So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 4 de outubro de 2008

Komodo Dragon celebrates its birthday


A Komodo Dragon celebrates his eighth birthday with what looks like the world's most horrible birthday cake - a meat feast topped with mice!

Stop-smoking intervention goes horribly wrong

Relatives beat a Malaysian couple to death in a ritual apparently meant to help the man to stop smoking, police said.


The couple died of head injuries after being beaten with broomsticks and motorbike helmets during a family gathering at a Kuala Lumpur home Wednesday, said Ku Chin Wah, head of the city's crime investigations department.

One of the couple's sons and three other relatives remain in custody. Four other detained family members have been released, Ku said.




According to those detained, a nephew suggested the beating ritual after the man said he could not stop smoking and the woman complained of a liver ailment, Ku said.



It is not clear who was responsible for the deaths, but local media reported that the nephew convinced all the members of the Muslim family to beat each other.

The couple's 15-year-old niece, also injured in the beating ritual, has been hospitalized, Ku said. Several others, including the couple's children, who are 14, 19 and 21 years old, also suffered injuries.

Police are still investigating the case. Local media reported the families are believed to have joined a cult recently, but that could not be immediately confirmed.

'Nasty' 7-year-old feeds zoo animals to croc

A 7-year-old boy broke into an Australian zoo, fed a string of animals to the resident crocodile and bashed several lizards to death with a rock
The boy jumped a security fence at the Alice Springs Reptile Center in central Australia early Wednesday, then went on a 30-minute killing spree, using a rock to slay three lizards, including the zoo's beloved 20-year-old goanna, which he then fed to “Terry,” an 11-foot (3.3 meter), 440-pound (200 kilogram) saltwater crocodile, said zoo director Rex Neindorf.

The boy, whose deadly acts were caught on the zoo's security camera, also threw several live animals to Terry over the two fences surrounding the crocodile's enclosure, at one point climbing over the outer fence to get closer to the giant reptile. In the footage, the boy's face remains largely blank, Neindorf said.


“It was like he was playing a game,” he said. He killed 13 animals worth around 7,000
Australian dollars (US$5,500), including a turtle, bearded dragons and thorny devil lizards, Neindorf said. Although none were rare, some would be difficult to replace, he said.
“We're horrified that anyone can do this, and saddened by the age of the child,” Neindorf said.


Alice Springs police said they identified the boy, who lives locally, but were unable to press charges because of his age. Children under age 10 are not criminally liable under the law in the Northern Territory.

“By all accounts, he's quite a nasty 7-year-old,” said Neindorf, who plans to sue the boy's parents. “If we can't put the blame onto the child, then someone has to accept the responsibility.”
The zoo's security system, which relies on sensors, probably did not detect the boy because he is so small, Neindorf said.

Rude parrott is addicted to saying w****r

A foul-mouthed parrot has shocked neighbours with his rude behaviour because he only says one word - w****r.

Owners Aaron and Kate Lenihan spent hours teaching pet Grey African parrot Charlie to squawk dozens of words when they bought him as a baby.



But tearaway Charlie became hooked on the swear word and now drives Aaron, 27 and wife Kate, 31, mad by constantly squawking "w*nker" and "cha cha w*nk w*nk."

Housewife Kate says rude Charlie "went off the rails" and now demands his favourite chicken tikka masala curry by swearing and tossing a food bowl around his 5-feet high cage.

We have tried teaching him to say 'oh sh*t' but w*nk is definitely his favourite
Stunned neighbours in St George, Bristol, are so shocked by the bird's antics that Kate has put the one foot tall exotic bird on sale for £625.


Mum-of-three Kate has now put "rogue" Charlie up for for sale because he has frightened away all their friends.



She said: "We have tried teaching him to say 'oh sh*t' but w*nk is definitely his favourite.
"We thought that if we could teach him other words then that would stop him from saying w*nker but it hasn't worked.
"It's really embarrassing when friends come round to visit because he's always calling them rude words.




Charlie wolf whistles at passing women and spends hours watching cartoons on TV and nodding to his favourite music - gangster rap.

Grey African Parrots originate from West and Central Africa and are one of the most intelligent birds.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Thieves steal condoms, leave massive condom behind

If you know the whereabouts of 5,000 condoms, some sound equipment and a motor used to inflate a giant prophylactic, Mexican police would like to speak with you.

The condom goods were all stolen from a 'condom-mobile' used to promote HIV/AIDS awareness in Mexico City.

The coordinator of an HIV/AIDS awareness tour, Polo Gomez, said the truck was taken on Sunday from its parking spot in front of a friend's house.

The truck was recovered on Wednesday in a shopping mall parking lot in a northern suburb - but the condoms and the equipment were missing.

Gomez said the thieves left some 800 HIV tests. More importantly, they also decided against stealing the 23-foot-long condom that came with the vehicle.

The truck wasn't hard to locate. It features painted images of a peeled banana, the exposed part shaped like a condom, and a shirtless man saying: 'I protect myself. Do you?'

After the theft received widespread media coverage, residents phoned police with the vehicle's whereabouts, Gomez said.

The Condomovil program has toured Mexico since 1998 promoting safe sex practices while distributing 1.2 million condoms to more than 700,000 people, Gomez said. The inflatable condom was used to draw attention from passers-by.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Pictured: The moment a grey heron catches a baby rabbit by the ears, drowns it, then swallows the thing whole

These amazing pictures show how cruel nature can sometimes be as a grey heron snacks on a rabbit.

Herons mainly eat fish but will also take birds and small mammals. This one was searching for a meal when it spotted the baby rabbit emerging from a hole.

Swooping down it grabbed its prey by the ears, took it to water and drowned it - then swallowed the rabbit whole.




What a catch: The heron grabs hold of the unsuspecting baby rabbit




Time for the kill: The hungry bird takes its catch to the waterside

Wildlife photographer Ad Sprang captured the dramatic images in Vianen, Holland.

'I was trying to get some nice shots of this grey heron,' said the 56-year-old Dutchman.

'After taking several shots, a little rabbit appeared out of a hole.

'The heron was interested in it and slowly approached the little rabbit. You could feel the tension.'



Death throes: The heron holds its prey under the water to drown it


Big gulp: As the rabbit disappears down the heron's throat only the legs can be seen

Obviously hungry, the adult bird, which averages about 100cm (3ft) in height and has a 1.95m (6ft) wingspan, made its move.

'In a split second, the bird caught the rabbit,' said Sprang. 'I managed to take two photos and the bird flew away with its food in its bill.'

Sprang followed the bird by car. He added: 'It landed in some water and I took several photos of the rest of the story.

'I have often seen herons catching prey like mice and fish but catching a rabbit was a surprise.'

In the Netherlands, the grey heron has become very common and has moved into urban environments in great numbers.

There, the herons hunt as they usually would but also make use of food discarded by humans and even visit zoos at feeding times.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Beira Alta

A Beira Alta é uma antiga província (ou região natural) portuguesa.
A Província da Beira Alta foi criada, em 1832, por subdivisão da antiga província da Beira, passando a ser constituída pelas comarcas de Viseu, Lamego e Trancoso. A província dispunha de um representante do governo central - o prefeito - e de um orgão eleito localmente - a junta geral de província. Nas comarcas que não eram sede de província, existiam subprefeitos, que representavam o prefeito

Pela reforma administrativa de 1835, o país, passou a ser dividido em distritos. A Província da Beira Alta manteve-se, mas apenas como unidade estatística e de referência regional. Os seus limites correspondiam aos do distrito de Viseu.

A Beira Alta foi restaurada, como unidade administrativa, em 1936, agora incluindo, além do distrito de Viseu, o distrito da Guarda. Esta nova divisão em províncias baseou-se numa estudo geográfico que dividia, Portugal Continental, em 13 "regiões naturais", entre as quais, a Beira Alta e a Beira Transmontana. A nova província da Beira alta foi criada pela reunião daquelas duas regiões naturais.

As províncias de 1936 praticamente nunca tiveram qualquer atribuição prática, e desapareceram do vocabulário administrativo (ainda que não do vocabulário quotidiano dos portugueses) com a entrada em vigor da Constituição de 1976.


Era então constituída por 32 concelhos, integrando a quase totalidade dos distritos da Guarda e Viseu e ainda dois concelhos do levante do distrito de Coimbra. Tinha a sua sede na cidade de Viseu.Cidades principais:Guarda e Viseu.

Para alguns geógrafos, esta província, em conjunto com a Beira Baixa, e por vezes até, com a inclusão da Beira Trasmontana, formava uma unidade geográfica maior: a Beira Interior.

Actualmente, o seu território encontra-se repartido pelas regiões Norte e Centro, pertencendo à primeira parte da subregião do Douro (concelhos de Moimenta da Beira, Penedono, Sernancelhe e Tarouca), e à segunda a totalidade das subregiões da Beira Interior Norte, a Cova da Beira, o Dão-Lafões bem como ainda uma pequena parte do Pinhal Interior Norte (por abarcar no seu território os dois concelhos do distrito de Coimbra pertencentes à Beira Alta).


O investimento Português no estrangeiro e o investimento Estrangeiro em portugal

Pese toda a campanha propagandística do Governo PS liderado por José Sócrates, a realidade é que, Entre 2002 e 2006, o investimento (FBCF) em Portugal, a preços constantes de 2000, diminuiu. Como consequência, o crescimento económico tem sido reduzido, o que tem provocado o atraso crescente do nosso País quando comparado com a U.E., e o desemprego tem aumentado.




Eugénio Rosa*


O INVESTIMENTO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO E O INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM PORTUGAL : em 2007, estima-se que serão transferidos para o estrangeiro mais de 18.000 milhões de euros de rendimentos resultantes de IDE em Portugal (11,5% do PIB)


RESUMO DESTE ESTUDO


Um dos problemas mais graves que a Economia Portuguesa enfrenta actualmente é a quebra continuada no investimento. Entre 2002 e 2006, o investimento (FBCF) em Portugal, a preços constantes de 2000, diminuiu em -13%, ou seja, o investimento realizado em 2006 foi inferior ao de 2002 em 3.474,9 milhões de euros. Como consequência, o crescimento económico tem sido reduzido, o que tem provocado o atraso crescente do nosso País quando comparado com a U.E., e o desemprego tem aumentado. Em contrapartida, de acordo com o Eurostat, entre 1996 e 2005, o “stock” de investimento de empresas portuguesas no estrangeiro aumentou em 1197,9%, pois passou de apenas 2.896 milhões de euros para 37.591 milhões de euros, portanto teve um aumento de 34.695 milhões de euros. Este aumento significativo do investimento no estrangeiro determinou que os rendimentos recebidos pelas empresas portuguesas resultantes daquele investimento, entre 2000 e 2007, tenham passado de 4.969 milhões de euros para 11.601 milhões de euros, ou seja, aumentaram em 133,5%.


Por outro lado, segundo dados do Eurostat e do Banco de Portugal, entre 1996 e 2005, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) em Portugal passou de 15.407 milhões de euros para 54.689 milhões de euros, ou seja, aumentou 255%; medido em percentagem do PIB português, no mesmo período, o IDE passou de 17% para 36,8%. Resultante desse investimento, a exportação de rendimentos para o estrangeiro, entre 1996 e 2007, passou de 4.083 milhões de euros para 18.351 milhões de euros, ou seja, aumentou 349,5%


Como consequência das saídas de rendimentos serem de uma forma crescente superiores às entradas de rendimentos, o saldo negativo desta balança de rendimentos (saídas – entradas), entre 2000 e 2007, passou de -2.611 milhões de euros para -6.750 milhões de euros, ou seja, cresceu em 158,5%. Em percentagem do PIB, entre 2000 e 2007, o saldo aumentou de -2,1% do PIB para -4,2%, o que significa que uma parte crescente da riqueza criada no País está ser transferida para o estrangeiro, ficando em Portugal uma parcela cada vez menor


Um dos problemas mais graves que a Economia Portuguesa enfrenta actualmente é a quebra continuada no investimento, o que tem contribuído, por um lado, para as reduzidas taxas de crescimento económico que se tem verificado no nosso País, o que tem determinado o atraso crescente de Portugal em relação à União Europeia e, por outro lado, para o aumento do desemprego, pois havendo pouco investimento a criação de empregos é reduzida e, naturalmente, o desemprego aumenta.


Embora o investimento em Portugal tenha baixado, no entanto o investimento de empresas portuguesas no estrangeiro tem crescido significativamente nos últimos anos, assim como as entradas de rendimentos daí resultantes, bem como tem aumentado a transferência de rendimentos para fora do nosso País resultante do investimento directo estrangeiro em Portugal.


O INVESTIMENTO EM PORTUGAL DIMINUIU 13% ENTRE 2000 E 2006, MAS O INVESTIMENTO DE EMPRESAS PORTUGUESAS NO ENTRANGEIRO AUMENTOU 202% ENTRE 2000 E 2005,


Segundo o INE, entre 2002 e 2006, o investimento (FBCF) em Portugal, a preços constantes de 2000, diminuiu -13%, ou seja, o investimento realizado em 2006 foi inferior ao de 2002 em 3.474,9 milhões de euros.


Embora o investimento em Portugal feito por empresas portuguesas e estrangeiras tenha diminuído, o investimento de empresas portuguesas no estrangeiro aumentou significativamente como mostram os dados divulgados pelo Eurostat constantes do quadro seguinte.


Entre 1996 e 2005, o “stock” de investimento de empresas portuguesas no estrangeiro aumentou em 1197,9%, pois passou de apenas 2.896 milhões de euros para 37.591 milhões de euros, portanto cresceu em 34.695 milhões de euros.



Se consideramos um período de 5 anos (2000-2005), como fizemos anteriormente para a FBCF (investimento) em Portugal, entre 2000 e 2005, o “stock” de investimento de empresas portuguesas no estrangeiro aumentou 202% pois passou de 18.585 milhões de euros para 37.591 milhões de euros (+ 26.971 milhões de euros).



Se analisarmos a variação do “stock” de investimento de empresas portuguesas no estrangeiro não em milhões de euros, mas em percentagem do PIB português concluímos que ele teve também um crescimento impressionante. Em 1996 correspondia a apenas 3,2% do PIB, mas em 2000 já representava 15,2% e, em 2005, o “stock” de investimento já correspondia a 25,3% do nosso PIB.


Mesmo em termos da União Europeia, o “stock” de investimento das empresas portuguesas, medido em percentagem do PIB, é elevado. Segundo também o Eurostat, em 2005, o “stock” de investimento de empresas portuguesas no estrangeiro correspondia a 25,3% do PIB desse ano como já se referiu, enquanto a média na UE25 era ,no mesmo ano, de 21,9% do PIB.,


Num país, como Portugal, em que existe uma grande falta de investimento, e que para sair da crise e para poder alcançar elevadas taxas de crescimento económico necessita que muito investimento seja feito internamente, no entanto, muitas das grandes empresas portuguesas estão a fazer uma parte importante do seu investimento no estrangeiro, deixando de o realizar em Portugal. É um facto que interessa ter sempre presente quando se fala do IDE em Portugal, para não se pensar que existem apenas benefícios.


O GOVERNO DE SÓCRATES PREMEIA AS EMPRESAS PORTUGUEASA QUE INVESTEM NO ESTRANGEIRO COM ELEVADOS BENEFICIOS FISCAIS


As empresas portuguesas que investem no estrangeiro tem arrecadado importantes lucros. O quadro que se apresenta seguidamente, construído com dados divulgados pelo Banco de Portugal, mostra a dimensão dos rendimentos que essas empresas receberam só no período que vai de 2000 a 2007.




Os dados constantes do quadro anterior referentes ao período 2000-2006 são valores efectivos divulgados pelo Banco de Portugal. O de 2007, é uma estimativa que fizemos tomando como base os efectivos também do Banco de Portugal relativos aos sete primeiros meses de 2007 (Jan./Jul = 6.767 milhões de euros )


Assim, entre 2000 e 2007, portanto em apenas sete anos, as empresas portuguesas que investiram no estrangeiro obtiveram rendimentos que totalizaram 56.444 milhões de euros.


Apesar destas empresas não realizarem uma parte importante do seu investimento em Portugal mas sim no estrangeiro, não criando nem riqueza nem emprego em Portugal, têm importantes benefícios fiscais.,


De acordo com o artº 46 do Código do IRC desde que a diferença entre a taxa de IRC portuguesa e a taxa de IRC em vigor nesses países não determine um beneficio (redução no IRC) que a Administração Fiscal considere excessivo, essas empresas, em relação a rendimento obtido no estrangeiro, não pagam IRC em Portugal. Por exemplo, nos 10 países que pertenciam à URSS e que entraram em 2005 para a União Europeia, a taxa média de IRC ronda os 18%, portanto as empresas portuguesas que investem nesses países, em relação aos lucros que recebem desses países, pagam menos 7 pontos percentuais (-28%) de IRC, ou 9,5 pontos percentuais (-35%) se considerarmos a derrama para as Autarquias.


No entanto, para que esse beneficio fosse garantido às empresas que investem nos países que foram colónias portuguesas (os PALOP´s), mesmo quando o beneficio é excessivo, o governo de Sócrates aprovou, em 2006, uma disposição (artº 39-A do Estatuto dos Benefícios Fiscais) que diz textualmente o seguinte: “ A dedução prevista no artº 46 do Código do IRC é aplicável aos lucros distribuídos a entidades residentes por sociedades afiliadas residentes em países africanos de língua oficial portuguesa” . Para que isso aconteça, basta que a sociedade portuguesa detenha, pelo menos, 25% do capital das sociedades a funcionar nesses países africanos, e que a taxa de tributação que vigora nesses países não seja inferior a 10%.


Portanto, basta que o lucro dessas empresas a funcionar nesses países africanos seja tributada a uma taxa igual ou superior a 10% nesses países, para que a sociedade mãe instalada em Portugal não tenha de pagar, relativamente a esses rendimentos, a taxa de IRC que vigora no nosso País (25% + 2,5% de derrama para as Autarquias).


E como se sabe quase todos os bancos portugueses assim como as grandes empresas de construção civil portuguesas tem filiais nos PALOP´s, sendo já uma parte importante dos seus lucros os obtidos pelas suas filiais a funcionar nesses países.


INVESTIMENTO DIRECTO DE ESTRANGEIROS EM PORTUGAL DETERMINA UMA SAIDA DE RENDIMENTOS QUE SE ESTIMA EM 18.351 MILHÕES DE EUROS EM 2007


Como revelam os dados do Eurostat e do Banco de Portugal constantes do quadro seguinte o investimento feito por estrangeiros em Portugal (o chamado “stock” de investimento) atingia, em 2005, 54.689 milhões de euros, e os rendimentos recebidos por esses estrangeiros tendo como origem Portugal, só no ano de 2007, estima-se que alcancem o valor de 18.351 milhões de euros.





Como mostram os dados do Eurostat e do Banco de Portugal constantes do quadro anterior, entre 1996 e 2005, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) em Portugal passou de 15.407 milhões de euros para 54.689 milhões de euros, ou seja, aumentou 255%; medido em percentagem do PIB português, no mesmo período, o IDE passou de 17% para 36,8%.


Este investimento realizado por estrangeiros em Portugal determinou e vai continuar a determinar a saída de importantes volumes de rendimentos do nosso País. Entre 1996 e 2007 (o valor de 2007, é uma estimado feita com base no verificado nos primeiros sete meses deste ano, em que as saídas atingiram 10.705 milhões de euros), passou de 4.083 milhões de euros para 18.351 milhões de euros, ou seja, aumentou em 349,5%. Se somarmos os rendimentos transferidos para o estrangeiro entre 1996 e 2007, ou seja, nos últimos 11 anos, obtém-se o valor impressionante de 106.514 milhões de euros, o que é praticamente o dobro do “stock” de todo IDE em Portugal em 2005. Para além dos benefícios do IDE no nosso País divulgados no discurso oficial e nos media, existem aspectos negativos importantes que normalmente são esquecidos ou ocultados, a saber: controlo crescente da Economia Portuguesa e das exportações portuguesas pelo capital estrangeiros, e transferência crescente de rendimentos (riqueza ) gerada em Portugal para o estrangeiro, o que determina que a parte que fica em Portugal diminua de uma forma gradual e continua


O SALDO NEGATIVO DA BALANÇA DE RENDIMENTOS PORTUGUESA TEM AUMENTADO MUITO


Muitas vezes, a nível dos media, tem-se confundido saída de rendimentos resultantes do Investimento Directo Estrangeiro (IDE) com saldo da Balança de Rendimentos também divulgado pelo Banco de Portugal. Mas um saldo resulta de uma operação que consiste em subtrair às saídas de rendimento as entradas de rendimentos como mostram os dados do quadro seguinte.





Os valores das saídas de rendimentos são, em média, 2,8 vezes superiores aos valores absolutos dos saldos, e os valores das entradas são, em média, 1,8 vezes superiores. Em 2006, por ex., as saídas efectivas de rendimentos tendo como origem IDE em Portugal atingiram 14.808 milhões de euros, enquanto o saldo negativo foi de -6.750 milhões de euros pois ao primeiro teve-se de retirar as entradas de rendimentos provenientes de investimentos de empresas portuguesas no estrangeiro (9.589 milhões de euros) para se obter o valor do saldo (-5.219 milhões de euros).


Um aspecto importante que os dados do quadro revelam é que tanto as exportações de rendimentos como o saldo resultante das saídas e das entradas de rendimentos representam uma parcela cada vez maior do PIB, ou seja, da riqueza criada em Portugal, o que significa que a parcela dessa riqueza que fica no nosso País é cada vez menor. Assim, em 2000, as exportações de rendimentos representaram 6,2% do PIB e o saldo negativo -2,1%do PIB, enquanto em 2007, estima-se que representem, respectivamente, 11,5% do PIB e -4,2% do PIB. Em valor, isto significa que, entre 2000 e 2007, as exportações de rendimentos tenham aumentado de 7.580 milhões de euros para 18.351 milhões de euros e o saldo tenha passado de -2.611 milhões de euros para -6..750 milhões de euros. Se compararmos o crescimento registado, entre 2000 e 2007, no PIB, nas exportações de rendimentos e no saldo da Balança de Rendimentos concluímos o seguinte: o PIB, em valores nominais (não deduzindo o efeito da inflação) aumentou 30,4% , as saídas de rendimentos cresceram 142,1 %, e o saldo negativo subiu 158,5%, o que confirma que uma parte crescente da riqueza criada em Portugal está a ser transferida para o estrangeiro, ficando no nosso País uma parcela cada vez menor dessa riqueza.




Demografia: População portuguesa continuará a envelhecer um ano em cada cinco anos - estudo

Lisboa, 19 Set (Lusa) - A demografia portuguesa continua a ter uma evolução "preocupante" nos últimos 30 anos e se nada for feito a idade média da população continuará a subir linearmente cerca de um ano em cada cinco anos.

Esta é a conclusão de um estudo de projecção demográfica elaborado pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN), que será divulgado a 27 de Setembro no seminário intitulado "Inverno demográfico: o problema. Que respostas?", a realizar na Assembleia da República.

Em declarações à agência Lusa, Fernando Ribeiro e Castro, presidente da Associação, recorda que a população portuguesa continua a envelhecer a um ritmo "mais do que preocupante", sublinhando que está na "hora de o Governo tomar medidas para inverter esta tendência sob pena de irmos pagar um preço muito alto no futuro próximo".

Para a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, o envelhecimento da população pode ser travado através de uma política que permita às famílias terem os filhos que desejam sem que por isso sejam penalizados, o que levará a que o Índice Sintético de Fertilidade (número médio de filhos por mulher em idade fértil) seja de 2.1, um valor igual ao número médio de filhos desejados.

Caso o Índice Sintético de Fertilidade se mantenha constante, a situação demográfica agravar-se-á ainda mais, elevando bastante a já grande desproporção entre idosos relativamente a jovens e pessoas em idade activa.

Segundo a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, o Índice de Dependência de Idosos (número de idosos por cada 100 pessoas em idade activa) atinge, segundo o estudo da associação, um máximo de 48 em 2050.

Para Fernando Ribeiro e Castro, esta situação resulta de "30 anos de distracção dos sucessivos portugueses" que "nunca admitiram haver problemas sérios a nível demográfico para resolver em Portugal".

Outro problema reside, acrescentou, no facto de Portugal continuar a promover o divórcio - "de que é exemplo acabado a última proposta de lei do Governo de Sócrates" - em detrimento da promoção da "estabilidade do casamento e cós casais".

"O Estado tem que ver que o casamento é um valor importante porque a estabilidade conjugal é muito importante para o futuro de um país", frisou.

De entre as medidas "aberrantes" existentes em Portugal, Fernando Ribeiro e Castro citou o facto de em sede de IRS um divorciado poder descontar até 6.000 euros por cada filho a cargo, o que é inadmissível".

Fernando Ribeiro e Castro defende assim que o Governo português deve considerar "o terceiro filho ou o de ordem superior (acima do terceiro) uma riqueza nacional" porquanto é ele que "vai suportar as reformas no futuro".

Um especialista do Instituto de Política Familiar da Europa, outro da Confederação Europeia de Famílias Numerosas, eurodeputados portugueses, sociólogos e deputados contam-se entre os participantes no seminário, cuja sessão de encerramento será presidida pelo ministro do Trabalho e da Solidariedade Social.

A passagem de um vídeo, inédito na Europa, Desafio demográfico na Europa, Desafio demográfico em Portugal, Desafio demográfico e sustentabilidade económica e social são os painéis em que se divide o seminário.

CP.

Lusa/Fim

domingo, 28 de setembro de 2008

World population

The page will only work with a graphical browser implementing Javascript 3.0 or higher. It fairly accurately clocks the current population and reflects its growth using a second-order approximation of the exponential; in addition, if you enter a date in any form Javascript will accept and hit the "Do this time" button, it will use its magic formula to estimate the population for any date from 1900 to 2100, although the estimates become unreliable outside the range 1950 to 2050. Use the "Un/Freeze" button to "freeze" the clock at a certain time while it is ticking, or to resume it ticking with the present population after you have frozen it or asked for an estimate.

Those familiar with the earlier version will note that the range in which the new version gives reasonable estimates has increased considerably. It is of some interest to note that this approximation predicts that the population will start decreasing before the end of the 21st century.

The raw data is from the U.S. Census Bureau, and is not uncontroversial. For instance, the UN, with its data, considered 1999 October 12 to be the "day of six billion", but the approximation here (which I for one have more faith in) puts it at 1999 June 18, nearly four months earlier.

Enjoy!


WORLD_POPULATION_CLOCK

WORLD_POPULATION_AND_STATISTIC