerca de 300 mil crianças em situação de pobreza.


Portugal tinha em 2006 dois milhões de pobres, conclui um estudo feito por Nuno Alves, do Departamento de Estudos Económicos do Banco de Portugal, dos quais 300 mil eram crianças.


A conclusão faz parte de um artigo publicado no boletim económico de Primavera do Banco de Portugal que mostra que 56 por cento desses pobres tem entre os 15 e os 64 anos.


Esta análise considera um indivíduo pobre se, num determinado período, o seu nível de rendimento (despesa) for inferior a 60 por cento do rendimento (despesa) mediano em Portugal.


Em valores, isto corresponde a dizer que a linha de pobreza calculada com base no rendimento ascendia a 382 euros mensais em 2005, a preços desse ano.


O mesmo estudo conclui que as classes particularmente vulneráveis à situação de pobreza são as famílias em que pelo menos um adulto está desempregado, idosos com baixos níveis de educação, famílias compostas só com um adulto solteiro que não trabalha e que tem filhos e famílias numerosas em que pelo menos um adulto não trabalha.


Os dados revelam que 25 a 30 por cento da população pobre em 2005/2006 exercia regularmente uma profissão e que 40 por cento dos indivíduos com mais de 14 anos sem percurso escolar era pobre.


Por isso, conclui Nuno Alves, os dados provam que "existem elevados níveis de retorno da educação na mercado de trabalho em Portugal", sobretudo nas pessoas tiverem uma educação universitária.


Para o futuro, o especialista prevê que o aumento da taxa de desemprego seja o principal factor a pesar no aumento da pobreza em Portugal.


terça-feira, 14 de abril de 2009

Arvore a crescer num pulmao.


Médicos acreditam que o paciente pode ter inalado uma semente de abeto e que começou a crescer dentro do seu corpo.


Foi encontrada uma planta, com cinco centímetros a crescer dentro do pulmão de um paciente na Rússsia. O homem, Artyom Sidorkin, de 28 anos, consultou o médico porque tinha constantes dores no peito e tosse persistente com sangue.


Os médicos suspeitavam que o paciente tinha cancro nos pulmões. Surpreendentemente, quando os médicos estavam a operar Artyom, para retirar o suposto tumor maligno, verificaram que não se tratava de cancro mas sim de uma pequena árvore a crescer dentro do pulmão.


De acordo com o diário "Komsomolskaya Pravda", após a cirurgia, nos Montes Urais na Rússia ocidental, os médicos acreditam que Sidorkin pode ter inalado uma semente de abeto e que começou a crescer dentro do seu corpo.


O russo, quando confrontado com o relatório dos especialistas, nem queria acreditar. Pensou que “estava a delirar”, noticia o “Globo.com”, quando lhe disseram que tinha sido encontrada uma árvore num dos pulmões.


so 34% dos eleitores

As eleições europeias de Junho poderão registar uma elevada abstenção dado que apenas 34 por cento dos cidadãos se dizem dispostos a votar, de acordo com uma sondagem divulgada esta terça-feira.


Segundo a sondagem Eurobarómetro, realizada para o Parlamento Europeu entre meados de Janeiro e meados de Fevereiro junto de 27.218 cidadãos dos 27 países membros da União Europeia, 53 por cento dos inquiridos referiram não ter interesse pelas eleições europeias.


Cerca de 62 por cento referiram que o seu voto não vai mudar nada e 55 por cento dizem que o Parlamento Europeu não trata muitos assuntos que lhes digam respeito.


A indiferença dos eleitores aumentou desde um outro estudo realizado no final de 2008 no qual 37 por cento se diziam prontos a votar.


Apesar de ter sido realizada a cinco meses das eleições e de não permitir fazer deduções sobre taxas de participação, estes dados são preocupantes para a Comissão e para o Parlamento Europeu pois traduzem "uma baixa significativa de confiança nas instituições", dizem os responsáveis pelo estudo nas conclusões.


A confiança no Parlamento Europeu caiu seis pontos, na Comissão cinco pontos e no Banco Central Europeu nove pontos, segundo a sondagem.


Cinquenta e sete por cento das pessoas questionadas colocaram o desemprego no topo da lista das suas preocupações, seguindo-se a inflação e o poder de compra


Recuar 3.5%

A produção de riqueza em Portugal desceu para níveis só superados durante o PREC.

O Banco de Portugal reviu em baixa a estimativa de crescimento económico. A instituição presidida por Vítor Constâncio espera uma contracção do PIB em 3,5%, o pior desempenho desde os 4,3% de contracção registados em 1975.


As projecções mais recentes do Banco de Portugal (BdP), com base em informação disponível até ao fim de Março, apontam para "uma queda do PIB de 3,5% em 2009", muito além dos 0,8% anteriormente previstos pelo BdP.


Trata-se do pior registo da economia portuguesa nos últimos 34 anos. "No quadro da maior crise económica mundial desde a recessão de 1929/30, Portugal entrou também, no segundo semestre de 2008, num período recessivo, que se concluiu como o mais profundo e duradoiro da última década", disse Vítor Constâncio.


O Boletim de Primavera do BdP prevê, também, uma quebra nos preços de 0,2%, contrariando a previsão anterior de uma inflação de 1%.


Em vigor a partir do dia 1 de Maio

Entram em vigor, no dia 1 do próximo mês de Maio as novas regras à protecção social na parentalidade, que prevêem, entre outras coisas o alargamento da licença parental para seis meses, subsidiando em 83 por cento o salário bruto.
Isto quer dizer que qualquer pai pode repartir com o outro progenitor o tempo de apoio à criança, substituindo-o por um período de três meses.
De acordo com os diplomas publicados em Diário da República, as novas normas entram em vigor tanto para o regime geral da Segurança Social, como para os funcionários que entraram para a Administração Pública até ao final de 2005 e que não estão integrados no regime geral para efeitos de prestações sociais.


Por se tratar de uma matéria de grande alcance, falámos sobre ela como alguns viseenses e com um psicólogo, para sabermos até que ponto é importante para os casais.
Até agora, o subsídio por maternidade, paternidade e adopção apenas previa o pagamento de 120 dias a 100 por cento ou 150 dias a 80 por cento.
A medida abrange crianças nascidas em 2008, se o pai ou a mãe estiverem a gozar em Janeiro de 2009 a licença de maternidade, de paternidade ou de adopção.


Se estiver a gozar a licença de maternidade em Janeiro de 2009, quando entrar em vigor o novo Código do Trabalho, essa licença poderá ser prolongada até aos 12 meses do bebé, desde que o tempo de licença seja partilhado com o pai.

Menos acidentes e menos vitimas.


O balanço da “Operação Páscoa”, da GNR, que terminou à meia-noite de anteontem, é muito positivo no que diz respeito aos números registados na região.
De acordo com os dados disponibilizados pelo Comando Territorial de Viseu, daquela força de segurança, o número de acidentes, feridos graves e ligeiros, diminuiu significativamente, quando comparado com os dados de 2008.
Segundo a GNR, os sinistros diminuíram de 41 para 34, os feridos graves desceram de quatro para apenas um e os feridos ligeiros ficaram-se pelos dez, quando, no ano passado, ainda tinham sido 24, isto apesar das condições meteorológicas adversas registadas, especialmente, na quinta e na sexta--feira passadas.
A mesma fonte adiantou que as diversas patrulhas, distribuídas pelas principais vias de comunicação (A24, A25, IC12 e IP3) e também pelas estradas secundárias, fiscalizaram mais de 2.600 automobilistas, tendo sido dada especial atenção a manobras perigosas, uso de telemóvel durante a condução, não utilização do cinto de segurança e consumo de álcool e substâncias ilícitas.
Os militares levantaram quase três centenas de autos de contra-ordenação por infracções ao Código da Estrada e procederam à detenção de doze indivíduos por conduzirem com excesso de álcool e de outros dois, por condução ilegal.


Números nacionais


A nível nacional, o Comando Geral da GNR considera "muito positivos" os resultados da “Operação Páscoa”, com menos mortos e feridos graves do que no ano passado, porque ilustram uma "redução da tragédia na estrada".
A GNR registou nos quatro dias da operação, três mortos em acidentes de trânsito em Portugal continental, menos quatro do que em igual período do ano passado, mas mais 117 acidentes do que em 2008.
"Considero estes resultados muito positivos. Ilustram a tendência dos últimos anos e meses de redução da tragédia na estrada", disse, ontem, o tenente-coronel Duarte, do Comando Geral da GNR, realçando a "substancial redução do número de mortos e feridos graves".
Quanto ao aumento do número de acidentes, mais 117 do que em 2008, o tenente-coronel Duarte disse não dar "grande relevo", justificando que toda a “Operação Páscoa” decorreu "debaixo de tempo chuvoso", propício a mais desastres.


Irregularidades


Sobre as irregularidades cometidas pelos condutores, a mesma fonte sublinhou o desrespeito pelos limites de velocidade, a velocidade excessiva em condições adversas e a condução sob efeito de álcool.
De acordo com os dados da GNR, ocorreram no país, este ano, 999 acidentes, dos quais resultaram três mortos, 19 feridos graves (menos 10 do que em 2008) e 283 feridos ligeiros (mais 43).
Para esta operação, a GNR mobilizou 2.062 militares, 936 patrulhas e 871 viaturas.

Acidente na A25 provoca 5 feridos

Cinco feridos é o resultado de um choque em cadeia que ocorreu esta segunda-feira na A25, a cerca de 2 km do nó de Mangualde, informou fonte dos bombeiros.


Segundo fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu, o choque em cadeia ocorreu ao quilómetro 109, no sentido Viseu -- Guarda, por volta das 18:40.


"Do acidente resultaram cinco feridos, três ligeiros e dois em estado grave", acrescentou.


O segundo comandante dos Bombeiros Voluntários de Mangualde, José Correia, explicou que "os feridos seguiam todos nos veículos ligeiros", tendo sido transportados para o Hospital de S. Teotónio, em Viseu.


"O trânsito está a circular apenas pela faixa da esquerda, já que a da direita permanece obstruída, devido ao derrame de gasóleo", referiu.


Ao local do acidente deslocaram-se seis viaturas e 13 homens dos Bombeiros Voluntários de Mangualde.


Fazer sexo e conduzir ao mesmo tempo.

Um norueguês corre o risco de ser condenado a pagar uma avultada multa e de ficar com a carta de condução suspensa, por ter sido apanhado pela Polícia a conduzir a alta velocidade enquanto mantinha relações sexuais com a namorada.


O casal - um homem de 28 anos e uma mulher de 22 - foi detido ontem pela polícia rodoviária norueguesa numa estrada a oeste da capital do país, Oslo.


Tor Stein Hagen, do departamento da polícia de Soendre Buskerund, explicou que os oficiais prenderam os dois quando o casal circulava num Mazda a 133 km/hora, numa área com velocidade máxima limitada a 100 km/hora. Para a Polícia, o mais surpreendente foi verificar que o excesso de velocidade não foi o único problema. "O carro seguia de um lado para o outro porque a mulher estava sentada no colo do homem. Ele conduzia enquanto mantinha relações sexuais com a mulher", contou Hagen.


"Não podia ver quase nada porque as costas da mulher tapavam-lhe a visão", acrescentou.


A polícia apreendeu-lhe a carta de condução pelo perigo que representa para os demais condutores e abriu um processo.


Ainda nao se nota nada

A frieza dos números mostra que os preços estão a descer e que a crise convenceu muitos comerciantes que esse pode ser um dos caminhos para resistir à crise.


Comprovou -se que muitos adoptaram já essa solução, mas, também, que a maioria dos consumidores não se apercebe de qualquer quebra.


Cristina Roma, assistente social, disse-nos que nem sequer tem por hábito comparar preços, mas admite que é fácil notar que as pessoas recorrem "mais a marcas brancas, procuram sempre promoções e coisas mais baratas". Mas, garante: "nas lojas de fast food, não vejo descida dos preços."


Maria Fernandes, 48 anos, trabalha numa fábrica têxtil, e também não nota decréscimo dos preços na alimentação e afirma que nem mesmo no vestuário verifica qualquer diferença.


A maior parte dos comerciantes reconhece que o baixar dos preços é a solução para a sobrevivência das lojas. Helena Almeida, 24 anos, vendedora de carteiras e calçado, admite que "todos os bens considerados de luxo, como alguma roupa, sapatos e acessórios vão ter que descer, porque as pessoas não têm necessidade de comprar esse tipo de coisas".


"Uma loja cara hoje, não tem oportunidades de subsistir. As pessoas perguntam os preços e saem. Hoje, por exemplo, vendemos um par de sapatos", revela Helena e acrescenta: "Se continuarmos a vender assim, vamos ter que fechar as portas".


A dificuldade de vender é também realçada por Ana Rita Morais, 35 anos.


"Mesmo com promoções de 50%, e alguns artigos com 70%, não se vende aquilo que seria de esperar", revela.


Cláudia Machado, 20 anos, diz que os preços têm diminuído em certas áreas de vendas. "Cosmética e higiene pessoal, por exemplo, têm um decréscimo bastante acentuado", refere.


Já Natacha Couto, 31 anos, empregada de balcão, tem opinião diferente e diz que "continuamos com uma boa aceitação por parte das pessoas." No entanto, admite que isso se deve a "promoções na compra de quantidade."