So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Primeira pagina parte 1

Primeira pagina parte 2

Primeira pagina parte 3

Primeira pagina parte 4

Homem "sem rosto" do Rossio remove tumor de 5,5 quilos

Homem "sem rosto" do Rossio remove tumor de 5,5 quilos
José Mestre, conhecido há vários anos no Rossio e Restauradores como o "homem sem rosto", foi operado em Chicago, tendo-lhe sido removido um tumor de 40 centímetros e 5,5 quilos, noticiou a estação televisiva ABC.

O tumor, que cobria a maior parte do rosto e punha em risco a vida de José Mestre, foi retirado depois de três meses de preparação em Chicago, nos Estados Unidos, tendo sido necessárias quatro cirurgias.
"Finalmente teve uma hipótese de levar uma vida mais ou menos normal porque, antes disto, [José Mestre] sentia que, apesar de nunca o ter pedido, era o centro das atenções em todo o lado", disse o seu tradutor à ABC.

A história começou no ano passado quando, em Julho, José Mestre, então com 53 anos, foi convidado pelo canal de televisão Discovery para filmar em Londres um documentário sobre o seu problema.
O programa, intitulado "O homem sem cara", foi apresentado no início de Dezembro mostrando o rosto deformado do homem que costumava andar pela zona do Rossio, tendo o canal contactado dois médicos famosos nos hospitais de St. Bartholomew e de Broomfield para pedir opinião.

Ian Hutchison, o médico do St. Bartholomew consultado, ofereceu-se de imediato para fazer-lhe uma cirurgia inovadora, e de graça, para devolver a José Mestre o rosto que desde criança se vinha a deformar prometendo uma melhoria da qualidade de vida já que lhe possibilitaria respirar melhor, falar, comer e ver.
A maior dificuldade foi conseguir o acordo do próprio José Mestre que, como testemunha de Jeová, mostrou reservas em fazer a cirurgia.

"O maior tumor jamais retirado"

No entanto, o facto de, nos últimos meses, o tumor lhe ter provocado cegueira de um dos olhos, além de ter coberto por completo a boca e a língua, levou a sua irmã a insistir na operação.
"Se não fosse feito nada, ele morria", explicou à ABC a irmã, Edite Abreu, garantindo que "agora, ele tem uma nova vida".
José Mestre, que foi submetido a duas cirurgias perigosas nos últimos dias para reconstruir o seu rosto, está ainda a recuperar, com o rosto envolto em gaze, mas já consegue deslocar-se sozinho e falar com dificuldade.

"Nenhum médico o queria operar, por isso, para ele, desde a primeira cirurgia que esta história tem um final feliz, porque ele nunca acreditou que chegasse aqui vivo", disse o tradutor à estação televisiva.

"Este foi provavelmente o maior tumor jamais retirado e, por isso, foi muito difícil fazê-lo sem deformar o rosto", explicou Ramsen Azizi, um dos cirurgiões que está a tratar do caso.

José Mestre saiu do hospital na segunda feira à tarde e voltará a Portugal daqui a poucas semanas, refere a ABC, acrescentando que a família continuará a ser apoiada médica e financeiramente pelo hospital.

DN

Biografia que revela de vez Francisco Sá Carneiro

Biografia que revela de vez Francisco Sá Carneiro
É um dos políticos que marcaram o pós-25 de Abril de forma definitiva mas que nunca foi estudado com esse carácter definitivo que se exige há três décadas. A semanas de se perfazerem três décadas sobre a sua morte, a 4 de Dezembro de 1980, o jornalista Miguel Pinheiro publica na Esfera dos Livros 783 páginas que estabelecem a primeira grande investigação com fontes primárias e relatos dos que lhe foram muito próximos. O tom da biografia, intitulada apenas 'Sá Carneiro', é o de alguém lá de casa. Que foi procurar as raízes ao tempo dos avós, dos pais e do 'Chico' beato e reservado, até ser  o Francisco, advogado que rouba  a clientela ao pai, e Sá Carneiro, político enganado por Marcelo Caetano ao aderir à Ala Liberal que preconizava alterações à ditadura do Estado Novo. A morte trágica e muito antes do tempo deu-lhe um estatuto de intocável, exemplar para o partido que fundou e irrepetível na política nacional.


Poderia ser um romance se a biografia de Francisco Manuel Lumbrales de Sá Carneiro não fosse um dos maiores trabalhos de investigação feitos em Portugal nas últimas décadas. Romance porque a vida do fundador do Partido Popular Democrático teria todos os ingredientes para ser uma saga familiar em vários volumes, descritiva de um Portugal ainda monárquico e velho em que os seus antepassados nasceram; de uma república sem rumo em que os avós viveram e de um Estado Novo que os pais testemunharam.
Sá Carneiro entra na biografia à pág. 32, após o autor ter pintado os bastidores até ao parto do bebé que "nasceu, com 4 quilos e meio, à 1h da manhã de 19 de Julho de 1934, num dos quartos do n.º 49 da Rua da Picaria", quarto filho de José Gualberto e Maria Francisca.

A partir daí, Miguel Pinheiro não larga Sá Carneiro, de modo a justificar a escrita do calhamaço que explica, finalmente, quem foi o homem que desceu à terra após a explosão de uma bomba na avioneta em que seguia para o Porto.

Este episódio final, que é definido pelo autor como atentado em vez de acidente, será o momento mais assertivo e opinativo do biógrafo em toda esta investigação. Nos restantes, Miguel Pinheiro comportar-se-á como o observador atento de um percurso formativo, social, religioso e político, que oferece aos leitores toda a intimidade possível de Sá Carneiro.

É sob essa oferta de intimidade que os portugueses podem conhecer pormenores do dia-a-dia - uns divertidos, alguns indiscretos e a maioria factuais - que refazem a sua curta vida. Pode o leitor questionar até que ponto algumas das "indiscrições" pessoais, que existem no livro, sobre alguém que teve sempre forte barreira a impedir a sua revelação, serão exactas?

A resposta é fácil de encontrar nas páginas finais do volume, em que, logo na 617, se imprime uma longa lista de nomes de pessoas que aceitaram dar depoimentos para a elaboração da biografia. Para além de se poder corroborar a influência ou não do testemunho na fixação do texto, observa-se que muitas das fontes que depuseram o fizeram pela primeira vez.

Para o autor, a explicação desta abertura foi o tempo que passou: "Tive a sorte de encontrar pessoas que acharam que, ao fim de 30 anos, era altura de falar abertamente sobre Sá Carneiro." O inesperado é que tenha convencido os familiares mais directos que, diz, "têm sido de uma discrição absoluta nas últimas décadas". Entre eles estão a mulher, Isabel; a irmã, Ana Maria; os filhos José, Teresa e Pedro; e os sobrinhos Maria, Margarida, Miguel e Ricardo.

Mas o facto de terem aceitado falar com o investigador não quer dizer que este não os tenha testado. É por isso que afirma: "Pedi que me contassem alguns episódios mais que uma vez, chegando a deixar passar meses entre as diferentes conversas, para evitar uma mera repetição mecânica".

Das várias facetas que Miguel Pinheiro revela, ou fixa em definitivo porque suportado em factos, sobre Sá Carneiro podem destacar-se algumas. A religiosidade: "Ia à missa diariamente, acompanhava os irmãos numa oração à 'Teresinha, que estava no céu', e preparava o espírito com afinco." Os prazeres: "Adorava cinema - policiais e filmes de guerra. Delirava com a música de Ray Conniff, de Rosemary Clooney, dos Blue Diamonds e dos Platters. Sabia divertir-se - mas não em excesso." A nível de comportamento: "Não era propriamente antipático - cumprimentava toda a gente com um sonoro 'viva!', sorria muito e até se mostrava cordial." Como deputado: "Devia estar atento às intervenções do pai no parlamento. Em 1969, quando foi eleito, recuperou várias das suas preocupações." Relação pai-filho: "Havia pelo menos uma grande diferença entre eles: o pai era um defensor da ditadura, e o filho não."

Sobre o modo como viveu, há palavras do próprio Sá Carneiro que dizem tudo: "Sei que o meu destino é morrer cedo e só concebo a vida se for vivida vertiginosamente." Uma biografia a ler.

DN

IRS triplica nos escalões mais baixos

IRS triplica nos escalões mais baixos
Famílias vão pagar, em média, mais 1500 euros deste imposto em 2011, com taxas a mais que triplicar. Consulte nesta notícia a nova tabela de IRS aplicada às várias situações fiscais e diferentes simulações para diferentes tipos de família.


Simulação de IRS para contribuinte solteiro e sem filhos (rendimento 21.000 euros anuais).
Simulação de IRS para casal sem filhos (rendimento 28.000 euros anuais).
Simulação de IRS para casal com um filho (rendimento 42.000 euros anuais).
Simulação de IRS para casal com dois filhos (28.000 euros anuais).
Simulação de IRS para casal com dois filhos (75.000 euros anuais).

A classe média vai suportar um aumento brutal no seu IRS no próximo ano, com a taxa efectiva a mais do que triplicar, em algumas situações (tabela completa à direita deste texto). A culpa está no forte corte das deduções fiscais, que reduziram os tectos máximos de abatimento, a par de uma acumulação de aumento de imposto, depois de este ter aumentado em Julho. O aumento de impostos vai, assim, sentir-se igualmente na altura de acertar o IRS com o Tesouro.

O Orçamento do Estado para o próximo ano contempla uma actualização em 2,2% nos diferentes escalões de IRS, em linha com o valor indicativo para a evolução da inflação. Facto que poderia ter um efeito praticamente nulo, se não fossem os cortes nas deduções, como explicou ao DN o fiscalista da consultora Mazars & Associados, José Silva Jorge.

De acordo com as simulações de IRS feitas por esta consultora, são as famílias da classe média/ /baixa que irão pagar mais imposto, quando em 2012 fizer o seu acerto com o fisco, relativo aos seus rendimentos de 2011. No caso de um contribuinte solteiro (veja aqui a simulação), com um rendimento anual de 21 mil euros, a sua taxa efectiva de IRS passa de 2,7% para 9,9%, o que resulta num aumento absoluto de 1521 euros.

Quanto à situação de uma família com dois filhos (veja aqui a simulação) e um rendimento anual de 75 mil euros, a mesma taxa passa de 18,8% para 21,1%, com o imposto absoluto pago a mais a situar-se nos 1767 euros. Ora, para o primeiro caso, o aumento absoluto de IRS corresponde a 7,2% do seu rendimento, enquanto no exemplo da família com um rendimento de 75 mil euros o aumento de IRS é de 2,3% daquele valor.

Tratando-se de um casal com um filho e um rendimento anual de 42 mil euros (veja aqui a simulação), o agravamento da sua taxa de imposto efectiva passa de 9,6% para 13,8%, um aumento de 4,2 pontos percentuais. Em valores absolutos, são mais 1684 euros a pagar de factura de IRS.

As simulações feitas têm em consideração despesas de saúde de 1666,66 euros, além de investimento em planos poupança reforma (PPR). Foram igualmente usadas deduções de despesas de educação e de habitação própria.

"A conclusão a que se chega é a de que os aumentos de impostos são brutais e em valor absoluto são praticamente iguais, independentemente do nível de rendimento", referiu José Silva Jorge, que aponta um agravamento das "injustiças". "Não há nenhuma justiça fiscal. O Governo optou por aumentar a receita de IRS junto das classes que concentram maior número de contribuintes, em vez de optar por uma distribuição mais proporcional", acrescentou.

De acordo com a proposta de Orçamento do Estado ontem divulgada, os cortes nas deduções e benefícios fiscais resultam num limite de abatimentos à factura de IRS de um mínimo de 900 e um máximo de 1100 euros, consoante o escalão em que o contribuinte se inscreve.

O Governo optou por um tecto máximo de deduções, considerando a soma das despesas com saúde, educação e formação e juros da habitação, entre outras deduções.

Assim, a partir do terceiro escalão de rendimento, as famílias com um rendimento colectável entre os 7410 e os 18 375 euros apenas poderão abater ao IRS 9,447% sobre o seu rendimento colectável, sendo que esse valor não poderá exceder os 800 euros.

No que respeita aos benefícios fiscais, estas famílias só podem deduzir cem euros, com este limite a cair para 80 euros no escalão seguinte, baixando progressivamente para 60 euros, 50 euros e zero euros para o último escalão. Uma medida que irá desincentivar as aplicações neste tipo de produtos, que ao longo dos últimos anos têm vindo a perder sucessivos benefícios.

Estes aumentos de IRS só começarão a ser perceptíveis para as famílias em 2012, quando chegar a altura de entregar a declaração de impostos.

IRS triplica nos escalões mais baixos
Simulação de IRS para contribuinte solteiro e sem filhos (rendimento 21.000 euros anuais)
Simulação de IRS para casal sem filhos (rendimento 28.000 euros anuais)  
Simulação de IRS para casal com dois filhos (28.000 euros anuais)  
Simulação de IRS para casal com dois filhos (75.000 euros anuais)

DN

Portugueses descobrem «luz» no combate à artrite reumatóide

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra desenvolveu um trabalho que abre perspectivas ao tratamento da artrite reumatóide, uma doença crónica que afecta um por cento da população mundial.
«Esta descoberta vem abrir novas possibilidades terapêuticas para a artrite reumatóide, doença que permanece, até à data, incurável», refere uma nota de imprensa do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, onde foi desenvolvida a investigação.

Em modelos de experimentação animal os investigadores verificaram que a neutralização de um tipo específico de células «do sistema imune, os linfócitos T CD8+ (um tipo de glóbulos brancos) melhora a inflamação crónica na artrite reumatoide».

«Os ratinhos sujeitos a este novo tratamento apresentaram melhorias significativas na inflamação das articulações uma semana após a administração de anticorpos que bloqueiam as células T CD8+», acrescenta.
A investigação já está centrada na análise de amostras de células colhidas de doentes, e no desenho de um fármaco que possa tratar a doença, revelou à agência Lusa a coordenadora da investigação, Margarida Souto-Carneiro.

Segundo a investigadora, esta doença, mais frequente entre as mulheres, afectará cerca de meio milhão de pessoas na União Europeia.

TVi24

Corais do Índico estão a morrer

Corais do Índico estão a morrer
Investigadores australianos afirmam que este poderá ser o pior fenómeno deste tipo já testemunhado por cientistas. Problema ocorre quando cimeira da ONU tenta travar perda de espécies.


Os corais do Sudeste asiático e do oceano Índico estão a desaparecer em massa devido ao aquecimento das águas. O alerta é de um grupo de investigadores australianos e surge num momento em que representantes de 193 países estão reunidos em Nagoya, no Japão, na cimeira da Convenção da Biodiversidade com um objectivo nada fácil de concretizar: travar o ritmo acelerado em que a perda de biodiversidade já entrou. A morte generalizada dos corais no Índico mostra, aliás, como esta é uma tarefa complexa.

"Este é o pior episódio de mortalidade de corais desde 1998 e poderá mesmo ser o mais grave de sempre testemunhado por cientistas", explicou o investigador australiano Andrew Baird, do ARC Centre for Excellence for Coral Reef Studies, de Sydney, que tem estado a trabalhar com a sua equipa naquela região, conhecida por Triângulo Coral do Sudeste asiático.
Em 1998, ano em que as águas oceânicas sofreram um aquecimento, todos os recifes de corais do mundo foram afectados.

A equipa de Andrew Baird constatou nos últimos seis meses que os recifes das Filipinas , do Sri Lanka, Birmânia, Tailândia, Malásia e Singapura, que albergam mais de 500 espécies, estão a morrer em massa e que os que existem em toda a extensão oceânica entre a Indonésia e as ilhas Seicheles também estão a ser afectados.

O fenómeno, segundo os investigadores, está ligado ao aquecimento das águas do Índico. A amplitude do fenómeno da morte dos corais e o aumento da subida da temperatura do mar é tão visível que se trata "quase de certeza de uma consequência das alterações climáticas", nota Andrew Baird. Os investigadores não sabem se o problema vai alastrar à grande barreira de coral na Austrália, mas consideram que o mar de Adaman e o Pacífico podem ser afectados.

DN

Cabeleireiras em topless trazem sucesso ao negócio

Um salão de cabeleireiro é um sucesso na Austrália... porque as profissionais fazem topless.

De acordo com o jornal britânico «Metro», o dono do salão, Wojtek Wasilewski, de 26 anos, demorou 18 meses a conseguir encontrar quatro cabeleireiras que aceitassem trabalhar em topless.

Wojtek Wasilewski disse que «queria fazer do salão um clube para homens» e acrescentou que «o negócio está a crescer, o telefone não pára de tocar».

TVi24

Homem garante ter filmado unicórnio branco

Peter Hickey-Jones, residente em Toronto, filmou um suposto unicórnio branco, na região de Don Valley, Canadá.

De acordo com o Centro de Ciência de Ontário, «o vídeo em questão, filmado por um observador de aves, mostra o que parece ser um cavalo branco com um único chifre na cabeça», citado pela imprensa local.

O vídeo está a ser analisado por peritos do Centro de Ciência de Ontário para estabelecer se «o unicórnio é genuíno».

Veja o vídeo:

TVi24 

Vai receber 468 mil euros por ser atingido com sapato de stripper

Um americano, Michael Ireland, vai ganhar cerca de 468 mil euros depois de ter sido atingido no olho pelo sapato de uma stripper, Sakeena Shageer.

O acidente ocorreu em 2008 num clube de striptease de West Palm Beach, Flórida, nos EUA.
De acordo com a AP, o americano terá tido problemas oculares desde o acidente.

O advogado Lake Lytal disse que a companhia de seguro do bar concordou em pagar cerca de 468 mil euros pelos danos.

A bailarina estaria a caminhar no bar, terá sentido alguém tocar-lhe e virou-se, atingindo Michael Ireland no olho. De acordo com o advogado, o americano foi sujeito a uma cirurgia.

TVi24

Adolescente tem acidente depois de passar exame de condução

Um adolescente dos EUA bateu com o carro no centro de exames de viação, logo a seguir a ter passado o teste de condução, no centro da Pennsylvania. O acidente ocorreu quarta-feira à tarde quando o adolescente tentava tirar o carro do parque de estacionamento.

Pelo menos três pessoas ficaram magoadas, mas sem gravidade, segundo a AP.

De acordo com o sargento Brian Halbleib, «o acidente ocorreu quando o adolescente foi deixar o examinador».

TVi24

Campolide: paroquianos vão à missa de capacete

Os paroquianos da igreja de Campolide, em Lisboa, foram à missa de capacete branco. O padre também rezou a missa de capacete.

O objectivo é alertar para o perigo que pode vir do tecto. A igreja precisa de obras de conservação e todos temem que o tecto lhes caia em cima.

«As partes laterais da igreja estão quase a cair. Não se dá conta da água que se tira. E gostava que nesta altura em que se comemora os 100 anos da República se fizesse mais do que isso. Dar o seu a seu dono, para que possamos fazer obras, que será outra batalha a seguir muito vasta e complicada», disse à Lusa Isabel, uma paroquiana e voluntária das obras sociais da igreja de Santo António.

A propriedade é tutelada pelo Ministério das Finanças e a comunidade exige uma solução por parte do Estado. Os paroquianos contestam ainda a intenção do Governo de vender à paróquia um imóvel que há 100 anos lhe foi confiscado a custo zero.

«O Ministério não quer passar a preço simbólico ou a custo zero o imóvel para a paróquia. Começou por nos pedir um milhão e 200 mil euros, depois de algumas conversas acabaram por nos pedir 243 mil euros. Mas face à degradação do imóvel, e por ter sido confiscado a custo zero, achamos que é imoral o Estado querer fazer um negócio com uma coisa que roubou e agora quer vender», criticou o padre João.

O padre disse à Lusa que se têm feito pequenas obras de sustentação de tectos e paredes, com os recursos da paróquia e a boa vontade dos paroquianos, mas sublinhou que mais do que isso é impossível para uma igreja que vive paredes meias com uma realidade social também ela degradada.

TVi24

Portugal já é o 9º país mais pobre da UE

De acordo com o Eurostat, o gabinete de estatísticas da União Europeia (EU), em 2010, Portugal é o nono pais mais pobre dos 27. Por cá, os últimos dados relativos à pobreza divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em 2009 (relativos a 2008) e apontam para quase 18 por cento da população em risco de pobreza. Mas todos acreditam que o número já foi há muito ultrapassado.

De acordo com o INE, os números relativos à pobreza até estavam a diminuir, mas a realidade alterou-se, com o desemprego acima dos 10 por cento e cada vez mais cortes nas prestações sociais. A população em risco de pobreza rondará já os 2,5 milhões de portugueses.

As instituições de solidariedade social garantem que o problema cresce a cada dia. Os novos pobres, aqueles que tendo emprego e uma vida estável deixam de ter condições para fazer face às despesas do dia-a-dia, são cada vez mais uma realidade. Os cortes de salário, aumento de IRS, aumento do IVA e cortes no abono de família, por exemplo vão certamente trocar as voltas a muitas famílias portuguesas.

Cinco cidades portuguesas correram contra a pobreza 


Neste ano de combate à pobreza e exclusão social o gabinete de estatística da União Europeia volta a classificar Portugal entre os 10 países mais pobres dos 27.

TVi24

Descoberta uma nova espécie de carnívoro

Descoberta uma nova espécie de carnívoro
É o primeiro carnívoro descoberto nos últimos 24 anos, mas o seu futuro é incerto devido às ameaças ao seu 'habitat'.

É do tamanho de um gato, embora não pese mais de meio quilo, tem uma pelagem castanha escura e uma longa cauda e é uma nova espécie de carnívoro, que foi descoberta na lago de Alaotra, em Madagáscar. É o primeiro carnívoro descoberto desde há 24 anos, mas é também um dos mais ameaçados do mundo, alertam os seus descobridores, uma equipa de biólogos da Durrel Wildlife Conservation Trust.

O novo mangusto, baptizado com o nome científico de Salonia durrelli, foi pela primeira vez avistado durante uma expedição promovida pela fundação Durrell para realizar um censo da população dos lémures naquela região de Madagáscar, ainda no ano de 2004.

Nessa altura, quando os biólogos avistaram o pequeno animal a nadar na lagoa e a passear-se pelas terras alagadas em volta, suspeitaram que poderia tratar-se de uma nova espécie. E afinal não se enganavam.
No ano seguinte, uma nova missão de biólogos da fundação conseguiu capturar um exemplar e o seu estudo, em colaboração com especialistas do Museu de História Natural de Londres, acabou por confirmar a nova espécie de mangusto. O seu nome é uma homenagem ao naturalista e escritor britânico Gerald Durrell, que faleceu há 15 anos. O seu legado acabou por favorecer também a descoberta desta nova espécie. No entanto, o futuro deste carnívoro "é muito incerto", alertam os biólogos. A rápida expansão da agricultura na região é uma ameaça séria.

DN

Desenhos enigmáticos encontrados no Peru

Uma investigadora italiana diz ter encontrado um conjunto significativo de geoglifos, junto ao lago Titicaca, no Peru. A notícia é avançada pelo site da Discovery News.

E o que são geoglifos? São figuras grandes, mais de quatro metros, desenhadas no chão (sejam montanhas ou planaltos) e podem resultar da intervenção humana ou de uma conjugação de cores e relevos da natureza. Os desenhos só podem ser vistos a partir de uma determinada altura.

Aliás, o facto de não serem visíveis do chão, mas serem desenhados no chão, é um dos mistérios que rodeiam estas figuras.

Os geoglifos detectados agora por Amelia Carolina Sparavigna, uma investigadora da Universidade de Turim têm formas de pássaros e outros animais e ficam perto do Lago Titicaca, dividido pelo Peru e pela Bolívia. As imagens enigmáticas foram captadas com a ajuda do Google Earth.

Depois de analisar as formas, Amelia concluiu que foram desenhadas por comunidades andinas há vários séculos.
Estas figuras foram as últimas a ser descobertas, mas há registo de muitas mais em várias zonas do Mundo.

TVi24

Uma conta de luz de mil milhões de dólares

Acha que a luz está cara? Então imagine o que passou pela cabeça de Scarlett Hall, uma norte-americana de Acworth que viu a sua conta chegar aos mil milhões de dólares.

A companhia de energia do estado da Geórgia cobrou-lhe 1.016.500.130,09 dólares, mais de 725 milhões de euros.

Às televisões locais, Scarlett ainda brincou: «Acho que vou ter que começar a vender órgãos...»
No entanto, a empresa rectificou o erro e, afinal, a norte-americana «só» tem de pagar 285 euros.

TVi24

Taxa de cesariana põe Portugal na cauda da Europa


No ano passado, 36% dos bebés nasceram por cesariana no Norte. A taxa, próxima do resto do país (35%), está muito acima da Europa, que anda entre os 20% e os 30%. A região quer cortar nestas intervenções, que têm mais riscos para a saúde e são mais caras.  

Nos últimos anos, o número de cesarianas no Norte foi dos mais altos do país, tendo sido apenas ultrapassado, em 2009, pelo da região do Alentejo (37%).
Segundo o relatório da Comissão para a redução da Taxa de Cesarianas da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), a que o JN teve acesso, alguns hospitais do Norte, como o Centro Hospitalar (CH) do Médio Ave, o CH do Nordeste, o CH do Porto, o CH da Póvoa /Vila do Conde, o CH de Trás-os-Montes e Alto Douro e o Hospital Pedro Hispano apresentaram, nos últimos três anos, uma taxa de cesarianas acima dos 40%.

Apenas dois - O CH do Tâmega e Sousa e o Hospital de S. João - ficaram abaixo dos 30%. Nos hospitais privados a taxa ronda os 65%.
Criada em Março, a comissão estudou os hospitais públicos da região e vai propor, depois de amanhã na Ordem dos Médicos, dez medidas para reduzir as cesarianas. Na sessão estarão presentes a ministra Ana Jorge e o secretário de Estado Manuel Pizarro, que estão a preparar uma redução de cerca de 20% do número de cesarianas em todo o país. As medidas apresentadas no relatório da comissão deverão, portanto, ser alargadas a todos os hospitais.

Há medidas mais técnicas do que outras, mas o estudo diz que é preciso começar pela consciencialização dos profissionais e do público sobre os riscos da cesariana, os riscos da indução do trabalho de parto e os benefícios do parto vaginal.
Ainda que a mortalidade materna (10 mortes por cem mil nascimentos) e a mortalidade perinatal (quatro mortes por mil nascimentos) sejam baixas, a cesariana comporta mais riscos como a lesão vesical, lesão ureteral, histerectomia e tromboembolismo.

A necessidade de cuidados intensivos é nove vezes superior e gera mais do dobro de re-internamentos. A cesariana também pode provocar problemas na placenta e útero nas gravidezes seguintes. Em contrapartida, o parto natural provoca mais dor perineal, mais incontinência urinária pós-parto e prolapso uterino.
A comissão entende que seria útil a ARSN divulgar anualmente a taxa de cesarianas de cada hospital, associada à taxa de internamento em cuidados intensivos de bebés com baixa oxigenação devido ao parto.
"A ideia é que as mulheres decidam onde ter os filhos com base nestas informações. Por outro lado, obriga os hospitais a ter números mais atractivos", diz Diogo Ayres de Campos, coordenador do estudo.
Outra das medidas prende-se com o financiamento. A comissão propõe que os hospitais recebam o mesmo do Ministério da Saúde quando optam por cesariana ou parto vaginal. Por outro lado, sugere um sistema de prémios indexado à taxa de cesarianas. Os hospitais que tiverem mais de 32,5% nada recebem.

Para alterar o cenário nos privados, a comissão pede a alteração da tabela da Ordem dos Médicos, que atribui um preço base mais baixo ao parto vaginal. "Do ponto de vista financeiro, o sistema favorece as cesarianas", admite Diogo Ayres de Campos.
A comissão defende ainda uma política de remunerações que beneficie os médicos com menos cesarianas e pede salários mais atraentes para fixar os clínicos nos hospitais públicos.

JN

Colisão entre dois asteróides

O telescópio espacial Hubble captou imagens do resultado de uma colisão entre dois asteróides do sistema solar, que ocorreu em 2009.

As imagens, captadas de Janeiro a Maio deste ano mostram um objecto com 130 metros de comprimento arrastando atrás de si uma longa cauda partículas. De acordo com os astrónomos que seguiram a sua trajectória através dos céus, trata-se do que restou do asteróide P/2010 A2 após ter colidido com um outro asteróide, de menor dimensão, que não excederia os três a cinco metros de comprimento.

A colisão teria ocorrido à velocidade de 18 mil quilómetros por hora, tendo o asteróide mais pequeno saído pulverizado do fatal encontro.

DN

Perseguição a alta velocidade em São Paulo

Uma perseguição a alta velocidade e com vários tiros disparados provocou o pânico, na semana passada, em São Paulo, no Brasil. O condutor do veículo era um recluso que tinha fugido da cadeia no Natal do ano passado. Três pessoas ficaram feridas no decorrer da perseguição, dois polícias e o criminoso, escreve o jornal brasileiro «Estadão».

O recluso, Wellington dos Santos, foi identificado numa operação stop e pôs-se em fuga. Acabou por também ficar ferido no incidente que provocou, mas acabou detido.

Vários condutores, apanhados na confusão, abandonaram os seus próprios carros e colocaram-se em fuga. A perseguição, levada a cabo pela Polícia Militar, durou cerca de 20 minutos e foi transmitida em directo pela televisão.

Entretanto, esta quinta-feira, os polícias militares que participaram na operação foram homenageados pelo governador de São Paulo. Recorde-se que dois deles ficaram feridos na perseguição, mas agiram «por forma a garantir a protecção dos cidadãos».

VEJA O VÍDEO


TVi24 

Torneio de sestas em Espanha

Um torneio de sestas decorreu  em Madrid. São várias categorias de pontuação: o primeiro a adormecer, o que ressona mais alto, o melhor pijama e a posição mais original para dormir.

Juízes e médicos verificam se os participantes estão de facto a dormir. De acordo com a AP, alguns dos participantes levam peluches gigantes e almofadas.

Os participantes estão em grupos de cinco e têm 20 minutos para se deitarem. Um médico mede o tempo que cada um dormiu e se ressonou. Os organizadores têm uma máquina que mede os decibéis do ressonar.

O vencedor da primeira ronda foi Fermin Lominchar, que dormiu durante 18 minutos.

TVi24

Polícia agride brutalmente jovem de 13 anos

Polícia agride brutalmente jovem de 13 anos
O polícia agressor, José Osvaldo Navarro, foi detido juntamente com outros dois agentes

O vídeo está a chocar o mundo. Um rapaz paraguaio, de 13 anos, acusado de furto, a ser espancado por um polícia. De mãos atadas e sem hipóteses de de se defender. A situação terá acontecido entre Maio e Junho, mas só agora as imagens foram conhecidas.

As autoridades paraguaias já estão a investigar o agressor, José Osvaldo Navarro, que se encontra detido acusado de tortura. E também é suspeito de ter sido ele próprio a divulgar o vídeo. Além de Osvaldo, foram detidos mais dois agentes por serem cumplices e suspeitos de terem filmado a cena.

O chefe de Estado paraguaio Fernando Lugo, juntamente com o ministro do Interior Rafael Filizzola, foi encarregado de investigar o caso. "Fomos muito claros. Existe uma política democrática sustentada no respeito pela Constituição e plena vigência dos direitos humanos", referiu Filizzola.


 DN

Alterações climáticas vão afectar os rios e os peixes

Alterações climáticas vão afectar os rios e os peixes
Alterações no regime hidrológico dos rios, com mais episódios de seca e de inundações, tenderão a empobrecer as cadeias alimentares aquáticas. Peixes são os mais vulneráveis.

As alterações climáticas e as intervenções humanas nos rios, como a construção de redes de barragens ou o desvio dos cursos originais, estão a causar uma diminuição de caudais, mas também episódios de inundações inesperados em muitos rios do mundo. Este desequilíbrio crescente está, por sua vez, a afectar a cadeia alimentar baseada nestes ecossistemas, o que faz antever mais conflitos no futuro, à medida que as alterações climáticas se intensificarem.

O alerta é de um grupo de investigadores norte-americanos, das universidades de Yale e do estado do Arizona, que analisaram 36 grandes rios e respectivos afluentes na América do Norte e detectaram estas tendências.

A dimensão da cadeia alimentar que tem por base os rios ou ribeiros depende essencialmente da sua dimensão (comprimento) e não dos recursos aí existentes, explicam os investigadores, cujos estudos foram coordenados por John Sabo, da universidade do estado do Arizona.

"As inundações e as secas encurtam a cadeia alimentar [nos rios], mas fazem-no de forma diferente", explica o coordenador do estudo, sublinhando que, no primeiro caso, são os elementos no meio da cadeia que desaparecem, descendo os peixes, que estão no topo, umas quantas posições na hierarquia.

"As secas levam ao fim do predador do topo: os peixes. Em ambos os casos, a cadeia encurta-se, mas os efeitos da seca são mais catastróficos para os peixes e são também mais duradouros", adianta John Sabo, que é especialista em ecologia e ciências do ambiente.

Os peixes maiores, que estão no topo da cadeia alimentar nestes ecossistemas são os mais vulneráveis às variações que ocorrem nos caudais dos rios.

As alterações climáticas, cujos efeitos vão intensificar-se ao longo das próximas décadas, terão também impactos crescentes no equilíbrio da cadeia alimentar, avisa a equipa.

"Mesmo nos grandes rios do mundo há cada vez mais episódios de seca e os modelos climáticos fazem antever que muitos rios vão sofrer maior variabilidade de caudal", afirma o coordenador do estudo, notando que os resultados da sua equipa "sugerem que estas alterações hidrológicas vão empobrecer as cadeias alimentares nos rios e aumentar as probabilidades de se perderem muitos peixes predadores no topo dos ecossistemas aquáticos".

As consequências a outros níveis, como social e humano, poderão passar pela intensificação dos conflitos sobre a utilização dos recursos hídricos entre diferentes comunidades.

DN

Cientistas descobrem nova fonte hidrotermal ao largo do Pico

Uma missão de cientistas alemães, franceses e portugueses descobriu uma nova fonte hidrotermal ao largo da ilha do Pico, revelou Ricardo Serrão Santos, director do Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP) da Universidade dos Açores.

Esta nova fonte hidrotermal, a que foi dado o nome «Bubbylon», foi descoberta durante uma missão realizada pelo navio de investigação alemão «Meteor», numa expedição liderada por cientistas do Marum Center for Marine Environmental Sciences e do Max Planck Institute for Marine Microbiology, em que também participam investigadores da Universidade dos Açores.

Ricardo Serrão Santos destacou a importância desta nova fonte hidrotermal para o desenvolvimento de estudos científicos sobre o mar profundo, acrescentando que «há indícios de que existem mais fontes hidrotermais» no mar dos Açores.

A «Bubbylon», descoberta a cerca de 500 quilómetros a sudoeste da ilha do Pico, é composto por oito «pontos quentes, com «chaminés até um metro de altura e fluídos com mais de 300 graus centígrados».
Segundo os relatos dos cientistas envolvidos na missão, naquela área «abundam tapetes brancos de bactérias filamentosas, camarões e caranguejos hidrotermais, além de áreas completamente revestidas de pequenos mexilhões».

Os investigadores decidiram dar o nome de «Piquinho» a um dos pontos quentes descobertos na nova fonte hidrotermal, numa alusão ao topo da Montanha do Pico, recentemente declarada como uma das Sete Maravilhas Naturais de Portugal.

A nova zona hidrotermal submarina foi descoberta graças à utilização de uma sonda acústica de última geração, instalada a bordo do navio «Meteor», que permitiu detectar «plumas e bolhas de gás» na coluna de água, a apenas cinco quilómetros da conhecida fonte hidrotermal «Menez Gwen».

Depois de terem deparado com os indícios de uma possível nova fonte hidrotermal no local, os cientistas lançaram ao mar um submersível controlado remotamente, denominado «Marum-Quest», para documentar a existência de chaminés e a fauna ao longo da Crista Média Atlântica.

Os cientistas alemães que lideraram esta missão em águas açorianas já descobriram mais cinco locais com plumas de gás na coluna de água, o que poderá indiciar a existência de mais fontes hidrotermais nas proximidades.

A bordo do «Meteor» estão desde 6 de Setembro, três dezenas de cientistas alemães, franceses e portugueses, numa missão que tem como objectivo descobrir novas fontes hidrotermais ao largo dos Açores.

TVi24

Borboletas-monarcas usam plantas contra parasitas

Borboletas-monarcas usam plantas contra parasitas

Biologia As borboletas-monarcas desenvolveram um comportamento aparentemente com um objectivo medicinal em relação à sua descendência. A observação foi feita por biólogos da universidade norte-americana de Emory e publicada na revista Ecology Letters.

"Demonstrámos que algumas espécies de plantas das quais se alimentam as larvas podem reduzir a infecção por parasitas nas borboletas-monarcas", explicou o investigador Jaap de Roode, que coordenou o estudo.
A equipa demonstrou também que as borboletas infectadas preferem depositar os ovos em plantas que diminuem a infecção. "Isso sugere que as borboletas-monarcas evoluíram no sentido desta capacidade de medicar os filhos", sublinhou o mesmo investigador.

Até hoje, poucos estudos foram feitos sobre a capacidade de automedicação dos animais. Esta investigação oferece provas "muito fortes" nesse sentido.

DN

Homem está a destruir «a vida no planeta Terra»

O Homem está a acabar com a vida no planeta Terra, declarou esta segunda-feira o director do programa para o meio ambiente da ONU, Achim Steiner.

Durante a sessão de abertura da décima edição da Conferência das Partes sobre Biodiversidade (COP-10), Achim Steiner sublinhou que «este é o único planeta no universo em que sabemos que existe vida como a nossa e estamos destruindo as bases que a sustentam», escreve a BBC.

O mesmo discurso pessimista foi adoptado por outras figuras especialistas da área ambiental, que chegaram a contar com analogias que igualavam a fase que o mundo vai atravessar, segundo as suas previsões, ao período de extinção dos dinossauros.

«O problema da natureza é um problema da vida humana. Hoje, infelizmente, a vida humana é um problema para a natureza», aludiu Ryo Matsumoto, ministro japonês do Meio Ambiente, recordando que a perda da biodiversidade pode chegar a um ponto irreversível se não for travada a tempo.

O ministro considera ainda que «falhamos, indivual e colectivamente» no cumprimento dos objectivos lançados no encontro de Joanesburgo, em 2012. «Toda a vida na Terra existe graças aos benefícios da biodiversidade, na forma de terra fértil e água e ar limpos. Mas estamos agora próximos de perder o controle se não fizemos grandes esforços para conservar a biodiversidade», acrescentou

O encontro começou esta segunda-feira em Nagoya, no Japão, e termina no dia 29 de Outubro. Durante estas próximas duas semanas, representantes de 193 países vão avaliar as metas de preservação ambiental assumidas para 2010 e definir quais serão os próximos objectivos até 2020.

TVi24

Vindima de 'miséria' deixa viticultores em dificuldades

Vindima de 'miséria' deixa viticultores em dificuldades
Uvas no Douro e no Dão estão a ser pagas a 16 e 17 cêntimos o quilograma.

Com as vindimas praticamente terminadas, é tempo de deitar contas à vida. E para muitos viticultores portugueses, o balanço é tudo menos sorridente. Que o digam os produtores do Douro e do Dão, por exemplo, que estão a vender as uvas a 16 e 17 cêntimos o quilograma. Um valor que "não dá nem para pagar o preço da mão de obra na vindima", garantem. Mas também há quem entregue as uvas sem saber sequer quanto vai receber por elas.

Num ano em que Portugal deverá produzir mais 13% de vinho do que na campanha anterior, a pressão sobre os preços é maior. E quem sofre é o viticultor. "O meu pai entregou as uvas por 16 cêntimos o quilo. É isso que está a se r pago no Douro e não há quem faça barulho", afirmou ao DN Luís Sampaio Arnaldo. "Eu bem tentei convencê-lo que mais valia deixar as uvas na videira, mas há sempre a parte emotiva que impede o viticultor de deixar o fruto do seu trabalho apodrecer na videira".

Com custos de produção na região a rondar os 2500 euros por hectare ao ano, numa vinha mecanizada, "os 16 cêntimos por quilo não pagam, sequer, o custo da mão de obra para vindimar". Para Luís Sampaio, o problema reside na falta de escoamento das uvas para vinhos de mesa, devido ao desaparecimento de dezenas de adegas cooperativas. "Há um excesso de oferta nos vinhos do Douro e nós [viticultores]é que estamos a sentir as consequências na pele", salienta.

Em contrapartida, Aurélio Cardoso Barros entregou as uvas aos compradores habituais, mas desconhece quanto vai receber. "Não as devo ter vendido muito bem, mas não sei, não fazem preço. Normalmente só sabemos quanto vamos receber quando nos pagarem lá para Janeiro, se as uvas forem para 'Porto', ou lá para Junho ou Julho, ou quando eles quiserem, se forem uvas de consumo [para vinhos de mesa]", explica o viticultor da zona do Pinhão.

Questionado sobre a opção de deixar as uvas na videira, Aurélio Barros contrapõe: "Se já mal sobrevivo, como é que fazia? Vivo disto, não tenho outro rendimento". E aponta também o dedo ao excesso de oferta. "O problema é que há muitas uvas e poucas firmas a comprar. E eles também são produtores e continuam sempre a plantar. Claro que depois pagam mal as nossas", diz.

Vilhena Pereira, presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, garante "desconhecer" a existência de preços tão baixos e assegura que, em média, o preço no Douro "é muito superior". Mas não avança números.

Já no Dão, a Cruz & Companhia, o maior produtor de vinhos da região, pagou as uvas brancas a 17 cêntimos o quilo e as tintas a 18. As castas eram pagas a 20 cêntimos as brancas e a 22 as tintas. A Touriga Nacional a 26 cêntimos. "Temos de produzir vinhos competitivos quando temos custos de produção elevadíssimos, porque não há emparcelamento nem terrenos onde as máquinas possam entrar", afirmou ao DN fonte da empresa, ripostando que "se não se tivesse recebido, as uvas ficavam todas nas videiras".

No Alentejo, com propriedades maiores e mais mecanizadas, os custos de produção são mais baixos. Mas nem por isso os preços caíram tanto. Bernardo Carpinteiro Albino é viticultor em Elvas e tem um acordo plurianual "justo" com um comprador. E justo, no Alentejo, é tudo o que oscile entre os 33 e os 43 cêntimos o quilo, consoante as castas e a qualidade. "Não tenho ouvido queixas. A única questão prende-se com as dificuldades financeiras das cooperativas, que levam a que paguem só no ano seguinte. É mau no primeiro ano, mas depois a cadência mantém-se e tudo normaliza", diz.

DN

600 mil idosos com fome ou mal alimentados

600 mil idosos com fome ou mal alimentados
30,7% dos mais velhos têm baixo peso e são poucos os que tomam suplementos.

Maria (nome fictício) tem 81 anos e vive sozinha. Sem família para a ajudar, a reforma que recebe não chega para poder comprar os suplementos alimentares de que precisa para compensar o que não come. Sofre de desnutrição. Tem 1,60 m e pesa apenas 48 quilos, quando devia ter 63. Além do impacto destas carências na sua qualidade de vida, corre ainda riscos acrescidos de saúde. Cerca de 600 mil idosos em Portugal estão abaixo do peso que deviam ter, revela um estudo que é apresentado hoje, Dia Mundial da Alimentação.
"O isolamento social leva a este tipo de situações. Quanto mais sozinhos estão, menos comem e mais dependentes se tornam. Se não tiverem uma alimentação adequada, os tratamentos são mais lentos e não têm o mesmo alcance. Há um aumento de mortalidade e de morbilidade", diz Graça Raimundo, presidente da Associação Portuguesa de Dietistas.

Em Portugal, 30,7% dos idosos, ou seja, cerca de 600 mil pessoas, estão desnutridos e apenas 21% tomam suplementos alimentares para compensar esta falta de nutrientes. Esta é uma das conclusões do estudo NutriAction, que mostra que são muitos os que comem apenas um quarto da refeição que deviam ter no prato. O acesso aos suplementos é mais difícil no interior do País, "zona com menos informação e mais pobre".

"Essa quantidade de comida não cobre as necessidades nutricionais que têm. Há idosos a passar fome porque não ingerem tudo o que precisam. Além das dificuldades económicas em alguns casos, noutros o apetite não corresponde às necessidades", reforça, lembrando que a "desnutrição se traduz em debilidade física e psíquica".

A situação torna- -se ainda mais grave nos que estão doentes. Carla (nome fictício) sofre de uma doença grave que a impede de engolir normalmente. Apesar de só ter 67 anos, precisa de suplementos alimentares. Enquanto esteve internada teve acesso a uma alimentação enriquecida, mas após a alta a família foi confrontada com a enorme despesa que isso significava. Acabaram por deixar de ter dinheiro para comprar os suplementos nas farmácias, que não são comparticipados pelo Estado.

Em 2008, 53% dos idosos que precisavam tinham acesso a suplementos. O número caiu para 27% no ano passado e este ano continuou a baixar para os 21%. "A diminuição do consumo deve-se em grande parte à crise económica. Os suplementos têm custos que algumas pessoas não conseguem suportar", diz Graça Raimundo.

Uma conclusão reforçada por Vítor Cavaco, que fez o tratamento estatístico do estudo. "Mais de 50% destas pessoas têm doenças associadas e quando é preciso optar nas farmácias, levam o necessário", explica, salientando que o trabalho mostra que quanto mais velho mais problemas de nutrição se tem.
As situações mais graves de desnutrição são, curiosamente, encontradas nos hospitais. Não só porque os mais doentes aí estão internados mas porque esta ainda não é uma prioridade na área hospitalar. "É preciso criar grupos muldisciplinares que estudem as necessidades nutricionais dos doentes, elaborem planos alimentares e acompanhar a situação", diz Graça Raimundo. Vítor Cavaco acrescenta que ainda são poucos os dietistas e nutricionistas nos serviços de saúde.

DN

RANKING: melhor escola do país é privada

O colégio privado Nossa Senhora do Rosário, no Porto, é a melhor escola do país, tendo em conta a média dos resultados do exames nacionais. A escola, que é repetente no topo deste ranking, conseguiu a melhor média nacional ao obter 14,82 valores.

No sector público, a liderança cabe à secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, que obteve uma média de 13,6 valores numa tabela até 20.

Este ranking de escolas a que a TVI teve acesso tem por base as notas obtidas nos exames nacionais de escolas secundárias.

No fundo da tabela geral com piores resultados está uma escola pública, a secundária Dr. João Brito Camacho, em Almodôvar. E nas privadas, o estabelecimento com piores resultados foi o Externato S. Miguel de Refojos, em Cabeceiras de Basto. Aqui, a média não passou dos 8 valores.

VEJA AQUI O RANKING
GERAL:
Melhor: (CONHEÇA AS DEZ MELHORES) link externo
Colégio Nossa Senhora do Rosário
Privado, Porto
média de 14,82
394 exames
Pior:
Esc. Secundária Fonseca Benevides,
Público, Lisboa,
média de 5
14 exames

Escolas com mais de 100 provas
Melhor (CONHEÇA AS DEZ MELHORES) link 
externo
Colégio Nossa Senhora do Rosário
Privado, Porto
média de 14,82
394 exames
Pior:
Escola Bás. e Sec. Dr. João Brito Camacho-Almodôvar
Público, Beja
média 6,9
115 provas

PRIVADAS/GERAL:
Melhor:
Colégio Nossa Senhora do Rosário
Privado, Porto
média de 14,82
394 exames
Pior:
Escola Portuguesa de Díli, Estrangeiro,
média 5,64
57 exames

PRIVADAS/Mais de 100 provas:
Melhor:
Colégio Nossa Senhora do Rosário,
Privado, Porto
média de 14,82
394 exames
Pior:
Inst. Dioce. de Formação João Paulo II
Privado, Estrangeiro
média 7,08
160 exames
PÚBLICAS/GERAL:
Melhor: Cons. Música C. Gulbenkian
Braga
média, 14,24
exames 7

2ª melhor: Esc. Secundária Infanta D. Maria, Coimbra, média 13,60, em 626 exames.
Pior: Esc. Sec. Fonseca Benevides, Lisboa, média 5,00, em 14 exames.


PÚBLICAS/Mais de 100 provas:
Melhor:
Esc. Secundária Infanta D. Maria
Coimbra
média 13,60
626 exames
Pior:
EB/Sec.Dr. João Brito Camacho
Almodôvar, Beja
média 6,90
115 exames
MATEMÁTICA/Geral:
Melhor:
Col. Sagrado Coração de Maria
Privado, Lisboa
média 17,63
54 provas
Pior:
Escola EB 2/3 São Roque
Público, R.A. Madeira
média 2,7
1 exame

MATEMÁTICA / Mais de 100 provas:
Melhor:
Esc. Sec. Infanta D. Maria
Público, Coimbra
média 15,87
116 exames
Pior:
Escola Secundária de Fafe
Público, Braga
média 8,97
228 exames

PORTUGUÊS/Geral:
Melhor:
Grande Colégio Universal
Privado, Porto
média 15,13
25 exames
Piores
Escola Portuguesa da Guiné-Bissau
Privado, Estrangeiro
média 4,60
9 exames
Escola Básica e Secundária Graciosa
Público, R.A. Açores
média 6,76
16 exames
PORTUGUÊS/Mais de 100 provas:
Melhor:
Escola Secundária Aurélia de Sousa
Público, Porto
média 13,39
provas 157
Pior:
Esc.Sec. Rainha Sta Isabel-Estremoz
Público, Évora
média 8,70
provas 109

TVi24


DN