So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 23 de janeiro de 2010

PORTUGAL - Imprensa, primeira pagina...





AVEIRO - Ucraniano vivia com cadaver da companheira...

Um imigrante ucraniano viveu com o cadáver da companheira num prédio do centro de Aveiro durante mais de um dia. Ontem de manhã, sexta-feira, telefonou a familiares, que alertaram a Polícia, que teve que chamar os bombeiros para arrombar a porta e entrar no prédio.

A Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro está a investigar a morte de uma imigrante ucraniana, de 42 anos, que tudo indica estava cadáver há mais de um dia e que foi encontrada, ontem de manhã, num quarto de um terceiro andar do número 19, da Rua Cândido dos Reis, no centro de Aveiro. A seu lado estava o seu companheiro, um ucraniano de 45 anos.

Foi o imigrante que alertou um familiar, que por sua vez avisou a PSP de Aveiro para o estado da mulher. As primeiras informações apontavam para um caso de homicídio, mas uma fonte da PJ disse que as investigações já realizadas vão no sentido de morte natural, embora ainda se desconheça o resultado da autópsia. A PSP teve que se socorrer dos serviços dos Bombeiros Novos de Aveiro para entrar no edifício, depois de arrombamento da porta.

Alcoolismo e fome

Fome, miséria e alcoolismo foi o quadro que se deparou aos investigadores policiais quando entraram no interior do velho apartamento na Rua Cândido dos Reis, a dois passos do quartel da GNR em Aveiro.

O facto de o companheiro da imigrante se expressar mal em português e o estado em que foi encontrado explicam não ter alertado as autoridades policiais para a morte da sua companheira.

O cadáver estava coberto com um cobertor, no quarto do velho apartamento. O companheiro da imigrante foi interrogado durante o dia de ontem pela PJ de Aveiro.



HAITI - 111 mil mortos e perto de 193 mil feridos...

O último balanço do número de vítimas do sismo de 12 de Janeiro no Haiti aponta para para 111 499 mortos.

De acordo com estes dados, divulgados pela Direcção Geral da Protecção Civil do país das Caraíbas, o número de feridos está nos 193 mil.

As autoridades governamentais haitianas também fizeram contas aos danos materiais: 11 mil casas destruídas e mais de 32 mil afectadas. Cerca de um milhão de pessoas ficaram desalojadas.

O rasto de destruição também não poupou os edifícios governamentais, já que maior parte deles está no chão.

Além da zona da capital, o sismo afectou de forma especial a cidade de Leogane. Estima-se que 80 por cento dos seus edifícios tenham sido destruídos.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

PORTUGAL - Imprensa, primeira pagina...







PORTUGAL - Apito dourado...





ITALIA - Veja o que aconteceu com o Beckham...

A jornalista Elena Di Cioccio surpreendeu David Beckham quando o apalpou, sorrateiramente, enquanto o jogador prestava declarações a um grupo de jornalistas, à porta de um Hotel, em Milão.

Numa reportagem, feita com intuito cómico, Elena Di Cioccio explica que tinha muita curiosidade em saber se Beckham «valia» a alcunha «Golden Balls», que Victoria Beckham lhe pôs e se «era tão abonado como transparecia nas suas fotos para a campanha de roupa interior da Armani».

David Beckham fechou o sorriso quando Di Cioccio o apalpou, saindo de imediato do círculo de jornalistas, escoltado pelo seu staff.

Já a jornalista saiu pela rua a gritar: «Beckham é pequeno!»

Veja aqui o vídeo

Veja mais noticias no site da Lux link externo

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

PORTUGAL - O apito dourado...









PORTUGAL - Imprensa, primeira pagina...







HAITI - Foi o caos em terra, agora e no mar...

Depois do caos instalado nas ruas de Port-au-Prince na sequência do terramoto que devastou o Haiti, os haitianos viram-se agora para o mar. É lá que está o caminho de esperança para uma nova vida. Esta quarta-feira, depois de um novo sismo ter sacudido a capital ferindo um jornalista português, milhares de haitianos lançaram-se ao mar à procura de ajuda.

A esperança do Haiti já veio ao mundo
Muitos tentavam apenas chegar ao navio hospital dos EUA que está estacionado ao largo da ilha e que fornece apoio médico as sobreviventes da tragédia 24 horas por dia. Outros, muitos, tentavam chegar a um dos dois navios estacionado no porto local e tentavam fazer da embarcação a sua nova casa.

Muitos outros ainda aguardam horas sem fim pelo único ferry que ainda funciona e faz a ligação com a cidade Jeremie, menos afectada pela tragédia e que por isso oferece a esperança de começo de uma nova vida.
A marinha norte-americana adiantou esta quarta-feira que os receios de uma invasão em massa pelo oceano ainda não se verificaram, apesar de dia para dia aumentaram o número de canos interceptadas pelas autoridades americanas. Estas canoas viajam superlotadas, muitas vezes com famílias inteiras.

Os EUA têm há vários dias um plano para evitar a entrada em massa nos EUA. As autoridades declaram que o plano apenas existe por precaução. No entanto, a Flórida já pediu financiamento do governo federal para abrigar 10 mil refugiados.

Desde os primeiros dias que os EUA emitem um aviso radiofónico dos aviões. A mensagem foi gravada por Raymond Joseph, o embaixador do Haiti para os Estados Unidos, e dia: «Não se apressem em barcos a abandonar o país. Eu vou ser honesto com vocês: Se acham que vão chegar ao E.U.A. e todas as portas estarão abertas, esse não será o caso. Eles irão interceptá-lo e mandá-lo de volta para casa de onde veio».

VISEU - Criancas da comunidade Ucraniana aprendem...

A comunidade ucraniana instalou-se, há vários anos, em Portugal e, neste momento, é a segunda maior do país. Em Viseu, o número de imigrantes ucranianos já ultrapassa os 850, o que levou a Cáritas Diocesana a ceder um espaço para que as crianças aprendam a sua língua materna

Catarina Tomás Ferreira
Desde o início do ano que as instalações da Cáritas Diocesana de Viseu acolhem uma pequena escola para crianças filhas de pais ucranianos. O objectivo é ensinar a língua materna aos que já nasceram em Portugal e frequentam as escolas portuguesas, mantendo-os em contacto com a sua cultura de origem.


Segundo dados de 2008 do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, esta é a segunda comunidade mais numerosa, não só em Portugal, mas também no distrito de Viseu, onde já residem 873 ucranianos (563 homens e 310 mulheres). 


Por isso, os elementos desta comunidade, residentes no concelho de Viseu, sentiram necessidade de encontrar um espaço onde os seus filhos pudessem aprender a língua materna. A "escolinha" funciona aos sábados, das 9h00 às 17h00, no ATL da Cáritas, onde 16 crianças praticam a oralidade e a escrita com a ajuda de dois professores, também ucranianos. 


A iniciativa partiu do Núcleo de Viseu da Associação de Ucranianos em Portugal, que pediu à Câmara um espaço para desenvolver esta actividade. Em colaboração com a Cáritas, esse local foi encontrado na Rua Alexandre Herculano e a "escolinha" está activa desde o passado dia 2.


O presidente da Cáritas de Viseu, José Borges, explicou ontem ao Diário de Viseu que a única tarefa da associação foi ceder o ATL "uma sala confortável, para poderem fazer as suas actividades e aprender a sua língua". "O que as crianças sabem é o que praticam com os pais, mas só ao fim-de-semana é que estão mais com elas. Um dia, podem querer regressar à Ucrânia e, assim, já lá chegam a saber falar a língua", sustentou.


Nas palavras de José Borges, esta é uma comunidade que "trabalha bem. São pessoas com habilitações académicas de formação superior e que fazem todo o tipo de trabalho", pelo que "trouxeram uma mais-valia para o concelho".


A Cáritas já tem colaborado com os ucranianos noutras ocasiões como, por exemplo, na organização de acções para o Dia do Imigrante e no apoio à sua integração. A associação dispõe de um Centro Local de Apoio ao Imigrante, onde presta apoio social, trata de documentos para legalizações e acreditações (no caso de licenciados que querem exercer a sua profissão em Portugal) e contacta os serviços necessários. 


Ajuda ainda os imigrantes no reagrupamento familiar, ao tentar trazer os familiares dos que já cá estão; tenta resolver problemas de saúde, de trabalho e com a segurança social. No ano passado, auxiliaram 103 ucranianos. De acordo com o presidente da Cáritas, há apenas "um caso ou outro" em situação de carência, em que foi preciso entregar bens alimentares e roupas. "Os que estão integrados no concelho estão estabilizados", não necessitando de muitos cuidados. A nível nacional, os imigrantes de todas as nacionalidades dispõem de um número que lhes permite esclarecer dúvidas e obter informações na sua língua materna. Quando um imigrante se dirige a uma repartição pública e não percebe o que lhe está a ser dito, pode contactar o número 808 257 257 - Serviço de Tradução Telefónica - e a tradução é feita imediatamente, permitindo a comunicação entre os dois interlocutores.

Missa
em ucraniano
Ivan Babchuk é um padre ucraniano que vive em Portugal há oito anos. Todos os domingos, cerca de 40 fiéis deslocam-se à Igreja Nova de Viseu para a habitual Eucaristia, celebrada em ucraniano.


A paróquia de Aguiar da Beira integrou este padre que também celebra missa, de 15 em 15 dias, em São Pedro do Sul e mensalmente em Águeda. "Agora temos menos pessoas a assistir à missa, porque muitos saíram daqui para ir trabalhar para Espanha e outros fazem transportes", referiu ontem o padre Ivan Babchuk.


Apesar de o português ainda não ser correcto, é bem perceptível, o que faz com que o sacerdote celebre missas também em português. Fátima já é uma referência para os ucranianos, havendo pelo menos um encontro anual, no último domingo de Junho, dirigido a toda a comunidade ucraniana em Portugal.


Ivan Babchuk elogiou a criação da "escolinha", porque as crianças já misturam as duas línguas e, assim, é uma forma de terem um contacto mais próximo com a língua do país de origem.
Outrora a trabalhar na construção civil, o padre ucraniano diocesano católico de rito bizantino está a tempo inteiro nas paróquias que lhe foram atribuídas. Esta religião, praticada por 15 por cento da população na Ucrânia é, em quase tudo, parecida com o catolicismo praticado maioritariamente em Portugal. As diferenças estão nos ritos e nas tradições.



Os católicos de rito bizantino seguem o calendário juliano (em vez do gregoriano) e, por isso, celebram os dias santos 13 dias depois dos estipulados em Portugal. Por exemplo, o Natal é celebrado no dia 7 de Janeiro e não no dia 25 de Dezembro. 




Também fazem uma ceia em família na véspera de Natal, no entanto, na Páscoa não fazem as visitas a casa das pessoas (aqui na região por estarem muito espalhados), mas juntam os fiéis na Igreja e abençoam a comida que todos levam para a celebração.  




quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

MUNDO - Os 10 melhores treinadores...

Sven-Goran Eriksson e Luís Filipe Scolari tambéme estão entre os 10 melhores da lista da Federação Internacional de História e Estatística.

O português José Mourinho foi hoje considerado pela Federação Internacional de História e Estatística (IFFHS) o quinto melhor treinador de todos os tempos, tendo o primeiro sido o escocês Alex Ferguson.
José Mourinho ficou ainda atrás do italiano Marcello Lippi (2.º classificado), do francês Arsène Wenger (3.º) e do holandês Guus Hiddink (4.º).

O brasileiro Luiz Felipe Scolari quedou-se pela nona posição, não muito longe do alemão Ottmar Hitzfeld (6.), do argentino Marcelo Bielsa e do sueco Sven Goran Eriksson, ambos em sétimo, e à frente do holandês Frank Rijkaard.

A eleição foi feita tendo em consideração a votação organizada todos os anos pela IFFHS, desde 1996, para eleger os melhores treinadores e seleccionadores.

Para a elaboração do "ranking" divulgado pela IFFHS foi tido em conta o "top-10" de cada ano em ambas as categorias, atribuindo por ordem decrescente 10 pontos para o primeiro e um ao décimo classificado.

"Ranking" dos 10 primeiros:

            Nome    país   Pontos

1. Alex Ferguson  Escócia  87

2. Marcello Lippi  Itália  58
   Arsène Wenger  França  58

4. Guus Hiddink  Holanda  51

5. José Mourinho  Portugal  48

6. Ottmar Hitzfeld Alemanha  43

7. Marcelo Bielsa  Argentina  41 
   Göran Eriksson  Suécia  41

9. Luiz Felipe Scolari Brasil  38

10.Frank Rijkaard  Holanda  34

VISEU - Funicular, uma historia de sucesso...

O dia 26 de Setembro de 2009 ficou marcado na história de Viseu por ser o dia em que o funicular entrou em funcionamento. Mais de 100 dias depois, o novo transporte ecológico da cidade já acolheu
mais de 30 mil e poderá ser gratuito durante vários anos

"O balanço que faço é altamente positivo, superou as expectativas e só posso estar satisfeito", afirmou ontem o presidente da Câmara Municipal de Viseu, Fernando Ruas. Em declarações ao Diário de Viseu, o autarca mostrou-se contente com a afluência de passageiros e garantiu que está a ponderar manter o serviço gratuito, mais tempo do que o estipulado inicialmente (um ano).


Criticado por alguns e elogiado por outros, o funicular fez a sua primeira viagem no dia 26 de Setembro do ano passado, altura em que muitos viseenses aproveitaram para conhecer o novo meio de transporte da cidade, gratuito e não poluente.
Passados mais de 100 dias, a divergência de respostas parece não ser tão grande e já há quem diga que o funicular "foi a coisinha melhor que poderiam ter feito". De acordo com os dados da Câmara, em finais de Dezembro já tinham passado pelo funicular mais de 30 mil pessoas. É o caso de Maria José Nogueira, que vive junto à Feira de São Mateus, uma das paragens do funicular, e aproveita este transporte para chegar à Sé. 


"Passo o dia para baixo e para cima, dá-me muito jeito, para mim foi como o pão para a boca", confessou, afirmando que, por razões profissionais, teve de vender a casa no centro histórico e comprar uma onde está agora. "Ainda não me mudei definitivamente, mas se o funicular tivesse vindo para cá há mais tempo, não tinha vendido a minha casa", garantiu.
Com este "mini-autocarro", Maria Nogueira poupa, semanalmente, 20 euros: "Quando queria ir à zona histórica ou fazer compras tinha de levar o carro e muitas vezes tinha de ir estacionar ao Fontelo, agora não gasto nada e encostei o carro".
Deu ainda o exemplo de pessoas que estacionam o carro no recinto da Feira de São Mateus e que vão para os seus trabalhos no funicular. Também o presidente da Associação Comercial do Distrito de Viseu (ACDV) destacou o facto de este estacionamento estar sempre lotado.
"É uma constatação que aquela zona de estacionamento que foi criada na Feira de São Mateus tem muitos automóveis e as pessoas aproveitam o funicular. Se vêm para o meio da cidade não sei, mas passam pelo centro histórico e aí acho que valeu a pena", sustentou Gualter Mirandez.

Restauração
com sinais positivos
Os empresários da restauração são os que mais têm notado melhorias, principalmente ao fim-de-semana, pois, segundo o presidente da ACDV, já se vêem pessoas na parte antiga da cidade, o que, se calhar, não aconteceria se não fosse o funicular. "Foi uma medida acertada e o objectivo está cumprido. Por isso, estamos a começar bem a revitalização do centro histórico", defendeu.


De acordo com Fernando Ruas, o funicular "ainda não está aproveitado na sua máxima força", há mais projectos que querem implementar, como por exemplo com crianças, "levá-las ao centro histórico quando o tempo estiver melhor".
Sem querer referir quanto é que a Câmara poderá estar a perder por não cobrar bilhetes, Fernando Ruas elogiou o funicular, ressalvando o facto de não se tratar apenas de "um meio para dar resposta ao transporte, mas é também um ex-líbris da cidade". "Quando o Pólis começou, houve seis cidades que queriam o funicular e, se estivesse espalhado noutros sítios já não tinha interesse", explicou. 


Por outro lado, Alexandre Azevedo Pinto, membro do Movimento de Cidadãos pelo Centro Histórico, considera que o funicular foi um investimento "muito elevado". Na sua opinião, impõe-se saber se esse investimento tem retorno, e disso tem "algumas dúvidas".
"Entendido para o futuro, acho que merece ser acarinhado e tentar ser utilizado o melhor possível". Assim, "pode ser um instrumento de revitalização importante, mas articulado com outros", ou seja, "tem de haver um plano de intervenção que envolva a Câmara, os comerciantes, os moradores e todos os que contribuem para a zona histórica da cidade", argumentou Alexandre Pinto.


Apesar de reconhecer que "ainda há um longo caminho a percorrer", acredita que "tudo o que seja para trazer vida ao centro histórico não medidas importantes".
O funicular começa a sua rotina diária às 8h30, todos os dias, com intervalos de 15 minutos e de meia hora. O dia termina às 19h30 quando as luzes se apagam e as pessoas se despedem deste pequeno comboio, que as leva da Sé à Feira de São Mateus em pouco mais de cinco minutos. 

ESTADOS UNIDOS - Obama, um ano depois...

Um dos episódios da série de animação «South Park» começa com a vitória eleitoral de Barack Obama, a 4 de Novembro de 2008. Nesse dia, a América politicamente incorrecta criada por Trey Parker e Matt Stone divide-se entre dois estados de espírito: um tomado pela embriaguez do messianismo que gira em torno do presidente democrata; outro submergido por um conformismo apocalíptico republicano, que acredita que o mundo vai acabar antes do Sol se pôr. Na visão cáustica de South Park, os atingidos pelo primeiro destes estados acordam no dia seguinte com uma violenta ressaca; os segundos abandonam os abrigos nucleares em que se tinham refugiado, surpreendidos pelo facto de o dia ter nascido.

«South Park» não é uma fotografia da América real. Mas apresenta, entre salpicos grossos de humor negro, uma caricatura do país onde há um ano Obama assumiu a presidência. Desde essa altura, o lado democrata deu conta que, apesar da vida do primeiro chefe de Estado afro-americano dar um filme, ele não é um herói de Hollywood que resolve problemas com uma bateria de efeitos especiais. Do lado republicano percebeu-se que os Estados Unidos não se tornaram num estado socialista soviético, mergulhado num abismo económico, rumo ao armagedão. E que, para já, está a salvo Wall Street.

Ainda pode?
 
Desde a tomada de posse, o discurso de Obama também sofreu nuances para tons mais comedidos. Do «sim, nós podemos mudar», o presidente anota agora que a «mudança é difícil», como sublinhou na semana passada. Mesmo assim, os discursos do presidente norte-americano marcaram um ponto de viragem na relação dos EUA com o resto do mundo. O mais significativo, segundo os analistas, foi proferido a 4 de Junho, no Cairo, onde exorcizou o fantasma da inevitabilidade do conflito de civilizações. «Vim até aqui em busca de um recomeço, entre os EUA e os muçulmanos de todo o mundo», disse na Universidade de al-Azhar, quase um ano depois de ter assegurado em Berlim - ainda como candidato -, que com ele os EUA regressariam ao multilateralismo, de braço dado com os europeus.

Já na Casa Branca, Obama conseguiu dissolver antagonismos que dividiam Bush e a «Velha Europa». Relançou também as relações com a Rússia, com quem chegou a um acordo para a redução dos arsenais nucleares. Aligeirou a relação com Cuba, ainda sem pôr fim ao embargo. Proibiu a tortura de prisioneiros. Acabou com as prisões secretas da CIA. Guantánamo tem fim à vista e a presença militar no Iraque também. Internamente, decidiu avançar com uma reforma do sistema de saúde e com um plano de recuperação financeira, apesar de o desemprego ser elevado. Dizem os seus defensores que o ambiente em Washington melhorou com Obama e Obama diz que quer melhorar o ambiente, apesar do falhanço na Cimeira de Copenhaga (mas aí todos terão falhado).

Num artigo de balanço, publicado no «Washington Post», o colunista Eugene Robinson não poupa elogios ao presidente, recordando as medidas por ele tomadas, acima descritas. «Tudo isso e um Prémio Nobel da Paz», anota, perdoando-lhe, tal como fez o comité norueguês, o puzzle turvo da guerra afegã.
Do outro lado da barricada, há quem descreva Obama com menos romantismo, como o analista político Juan Williams, que num artigo publicado na página da FoxNews explica o sucesso do presidente em duas penadas: «Um ano depois a maior "mudança" que pode apontar é que é o primeiro presidente negro e não é o presidente Bush».

Quebra na popularidade
 
Obama tem, um ano depois, muito menos popularidade. Sofreu o maior declínio nas taxas de aprovação durante o primeiro ano de presidência desde que estes estudos são realizados. Em muitos estudos, praticamente não atinge os 50%.
Agora, prepara-se para enfrentar uma dura realidade nas eleições do estado de Massachusetts, com a possibilidade de um republicano conquistar o lugar no senado que pertenceu durante quase cinquenta anos a Ted Kennedy.



Obama tem, um ano depois, muito menos popularidade. Sofreu o maior declínio nas taxas de aprovação durante o primeiro ano de presidência desde que estes estudos são realizados. Em muitos estudos, praticamente não atinge os 50%.

Agora, prepara-se para enfrentar uma dura realidade nas eleições do estado de Massachusetts, com a possibilidade de um republicano conquistar o lugar no senado que pertenceu durante quase cinquenta anos a Ted Kennedy.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

CIDADES DA BEIRA ALTA - Santa Comba Dao...

ESTADOS UNIDOS - E os vencedores sao:..

Melhor Filme Dramático: «Avatar»

Avatar link externo

Trailer Park Movies link externo | Vídeo do MySpace link externo

Melhor Actor Dramático: Jeff Bridges, «Crazy Heart»

Melhor Actriz Dramática: Sandra Bullock, «The Blind Side»


Melhor Comédia ou Musical: «A Ressaca»


Melhor Actor de Comédia ou Musical: Robert Downey, Jr. «Sherlock Holmes»

Melhor Actriz de Comédia ou Musical: Meryl Streep, «Julie & Julia»

HAITI - Salva porque tinha telemovel...

Uma semana após o sismo que arrasou o Haiti, ainda há sobreviventes a serem resgatados dos escombros. Uma equipa de reportagem da CNN assistiu ao salvamento de uma estudante universitária que estava soterrada debaixo dos destroços da escola.

Equipa russa em operação de salvamento (vídeo) 
 
Um dos paramédicos, Clever Sobrino, explicou aos jornalistas que a jovem foi salva porque alguém tinha enviado mensagens de telemóvel debaixo dos escombros a pedir ajuda e a indicar o local onde se encontrava, não esclarecendo contudo se seria a jovem salva a autora das mensagens. A mesma fonte adiantou que as autoridades acreditam que ainda há mais sobreviventes no mesmo local.
A jovem, Maxie Fallon, de 23 anos, ia perdendo consciência e recebeu de imediato assistência médica, adianta a «CNN». Depois e foi levada para um centro de tratamento.

Ainda há vida debaixo dos escombros (vídeo) 
 
Durante a tarde, vários utilizadores do Twitter pediam ajuda às autoridades porque outra jovem estudante, Maxine Pierre, tinha enviado mensagens de telemóvel a pedir ajuda. Segundo a prima link externo, Maxine estaria soterrada, com mais pessoas, na Universidade Caribbean.
Entretanto, a familiar ainda reportou na página que as autoridades estavam a realizar buscas no local, mas até ao momento não adiantou mais notícias sobre esta operação de salvamento.

As imagens ao sexto dia da tragédia
 
Ainda esta segunda-feira, uma menina de seis anos, Jessica Hartelin, foi retirada dos escombros por habitantes locais, o que vai mantendo viva a esperança de serem ainda resgatados mais sobreviventes.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

HAITI - «Devemos ajudar o Haiti e não tentar ocupá-lo»...

É mais um sério aviso. Depois de Hugo Chávez já ter lançado o alerta, agora é a França a dizer que os Estados Unidos estão a aproveitar as sequências do sismo para ocupar o Haiti.

«Devemos ajudar o Haiti e não tentar ocupá-lo. Temos de ajudar para que o Haiti recupere a sua vida. A ONU está a trabalhar e espero que surja uma decisão. Espero que nos expliquem melhor o papel dos Estados Unidos», disse à rádio «Europe 1» Alain Joyandet, secretário de Estado da Cooperação francês.
Haiti: governo fala em 100 mil mortos
 
Entretanto, a chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, também deixou claro que mais do que a «ajuda militar» por parte da Europa, a povoação do Haiti necessita uma maior coordenação para que a ajuda possa chegar aos afectados.

De regresso da ilha, Joyandet confirmou que teve de intervir pessoalmente no passado sábado ante os americanos em Port-Au-Prince para obter autorização para que um avião de ajuda francês pudesse aterrar no aeroporto. Na sua opinião, esta instalação está transformada em «anexo dos Estados Unidos», o que o levou a protesto formal.

A França mantém-se motivada e mobilizada, pelo que deverá propor ainda hoje aos seus parceiros da União Europeia o envio para o Haiti de 1.000 homens da Força de Gendarmeria Europeia (EUROGENDFOR) na qual participa Portugal, para facilitar o acesso ao auxílio humanitário.

Também insatisfeito está o Brasil, que desde cedo reclamou um papel na coordenação da ajuda. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou o papel do Brasil na coordenação das forças de paz da ONU no Haiti, pedindo uma maior ajuda por parte dos países mais ricos: «Acho que os países da América Latina vão ajudar e, sobretudo, os países mais ricos têm que colocar mais dinheiro. Ou seja, o momento agora é de colocar a mão no bolso e ajudar».

O Brasil comanda uma missão de estabilização das Nações Unidas no Haiti (a Minustah) desde 2004, tendo 1266 homens de um total de 7 mil. «O Brasil tem um papel muito importante no Haiti porque o Brasil, na verdade, é o país que coordena as forças militares que dão segurança ao Haiti há cinco ano», declarou o presidente.



Acha que Estados Unidos quer anexar o Haiti?



Sim

Nao

Nao Comento
  Apresentar resultados
Votos apurados: 0
Dias que restam para votar: 65

CIDADES DA BEIRA ALTA - Gouveia...

AFRICA - Aviarios acontecem...

A Taça de África das Nações tem coisas que é muito difícil encontrar nos tempos que correm em outros jogos: uma espécie de futebol em estado puro. Por isso é uma festa: grandes jogos, muitos golos, momentos bizarros e até alguns francos.

Ora por falar em frangos, o último chegou este domingo. No jogo dos Camarões com a Zâmbia. A coisa nem estava fácil para os Camarões, quando Geremi aliviou uma bola próxima da linha de meio-campo. O resto... é um grande frango.

O guarda-redes Mweene trocou-se todo e deixou passar a bola entre dos braços. Ora este golo, quando a Zâmbia estava na frente, lançou os Camarões para a recuperação. Talvez por isso se compreenda tantos zambianos de mãos na cabeça.

Confira no vídeo a seguir:

HAITI - Cenario <>...


O foco mediático do sismo que atingiu o Haiti na terça-feira passada tem-se centrado na situação caótica que se vive na capital do país, Port-au-Prince. Mas os relatos que começam a chegar de Leogane, situada sobre o epicentro do abalo, descrevem um cenário «apocalíptico».

Haiti: entre 40 a 50 mil mortos

Senegal oferece terras a haitianos
 
De acordo com as Nações Unidas, entre 80 e 90 por cento dos edifícios da cidade foram reduzidos a entulho. «Quase todas as casas estão destruídas aqui. Os militares falam em cerca de 20 mil a 30 mil mortos», disse à BBC David Ordd, um porta-voz do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.
O responsável diz que os sobreviventes deixaram as zonas atingidas em busca de água, comida, medicamentos e da ajuda humanitária que não existe.

«Não temos nenhuma ajuda, nada. Não há comida, não há água, não há medicamentos, não há médicos», garantiu à BBC um dos sobreviventes, que disse ter viajado para o país, desde os EUA, para participar no funeral da mãe e acabou por perder a esposa no sismo.

Mark Doyle, correspondente da cadeia britânica de media no Haiti, relata no site da BBC o que viu na zona do epicentro: «O cenário a uma hora de viagem a oeste de Port-au-Prince é apocalíptico. Quase todos os edifícios junto da estrada em que conduzo estão destruídos».

O jornalista refere que a destruição é ainda mais «dramática» do que a registada na capital. «Dezenas de milhares [de pessoas] estão a viver na rua, em complexos da igreja, recreios de escolas e zonas de mercados».

Pilhagens e execuções (vídeo)
 
Em Port-au-Prince, os receios de que se registe um aumento de violência começam a materializar-se nas ruas da cidade.
Este domingo, apareceram corpos de dois jovens amarrados pelas mãos atrás das costas, com sinais de terem sido executados a tiro.
Foi também encontrado um corpo nu carbonizado na rua, por um repórter da Reuters, a quem foi dito que foi morto por habitantes locais, depois de ter sido apanhado a roubar.
No sábado, cerca de mil pessoas envolveram-se em confrontos, durante saques numa rua comercial.

domingo, 17 de janeiro de 2010

SAO JOAO DA PESQUEIRA - Empresa oferece ambulancia...

A corporação dos Bombeiros Voluntários de São João da Pesqueira ficou reforçada, ontem, com uma nova ambulância.

Uma viatura de pronto-socorro, das mais modernas e bem equipadas, oferecida pela empresa produtora de Vinho do Porto Symington e pela autarquia local.

Apesar de sedeada em Vila Nova de Gaia, a Symington tem apoiado várias causas na Região Demarcada do Douro, de onde, afinal, retira o produto que a sustenta, o vinho. Este ano, a empresa escolheu melhorar o parque automóvel dos bombeiros da Pesqueira. "Doamos 40 mil euros para a compra de uma ambulância, mas como eles queriam uma com melhor equipamento falámos com a Câmara que se disponibilizou para comparticipar com os restantes 20 mil euros", adiantou Paul Symington, um dos responsáveis da empresa. "Nem sequer colocámos qualquer reserva. A nossa função é ajudar o município em todas vertentes", acrescentou o presidente da Câmara, José Tulha.

De acordo com o comandante da corporação de bombeiros, Paulo Esteves, a viatura ontem celebrada com vinho espumante "está equipada com todo o material médico que é necessário para prestar socorro", destacando o desfibrilador. "Ansiávamos há muito possuir esta ambulância, pois já tínhamos dificuldades de resposta", acrescentou. Paul Symington notou que, "desde que as vendas de Vinho do Porto deixem alguma margem", a empresa vai continuar a doar equipamentos às instituições sociais do Douro, nomeadamente dos concelhos onde possuem quintas ou dos quais são oriundos os seus trabalhadores.

ESTADOS UNIDOS - Mulher garante que só queria mostrar uma cirurgia estética às colegas de trabalho...

Uma mulher norte-americana foi despedida de uma revista porque mostrou os seios a duas colegas de trabalho.
Segundo conta o New York Post, a mulher levou as duas amigas para uma sala e mostrou-lhes os seios, uma vez que tinha efectuado uma cirurgia estética.

«Foi dentro dos limites do escritório e a portas estavam fechadas», frisou, sem se querer identificar.
A ex-funcionária da revista «Brides» garante que «não houve nenhuma nudez». «Eram amigas pessoais que conhecia há anos», acrescentou.

No entanto, o assunto começou a ser muito falado no escritório e alguém apresentou queixa no Departamento de Recursos Humanos. Dois dias depois, foi despedida.