So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 25 de agosto de 2007

MUSIC - Rihanna

Feira de Sao Mateus/2007


: Viseu - Programação 25 de Agosto a 1 de Setembro-Feira São Mateus-Viseu

No campo de Viriato, onde se realiza a secular Feira de São Mateus, encontram-se instalados comerciantes com venda de artesanato português e de outros países, restaurantes típicos, farturas, diversões? É um espaço onde também se realizam espectáculos e outras actividades de animação.

Rumors of Castro's Death Swirl in Miami

The official word in Cuba is that Fidel Castro is still very much alive - but you'd never know that on the streets of Miami.

Cuban leader Fidel Castro in a photo released Oct. 29, 2006,
more than three months after his intestinal surgery.
Rumors of Castro's death have circulated since his operation.

Premature rumors of Castro's death are a staple in this heavily Cuban-exile city. But their frequency has intensified in recent days after his 81st birthday came and went Aug. 13 with neither pictures, letters nor recordings from him.

Friday, the rumors were pushed into overdrive by a meeting of local officials to go over their plans for when Castro really dies and a road closure in the Florida Keys that was actually due to a police standoff.

A circular game ensued with radio stations reporting the rumors, citing TV stations, which cited the rumors on the street.

Sandra Avila, an executive at a design firm in Miami's Coconut Grove neighborhood, said clients and vendors called all day asking about the rumors.

"I've heard the rumors before, but there's a different feeling this time, like this time it's real," she said.

The rumor mill took off a year ago when the Cuban leader announced he would turn power over to his brother Raul because of an intestinal illness. Since then, Castro, who has ruled Cuba for nearly 48 years, has not been seen in public.

Even celebrity blogger Perez Hilton, a Cuban-American who normally deals with Lindsay Lohan and Paris Hilton , jumped into the fray Friday, writing that sources were saying the Miami police were poised to announce Castro's death.

Never mind the question of why the Miami police department and not the Havana government or, at least, the U.S. State Department would let the world know.

In Cuba, officials remained tightlipped about Castro's condition.

"Fidel is doing very well and is disciplined in his recovery process," Cuban foreign Minister Felipe Perez Roque told reporters in Brazil on Thursday. Perez Roque insisted Castro maintains "permanent" contact with members of the government party in Cuba.

On official Cuban television, there was no hint of trouble Friday. A rerun of the hit NBC series "Friends" played late in the afternoon.

To steal a title from Nobel prize-winning Colombian author and Castro friend, Gabriel Garcia Marquez, the last two weeks have been a nonstop "Chronicle of a Death Foretold."

"For us it's not so much the waiting for the death of a person," said Joanna Burgos, spokeswoman for the Miami-based Raices of Esperanza, a nonpartisan youth group that advocates for a free and democratic Cuba.

"It's much more the waiting for the opportunity for young people on the island to have a chance to live freely, and hopefully that might give them an open door to do so."

Gerry McCann: We Were Scared By Media

The father of Madeleine McCann has begun speaking about the night the youngster vanished and the family's desperate search for her the next morning.

He said he and his distraught wife Kate went out at first light in the hope of finding their missing daughter.

Mr McCann is speaking now at the Edinburgh International Television Festival about the role the media has played in the hunt for the four-year-old.

He recalled going back to the family's apartment in the Portugese resort of Praia da Luz after a day of inteeviews with the police.

He was astonished to find around 150 journalists waiting for him. He admitted being scared by them.

It is now 114 days since Madeleine vanished from her bed as her parents were having dinner with friends in a nearby restaurant.

Mr McCann is speaking to journalist Kirsty Wark for the festival's Richard Dunn interview.

He is expected to talk about how he and his wife Kate and other people in similar situations have used the power of the media to their advantage.

The search for Madeleine has captured the public imagination in Britain, Portugal and beyond since she went missing on May 3.

For much of the summer the small seaside village of Praia da Luz has been packed with TV crews, photographers and reporters closely scrutinising the McCanns' every move.

In the absence of any clear developments, there has been some fevered speculation about the young girl's fate.

Mr McCann has attacked a series of police leaks, saying he was disappointed so much information had made its way into the public domain despite Portugal's strict "secrecy of justice" laws.

In recent weeks the McCanns have been forced to defend themselves after Portuguese newspapers claimed the couple could now be suspects in their daughter's disappearance.

Reacting to these "incredibly hurtful and incredibly untrue" allegations, Mr McCann told the Daily Telegraph: "It is extraordinary. It's incredible. But we will come through it.

"We know our facts, we know what we did. It does not bear any resemblance to this wild speculation. My opinion of what has happened has not changed in 16 weeks."

Chave do carro dos Mc Cann acusou odor de um cadáver



Os cães ingleses que estão a auxiliar a Polícia Judiciária na investigação do caso Maddie acusaram um forte odor a cadáver na chave do carro utilizado pelo casal McCann. A par disso, os animais detectaram uma amostra de sangue no porta-bagagens do monovolume Renault Scenic, alvo de vistoria a par de vários outros carros de amigos dos pais de Madeleine.

Estes pormenores,causaram estranheza na mente dos investigadores precisamente pelo facto de, aparentemente, o veículo só ter vindo para as mãos dos McCann várias semanas após o desaparecimento, a 3 de Maio, no Ocean Club, da Praia da Luz, Lagos. Daí que também estejam a ser investigadas as pessoas que, antes, alugaram o carro. São colocadas várias possibilidades de explicação. Inclusive uma eventual "contaminação" de odores, mediante o contacto da chave utilizada por Gerry com outros materiais, que, por sua vez, tenham tocado num cadáver.

Exames repetidos

A mancha de sangue encontrada no porta-bagagens é uma das amostras que, juntamente com os vestígios recolhidos numa parede e numa cortina do apartamento onde estava a família, estão a ser analisadas no Laboratório de Birmingham, em Inglaterra. O local onde foi encontrado o vestígio de sangue, acompanhado da reacção ao odor da morte, da parte de outro cão "springer spaniel", indicia precisamente que um cadáver poderá ter estado naquela mala.

A demora na apresentação de resultados (quase três semanas) está a suscitar perplexidade no seio da investigação, havendo quem levante a hipótese de interferências ao mais alto nível do poder político em Inglaterra, dado o envolvimento governamental com o casal McCann - um dos seus assessores é também assessor do actual primeiro-ministro, Gordon Brown.

Todavia, para alguns investigadores, este atraso "para já, não é estranho", dado que "há a consciência que as amostras eram reduzidas e provavelmente estavam contaminadas". A PJ, porém, já foi informada de que os exames demoram mais tempo a terminar, sobretudo nos casos em que as amostras de ADN correspondem aos perfis genéticos investigados. Caso contrário, são mais rápidos. Todas as provas e contraprovas têm que ser repetidas, de forma a que os resultados tenham margens de erro mínimas. Fonte do laboratório inglês garantiu que as análises não estão ainda concluídas e continua sem revelar a data em que os dados serão comunicados à polícia inglesa que, por sua vez, os encaminhará para a PJ.

Mais diligências

Os polícias e os cães britânicos foram para Inglaterra efectuar diligências junto dos amigos dos McCann. No Algarve, enquanto não chegam os resultados dos exames, a PJ continua a efectuar inquirições a testemunhas já ouvidas numa fase anterior da investigação.

Foi neste contexto que anteontem decorreu uma reunião entre os investigadores e o Ministério Público. Ontem, dois polícias ingleses também estavam em Portimão. O encontro com o procurador titular do caso serviu para ser feito um ponto de situação, com e análise dos indícios recolhidos até ao momento, e para delinear estratégias a seguir na investigação.

Weird and wacky hotels: A drain pipe

In an era of global business travel, most hotels tend to merge into one, offering largely the same services and facilities. However, there are some out there that choose to do things a little differently, squeezing accommodation into all manner of unlikely settings. They may not be five star in terms of luxury, but some hotels deserve five stars for sheer bizarre ingenuity.




Where:

Ottensheim, Austria

What:

Dasparkhotel has a prime setting, in the middle of a park by the River Danube in Linz, Austria. However, that's as close to five star luxury as it gets. It consists of three big concrete drainpipes, each of which has had a double bed rammed into it. Blankets, storage space and a power point are also provided, whilst other amenities can be found in the surrounding park.

Cost:

Guests are encouraged to leave a donation equivalent to what they think the night's accommodation was worth.

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Mother Teresa's Crisis of Faith



Jesus has a very special love for you. As for me, the silence and the emptiness is so great that I look and do not see, listen and do not hear.— Mother Teresa to the Rev. Michael Van Der Peet, September 1979


On Dec. 11, 1979, Mother Teresa, the "Saint of the Gutters," went to Oslo. Dressed in her signature blue-bordered sari and shod in sandals despite below-zero temperatures, the former Agnes Bojaxhiu received that ultimate worldly accolade, the Nobel Peace Prize. In her acceptance lecture, Teresa, whose Missionaries of Charity had grown from a one-woman folly in Calcutta in 1948 into a global beacon of self-abnegating care, delivered the kind of message the world had come to expect from her. "It is not enough for us to say, 'I love God, but I do not love my neighbor,'" she said, since in dying on the Cross, God had "[made] himself the hungry one — the naked one — the homeless one." Jesus' hunger, she said, is what "you and I must find" and alleviate. She condemned abortion and bemoaned youthful drug addiction in the West. Finally, she suggested that the upcoming Christmas holiday should remind the world "that radiating joy is real" because Christ is everywhere — "Christ in our hearts, Christ in the poor we meet, Christ in the smile we give and in the smile that we receive."

Yet less than three months earlier, in a letter to a spiritual confidant, the Rev. Michael van der Peet, that is only now being made public, she wrote with weary familiarity of a different Christ, an absent one. "Jesus has a very special love for you," she assured Van der Peet. "[But] as for me, the silence and the emptiness is so great, that I look and do not see, — Listen and do not hear — the tongue moves [in prayer] but does not speak ... I want you to pray for me — that I let Him have [a] free hand."

The two statements, 11 weeks apart, are extravagantly dissonant. The first is typical of the woman the world thought it knew. The second sounds as though it had wandered in from some 1950s existentialist drama. Together they suggest a startling portrait in self-contradiction — that one of the great human icons of the past 100 years, whose remarkable deeds seemed inextricably connected to her closeness to God and who was routinely observed in silent and seemingly peaceful prayer by her associates as well as the television camera, was living out a very different spiritual reality privately, an arid landscape from which the deity had disappeared.

And in fact, that appears to be the case. A new, innocuously titled book, Mother Teresa: Come Be My Light (Doubleday), consisting primarily of correspondence between Teresa and her confessors and superiors over a period of 66 years, provides the spiritual counterpoint to a life known mostly through its works. The letters, many of them preserved against her wishes (she had requested that they be destroyed but was overruled by her church), reveal that for the last nearly half-century of her life she felt no presence of God whatsoever — or, as the book's compiler and editor, the Rev. Brian Kolodiejchuk, writes, "neither in her heart or in the eucharist."

That absence seems to have started at almost precisely the time she began tending the poor and dying in Calcutta, and — except for a five-week break in 1959 — never abated. Although perpetually cheery in public, the Teresa of the letters lived in a state of deep and abiding spiritual pain. In more than 40 communications, many of which have never before been published, she bemoans the "dryness," "darkness," "loneliness" and "torture" she is undergoing. She compares the experience to hell and at one point says it has driven her to doubt the existence of heaven and even of God. She is acutely aware of the discrepancy between her inner state and her public demeanor. "The smile," she writes, is "a mask" or "a cloak that covers everything." Similarly, she wonders whether she is engaged in verbal deception. "I spoke as if my very heart was in love with God — tender, personal love," she remarks to an adviser. "If you were [there], you would have said, 'What hypocrisy.'" Says the Rev. James Martin, an editor at the Jesuit magazine America and the author of My Life with the Saints, a book that dealt with far briefer reports in 2003 of Teresa's doubts: "I've never read a saint's life where the saint has such an intense spiritual darkness. No one knew she was that tormented." Recalls Kolodiejchuk, Come Be My Light's editor: "I read one letter to the Sisters [of Teresa's Missionaries of Charity], and their mouths just dropped open. It will give a whole new dimension to the way people understand her."

The book is hardly the work of some antireligious investigative reporter who Dumpster-dived for Teresa's correspondence. Kolodiejchuk, a senior Missionaries of Charity member, is her postulator, responsible for petitioning for her sainthood and collecting the supporting materials. (Thus far she has been beatified; the next step is canonization.) The letters in the book were gathered as part of that process.

The church anticipates spiritually fallow periods. Indeed, the Spanish mystic St. John of the Cross in the 16th century coined the term the "dark night" of the soul to describe a characteristic stage in the growth of some spiritual masters. Teresa's may be the most extensive such case on record. (The "dark night" of the 18th century mystic St. Paul of the Cross lasted 45 years; he ultimately recovered.) Yet Kolodiejchuk sees it in St. John's context, as darkness within faith. Teresa found ways, starting in the early 1960s, to live with it and abandoned neither her belief nor her work. Kolodiejchuk produced the book as proof of the faith-filled perseverance that he sees as her most spiritually heroic act.

Two very different Catholics predict that the book will be a landmark. The Rev. Matthew Lamb, chairman of the theology department at the conservative Ave Maria University in Florida, thinks Come Be My Light will eventually rank with St. Augustine's Confessions and Thomas Merton's The Seven Storey Mountain as an autobiography of spiritual ascent. Martin of America, a much more liberal institution, calls the book "a new ministry for Mother Teresa, a written ministry of her interior life," and says, "It may be remembered as just as important as her ministry to the poor. It would be a ministry to people who had experienced some doubt, some absence of God in their lives. And you know who that is? Everybody. Atheists, doubters, seekers, believers, everyone."

Not all atheists and doubters will agree. Both Kolodiejchuk and Martin assume that Teresa's inability to perceive Christ in her life did not mean he wasn't there. In fact, they see his absence as part of the divine gift that enabled her to do great work. But to the U.S.'s increasingly assertive cadre of atheists, that argument will seem absurd. They will see the book's Teresa more like the woman in the archetypal country-and-western song who holds a torch for her husband 30 years after he left to buy a pack of cigarettes and never returned. Says Christopher Hitchens, author of The Missionary Position, a scathing polemic on Teresa, and more recently of the atheist manifesto God Is Not Great: "She was no more exempt from the realization that religion is a human fabrication than any other person, and that her attempted cure was more and more professions of faith could only have deepened the pit that she had dug for herself." Meanwhile, some familiar with the smiling mother's extraordinary drive may diagnose her condition less as a gift of God than as a subconscious attempt at the most radical kind of humility: she punished herself with a crippling failure to counterbalance her great successes.

Come Be My Light is that rare thing, a posthumous autobiography that could cause a wholesale reconsideration of a major public figure — one way or another. It raises questions about God and faith, the engine behind great achievement, and the persistence of love, divine and human. That it does so not in any organized, intentional form but as a hodgepodge of desperate notes not intended for daylight should leave readers only more convinced that it is authentic — and that they are, somewhat shockingly, touching the true inner life of a modern saint.



Page 1 of 6 Next >>



Courtesy From CNN

Há 60 anos que vai à feira e ao almocito de enguias



Apenas com 11 anos, Manuel António começou a acompanhar o pai à Feira de S. Mateus, em Viseu, para vender bois, mas hoje, 60 anos depois, são outros animais que o levam ao secular certame as enguias. "É tradição vir cá comer as enguias, mas haja quem as pague", disse Manuel António à agência Lusa, durante uma visita à feira, lamentando que o preço deste petisco seja um "luxo" para os seus bolsos de agricultor. A feira de S. Mateus ou Feira Franca, nome ganho pelas regalias que teve em termos de impostos e que ainda hoje é muito usado, foi criada em 1392, pelo rei D. João I. Na memória de Manuel António existe desde que, com o pai e com os bois, percorria a pé os 10 quilómetros entre a freguesia de Santos Evos e o recinto da feira. "O meu pai criava bois de ano a ano. Era hábito os agricultores trazerem gado para a feira, a pé. Nós só tínhamos de fazer 10 quilómetros, mas outros vinham de muito mais longe", recordou. Agora, a venda de gado só é permitida no parque de gado de Rio de Loba, para onde costuma levar os animais que ainda cria. Na feira, só os stands pertencentes às lojas de animais têm bichos vivos, mas de companhia: cães, gatos, pássaros e peixes e outros mais exóticos, como as chinchilas e as iguanas. Há também ovelhas e cabras, mas de barro, compradas para enfeitar relvados. E há as enguias, tão apreciadas por Manuel António, servidas com batatas cozidas nas pequenas tascas que convivem, lado a lado, com os grandes pavilhões que servem cachorros quentes e hambúrgueres. Este petisco é o grande atractivo da feira para o agricultor, que ainda se lembra de pagar apenas 50 escudos para o poder saborear. "Costumo vir mais uns amigos, para fazer um almocito. Só que agora custam sete ou oito euros." Admitiu que não resistiu à tentação de comprar uma barrica de enguias, que custa 85 euros, para levar para casa, na barraca da Dona Zélia, cuja família já tem este negócio na feira há 67 anos. Manuel António gosta do aspecto renovado do recinto, situado à beira do Rio Pavia, após as obras de que beneficiou no âmbito do programa Polis. "Mudou muito desde há 60 anos, ai isso mudou", garantiu, apontando para os pavilhões da zona da restauração, onde há poucos anos eram frequentemente falados por problemas de higiene e que agora são novos, e para os arruamentos em pedra. Por isso, gosta de passear pelas várias zonas da feira. A 615ª edição da feira termina a 23 de Setembro, juntando gastronomia, música, folclore, arte, artesanato e um parque de diversões. Todos os anos é visitada por um milhão de pessoas.

Zona histórica sem carros

A té ao dia 21 de Setembro, o centro histórico de Viseu vai continuar interdito à circulação automóvel, às sextas-feiras e sábados, entre as 21 e as duas horas. A medida, implementada há 15 dias, a título experimental, foi ontem acatada pelos comerciantes que a contestavam após uma reunião com Fernando Ruas, presidente da Câmara Municipal Viseu (CMV), da qual resultaram duas decisões fundamentais monitorizar, hoje e amanhã, o fluxo de clientes aos bares e restaurantes para aferir se há ou não quebras no negócio imputáveis à interdição, e preparar, em parceria, programas de animação para os próximos fins-de-semana.

"Discutimos tudo o que havia para discutir. Avaliámos os aspectos positivos e negativos da postura municipal, e concluímos que é preciso encontrar alternativas de animação para atrair as pessoas ao centro histórico. Um trabalho que iremos desenvolver em parceria com a autarquia", explicou no final da reunião Hilário Costa, dono de um restaurante no centro histórico, reconhecendo, no entanto, que a troca de opiniões ontem realizada "deveria ter acontecido antes de a medida proibitiva ter avançado".

Hilário Costa, porta-voz dos 17 estabelecimentos comerciais afectados pela interdição - a totalidade das empresas que abrem à noite -, reafirmou que os negócios, às sextas e sábados, sofreram quebras na ordem dos 50%. "Vamos monitorizar os fluxos, e contaremos, amanhã ou sábado, com a companhia do presidente da Câmara de Viseu para pulsarmos a situação", acrescentou.

O representante dos contestatários - que na última semana fecharam simbolicamente as portas dos estabelecimentos e colocaram cartazes de "vende-se" e "trespassa-se" em sinal de protesto -, reafirmou que os comerciantes "nunca se opuseram" à decisão de fechar o centro histórico aos automóveis, "desde que a medida seja conversada e definidas contrapartidas que catapultem as pessoas", concluiu Hilário Costa.

"Falta de comunicação". Foi assim que Jorge Azevedo, outro comerciante, classificou o 'braço de ferro' que nos últimos dias tem oposto as partes e impedido uma plataforma de entendimento.

Durante a manhã, na reunião do Executivo, os vereadores socialistas criticaram a maioria por ter tomado uma decisão sem falar com ninguém e sem garantir condições prévias ao nível das acessibilidades, horários e animação. "A Câmara deve recuar na decisão enquanto não assegurar estas contrapartidas", sugeriu o vereador socialista Miguel Ginestal.

Fernando Ruas recusou suspender a medida e avisou que, quando o funicular estiver a funcionar, o centro histórico ficará definitivamente sem carros, todos os dias, durante todo o ano.

PJ alinha estratégia com o Ministério Público

Os responsáveis pela investigação do caso Madeleine tiveram ontem uma reunião com o procurador da República de Portimão titular do processo com o intuito de fazer um ponto de situação das diligências, numa altura em que a Polícia Judiciária ainda espera pelos resultados das análises aos vestígios de sangue detectados pelos cães ingleses. O encontro terá servido também para alinhavar a estratégia a seguir na investigação consoante os resultados das análises venham a confirmar se o sangue pertence ou não a Maddie.

Entretanto, uma sondagem realizada no âmbito da campanha para encontrar Madeleine McCann garante que 97% dos eurodeputados que integram o Parlamento Europeu (PE) concordam com a criação de uma base de dados europeia de predadores sexuais. O estudo, feito entre Julho e Agosto a 105 deputados do PM e a 50 do Parlamento Britânico (PB), e divulgada ontem pela porta-voz do casal McCann, refere que a polícia deveria tratar dos casos de abuso infantil da mesma forma em toda a Europa.

Ao divulgar este estudo, Gerry McCann, o pai da criança desaparecida a 3 de Maio na praia da Luz, mostrou-se satisfeito com a sondagem. No mesmo contexto, negou que alguma vez tenha alertado a PJ para a eventualidade de a filha estar morta. "Não somos estúpidos. Sabemos que há a possibilidade de Madeleine não estar viva, mas queremos continuar a acreditar que está", afirmou Gerry.

Ontem, a Polícia espanhola fez saber que estava a investigar um eventual avistamento da menina de quatro anos numa gasolineira perto de Tentegorra, Cartagena. Segundo fonte da Guardia Civil, duas mulheres terão visto uma criança, que garantem ser Madeleine, acompanhada de um homem que, quando apercebeu que estava a ser "vigiado, escondeu a menina dentro do carro". Apesar de não terem certezas quanto à veracidade do avistamento, a Guardia Civil interrogou ontem as duas mulheres.

Fonte da PJ garantiu, desconhecer "por completo" esta situação, já que ainda não tinha sido comunicada às autoridades portuguesas.

O avistamento surge depois de os McCann terem dado entrevistas a jornais espanhóis onde fizeram um apelo à Polícia para que encontrem a filha. AS e MR

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Living in Britain

It’s anarchy on the streets. Feral youths are prowling around making it unsafe for people to go out after dark. Knife crime has doubled in two years and life is becoming increasingly cheap. Anyone that stands up to this emerging yob culture is likely to get seriously hurt or worse. This is the current state of Britain, or so a large percentage of the media would have us believe.


Living in fear

The Mirror recently ran a survey which revealed that Britain is a nation living in fear. The paper’s study found that 42% of people would rather stay at home at night because of the perceived threat posed by street corner gangs, hoodies and muggers. The poll also concluded that 50% of people feel less safe than 10 years ago. Echoing the Mirror survey, MSN’s own online poll revealed that 69% of people who voted don’t leave home at night unless they have to.

It seems that people are frightened. In fact the situation has got so bad that record numbers of British citizens are fleeing the country. Figures released this week from the Office for National Statistics showed that more Britons than ever are migrating. Last year, 196,000 Brits left the country and although specific information on why they did so is not available, this climate of fear must surely have been a factor.

Not a ghetto

While it would be foolish to deny that there is a problem, Britain has certainly not turned into the ghetto that it is often portrayed as. Perhaps we are slightly more at risk of getting mugged if we go out after dark than we were 10 years ago, but it’s not as if it’s a certainty every time you leave the safety of your own home. It’s been blown out of all proportion. If people are afraid to leave their homes after dark, they shouldn’t be. Of course bad things do happen to some people, they always have, but it’s taking things too far if people feel like prisoners in their own homes.

There might be certain areas it’s worth avoiding, particularly after dark, but we must not forget that the vast majority of people in Britain are good, honest, well-meaning people. It’s a minority that has caused this atmosphere of fear and it’s a minority consisting of two parts: firstly the toe-rags responsible for intimidating people and, secondly, the sections of the media that have given the impression that nobody is safe.

No cause for hiding away

Murders, muggings and violent attacks are still newsworthy – that is why they get reported in the media. They are newsworthy for the sole reason that they are still relatively uncommon. We only need to start really worrying when they no longer make the news because they are happening so frequently. Until then, there is no cause for hiding away once the sun sets, assuming of course that we do get to see the sun sometime this year.

Britain is still a great place to live. The problems causing people to say they are afraid to go out at night must be put into context. When you compare the risks people face in Britain to those faced in much of the rest of the world, it becomes clear we don’t have much to moan about. Our worries are relatively insignificant. You might be concerned about getting your wallet or purse stolen on a trip to the local store, whereas people in other countries have to contend with suicide bombers and mortar attacks every time they step outside their homes. Others have gunshots ringing out in their streets on a daily basis. These are the people who have a right to fear leaving their homes. A crop of deviant kids sends Britain into a state of paranoia, but in war-torn parts of the Middle East, people are getting on with their lives against all the odds. We’re guilty of making mountains out of molehills and it’s embarrassing when the ‘trials’ we face are compared to the hardships elsewhere.

We should count ourselves lucky

The problems we face in the UK aren’t in the same league as those in many other countries and that is something we forget all too easily. We may have had some floods this summer, but we don’t get hurricanes and tornadoes on the same scale as other nations; tsunamis don’t make it to our shores and earthquakes in Britain are pretty pathetic. The flooding wasn’t nice, but if that’s the worst we have to deal with then we should count ourselves lucky. A summer without much sun is disappointing, but it’s hardly the “tragedy” some people are making it out to be.

It’s about time we stopped navel-gazing and started to appreciate that, as a nation, we really haven’t been dealt such a bad hand. There aren’t that many places more pleasant to live. After all, where else in the world can you get cricket on the village green, afternoon tea and a proper pint of bitter?



Sprawling Hurricane Batters Mexico Again

Hurricane Dean has ripped into Mexico's Gulf coast with screaming winds and torrential rain that killed one person and flooded towns - but then weakened rapidly.

On Wednesday, large trees blown down by the wind were blocking main roads in Poza Rica as Dean, packing winds of up to 100 mph, made landfall in Mexico for the second time.


One man was killed during Dean's two-day rampage in Mexico when a wall blew down on top of him in his house in Puebla state, authorities said.


The death toll in Haiti also increased to nine, taking the total number killed in Haiti, Jamaica and other parts of the Caribbean region to 18.


Dean pounded Mayan villages and beach resorts in a run across the Yucatan Peninsula on Tuesday.


The storm weakened from a Category Five storm to Category One as it passed over Mexico but on Wednesday afternoon it increased in strength and was upgraded to Category Two.


It then passed through the Campeche Sound, home to more than 100 oil platforms and three major oil exporting sites.


It finally weakened to a tropical depression on Wednesday evening and was not expected to threaten the US coastline.


Although Dean lost strength soon after landing near Poza Rica, its rains fell in Mexico City more than 125 miles away


The US National Hurricane Centre said it would fizzle out as it passed over the mountains of central Mexico.


But the state government of Veracruz warned of heavy rains, which often cause mudslides in poor mountain villages after hurricanes pass.

McCann Campaign May Force Law Change

The campaign to find Madeleine McCann may force a change in EU laws on sex offenders and crimes against children.

MEPs overwhelmingly support creating an EU-wide sex offenders register - and politicians across Europe want crimes involving children to be treated the same way in all member states.

The views were aired as part of a survey commissioned by the campaign to find Madeleine McCann, who was snatched from her parents' holiday flat in Portugal 112 days ago.

Numerous sightings of the four-year-old have been reported across Europe and North Africa, including in Belgium, Malta and Morocco.

Almost every MEP surveyed (97%) agreed there should be an EU-wide sex offenders register, and 95% said police should treat serious crimes involving children exactly the same across Europe.

Nearly nine out of 10 MEPs would support the introduction of a common EU policy on child abduction cases.

The research also looked at attitudes of British MPs, 84% of whom believed sex offenders should be tracked as they move across Europe and forced to register with local police

Almost nine in 10 MPs felt that the UK's Child Rescue Alert - an emergency scheme to publicise suspected child abductions within hours - should be extended across the EU.

Madeleine's parents Kate and Gerry, from Rothley, Leicestershire, have travelled around Europe to publicise their daughter's disappearance.

They said she could have been taken to another country by abductors taking advantage of the EU's porous borders.

Mr McCann said "We are pleased to see that elected members of both the UK and European parliaments agree that changes to legislation and greater consistency across the European Union are needed.

"Kate and I would like to encourage further debate on how Europe can best manage serious crimes such as child abduction."

:: Populus surveyed 50 UK MPs selected to be representative of all the political parties at Westminster between July 9 and 25.

CommunicateResearch surveyed 105 MEPs selected to be representative of all the major EU member states and political groups in the European Parliament between July 19 and August 2.


Cancros estão a aumentar entre vizinhos de antenas

Meia dúzia de pessoas morreram, vítimas de tumores malignos, na Estrada Velha de Abraveses. Quase outras tantas, residentes na mesma localidade, estão a lutar contra a doença. A maioria tem entre 40 e 50 anos e mora nas proximidades de um prédio onde, há cinco anos, foram instaladas duas antenas de telemóvel.

Primeiro subscritor de um abaixo-assinado, com 1140 assinaturas, que em Maio de 2002 foi enviado a várias entidades a exigir a remoção daqueles equipamentos de telecomunicações, Sérgio Sequeira Corte Real volta a alertar as autoridades para um problema que "está a preocupar vivamente a população". Sobretudo após a divulgação, pela Direcção-Geral de Saúde, de um relatório no qual se reconhece que a exposição prolongada da população a campos electromagnéticos comporta "riscos para a saúde", nomeadamente o surgimento de cancros.

"Não pretendemos estabelecer qualquer relação de causa-efeito entre as mortes e doenças oncológicas e as radiações das antenas de telemóveis. Mas, perante este estudo, exigimos a retirada imediata das antenas e a promoção de uma investigação aturada à população afectada", declara Corte Real.

O morador recorda que, em 2002, perante o abaixo-assinado a contestar a existência das antenas de telemóveis na cobertura de um prédio localizado numa zona densamente povoada e perto de duas escolas (Viriato e Azeredo Perdigão), a própria Sub-região de Saúde de Viseu desaconselhou a sua permanência.

Naquele ofício, o delegado de Saúde, Carlos Mimoso, após considerações genéricas em torno do problema, concluiu "Face à incerteza científica existente e atendendo à pertinência das dúvidas em ordem aos efeitos para a Saúde Pública, somos de parecer que tais localizações potencialmente perigosas devem ser evitadas".

A mesma informação foi enviada à Câmara Municipal de Viseu (CMV) atendendo, segundo Carlos Mimoso, ao facto de a instalação de estações de radiocomunicações, regulada pelo Decreto Lei nº 151-A/00 de 20 de Julho, atribuir "particulares responsabilidades às câmaras municipais e ao Instituto das Comunicações de Portugal".

Alguns dias após a emissão daquele parecer da autoridade sanitária, António Botelho Pinto, à altura vereador da CMV, informou Sérgio Sequeira Corte Real de que a autarquia já encetara "diligências em vista à remoção de antenas de telemóveis colocadas nos/ou próximos de edifícios".

"Não se passou nada", critica Corte Real, que reafirma, enquanto utilizador de telemóveis, não ser contra a instalação de antenas. "Apenas acho que devem ir para zonas onde não prejudiquem ninguém", declara, apresentando o Monte de Santa Luzia, nas proximidades da cidade, como "uma boa solução".

Judiciária admite vários suspeitos

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu ontem a possibilidade de haver mais que uma pessoa envolvida no desaparecimento de Madeleine McCann. Segundo o inspector-chefe Olegário Sousa, porta-voz da PJ para este caso, "é natural que um crime desta natureza, possa envolver mais que um pessoa". Contudo alerta não ter "nada em concreto" para basear esta sua análise, explicando tratar-se apenas de uma questão de lógica. "Se este crime tiver sido cometido por apenas uma pessoa, seria mais difícil resolvê-lo", dado que "deixaria menos rasto".

Daí que todos os vestígios recolhidos em mais de três meses de investigação sejam importantes para determinar o número de pessoas envolvidas no desaparecimento da criança.

Fonte da PJ garantiu também que "a investigação continua a bom ritmo", explicando que estão a ser feitas diligências, apesar de ainda não serem conhecidos os resultados das análises realizados a duas amostras de sangue recolhidas no apartamento onde os McCann passaram férias, no Ocean Club. Os técnicos do laboratório forense de Birmingham continuam a não avançar uma data para a conclusão dos trabalhos.

Depois do "aparato mediático" à porta de casa, na manhã de anteontem, Russell O'Brian anunciou ontem a intenção de processar os meios de comunicação social que o tornaram suspeito deste caso. O médico, amigo dos McCann, com quem passou férias na praia da Luz, negou estar envolvido no desaparecimento. Kate e Gerry McCann, nas entrevistas que ontem deram a três jornais espanhóis, voltaram a reafirmar a sua total confiança nos amigos que com eles passaram férias. Afirmaram ainda continuar a acreditar que a filha está viva e fazem um apelo à polícia espanhola para que não deixe de procurar Madeleine.

Uma ideia que contrasta com a tese que os investigadores portugueses e ingleses seguem agora e que aponta para a morte da criança, que desapareceu do quarto onde dormia, a 3 de Maio.

Através da porta-voz, Justine McGuinesse, Gerry fez saber que se irá deslocar à Edimburgo, na Escócia, onde na manhã de sábado participará num seminário sobre crianças raptadas. Na praia da Luz ficarão Kate e os gémeos.

O casal, que anunciou a intenção de regressar a casa, em Leicester, em meados de Setembro, continua a aguardar a realização de uma reunião com a Judiciária, que foi pedida há mais de 15 dias. Ao longo destes mais de três meses, os McCann mantiveram - quase semanalmente - reuniões com os investigadores portugueses e ingleses.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Madeleine Alive In Spain?

The parents of missing Madeleine McCann have said they believe there is a real possibility their daughter is alive and being held in Spain.

In an interview with Spanish newspaper El Mundo, Madeleine's father Gerry McCann said: "It's something we didn't consider at the beginning but now we are weighing up seriously.

"There is no surveillance on the border and nobody closed it the night Madeleine disappeared.

The couple did not say whether there had been any concrete information to suggest the four-year-old had been taken to Spain, but said the Spanish police had played an important part in the investigation.

"When we went to Madrid, they encouraged us to continue," said Kate McCann.

"They're involved in the investigation, but I can't tell you what they're working on - they would have to reveal that in an official way," Gerry McCann added.


In the intervews they had requested with the Spanish press, Madeleine's parents said they did not wish to comment on recent reports that blood traces found in the apartment from where the girl was taken did not match her DNA.

Mr McCann told newspaper El Pais that he was not able to talk about the ongoing investigation, although his wife revealed she though it was "not surprising" that the traces of blood might have been someone else's.

"It it possible that Madeleine is dead, but it's also possible she's still alive," Gerry McCann concluded.

"We have no reason to lose hope that our daughter is alive. The police are still looking for her. There is no reason to think that she could have died."


UK could face winter of flooding

Britain is facing further flooding in the coming months, with soils left saturated by heavy summer downpours unable to absorb extra rainwater, experts warned.

The Environment Agency has given "enhanced flood warnings" across England and Wales because massive amounts of water stored underground following the recent deluges could overflow if further heavy rain hits the country

If this week's calmer weather foments sustained sunshine, water-logged ground could dry out.

But with the approaching winter months, the danger of more flooding could persist through to next year, according to Terry Marsh, of the Centre for Ecology and Hydrology at Wallingford in Oxfordshire.

He said: "If we have a very dry autumn, soils could dry out, but typically, with average rainfall, we can expect an enhanced flood risk all throughout autumn and winter.

"Soils have been the wettest since records began in 1961. The rainfall that flooded Tewkesbury was exceptional - you would expect to see that sort of thing maybe once every thousand years."

With no monsoon and little seasonal variation in rainfall, summer rainfall levels in the UK are comparable to winter.

The Environment Agency said it was "worried" about land in the North, Wales, Midlands and South West, after rain in July and August filled aquifers across the regions, and normally drier summer water levels were already high in the run-up to autumn.

Spokesman Simon Hughes warned that there was little that authorities could do to absorb the effects and would be unable to pinpoint water developments more than several hours beforehand, leaving them at the mercy of natural processes.

Meteogroup, the weather division of the Press Association, said a crisis looked unlikely in the shorter term, with relatively mild weather expected over the next week.

Interdição ao trânsito vai ser reavaliada

O presidente da Associação de Comerciantes do Distrito de Viseu (ACDV), Gualter Mirandez, solicitou, ontem, uma reunião com o executivo camarário para avaliar o impacto da interdição à circulação automóvel no Centro Histórico, às sextas-feiras e sábados, entre as 21 e as duas horas.

Gualter Mirandez explicou que a decisão tomada pela associação que dirige e pela Autarquia, teve um único objectivo atrair mais público para o Centro Histórico.

"Estou na ACDV há quatro anos. Garanto que nunca se fez tanto pelo desenvolvimento daquela zona da cidade. A interdição do trânsito, pontualíssima, visa justamente avaliar o que é melhor para atrair público". O dirigente espera, na reunião que terá com a Autarquia, propor sugestões que possam melhorar o acesso ao Centro Histórico.

A postura municipal que interdita o trânsito, em vigor desde o passado dia 11 , estará na origem de quebras no negócio na ordem dos 50%, nomeadamente em bares e restaurantes que laboram durante aquele período.

Na última sexta-feira, em protesto contra a decisão que afirmam ter sido tomada de forma unilateral - "ao contrário do que havia sido prometido em 2003" -, a totalidade dos estabelecimentos abrangidos pela medida fecharam as portas simbolicamente, durante meia hora, e colocaram cartazes de "vende-se" e "trespassa-se".

Ontem, Hilário Costa, porta-voz dos comerciantes que contestam a decisão municipal, anunciou terem sido já agendadas duas reuniões para amanhã às 14.30h, com a Autarquia e, às 17.30 horas, com a ACDV. "Esperamos que delas resulte a imediata suspensão da medida", disse.

Resultados de análise a vestígios ainda sem data

Neill Holland, o porta-voz do laboratório forense de Birmingham, Inglaterra, que está a analisar as duas amostras de sangue recolhidas no apartamento onde Madeleine desapareceu na noite de 3 de Maio, na praia da Luz, em Lagos, revelou ontem que não há ainda uma data para a conclusão dos exames. Holland acrescenta ainda que os resultados deverão ser comunicados à Polícia Judiciária, recusando fazer quaisquer outros comentários sobre o caso.



As amostras de sangue foram detectadas por um dos cães "springuer spaniel" da Polícia inglesa, durante uma inspecção ao apartamento de onde a criança desapareceu.O exame, que foi acompanhado por técnicos do Laboratório de Polícia Cientifica, da PJ, ocorreu no passado dia 3 e durou mais de 10 horas. Tal como noticiou na ocasião, para além de terem fotografado as amostras, os técnicos utilizaram luzes ultra-violetas, que permitiram detectar os vestígios e recolhê-los. As amostras de sangue - duas apenas e bastante danificadas - estão há cerca de 15 dias em Birmingham para análise.



A Polícia Judiciária mantém alguma expectativa em torno do resultado destes testes, mas já fez saber que a investigação não está dependente dos mesmos.No terreno continuam a ser feitas diligências longe do olhar dos jornalistas.



Ontem, à praia da Luz, chegaram ainda informações de que a polícia inglesa se preparava para efectuar detenções, nomeadamente de um homem "suspeito", cuja descrição feita por jornais ingleses e alguns portugueses, apontava para Russel O'Brian, o amigo do casal McCann que, com a sua mulher, passou férias no Ocean Club. Esta informação que, segundo garantiu fonte da Polícia Judiciária, "é pura especulação", levou, contudo ,alguns jornalistas ingleses a ficarem durante toda a manhã à porta de casa do médico, que reside em Exeter, no Reino Unido.



Fonte da polícia de Exeter - localidade onde reside também a irmã de Robert Murat, o único arguido deste caso -, garantiu que a noticia "é um absurdo", já que não foi contactada pelos investigadores portugueses ou ingleses para efectuar qualquer tipo de diligência.Negou ainda ter na sua posse qualquer mandato de detenção."Qualquer acção, nesta localidade, teria de nos ser comunicada obrigatoriamente, porque é da nossa jurisdição", esclareceu a fonte.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

Hurricane's Season

Hurricane facts, figures & preparation
What you need to know about hurricanes,
their origins and their effects

Rising from Ruin
MSNBC.com follows two towns as they rebuild after Katrina.
Follow their progress through on-going stories and citizen diaries.

Hurricane_Tracker

PJ interroga hoje vizinha dos Mc Cann no Algarve

A cidadã britânica de 70 anos que reside no apartamento situado por cima daquele que foi ocupado pela família McCann durante a sua semana de férias, no Ocean Club, na praia da Luz, Lagos, irá hoje ao departamento de Investigação Criminal da Polícia Judiciária de Portimão. O testemunho de Pamela Fenn poderá ser importante para esclarecer os investigadores sobre o comportamento dos britânicos, nos dias que antecederam o desaparecimento de Madeleine. É que, na primeira inquirição, Pamela terá dito à PJ que dois ou três dias antes da menina desaparecer, ouviu choros de criança, e recorda-se de ter ouvido uma criança gritar "daddy, daddy" (papá, papá). Contudo, sobre a noite fulcral, pouco ou nada terá narrado de suspeito, apenas o contacto que diz ter tido com Kate, a mãe da menina. De qualquer forma, esta cidadã britânica, que reside na praia da Luz há alguns anos, irá esclarecer alguns pormenores relativos à noite de 3 de Maio, nomeadamente uma curta conversa que terá tido com Kate, depois de Madeleine ter desaparecido. Pamela garante ter oferecido ajuda e ter-se disponibilizado para contactar as autoridades policiais, mas a mãe da criança terá dito que o alerta estava feito. Esta inquirição, como outras que têm vindo a ser realizadas ao longo das últimas semanas, tem como objectivo esclarecer dúvidas surgidas durante a investigação, que dura há mais de 100 dias. Apesar de tudo, os investigadores mantêm o optimismo quanto ao esclarecimento do desaparecimento de Madeleine. No Reino Unido, a Polícia inglesa procede também à inquirição de cidadãos britânicos que passaram férias no Ocean Club. O resultado será comunicado à PJ.

A degradação das amostras tem dificultado o trabalho dos técnicos forenses e atrasado a realização de outras diligências. A PJ continua a aguardar que os técnicos do laboratório forense de Birmingham libertem os resultados das análises às duas amostras de sangue encontradas no apartamento dos McCann. Ontem à tarde, e segundo fontes do laboratório, as provas e contraprovas que estão a ser feitas ainda não estavam concluídas, pelo que continua sem se saber o dia exacto em que os resultados chegarão a Portugal.

Monster Dean bears down on Yucatan

CHETUMAL, Mexico -- Hurricane Dean burgeoned into a Category 5 storm in the western Caribbean -- capable of inflicting catastrophic damage when it makes landfall early Tuesday.

Squalls of heavy rain and wind were rolling on shore in the Yucatan, where conditions were rapidly deteriorating ahead of landfall.
Dean is already blamed for at least seven deaths across the Caribbean, including two in Haiti, two in both Martinique and Dominica, and one in St. Lucia.

The area where the eye is expected to come ashore is rural and sparsely populated. However, hurricane force winds extended 60 miles (100 km) from the center, and tropical storm conditions extended 175 miles (280 km).

As of 1 a.m. (2 a.m. ET), Dean's maximum sustained winds were 160 mph (257 kph), and the center of the story was about 100 miles (160 km) east of Chetumal, Mexico, according to the National Hurricane Center. The hurricane was moving west at about 20 mph (32 kph) and the National Hurricane Center forecast that Dean would remain Category 5 at landfall and shortly afterward. See Dean's projected path »

A Category 5 storm is the most extreme level on the Saffir-Simpson scale of hurricane intensity. Such hurricanes can have a storm surge of more than 18 feet and are powerful enough to take off roofs, uproot trees, blow out windows and wipe out buildings.

Dean is forecast to weaken substantially as it crosses the Yucatan peninsula Tuesday, before re-emerging in the Gulf of Mexico, strengthening again and hitting central Mexico Wednesday with winds around 100 mph (160 kph).
Chetumal, the capital of the Mexican state of Quintana Roo, was largely empty Monday evening, with little traffic in the streets. Most of the 130,000 residents in the coastal city appeared to have heeded government warnings to seek shelter or evacuate.

Although Dean was forecast to come ashore south of the main tourist areas, the storm was so large -- about the size of Texas -- its tropical winds and waves were expected to affect the entire Yucatan and Belize to the south. Watch I-Reporter Kevin Canning's video of Hurricane Dean in Belize »

Tourists fled popular resort areas to the north, such as Cancun and Cozumel, trying to get a seat on the last planes out before the storm.

Of the 20,000 tourists in Quintana Roo, about 13,000 had been evacuated as of Monday evening, and planes were still taking off, said Rosario Ortiz Yeladaque, the state's secretary of government.

The Mexican government deployed 4,000 troops to the area, and a state of emergency was declared in the inland state of Campeche, where residents were bracing for as much as 20 inches (0.5 meters) of rain in some places.
Mexican President Felipe Calderon, who was in Canada for a summit with President Bush and Canadian Prime Minister Stephen Harper, announced he would cut short his visit and return home Tuesday to deal with the storm.

Along the northern Yucatan coast, winds were expected to reach tropical storm force, above 39 mph (60 kph). Mexican authorities also issued a hurricane watch for the country's western Gulf coast from the Bay of Campeche northward to Tampico, which means hurricane conditions were possible within 36 hours.

Parts of Belize, including Belize City, were put under a curfew Monday night, and Prime Minister Said Musa froze prices of goods and services to prevent price gouging. People were being evacuated from low-lying, coastal and valley areas to hurricane shelters, the prime minister's office said. Watch I-Report images of Dean's effects on the Caribbean »

Hurricane warnings were in effect for Belize and both the east coast of the Yucatan, facing the Caribbean, and the west coast, facing the Gulf of Mexico.

Meanwhile, in Jamaica, residents cleaned up fallen trees and debris Monday as the island nation started to recover from its brush with Dean on Sunday.

Forecasters do not believe Hurricane Dean presents a threat to the United States, although officials in Texas continued to make storm preparations just in case Dean takes an unexpected turn.

While electric service was still out, and most stores were closed, the international airport in Montego Bay reopened Monday night, allowing tourists who had been caught in the storm to finally begin leaving.

Although parts of Jamaica were pounded with sustained winds of 114 mph (180 kph), the eye of the hurricane actually passed to the south of the island, sparing its 2.8 million residents from a direct hit. While the storm caused property damage and triggered landslides in some rural areas, no deaths were reported there.

The latest projections showed little chance that Dean would hit the United States. But federal officials and their state counterparts in Texas were preparing for any unexpected turn northward, and oil workers off the Texas coast were heading for shore. E-mail to a friend

All About Hurricane Dean


segunda-feira, 20 de agosto de 2007

PJ encontra sangue e óculosde inglesa desaparecida

A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar o de-saparecimento de uma cidadã britânica, de 67 anos, na zona do Banzão, em Colares (Sintra), anteontem denunciado à GNR de Colares pela empregada doméstica da idosa. Segundo fonte ligada à investigação, os indícios recolhidos ontem na casa de Margaret Sousa, viúva de um empresário português, permitiram suspeitar que no sumiço da mulher estará alegadamente envolvido o mesmo indivíduo que, na noite de quinta-feira passada, matou o cunhado com um tiro de caçadeira, em Azenhas do Mar (Colares), e que se encontra a monte. Manchas de sangue encontradas apontam para a provável morte da britânica.

Com o auxílio de cães pisteiros, a PJ e a GNR passaram ontem a pente fino toda a quinta da família Sousa, na rua dos Navegantes, em pleno Pinhal da Nazaré. Foi descoberta uma poça de sangue, um sapato da idosa no meio da propriedade. Era conhecida a má relação de vizinhança entre Margaret e o alegado homicida, cuja mãe reside a apenas 200 metros da quinta dos Sousa.

O suspeito encontra-se foragido desde quinta-feira, quando assassinou o familiar com um tiro na cabeça, podendo ter aproveitado a facilidade de entrada na quinta da britânica para ali se refugiar (ver caixa). Na noite de sábado, a GNR recuperou em Barcarena a viatura que ele conduzia, uma Toyota Hiace, entretanto danificada.

Família em choque

"Por ciúmes da vida do meu filho ele matou-o", afirmou, ontem, António Ricardo, pai de Fernando Silva, o cabo da Marinha assassinado. Alegadamente, ciúmes das condições económicas do militar, colocado na base do Alfeite (Almada), estarão na base do incidente. "Eles pensaram em ir viver juntos, porque as mulheres deles são irmãs, mas o meu filho apercebeu- -se de que tipo de pessoa ele era e veio para aqui com a família", garantiu aquele familiar.

Na quinta-feira, o alegado homicida parou a carrinha na beira da estrada, em frente da sua moradia do cunhado que, acabado de chegar a casa, surgiu no portão, onde foi atingido pelo disparo, a escassos metros da filha. O cabo teve morte imediata. O alegado homicida fugiu.

"Enquanto ele estiver a monte está tudo em polvorosa. Não há ninguém a proteger, nem mãe nem filha da vítima. Só tiveram direito a um psicólogo do INEM, porque é a família que está aqui a montar guarda", confirmou Maria de Jesus, familiar da vítima.

Rede foi arrancada

Apesar do enorme portão e da cerca que afasta os olhares indiscretos da habitação de Margaret, a verdade é que através de um terreno vizinho e com um pouco de perícia, em poucos minutos o acesso à casa principal está concretizado. Aliás, pelo mesmo percurso que o suspeito terá realizado, encontrou parte do arame farpado lasso, chegando junto do local onde a empregada terá encontrado vestígios de sangue. Viúva há quase uma década, Margaret e o marido Jorge Sousa compraram, há 15 anos, aquela quinta, em Banzão, onde se dedicaram à criação de borregos e à produção de leite. "Uma senhora muito simpática, nunca se chateou com ninguém. A não ser com esse senhor que já tem historial na zona", um vizinho que ontem durante um passeio pelo local se mostrava estupefacto com o aparato policial.

Bares fecharam na Zona Histórica

A totalidade dos restaurantes, bares e loja de artesanato que costumam abrir à noite, no Centro Histórico de Viseu, fecharam anteontem as portas, simbolicamente, por um período de meia hora. O protesto pretendeu sensibilizar a autarquia para os prejuízos resultantes da interdição da circulação automóvel, às sextas-feiras e sábados, entre as 21 e as duas horas.

A decisão de encerrar os estabelecimentos, tomada por mais de dezena e meia de empresários, foi a resposta ao silêncio da autarquia ao abaixo-assinado entregue, no início da passada semana, a reclamar o levantamento da interdição enquanto não existirem infra-estruturas.

Os empresários da restauração e similares consideram "inoportuno" o fecho do Centro Histórico ao trânsito, e condicionam tal decisão municipal a três medidas prévias a entrada em funcionamento do funicular que há-de transportar turistas desde a Cava de Viriato até à Sé, a circulação dos minibus durante uma parte da noite e madrugada e criação de parques de estacionamento alternativos nos principais acessos.

A par do encerramento simbólico dos estabelecimentos, os proprietários vão pedir para amanhã uma reunião com a Câmara Municipal de Viseu, e querem ainda saber as razões pelas quais a Associação de Comerciantes do Distrito de Viseu apoia a interdição aprovada pelo município.

"O movimento naqueles dias corresponde a 50% do negócio da semana. Se a autarquia não alterar a decisão tomada, qualquer dia vão aparecer no Centro Histórico muitas placas de 'vende-se' e 'traspassa-se'", avisa Hilário Costa, porta voz dos comerciantes, que anuncia ainda o pedido de audiência com a associação que representa a classe.

Polícia inglesa volta a interrogar todos os amigos dos M Cann

A Polícia britânica está a realizar um conjunto de diligências no Reino Unido, junto de vários cidadãos que passaram férias no Ocean Club, na Praia da Luz (Lagos), na semana de Maio em que Madeleine McCann desapareceu. Amigos do casal McCann estão a ser novamente inquiridos, numa iniciativa que visa complementar as investigações ainda dependentes do resultado das análises a duas amostras de sangue pendentes no Laboratório de Birmingham. De acordo com informações recolhidas , as diligências dos próximos dias poderão envolver os dois cães springer spaniel, que estiveram no Algarve a auxiliar a investigação.

Um dos objectivos da Polícia inglesa - que desde o início colabora com a Polícia Judiciária no inquérito ao desaparecimento da criança - é tentar esclarecer contradições e incoerências detectadas aquando dos vários depoimentos prestados anteriormente. Os investigadores portugueses mantêm-se assim na expectativa, enquanto aguardam os resultados das investigações que decorrem em Inglaterra. Hoje ou amanhã deverão ficar a saber o resultado das análises efectuadas a duas amostras de sangue recolhidas no apartamento dos McCann. O facto de elas se encontrarem bastante danificadas tem dificultado o trabalho dos técnicos do laboratório forense de Birmingham, que nos últimos dias tem submetido as amostras a provas e contraprovas, por forma a obter a certeza de que o sangue encontrado corresponde, ou não, a Madeleine.

Choro dois dias antes

Hoje ou amanhã, os inspectores da PJ vão repetir a inquirição de outras testemunhas em Portugal. Uma delas é uma cidadã britânica de 70 anos, que reside no apartamento em cima daquele que foi ocupado pela família McCann. No seu primeiro depoimento, Pamela Fenn garantiu ter ouvido choros de criança dois ou três dias antes do desaparecimento de Madeleine. Mas quanto à noite fulcral pouco ou nada foi narrado de suspeito.

Esta inquirição, como outras que têm vindo a ser realizadas ao longo destas últimas semanas, tem como objectivo esclarecer dúvidas que vão surgindo durante a investigação.

Kate sozinha na missa

Pela primeira vez, Kate McCann esteve sozinha na igreja da Praia da Luz. Ontem, assistiu à missa dominical sentada no banco da frente, como é habitual, e nas mãos agarrava o pequeno boneco cor-de-rosa, de que Madeleine, a filha de quatro anos desaparecida desde o passado dia 3 de Maio, tanto gostava.

Gerry McCann, o marido, não acompanhou a mulher à igreja. Justine McGuinesse, porta-voz do casal, justificou a sua ausência com uma ida ao aeroporto, onde deixou um amigo que passou férias na Praia da Luz. Mas a verdade é que Gerry não foi visto durante todo o dia, nem a viatura que o casal utiliza.

Pulseiras amarelas custam duas libras

São amarelas, têm um número de telefone colocado propositadamente com o objectivo de que ninguém se esqueça de ligar, se encontrar Madeleine, e nelas pode ler-se, também, a frase "Look for Madeleine". Aquelas pulseiras que apenas Gerry McCann traz no pulso estão à venda na Internet, no sitye "www.findemadeleine.com" (diário que o pai da menina mantém desde que ela desapareceu), e custam duas libras (cerca de três euros). Vêm acompanhadas por um poster com a fotografia da menina, que pode ser pedido em várias línguas. Nas missas em que participa, na Praia da Luz,o casal inglês leva sempre consigo um saco cheio de pulseiras, que oferece a quem lhas pedir.

Fundo monetário por actualizar há quinze dias

O fundo monetário, que conta com a contribuição de muitas figuras públicas, sobretudo inglesas, foi criado para ajudar a encontrar a menina de quatro anos, desaparecida do Ocean Clube a 3 de Maio, há mais de 100 dias. De acordo com o site, esse fundo tem já mais de 946 mil libras (1,2 milhões de euros). Esse valor não é alterado há quinze dias, quando foi revelado ter sido encontrado sangue no apartamento onde passou férias na Praia da Luz.

domingo, 19 de agosto de 2007

Cão com reacção forte dentro do carro usado pelos Mc Cann

A Polícia Judiciária (PJ) já sabe, há cerca de 15 dias, que Kate e Gerry pretendem regressar a Leicester, cidade onde residem na Inglaterra. Fonte ligada a investigação garantiu, ontem, ao JN, que durante uma das reuniões informais que os investigadores têm tido, o casal McCann anunciou que iria regressar a casa no final deste mês.

A revelação de Gerry há dois dias, de que a família teria de voltar a casa por causa dos gémeos de dois anos que precisam de estabilidade, não apanhou desprevenidos os investigadores que há algum tempo sabiam da intenção do casal. "Eles são testemunhas pelo que podem estar aqui ou em casa", explicou a fonte.

O anúncio à PJ do regresso dos McCann surgiu na mesma ocasião em que um cão pisteiro da Polícia inglesa teve uma reacção "forte" dentro da viatura que o casal alugou após o desaparecimento da filha, Madeleine. Uma reacção que deixou os investigadores intrigados.

A Renault Mégane foi demoradamente analisada, há mais de uma semana, pelos técnicos do Laboratório de Polícia Científica, que retiraram alguns vestígios que estão a ser analisados e que poderão ajudar a explicar se a viatura estará ou não relacionada com o desaparecimento da menina. O que é facto é que o "springer spaniel" Eddie, que detecta de imediato o odor a cadáver, teve uma reacção muito forte - que os investigadores tentam entender - dentro do automóvel, uma vez que Kate e Gerry ocuparam a viatura dois ou três dias após a filha ter desaparecido do quarto onde se encontrava a dormir, no passado dia 3 de Maio, no apartamento Ocean Club (Praia da Luz).

Os cães tiveram também reacções fortes dentro do apartamento que os McCann ocuparam durante a sua semana de férias, e também noutros locais na Praia da Luz.

Os vestígios de sangue encontrados na sala, detectados pelo outro cão, Keela, continuam a ser analisados pelos técnicos do instituto forense de Birmingham. Os resultados devem chegar a qualquer momento aos investigadores, após ter sido ultrapassado o prazo previsto pelos técnicos. É que contrariamente ao previsto, a revelação das conclusões das análises têm sido adiadas sistematicamente pelos britânicos, devido à degradação e contaminação dos vestígios recolhidos, quase três meses depois do desaparecimento da criança.

Enquanto aguardam os resultados, os investigadores continuam a realizar algumas diligências e têm marcado para amanhã uma nova inquirição a uma testemunha, que já tinha sido ouvida. Pamela Fenn, 70 anos, que reside no apartamento por cima do que foi ocupado pelos McCann, terá dito em Maio, quando foi inquirida pela primeira vez pelos inspectores, que durante a semana de férias, ouviu choro de crianças e alguém a gritar "daddy, daddy (papá, papá)". A mulher, que vive sozinha na Luz, irá esclarecer algumas dúvidas. A possibilidade dos McCann e dos amigos terem, ao longo da semana de férias, deixado os filhos a dormir sozinhos enquanto jantavam no restaurante "Tapas", do aldeamento, continua a ser investigada, bem como as contradições em vários depoimentos.

"Fundo não paga estadia"

Gerry McCann diz no seu blogue, na Internet, (http// www.findmadeleine.com) que a estadia no Algarve não está a ser paga com o dinheiro do fundo criado para ajudar a procurar a filha, Madeleine, de quatro anos. "Gostava de sublinhar que o fundo da Madeleine não pagou nenhum alojamento em Portugal», escreve Gerry.

"Estamos alojados numa moradia modesta e não numa vivenda luxuosa, como foi dito pela imprensa portuguesa, que não tem piscina e que foi das mais baratas que encontrámos", diz o pai de Madeleine.

Contradições

Os depoimentos contraditórios que o casal McCann e os seus amigos fizeram, quando foram inquiridos pelos investigadores, continuam a centrar as atenções dos inspectores. Em cima da mesa estão, ainda, os testemunhos dos vários funcionários do Ocean Club, designadamente aqueles que na noite de 3 de Maio se encontravam no restaurante Tapas, onde o casal jantou. Há também depoimentos de mais de uma centena de pessoas, já recolhido pelos inspectores.

Amostras

Todos os vestígios recolhidos no apartamento onde os McCann passaram férias e em dez viaturas pertencentes a Robert Murat e ao seu núcleo familiar e de amigos, bem como aquela que foi alugada por Kate e Gerry após o desaparecimento da filha, continuam a ser analisados. Alvo de peritagem pelos técnicos de do Laboratório de Polícia Científica foi também uma viatura, Opel Corsa, alugada de 28 de Abril a 6 de Maio, por um casal inglês que também passou férias no Ocean Club.

Robert Murat

O cidadão luso-britânico continua a ser o único arguido. No início do mês, a Polícia voltou a investigar-lhe a casa, desta vez com os cães pisteiros ingleses, que não tiveram qualquer reacção.


Jamaica Braced For Killer Hurricane

Holidaymakers have been trying to flee the Caribbean as Hurricane Dean threatens to engulf Jamaica and the Cayman Islands.

The Category 4 storm has already claimed six lives in the Dominican Republic and Martinique.

It is due to hit Jamaica at around midday with 155mph (249kph) winds and bring up to 20 inches (50cms) of rain.

The Jamaican authorities have been moving people into more than 1,000 shelters nationwide.

Residents jammed supermarkets and hardware stores in the capital Kingston to stock up on canned food, bottled water and torches.

The hurricane is expected to reach the low-lying Cayman Islands on Monday.

According to the Federation of Tour Operators, there are currently just under 4,000 Britons on holiday in Jamaica and a "handful" on the Cayman Islands.

Authorities on Martinique confirmed two deaths, including a woman who drowned in her home.

In St Lucia, a 62-year-old man drowned in a river swollen by rain.

A woman and her seven-year-old son died in Dominica when a hillside gave way and crushed their house.

Reports said a boy was also dragged into the sea and drowned while watching waves on the Dominican Republic coast.

Dean is on course to clip Mexico's Yucatan Peninsula and enter the Gulf of Mexico by Tuesday.

Forecasters said it was too soon to say whether it will strike the United States.

NASA has ordered the space shuttle Endeavour to return to Earth on Tuesday - a day early - in case the storm threatens Houston, Texas, where Mission Control is based.




Waiting For The Hurricane

Jamaica is on full alert for the arrival of Hurricane Dean, with residents being moved into more than a thousand shelters across the island. Sky's Sara Merchant reports.



Top Related Video



Watch full screen



Watch in video player page