So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Biggest Ever Glasto Gets Ready To Rock

The first bands take to the stage this morning at the biggest ever Glastonbury music festival. The organisers have invested in an improved drainage on the site, not that the threat of swampy conditions has put off the punters. Sky's Paul Brennan reports.

Play Fullscreen

Boscastle Hit By Serious Flooding Again

Boscastle, the village devastated by flash floods three years ago, has been hit by more flooding. Sky's Gillian Joseph gets an eyewitness report from Martin Wingrove from the Cornwall Fire Brigade.

Play Fullscreen

Latest Video Of Floods In Boscastle

There has been more flooding in the Cornish village of Boscastle. This time the river has held thanks to new defences built after the devastating floods in 2004. Watch the raw footage here.

Play Fullscreen

McCanns' Plans For The Future

It's 50 days since Madeleine McCann was abducted from a holiday apartment in Portugal. In a Sky exclusive, Gerry and Kate McCann speak exclusively to reporter Ian Woods about the future of their campaign to find their daughter.

Play Fullscreen

MADELEINE SEARCH 'HAS BECOME OUR JOB

The parents of Madeleine McCann have told Sky News, in an exclusive TV interview to mark 50 days since their daughter's disappearance, of their heartache and unflinching determination to find their daughter.


Sky's Man In Portugal: A Village Changed Forever

Viseu e República Checa reforçam laços de cooperação

O Embaixador da República Checa em Portugal, Ladislav Škerík, esteve ontem na cidade de Viseu onde visitou, entre outros locais, o Instituto Superior Politécnico, que tem um protocolo com aquele país. Ao abrigo desta parceria, alunos das duas nações têm a possibilidade de realizar parte da sua formação no estrangeiro.
Mas a vertente económica foi a base preponderante desta deslocação, uma vez que o responsável esteve reunido com alguns investidores locais, com vista a uma maior aproximação.
"Os empresários da região são de muito boa qualidade e têm muita actividade, mesmo no estrangeiro", explicou Ladislav Škerík, acrescentando que é possível estabelecer "várias parcerias". A construção e a assistência técnica automóvel serão alguns dos sectores privilegiados, embora não descarte outras possibilidades.
"Vamos preparar uma missão de empresários à República Checa e encontrar os parceiros para dar o pontapé de saída à cooperação mútua, entrando juntos no mercado europeu e mundial", concluiu.
A mesma visão foi partilhada pelo presidente do Conselho de Administração do grupo Tavfer, Fernando Tavares Pereira, que defendeu que é altura de cada vez mais os portugueses se desenvolverem 'fora de portas'. "A Europa Central e de Leste são caminhos a seguir", frisou.

Viseu é uma das melhores cidades para se viver

Um estudo da Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (DECO) indica Viseu como um das melhores cidades para viver, a par de Castelo Branco, Aveiro, Bragança, Viana do Castelo e Braga. Setúbal, Lisboa e Porto são as piores.
Trabalho semelhante foi realizado em Espanha, Bélgica e Itália, por organizações similares à DECO, tendo sido recolhidos dados de 76 cidades. Nesse conjunto mais vasto, Viseu é a primeira urbe portuguesa a aparecer, colocada no décimo-sétimo (17º) lugar do 'ranking'. A pior classificada é Setúbal, que ocupa a septuagésima-quarta (74º) posição, antes de Nápoles e Palermo, em Itália.

É de assinalar que Bragança se destacou na classificação internacional por ter a melhor apreciação na qualidade ambiental e menos ruído, sendo a Guarda a que teve melhor resultados de "ar mais puro".

Antes de avançarmos para uma análise mais específica, importa referir que o estudo se baseia num inquérito enviado a mais de duas mil pessoas, associadas da DECO, residentes nas 18 capitais de distrito do Continente.

Os inquiridos avaliaram 11 aspectos relacionados com a vida na respectiva cidade, nomeadamente o emprego que assinalou a maioria das respostas (16 por cento); a segurança e criminalidade (14,3 por cento); a saúde (11,7 por cento); a habitação (10,6), o planeamento e gestão municipal (9,2); a mobilidade e transportes (8,5), o ambiente e poluição (8,3), a educação (6,4); a paisagem urbana (5,5); a cultura, lazer e desporto (3,3), o património histórico (3,2) e o comércio e serviços (3 por cento)

Emprego

Relativamente ao emprego, ou seja, à facilidade de encontrar um posto de trabalho, Viseu ocupa o quarto lugar, antecedida apenas pelas cidades de Leiria, Aveiro e Braga. As classificações não vão, contudo, além do meio da tabela, significando que se mantém, regra geral, a dificuldade em encontrar uma ocupação.

Segurança

A segurança e o combate ao crime são outras das preocupações manifestadas pelos portugueses. Apesar de a maioria se sentir segura dentro de casa, o mesmo não acontece em relação aos espaços públicos no centro das cidades, em especial à noite. Porto e Setúbal são consideradas as piores. Viseu e Bragança partilham o primeiro lugar, como as cidades mais seguros.

Saúde

Quanto ao acesso a bons cuidados de saúde, as respostas indicam uma baixa satisfação com os centros de saúde e os hospitais públicos. Apenas Coimbra se destaca com uma apreciação bastante acima da média.As pessoas que estão dispostas a pagar queixam-se de também não ser fácil encontrar hospitais privados em Bragança, Castelo Branco, Guarda, Portalegre, Santarém Vila Real e Viseu, urbe classificada em sétimo lugar (antecedida por Coimbra, Braga, Leiria, Porto, Aveiro e Castelo Branco).

Habitação

A maior crítica dos inquiridos às habitações vai para a falta de aquecimento no Inverno. Quanto ao calor estival, as casas de Aveiro, Guarda e Viana do Castelo são as mais frescas, enquanto as de Castelo Branco, Évora, Lisboa e Portalegre são consideradas as mais quentes.Casas bem cuidadas, por dentro e por fora, não são para todas as cidades. Lisboa destaca-se pela negativa, nomeadamente devido ao aparecimento de humidade em diversas divisões. Viseu, no campo da habitação, ocupa a décima-primeira posição, tendo à sua frente Bragança, Viana do Castelo, Beja, Guarda, Castelo Branco, Leira, Aveiro, Braga, Portalegre e Vila Real.

Planeamento e gestão municipal

Neste sector, a maioria das respostas aponta, regra geral, para o bom tratamento do património histórico por parte das autarquias. A excepção vai para Setúbal, cujos munícipes consideram que a Câmara podia fazer mais pelos monumentos.Quanto aos serviços camarários, os inquiridos pedem mais transparência e uma maior resposta às necessidades dos munícipes. Lisboa é a pior cidade. Portalegre e Viseu destacam-se pela positiva, repartindo, respectivamente, o terceiro e quarto lugares, atrás de Castelo Branco e Bragança.

Mãe e filho foram localizados em Lisboa

Maria Helena Figueiredo e o seu filho António Manuel que tinham desaparecido na sexta-feira da sua habitação em Falorca de Silgueiros, já foram localizados.
A novidade foi dada ontem, ao início da tarde pela mãe e avó, Fernanda Dias, que se mostrou muito satisfeita com o facto de ambos terem sido encontrados de boa saúde perto da capital do país e apenas poucos dias depois de ter alertado as autoridades.
O comandante do Destacamento Territorial de Viseu da Guarda Nacional Republicana, capitão José Ferreira, explicou que a mãe e o rapaz de 6 anos, foram detectados pela PSP de Lisboa na zona de Mem Martins. O oficial revelou que foi possível chegar ao paradeiro através de um pagamento feito numa oficina localizada naquela localidade.
De acordo com o responsável, Maria Helena Figueiredo explicou às autoridades que saiu de casa para refazer a sua vida, não havendo por isso mais nada a fazer pela GNR.

Preocupação

Ontem de manhã ainda ninguém em Falorca sabia onde se encontravam mãe e filho e a preocupação era grande. Uma vizinha referiu que não havia razões para a mulher fugir de casa, mas lembrou que ela vivia muito isolada, enquanto o marido trabalhava no estrangeiro. Informação que foi confirmada por um cunhado. Este lembrou ainda que Maria Helena estava pouco habituada a conduzir e que só há poucos meses tinha começado a utilizar a viatura.
O marido, Rui Figueiredo mostrou-se satisfeito por as autoridades terem encontrado a mulher e o filho, mas ainda não sabia quando é que iria estar com eles para conversar sobre o sucedido.

terça-feira, 19 de junho de 2007

Rede pedófila tinha ligações a 35 países

O criador de uma rede de pedofilia com base no Reino Unido foi condenado, ontem, a prisão "por tempo indeterminado" no mesmo dia em que as autoridades britânicas revelaram que a sua detenção levou ao desmantelamento de uma das maiores redes de abuso de menores, com ligações a 35 países e mais de 700 suspeitos. Trinta e uma crianças foram resgatadas durante a investigação.

Segundo o juiz Peter Thompson do tribunal de Ipswich, Martin Cox representa um "risco significante" para a sociedade e deverá ser detido para "protecção do público". O britânico de 28 anos, que usava a sua residência como base para o website "Kids The Light of Our Lives" ("Crianças, a Luz das Nossas Vidas"), foi ontem detido, por tempo indeterminado, após admitir nove crimes de posse e distribuição de imagens de abusos sexuais de menores. "Estas são imagens chocantes que envolvem crianças muito jovens em alguns casos sujeitas a abusos sádicos e dolorosos", descreveu o juiz ao revelar a sentença.

As imagens eram usadas no site criado por Cox para serem transmitidas, trocadas ou vistas por outros utilizadores que podiam comunicar em directo com outros utilizadores ou crianças. Segundo o Centro de Protecção para a Exploração de Crianças (CEOP), a rede estava já espalhada um pouco por todo o Mundo com milhares de utilizadores a colocarem, verem ou trocarem imagens de crianças a serem abusadas sexualmente. "O veredicto de hoje [ontem] serve como um forte aviso para aqueles que utilizam a Internet para facilitar a exploração sexual de menores", comentou o director executivo da CEOP, Jim Gamble, perante a notícia da sentença de Martin Cox.

O inglês, que operava segundo o nome "Son of God" ("Filho de Deus"), foi identificado após as autoridades canadianas descobrirem o seu site durante uma investigação a pedofilia na Internet. Na casa onde vivia, com os pais e uma irmã, foram encontradas mais de 75 mil imagens "indecentes", incluindo mais de mil filmes e provas de que este cedeu mais de 11 mil imagens a outros utilizadores da rede. A detenção do britânico permitiu que as autoridades britânicas e canadianas pudessem iniciar uma operação de vigilância no site fazendo-se passar por utilizadores habituais. Tal operação levou à detenção de um segundo suspeito no Reino Unido, Gordon Mackintosh, e à investigação de mais de 700 suspeitos espalhados por todo o Mundo.

Mackintosh encontra-se sob detenção a aguardar sentença de tribunal mas já admitiu 27 crimes de produção, posse e distribuição de material "indecente", o CEOP revelou que a investigação levou à "libertação de 31 crianças vítimas de abusos sexuais por parte de membros da rede que opera em 35 países. Não é, neste momento, possível revelar quais são estes países", afirmou um porta-voz. Uma investigação internacional continua a decorrer com centenas de suspeitos sob vigilância de diversas agências internacionais.

Abusados por conhecidos

De acordo com o Centro de Protecção para a Exploração de Crianças, 75% a 90% dos abusos sexuais a menores são cometidos por pessoas que fazem parte do círculo familiar ou de amigos das próprias vítimas. Estes são frequentemente amigos, vizinhos ou conhecidos dos pais das crianças. Mas quem se encontra em maior risco são, precisamente, os filhos de mães solteiras que são, amiúde, alvo de pedófilos.

Tal facto levou recentemente o governo britânico a apresentar uma proposta de lei que prevê a partilha de informação sobre pedófilos em caso de risco directo para uma criança.Segundo um porta-voz do Centro de Protecção para a Exploração de Crianças, o website criado pelo britânico Martin Cox - "Kids The Light of Our Lives" ("Crianças, a Luz das Nossas Vidas") - não era uma excepção, sendo de crer que a maioria das crianças fotografadas ou filmadas foi forçada a manter actos sexuais por pessoas que lhes são conhecidas no próprio seio familiar, tornando, em muitos casos, difícil a captura dos seus abusadores.

DOENÇAS ONCOLÓGICAS COM MENOS MORTALIDADE

Antidepressivos crescem 68% em apenas cinco anos

O consumo de antidepressivos aumentou 68% no espaço de cinco anos. Sinal dos tempos? Talvez, mas os estilos de vida também são medidos nos números da saúde. Olhando para os principais indicadores, verifica-se outras tendências há cada vez mais mulheres a ter filhos depois dos 35 anos e o número de bebés a nascer com baixo peso está a aumentar.

No âmbito do Plano Nacional de Saúde, o Alto-Comissariado da Saúde fez um estudo em que avaliou, no período de 2001 a 2005, os principais indicadores da saúde da população portuguesa, desde as condições de nascimento até ao envelhecimento, passando pelas patologias que mais matam e outros factores que contribuem para aumentar a mortalidade - como o tabaco e os acidentes de viação. Desta forma, monitoriza--se também a eficiência dos serviços, bem como os custos e a acessibilidade do sistema, garante Maria do Céu Machado, alta- -comissária da Saúde.

O consumo de antidepressivos é um dos sintomas paradigmáticos da qualidade de vida dos nossos tempos. Em Portugal, o número de embalagens por habitante passou de 0,25, em 2000, para 0,42, cinco anos depois, o que representa um aumento de 68%. Outro dado relativo a consumos, tabaco no caso, demonstra uma tendência de diminuição (17,5%) nos homens entre os 25 e os 44 anos e um aumento nas mulheres de todas as faixas etárias.

Quanto à saúde materno-infantil, são conhecidos os enormes progressos, registados nas últimas décadas, em termos de mortalidade infantil, que colocam o nosso país na primeira linha a nível mundial. Outra tendência, mais recente, diz respeito à idade das mães e ao peso dos recém-nascidos, dois elementos que indiciam não só gravidezes de risco, como maior probabilidade de problemas de saúde dos bebés. A taxa de mulheres que têm filhos depois dos 35 anos aumentou 13,9%, enquanto a de adolescentes que deram à luz decresceu 18,6%, entre 2001 e 2005.

A percentagem de crianças com baixo peso à nascença (menos de 2,5 quilogramas) aumentou quase 40% em duas décadas, em clara oposição, por exemplo, ao que tem acontecido na Suécia, o país com melhores resultados nesta área. Quanto aos nascimentos pré-termo (antes das 37 semanas), consta-se uma diminuição em 2004 e 2005, depois de uma subida gradual registada nos anos anteriores.

Nos parâmetros da saúde infantil, o número de crianças livres de cáries apresenta uma melhoria relativa bastante significativa - aumento de 51% -, mas que não esconde uma realidade preocupante metade dos miúdos de seis anos sofre de problemas dentários. Outros dados que ajudam a conferir a realidade portuguesa: apenas 20% das escolas dispõem de edifícios com boas condições de higiene e segurança e só metade dos alunos com necessidades de saúde especiais viu os seus problemas resolvidos.

Tumores matam menos

A taxa de mortalidade por cancros da mama e do colo do útero baixou 14% e 28%, respectivamente. Os tumores do cólon e do recto também mataram menos.

Mais suicídios

O número de suicídios aumentou 6%, de 2001 para 2005, sendo a percentagem claramente superior no sexo masculino, segundo o mesmo estudo.