So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sábado, 25 de julho de 2009

Portugal um total de 198 casos confirmados de Gripe A...

Portugal tens mais dez casos de infecção pelo vírus da Gripe A, confirmados nas últimas 24 horas.


De acordo com um comunicado publicado, esta sexta-feira, no «Portal da Saúde», estão a ser seguidos no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, dois rapazes, um de 13 anos proveniente de Espanha e um outro de 16, do Reino Unido.


Já em Faro registaram-se dois casos: uma mulher de 30 anos que voltou de Palma de Maiorca e um rapaz de 17 anos que regressou do Reino Unido.


Na Madeira, está a ser assistido no Hospital do Funchal, um menino de 17 meses que regressou de Londres.


No Porto, um homem de 26 anos está a ser acompanhado no Hospital de São João, depois ter estado no Canadá.


Já em Lisboa, estão referenciados pelo Hospital Curry Cabral, um homem de 53 anos e uma mulher de 47 que vieram de Londres, um homem de 25 anos regressado de Barcelona e um homem de 20 anos, que é único caso referenciado por transmissão secundária, dos últimos dias.


Desde Maio, verificou-se em Portugal um total de 198 casos confirmados de Gripe A.


Esta sexta-feira, o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, já tinha garantido que se houver

O tempo está a afectar vários países...

O tempo está a afectar vários países. Se em alguns países são as chuvas que provocam o caos nas estradas, noutros é o calor que aperta. Na Polónia, pelo menos sete pessoas morreram devido a fortes tempestades. Na Áustria as chuvas intensas provocaram o caos nas ruas de Viena. Já em Espanha, as temperaturas rondam os 40 graus e na Argentina nevou.


Na Polónia, as situações mais críticas ocorreram no sudoeste do país, onde os ventos muito fortes derrubaram postes de electricidade. Uma mulher grávida de 24 anos morreu quando uma árvore caiu sobre o carro em que seguia. Em Varsóvia, o fornecimento de electricidade teve mesmo de ser cortado durante algumas horas.


Já na Áustria, o calor do verão deu lugar à chuva. Na capital, Viena, várias ruas ficaram inundadas e as rajadas de vento derrubaram árvores. Os bombeiros foram chamados a socorrer dezenas de pessoas que ficaram feridas.


Na Argentina o cenário é outro. Uma onda de frio que está a passar provocou uma queda de neve inesperada. Nas principais cidades, o tempo seco e quente deu lugar ao manto branco. As temperaturas baixaram quase 16 graus e são já as mais baixas do ano. O instituto de meteorologia argentino prevê ainda mais frio para o fim-de-semana.


No país vizinho, o Chile, o cenário é em tudo semelhante. A onda de frio provocou mesmo o corte de estradas, portos e montanhas.


Um músico canadiano, cuja guitarra ficou partida durante um voo para os Estados Unidos, vingou-se da companhia aérea (United Airlines), que não assumiu o estrago, e fez uma música dedicada ao incidente, com um «videoclip». Segundo avança a BBC, este pequeno filme tornou-se no novo «hit» da Internet.


Quase quatro milhões de pessoas já viram no Youtube o «videoclip», gravado como «uma reclamação musicada».


O sucesso do vídeo fez com que a companhia United Airlines, que, inicialmente, se tinha recusado a indemnizar o músico, a repensar a sua posição.


O vídeo de Dave Carroll intitula-se «United Breaks Guitars» (A United Quebra Guitarras) e foi colocado no youtube no início de Julho.


O incidente ao que Carroll se refere na música, ocorreu em Março de 2008 durante uma escala em Chicago, de um voo proveniente de Halifax (Canadá), rumo a Nebraska (Estados Unidos) onde o cantor se apresentaria com a banda de folk-rock «Sons of Maxwell».


Veja aqui o vídeo do cantor:


Ja entrou nas Honduras...


O presidente deposto Manuel Zelaya, conseguiu, esta quinta-feira, chegar e passar a fronteira das Honduras com a Nicarágua, naquela que é a sua segunda tentativa de regressar a casa. No entanto, este regresso foi apenas simbólico tendo Zelaya voltado a sair do país.


Cercado por dezenas de apoiantes e pela imprensa local, o presidente deposto afirmou, por telefone, à agência AFP que vai «apelar ao diálogo» e e irá querer «conversar com as pessoas porque é um homem de paz».


Zelaya disse ainda que regressou à Nicarágua «em respeito aos princípios dos militares». Na terça-feira, deverá viajar a Washington, confirmou o Departamento de Estado do governo americano.



Primeira tentativa falhada


Recorde-se que já tinha havido uma primeira tentativa de regressar às Honduras de avião a 5 de Julho, mas que foi travada por militares no aeroporto internacional de Tegucigalpa.


Manuel Zelaya esteve em exílio por quase um mês, depois de um golpe de Estado em que foi expulso das Honduras no dia 28 de Junho.


«Não temo regressar ao meu país, porque não tenho contas com a justiça», revelouo presidente deposto em Estelí, local onde se encontrava antes de cruzar a fronteira.


Contudo, o governo ameaça prendê-lo se ele chegar às Honduras, de acordo com o que noticia a «BBC». Roberto Michelleti, que liderou o golpe militar no país, mandou, por sua vez, reforçar a fronteira com Nicarágua. Mas até ao momento, não há registo de incidentes.


Antes de irem comer fora, pensem duas vezes...

Entre Janeiro e Junho, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica fiscalizou 23 802 operadores, tendo deste conjunto de acções resultado 759 detenções, o que dá uma média de quatro detenções por dia.


Ontem, o secretário de Estado da Defesa do Consumidor reafirmou que o acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa em nada inibiu a actividade da ASAE, pelo que a entidade tem continuado a fazer as detenções que considera necessárias. No primeiro semestre de 2009, a ASAE instaurou ainda 1284 processos crime e 5642 processos de contra-ordenação.


Mais recentemente, no âmbito da campanha “A defesa do consumidor não mete férias”, inspeccionou mais de mil apoios de praia, apoios turísticos no litoral, geladoarias, restaurantes em zonas turísticas e similares, tendo procedido a 39 suspensões e nove detenções.


Aproveitando a apresentação deste balanço, Fernando Serrasqueiro fez questão de sublinhar que o pior que se poderia fazer neste momento seria travar a acção da ASAE e lembrou que esta entidade não produz legislação, apenas verifica se esta é cumprida, refutando assim acusações de que há excesso de actuação por parte desta Autoridade.


A notícia de que ia ficar sem a guarda da filha....

A notícia de que ia ficar sem a guarda da filha, uma bebé de 10 meses, terá estado na base do homicídio ocorrido anteontem, na Moita, em que um homem matou a ex-companheira à machadada, no posto de trabalho.


O presumível homicida estava ontem a ser ouvido no Tribunal da Moita, para conhecer as medidas de coacção. Por detrás do crime terá estado um conflito à volta de um bebé de dez meses, que o homem teria que entregar à antiga companheira.


O casal sempre teve, no entanto, uma vida conjunta atribulada, desde que se conheceram há três ou quatro anos. Sem nunca terem casado, da vida em comum resultaram duas filhas, uma de quatro anos e outra de dez meses.


Os anos foram passando com desavenças frequentes "O Chico e a Sandra estavam sempre a zangar-se e ela saía muitas vezes de casa".


Em algumas ocasiões chegaram a verificar-se mesmo situações de confronto e há registo de pelo menos quatro casos de violência doméstica em que a mulher, Sandra, de 23 anos, apresentou queixas-crime contra Francisco, de 26, no Posto da GNR da Moita. Ali, o homem começou também a ser conhecido por provocar desordens na rua, um pouco devido ao consumo excessivo de álcool.


Os casos tinham dado lugar a inquéritos no Ministério Público junto do Tribunal da Moita e no Natal do ano passado Sandra saiu de casa, indo viver com a mãe, no Barreiro. No entanto, os problemas terão continuado, tanto mais que há também queixas de Sandra na PSP do Barreiro.


Francisco ficou com a bebé, enquanto Sandra ficou com a criança de quatro anos, mas sempre sem desistir de manter também consigo a bebé e o caso acabou por chegar a tribunal.


Anteontem, Francisco terá tido conhecimento de que teria que entregar a filha à mãe, por decisão judicial, mas a sua advogada no processo do poder paternal, Sandra Gomes, garantiu que o caso não estava concluído.


A verdade é que Francisco tinha a convicção de que seria obrigado a entregar a filha e que teria que o fazer ontem. Terá sido esse o facto que o levou a cometer o homicídio. A ex-companheira trabalhava num posto de combustível no Chão Duro, uma localidade perto da Moita, onde também Francisco residia, e foi aí que este foi procurar Sandra.


Dirigiu-se de carro até ao local e logo que deixou a viatura dirigiu-se de imediato à vítima, desferindo-lhe, pelo menos, dois golpes de machado, matando-a. Uma outra funcionária ainda tentou demovê-lo, mas sem resultado.


Encapuzados tiveram medo de faca....

Encapuzados tiveram medo de faca
Cândido Silva assusta quatro assaltes com faca de cozinha










Quatro indivíduos encapuzados, um deles armado com uma "shotgun", tentaram, ontem, sexta-feira, assaltar um fornecedor de tabaco, em Arcozelo,Gaia, mas acabaram por fugir a sete pés do dono de um restaurante de faca em punho.


Eram cerca das 9,15 horas e Cândido Silva, proprietário do café e churrascaria Candi Nova, na Rua das Grades Verdes, em Arcozelo, Gaia, encontrava-se já na cozinha a cortar a carne para o almoço quando ouviu um grande alarido vindo da entrada do estabelecimento. Surpreendido e sem largar a faca com uma generosa lâmina de 20 centímetros, Cândido Silva dirigiu-se à zona do café onde se encontrava apenas um cliente e quatro indivíduos encapuzados, um deles empunhando uma espingarda de canos serrados.


"Isto é um assalto", gritou o indivíduo, apontando a arma e fazendo o gesto de a preparar para disparar.


"É um assalto coisíssima nenhuma", respondeu Cândido Silva, com um ou outro palavrão à mistura. Acto contínuo, levantou a mão com a faca e deu a entender que estava preparado para a lançar contra os assaltantes.


Estes, apavorados, tiveram apenas tempo para gritar: "Cuidado que ele tem um cutelo". E desataram a fugir porta fora.


"No momento nem pensei duas vezes. Corri atrás deles até ao largo sem largar a faca e ainda os vi a entrarem para uma carrinha e um carro. Foi só nessa altura que assentei e percebi que a coisa podia ter corrido muito mal", contou Cândido Silva. "Voltei para o café e então é que percebi que os indivíduos não teriam a intenção de assaltar o estabelecimento mas sim o meu fornecedor de tabaco", continuou.


É que, parte do tal alarido que Cândido Silva ouvira quando ainda estava na cozinha provinha da entrada tempestuosa do dito fornecedor que, vendo-se perseguido pelos indivíduos quando ali chegava, resolveu esconder-se no vestiário dos funcionários do restaurante. "Que por sorte já estava aberto", explicou Cândido Silva. Ontem, à hora do almoço, serenados os ânimos, Cândido Silva disse não saber como teve coragem de enfrentar daquele modo os indivíduos. "Sou assim, reajo sem pensar, mas agora não voltava a fazer o mesmo. A minha sorte foi que eles pareciam novos, sem experiência nesta coisa dos assaltos, porque se eles tivessem usado a arma a situação poderia ter sido muito feia", concluiu.


Cândido Silva recordou que o seu estabelecimento foi já assaltado duas vezes, mas não recentemente.


Poucos inquiridos acreditam que seriam capazes de encontrar um novo trabalho em 6 meses...

Perante um possível cenário de desemprego por causa da crise económica, poucos portugueses acreditam que pudessem regressar ao activo num curto espaço de tempo, mostra um estudo de opinião de Bruxelas.


Os portugueses são os mais pessimistas entre os europeus: apenas 16% acreditam que conseguiria encontrar novo trabalho num espaço de seis meses.


Os números do Eurobarómetro, publicados ontem pela Comissão Europeia, relativo aos efeitos da crise económica e financeira sobre o mercado de trabalho, mostram que 16% dos portugueses dizem ter perdido o emprego por causa da crise actual, 39% têm algum membro da família ou amigo próximo no desemprego e quase um terço tem colegas que ficaram sem trabalho pela mesma razão.


Mais de metade dos portugueses (58%) acha que o impacto da crise económica sobre o emprego ainda pode piorar. Mesmo assim, dois terços dos inquiridos disseram estar "relativamente confiantes" na possibilidade de manter o seu posto de trabalho nos próximos meses.


Portugal surge, no entanto, como o segundo país com mais cidadãos que conhecem os instrumentos comunitários de apoio ao emprego, como o Fundo Social Europeu.


No inquérito, 88% dos portugueses consideraram a formação contínua como um dos factores que ampliam as possibilidades de emprego, no entanto, no último ano apenas 15% fizeram alguma.


Já ao nível da União Europeia, 61% dos cidadãos acham que o pior da crise ainda está para vir, mas no caso de serem confrontados com uma situação de desemprego, 39% julga muito provável encontrar um novo trabalho no espaço de meio ano. O estudo mostra que cerca de 3,5% dos europeus activos perderam o posto de trabalho por causa da crise económica, 36% conhecem alguém entre amigos ou família que perdeu o emprego, e 24% conhecem um colega que foi também afectado pelo contexto económico.


Os países mais atingidos em termos sociais são Letónia, Lituânia, Espanha e Irlanda, logo seguida de Portugal, enquanto que no lado positivo estão os cidadãos do Luxemburgo, Grécia e Holanda como os menos afectados com a perda de postos de trabalho.


Em Portugal, foram feitas 1020 entrevistas, entre 29 de Maio e 16 de Junho.


Utentes do distrito de Viseu são levados de táxi ...

Utentes do distrito de Viseu são levados de táxi a outros distritos devido à falta de convenções com privados.


O distrito de Viseu, com quase meio milhão de habitantes, é considerado uma ilha no acesso a tratamentos de fisioterapia. A ausência de convenções com privados faz o Estado pagar táxis para levar utentes fora da região.


Alfredo, Emília e João. Três pessoas que têm em comum, para além da amizade, o infortúnio de padecerem de doenças, ainda que de natureza diversa, que as obrigam a usar bengalas para conseguirem caminhar.


Indisponíveis para aceitarem como "fatalidade" a falta de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) para a realização de sessões de fisioterapia na terra onde moram, nomeadamente, de manutenção, estão dispostos a tudo para lutar pelos seus direitos.


"Estamos aqui três, mas poderemos estar muitos mais se for caso disso. O Estado tem de encontrar soluções que nos devolvam alguma da qualidade de vida perdida. Sem que para isso tenhamos de sujeitar-nos a ir várias vezes por semana, de táxi ou de ambulância, e sujeitos a longas esperas, para os distritos de Coimbra ou da Guarda.", reclama João Assis.


Paraparésia Espástica. É a doença hereditária degenerativa do sistema nervoso central que afecta a família Assis. Uma doença que pode incapacitar a 100% o sistema motor, sem o acesso regular a fisioterapia. "O distrito não tem essa resposta. Há pessoas com problemas graves na coluna, que vão e vêm todos os dias para Coimbra. Chegam a sair às oito e a chegar às 22 horas a casa", acusa Assis.


As reclamações não param. E atingem transversalmente todas as entidades desde o presidente da República ao presidente da Câmara de Viseu. "Batemos a todas as portas. A exemplo de beneficiários de outros subsistemas, queremos fazer fisioterapia nas clínicas privadas. Sai mais barato ao Estado do que ir de táxi para Gouveia", propõe o utente.


Alfredo Mendes, que em Junho do ano passado ficou a saber que sofre de atrofia muscular progressiva e crónica, fala em discriminação inadmissível. "Na mesma família, dependendo dos subsistemas a que cada um está ligado, há quem pague um euro numa clínica privada e quem só fora do distrito tenha resposta", condena.


Emília Alves está a perder a mobilidade das pernas, devido a erro médico cometido em 1985: "Deixaram-me uma compressa entre a cabeça do fémur e a anca". De operação em operação e prótese em prótese, com a coluna torta, reclama o acesso livre a tratamentos acessíveis que lhe façam a justiça que nunca reclamou.


sexta-feira, 24 de julho de 2009

A Câmara Municipal de Viseu vai avançar com um plano...

A Câmara Municipal de Viseu vai avançar com um plano de contingência para a Gripe A.
A autarquia já começou a distribuir folhetos com informação para cada funcionário no caso de se verificar uma infecção.


De acordo com o vice-presidente do município, Américo Nunes, foram também pedidos esclarecimentos à Direcção- Geral de Saúde, de forma a serem assegurados os serviços no caso de enfrentarem um elevado absentismo devido à gripe.


O autarca explicou ainda que também foi contactado o Ministério da Educação para se saber quais as medidas a adoptar no caso de se verificar uma infecção numa das dezenas de escolas do 1.º ciclo.


O anúncio foi feito ontem, no mesmo dia em que a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) enviou uma circular aos 308 presidentes de câmara, na qual são defendidas "medidas alternativas" por causa da gripe A para assegurar serviços classificados de "essenciais", como, por exemplo, o abastecimento de água, saneamento, recolha de resíduos sólidos urbanos, transporte escolar, refeitórios escolares de responsabilidade municipal ou corpos de bombeiros detidos pelos municípios.


Também os cemitérios municipais, os serviços municipalizados de transportes públicos e o serviço não docente dos estabelecimentos de educação pré-escolar (e de estabelecimentos do ensino básico quando o município tiver outorgado contrato de execução) são classificados de "essenciais" pela ANMP.


Na circular, o secretário-geral da ANMP, Artur Trindade, lembra que "a responsabilidade das organizações sociais passa por preparar respostas às decorrências da gripe, sejam ao nível do absentismo ou da implementação de medidas de contenção da gripe".


O documento, que inclui informação disponibilizada pelas autoridades de saúde pública, defende que cada câmara municipal pondere e implemente "um conjunto de medidas de prevenção e de controlo ao nível do reforço da higiene e arejamento dos edifícios e seus espaços e da informação e promoção efectiva de medidas gerais de higiene pessoal".


Em relação ao previsível absentismo dos trabalhadores, a ANMP aconselha os municípios, "sempre em articulação com os serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho", que equacionem "vários cenários possíveis, em diferentes fases da evolução da pandemia".
Perante cada um destes cenários, os municípios devem "estabelecer um conjunto de medidas e de acções a ser aplicadas oportuna e articuladamente - o chamado plano de contingência", prossegue a missiva.


Tendo em conta as áreas prioritárias, a ANMP sugere às câmaras municipais que, entre outras medidas, "definam os recursos humanos mínimos para cada uma" e "assegurem a sua substituição", uma solução que poderá passar por encontrar pessoal em outros serviços da autarquia.


Um homem foi, ontem de manhã, atropelado mortalmente...

Um homem foi, ontem de manhã, atropelado mortalmente junto a uma passadeira, nas proximidades do Regimento de Infantaria 14, em Repeses, numa das estradas mais movimentadas da cidade


Um indivíduo, de 48 anos, faleceu ontem depois de ter sido atingido por um automóvel, quando, ao que tudo indica, atravessava a Estrada Nacional n.º 2, na passadeira localizada junto ao Bairro de Santa Eulália e a Rotunda dos Heróis do Ultramar, em Repeses.


De acordo com informações das autoridades, a vítima era emigrante na Alemanha e estava a passar férias em Viseu, mais concretamente em Mosteirinho, na freguesia de Couto de Baixo, onde tem uma casa. Por volta das 9h00, o homem foi falar com um irmão, que trabalha num estabelecimento de restauração localizado no Bairro de Santa Eulália e, cerca de meia-hora depois, despediu-se, dizendo que ia dar um passeio a pé pela cidade.


Pouco depois foi atropelado pela condutora de um veículo ligeiro de passageiros - um Volkswagen Polo - quando atravessava uma passadeira da Estrada Nacional n.º 2, próxima das instalações do Regimento de Infantaria 14. Transeuntes ligaram de imediato para o 112, mas quando a equipa do INEM chegou ao local, o homem já não apresentava sinais de vida.
A PSP esteve no local até às 10h40, hora em que o Ministério Público deu ordem para que o corpo fosse levantado e transportado para a morgue do Hospital de S. Teotónio de Viseu.


Zaragata entre familiares


A PSP foi ainda obrigada a intervir numa zaragata entre familiares da vítima e da condutora.
As autoridades não quiseram, para já, avançar com as razões que poderão ter estado na origem do atropelamento, mas lembraram que na altura do acidente o piso estava molhado devido à chuva.


A EN2, em Repeses, é uma das estradas com mais trânsito da cidade. Trata-se de uma das principais vias de entrada na cidade.


Para evitar excessos de velocidade, existem junto às passadeiras, a poucos metros do local do acidente, semáforos que accionam o sinal vermelho assim que os carros ultrapassam os 50 km/hora.


A Polícia de Segurança Pública de Viseu está a investigar...

A Polícia de Segurança Pública de Viseu está a investigar tentativas de burlas a diversos empreiteiros da cidade, abordados por indivíduos que mostram interesse em comprar um apartamento, mas cujo único objectivo é reaver, em dobro, o sinal avançado para fechar o negócio


Um casal de etnia cigana anda a enganar empreiteiros da região. Nos últimos dias, os dois burlões têm abordado diversos empresários da região que têm apartamentos à venda em prédios recentemente construídos. Bem vestidos e fazendo-se transportar em automóveis de luxo, o casal apresenta-se como possível comprador junto das vítimas, deixando-as na plena convicção de que se trata de um negócio legítimo.


Qualquer tipo de dúvida por parte do empreiteiro é eliminada com a promessa imediata do pagamento do sinal, que normalmente se cifra entre os 25 e os 50 mil euros.


O contrato é fechado entre as partes e os novos donos explicam que querem utilizar o apartamento o mais depressa possível. Dois ou três dias depois do negócio, o casal contacta o empreiteiro para visitar o imóvel e nessa altura dão-se a conhecer como ciganos, explicando que a família é numerosa e que alguns poderão até acampar nas imediações da nova casa.
A reacção dos empreiteiros é normalmente a de tentarem anular o negócio, caindo assim na armadilha montada pelos burlões, que jogam com a xenofobia existente no país, para reaverem o dobro do sinal adiantado por eles e ao qual têm direito por lei.


Perante a possibilidade de não conseguir vender mais apartamentos ou vivendas, o empresário avança com a indemnização.
Em muitos casos, os cheques, passados com datas adiantadas pelos burlões, nem sequer têm cobertura e nem precisa de ter já que a anulação do negócio é feita antes do mesmo ser depositado.


Em Viseu foram abordados três empreiteiros que só não assinaram o contrato, porque desconfiaram e informaram-se sobre os possíveis compradores. No entanto, em Mangualde, a dupla terá conseguido convencer um empresário que agora é obrigado a pagar uma indemnização no valor de 50 mil euros se quiser anular o negócio.


Fonte das autoridades adiantou que se está perante uma burla, porque os compradores nunca têm a intenção de ficar com o imóvel, aproveitando-se da xenofobia para receberem a indemnização.
A mesma fonte aconselha os empreiteiros a averiguarem, junto de entidades credíveis, a idoneidade dos clientes.


O nosso Jornal sabe que o casal, que nos últimos tempos tem actuado um pouco por toda a região, já está referenciado pela PSP pelo mesmo tipo de crimes que terão cometido na zona de Leiria e Pombal.


Mulher de 23 anos morta por companheiro...

Uma mulher morreu, ao princípio da noite de ontem, quinta-feira, assassinada às mãos do seu companheiro, que se serviu de um machado para cometer o crime no local de trabalho da vítima, em Chão Duro, Moita.


O homem foi entregar-se ao Posto Territorial da GNR quando elementos desta força já se tinham dirigido ao local, alertados por telefonemas de populares.


A custódia dos dois filhos, após uma eventual separação do casal, terá sido o motivo de conflito na base de um crime que vitimou uma jovem de 23 anos. O alegado autor, de 23 anos, terá utilizado um machado na consumação do acto, ocorrido ao começo da noite de ontem no local de trabalho da vítima, uma estação de combustível localizada em Chão Duro, na margem Sul do Tejo.


O casal estaria a viver problemas de entendimento e pelo menos um dos membros encarava a separação como saída. Esta e a discordância quanto à custódia dos dois filhos terão desencadeado a tragédia.


A Polícia Judiciária de Setúbal esteve no local do crime e o alegado assassino será hoje levado a tribunal.


Firma é propriedade da família Jordão, a quem funcionários acusam de "má gestão"...

A empresa de equipamentos frigoríficos Trimco, em Guimarães, foi, ontem, selada por ordem do administrador judicial. Decretada insolvente desde 13 de Julho, deixa na rua 82 trabalhadores que acusam a família Jordão.


Os 82 trabalhadores da empresa de equipamentos frigoríficos Trimco, Lda. foram, ontem, lançados para o desemprego. A empresa, criada em 1981 pela família Jordão, e que surgiu de uma mais antiga, da década de 40, estava, segundo os trabalhadores, há dois meses a atravessar dificuldades e os funcionários já se encontravam nas instalações sem tarefas.


"Estávamos abandonados. A fábrica está parada e estamos por aqui a jogar às cartas e a passar o tempo, mas isto, para nós, é uma tortura", explicou Manuel Pacheco, representante dos trabalhadores. A insolvência da Trimco foi decretada pelo tribunal a 13 de Julho e, ontem, o administrador judicial esteve na empresa para selar as instalações e comunicar aos trabalhadores a situação de desemprego. "Encomendas não nos faltavam. Tínhamos encomendas de luxo de muitos milhões de euros", garantiu o representante dos trabalhadores. Os 82 funcionários não percebem o que esteve na base do encerramento mas, por aquilo que lhes foi dado a observar, "o não entendimento entre os dois gerentes que comandavam a empresa foi fatal".


"Um dos gerentes representava a família e havia outro gerente que não era da família. O que não era sócio foi mudado há cerca de cinco anos. Há cerca de um mês e meio, o gerente também saiu e nasceu o problema". Aludem que, a partir daí, a empresa começou a paralisar pela falta de um dos gerentes e terminou com este desfecho. "Não temos dúvida nenhuma de que houve má gestão. Foi mal controlada, estes anos todos, e, se fizessem auditorias sérias, esta empresa não tinha chegado a este ponto, que interessa à família Jordão", acusou Manuel Pacheco.


Tentou se contactar os ex-gerentes da empresa, mas fonte próxima garantiu que a empresa vivia com dificuldades há muito mais tempo do que os últimos dois meses. Ainda segundo a mesma fonte, a família Jordão decidiu "deixar cair a empresa, por não estar disposta a injectar mais capital, já depois de ter tentado arranjar investidores que estivessem interessados em continuar o negócio. A família gastava muito dinheiro para manter a empresa", revelou a fonte.


Ideia distinta têm os trabalhadores, para quem a família Jordão "teve um comportamento incorrecto" neste processo. "Houve uma grande irresponsabilidade dessa família", atirou Manuel Pacheco. O representante tem a cabal convicção de que a empresa "tinha viabilidade há dois meses" e confidencializou que o ex-gerente havia afirmado que "tínhamos garantido, num só cliente, um milhão de euros por ano, durante cinco anos".


Os trabalhadores não têm vencimentos em atraso já que, apesar dos gerentes não aparecerem, continuaram a trabalhar: "Arranjámos clientes, fizemos dinheiro, tudo dentro da legalidade, e conseguimos pagar o mês de Junho e o subsídio de férias".


À porta da empresa, quando foi selada, ao início da tarde de ontem, as oito dezenas de funcionários diziam-se desamparados e desiludidos por terem dado muito da vida à empresa. "Nunca nos negámos a trabalhar sábados e fora de horas sem receber mais", concluiu.


Estatística mostra que Portugal regista níveis de crescimento demográfico cada vez menores...


A população residente em Portugal continua a aumentar, mas a um ritmo demasiado brando para evitar que a médio prazo o país fique mais pobre e envelhecido. A crise e o desemprego afectaram o fluxo migratório que antes fazia crescer o Norte.


De acordo com os dados ontem divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao ano de 2008, o aumento da população nacional é cada vez mais reduzido, tendo o país somado pouco mais de nove mil pessoas. O saldo migratório, que até aqui ajudava a equilibrar o défice de fecundidade, sofreu também um revés. Com a actual conjuntura económica, os imigrantes começam a abandonar Portugal. E a taxa de natalidade está muito longe de ser satisfatória.


O Algarve e a Península de Setúbal são as regiões que melhor escapam à estagnação. A Norte, a cidade do Porto, sozinha, perdeu em quatro anos mais população (23.036) enquanto a área metropolitana conseguiu ganhar 12.647 pessoas.


Assim, até ao final do ano passado, Portugal contava menos de 11 milhões de indivíduos, o que corresponde a um crescimento de 0,09% - menos oito pontos percentuais do que em 2007, tendência que se mantém desde 2003.


Especialistas em demografia não ficam surpreendidos com o comportamento demográfico, mas manifestam preocupação relativamente ao futuro. "Será cada vez mais difícil falar de recuperação demográfica", avisa Dulce Pimentel, geógrafa das populações e docente da Universidade Nova de Lisboa. "A taxa de crescimento natural, mesmo sendo positiva, é muito baixa. Não é com esse valor (314 é o saldo da diferença entre mortalidade e natalidade) que a população vai renovar-se", sublinha a investigadora. Além disso, "com o desemprego a aumentar, os imigrantes a saírem do país e as mulheres a engravidarem cada vez mais tarde - reduzindo a possibilidade de um segundo filho -, só resta saber se já chegámos ao fundo ou se ainda é possível piorar". Esta tendência é idêntica na Europa toda. A única diferença em Portugal "é que a mudança aconteceu toda em 40 anos, com forte envelhecimento da população".


Maria Filomena Mendes, presidente da Associação Portuguesa de Demografia, é ainda mais pessimista. "Estes dados do INE mostram que não só não conseguimos fixar pessoas em idade activa como já não atraímos imigrantes". E alerta para o facto de o saldo migratório (9361), muito baixo, compreender uma fatia de emigrantes: portugueses que regressam a casa em idade de reforma e que, por isso, vêm acentuar a curva de envelhecimento do país.


O crescimento de população em idade activa será praticamente impossível nas próximas duas décadas. "Houve um declínio da natalidade e isso é irreversível. Mesmo que agora houvesse um boom de fecundidade, só iria ter reflexos daqui a 20 anos." A outra variável que poderia influenciar positivamente a demografia é a imigração. "Mas isso só poderá acontecer quando houver um reequilíbrio financeiro, que ninguém sabe quando acontecerá". Aliás, sublinha, "é justamente o fluxo migratório que sempre serviu de balão de ar ao Norte que agora, devido ao desemprego, alterou a evoluçaõ do seu crescimento".


Crise e demografia são indissociáveis. "A demografia tem consequências na produção de riqueza. Se a crise não estancar, não teremos pessoas em idade para criar. Não sei que país poderemos esperar", conclui Dulce Pimentel.


quinta-feira, 23 de julho de 2009

Estudo aponta para cerca de um milhão de pobres. Associação Nacional das PME questiona o “desperdício” dos fundos comunitários...

O "Estudo sobre a Pobreza na Região Norte de Portugal", elaborado pelo Centro de Estatística da Associação Nacional das PME e pela Universidade Fernando Pessoa, para a Comissão Europeia, indica que a região Norte é a mais pobre de Portugal e está entre as 30 mais pobres das 254 regiões da UE25, enquanto Trás-os-Montes é classificada como a Sub-Região mais pobre da UE27.


Segundo o mesmo documento, enquanto em 2005/2006 havia cerca de 693 mil pobres na região, em 2009, existia cerca de um milhão "resultado do encerramento de muitas unidades fabris e falência de outras empresas que levaram ao despedimento de milhares de trabalhadores com a consequente redução dos seus rendimentos".


O presidente da Associação Nacional das PME, Fernando Augusto Morais, considerou que as conclusões do estudo são "surpreendentes", tendo em conta o investimento comunitário que foi canalizado para a região, através do Quadro Comunitário de Apoio III.


"No ano 2000, as duas sub-regiões do Minho e Alto Douro e Trás-os-Montes foram identificadas como as mais pobres da UE-15. Por isso, a União Europeia injectou na região Norte cerca de sete mil milhões de euros entre 2000 e 2006 para que houvesse um crescimento de 4,5 por cento neste período, mas não só a região não cresceu como ainda por cima contém a sub-região mais pobre da UE-27", lembrou este responsável.


"O dinheiro investido não atingiu os objectivos", resumiu Fernando Augusto Morais, criticando o "desperdício".


O dirigente considerou que é necessário responsabilizar as entidades responsáveis pela execução destes programas e o Estado e sublinhou que "os contribuintes europeus vão querer saber como foi aplicado este dinheiro".


Fernando Augusto Morais lamentou também o facto de os recursos estarem "concentrados nos mais ricos".


Porto com as duas maiores fortunas nacionais


O estudo refere que, apesar da Região Norte ser a mais pobre do país, é na Área Metropolitana do Porto que se encontram as duas maiores fortunas nacionais (Américo Amorim e Belmiro de Azevedo), bem como empresas líderes sectoriais e mundiais como a RAR e a CIN, a maior associação de grandes empresas do País (AEP) e a maior associação de jovens empresários (ANJE).


O documento questiona ainda a abertura de cinco novos centros comerciais numa região onde existem já 25 destas grandes superfícies, o que "prejudicará o comércio tradicional, bem como o crescimento e o emprego".


"São visíveis situações de pobreza extrema, privação e precariedade", aponta o mesmo relatório, salientando que "a face mais visível desta 'nova pobreza' é o aumento dos pedidos de ajuda alimentar junto das instituições de solidariedade social, muitas vezes, na sombra do anonimato onde se identificam professores desempregados e muitos outros técnicos superiores".


Se ganharem as Eleicoes...

Partido deixou hoje, quinta-feira, na Assembleia da República, o "compromisso claro" de na próxima Legislatura tentar encontrar os apoios necessários para a concretização da regionalização.


Numa intervenção no plenário da Assembleia da República, durante a discussão de uma petição sobre a regionalização, a deputada do PS Jovita Ladeira lembrou que este tema tem sido uma "bandeira do PS", assegurando que "a regionalização esteve, está e estará da agenda" socialista.


Por isso, acrescentou, o PS deixa desde já "um compromisso claro" de avançar mais na descentralização e "procurar os apoios necessários para na próxima legislatura aprovar as cinco regiões administrativas".


Menos taxativo, e apesar do primeiro peticionário ser o seu colega de bancada Mendes Mota, o deputado do PSD António Campos comprometeu-se apenas com "uma verdadeira reforma administrativa", e uma "análise profunda" sobre a regionalização e a organização do Estado.


Pelo CDS-PP, o deputado António Carlos Monteiro centrou a sua intervenção nas críticas ao "fiasco" da reforma do Estado levada a cabo pelo governo de maioria socialista ao longo dos últimos quatro anos e meio, mas deixou a disponibilidade dos democratas-cristãos para o debate. Contudo, acrescentou, essa discussão deverá ter como base "a tradição municipalista" do país.


O líder parlamentar do BE, Luís Fazenda, disse que o seu partido apoia o processo de regionalização que é "profundamente necessário para o país", deixando críticas à decisão de referendar a matéria.


Luís Fazenda desafiou ainda os partidos a escreverem "preto no branco o que querem" neste âmbito nos seus programas para as próximas eleições legislativa de Setembro.


O comunista José Soeiro acusou, por outro lado, PS e PSD de falta de "vontade política", considerando que foram estes dois partidos que "boicotaram as regiões administrativas".


"Não houve nenhuma vontade de implementar as regiões administrativas", sublinhou, garantindo que os comunistas lutarão pelas regiões administrativas.


Festas da gripe...

Ana Jorge classifica de "contra-indicadas" as "festas da gripe", nas quais participam pessoas infectadas com o vírus da Gripe A (H1N1-2009) para infectarem outras que tentam, desta forma, adquirir imunidade à doença.


A existência destas "festas da gripe" tem sido noticiada em vários países europeus e nos Estados Unidos, principalmente através da Internet.


As primeiras notícias davam conta de que existiam razões científicas para estes eventos, nomeadamente a possibilidade das pessoas se infectarem enquanto a pandemia ainda não está muito grave e assim adquirirem imunidade.


Contudo, desde que as autoridades de saúde mundiais começaram a alertar para os perigos de contágio e para a necessidade de medidas de prevenção e protecção que estes eventos são considerados perigosos.


Um dos argumentos é o desconhecimento que ainda existe sobre o H1N1, principalmente por ser "um vírus novo", como explicou à Agência Lusa a ministra da Saúde, Ana Jorge.


As "festas da gripe" são "um procedimento que não deve ser adoptado", frisou, alertando: "Ainda não sabemos tudo sobre esta doença, embora pareça que tem sido benigna".


Ana Jorge reiterou a mensagem das autoridades de saúde que vão no sentido das pessoas seguirem as recomendações de evitar contágios através da sua protecção e da dos outros.


As "festas da gripe" são "contra-indicadas" e é preciso "muito cuidado com isso", concluiu a ministra da Saúde.


Mãe de 70 anos e filha de 50 deitaram-se voluntariamente nos carris, lado a lado...


Duas mulheres, mãe e filha, foram ontem colhidas por um comboio da Linha do Oeste, entre o Bombarral e a localidade de São Mamede. Fonte da GNR e uma fonte oficial da Refer dizem que se tratou de um duplo suicídio.


"Foi horrível: elas estavam deitadas lado a lado na linha do comboio e com as cabeças no carril e o maquinista, ao aperceber-se, apitou várias vezes mas elas não se mexeram". Foi desta forma que uma fonte oficial da Refer explicou os contornos da morte das duas mulheres.


"Acidente não foi de certeza", prosseguiu a mesma fonte, ainda visivelmente incomodada com o duplo suicídio: "É uma situação absolutamente perturbadora e que é a primeira vez que nos acontece".


Fonte do Comando Territorial da GNR de Leiria confirmou a hipótese de duplo suicídio.


Tudo terá acontecido às 12.50 horas, ao quilómetro 92 da Linha do Oeste, um local entre Bombarral a São Mamede, a escassos metros de um parque de merendas da EN8.


O comandante adjunto dos Bombeiros Voluntários do Bombarral, João Paulo Baptista, recusou, por seu turno, avançar com pormenores da ocorrência, tendo apenas dito que o local do acidente não estava próximo de qualquer passagem de peões.


Ambas as vítimas foram colhidas por um comboio que fazia a circulação entre Meleças e Caldas da Rainha. "O maquinista está bastante perturbado porque nada pôde fazer. É impossível imobilizar um comboio de um momento para o outro", afirmou a fonte da Refer.


As duas vítimas mortais se tratavam de mãe e filha. Segundo fonte dos Bombeiros Voluntários de Óbidos, as mulheres aparentavam ter 70 e 50 anos. Apesar de reiterados contactos, as autoridades recusaram fornecer dados sobre as vítimas. A GNR e a Polícia Judiciária estiveram no local e ainda estão a decorrer investigações.


"O que mais nos impressiona foi a frieza de alguém face a um monstro que é um comboio", apontou uma responsável da Refer ainda bastante incomodada. "Estamos todos doentes", prosseguiu, referindo-se à frieza dos contornos da morte e ao facto das vítimas serem adultas: "Não deve ter sido um acto de 'eu levo-te comigo'", foi mais "eu também estou aqui".


A responsável da Refer, que ainda há poucos dias teve de lidar com um outro caso de suicídio isolado na Linha do Sul, confessou que situações desta índole causam profundo desconforto em todos os profissionais ferroviários. "Nunca conseguimos encontrar uma explicação para estes casos e o de hoje é particularmente mais chocante", desabafou.


Para o local deslocaram-se equipas dos bombeiros voluntários de Óbidos e do Bombarral. Foram 21 elementos distribuídos por sete viaturas.


No momento em que as equipas de socorro chegaram ao local pouco mais puderam fazer para além de remover os corpos da linha, uma vez que as duas mulheres tiveram morte imediata.


"A única coisa que pudemos fazer foi isolar o local porque já estavam cadáveres", disse-nos fonte dos Bombeiros Voluntários de Óbidos.


A linha ferroviária esteve interrompida durante quatro horas, tendo causado vários atrasos na circulação dos comboios.


Negligência. Mulher de 76 anos morreu de hérnia crural...

Negligência. Mulher de 76 anos morreu de hérnia crural estrangulada após três deslocações ao Hospital de Viseu.


O Tribunal condenou dois cirurgiões do Hospital de Viseu a uma pena de seis meses de prisão, substituída por multa de 25 mil euros cada um, por um crime de homicídio por negligência na morte de uma idosa. A mulher foi três vezes às urgências.


Alexandre Ribeiro, actual presidente do Conselho de Administração (CA) do Hospital de S. Teotónio, e José António da Silva Morais e Castro foram condenados pela autoria material e na forma consumada de um crime de homicídio por negligência.


O Tribunal Judicial de Viseu (TJV) considerou que os dois médicos, em serviço na urgência hospitalar a 19 de Julho de 2001, erraram no diagnóstico a Maria de Jesus Almeida. A mulher, de 76 anos, acabaria por morrer de uma hérnia crural (na coxa) estrangulada. Depois de ter ido três vezes à Urgência num curto espaço de tempo - entre 16 e 21 de Julho de 2001. E de ter passado pelas mãos de oito clínicos.


"Se os arguidos a tivessem examinado, lhe tivessem efectuado o diagnóstico correcto e tivessem instituído a terapêutica indicada, o seu estado clínico não teria evoluído para um quadro de Síndrome de Disfunção Orgânica Múltipla, com isquémia e necrose e rotura da ansa intestinal encarcerada, e dessa forma, ter-se-ia evitado a morte da paciente" conclui o tribunal referindo-se aos dois cirurgiões.


O Hospital de S. Teotónio foi também condenado a pagar 16 mil euros de indemnização à filha da vítima e assistente no processo, Maria das Dores de Jesus Almeida, por danos não patrimoniais pela morte da mãe e pelo sofrimento da sua perda. A família pedia 20 666 euros. Margarida Simões, advogada da assistente, mostrou-se indisponível para prestar declarações.


A família está conformada com a sentença, no que respeita à condenação dos arguidos, embora discorde do valor da indemnização a pagar pelo Hospital de S. Teotónio. Uma situação que poderá justificar um eventual recurso quanto aos montantes indemnizatórios.


Oito médicos acusados


O Ministério Público tinha deduzido acusação inicial contra oito médicos: sete do Hospital de S. Teotónio e um do Centro de Saúde 3, em Jugueiros. Mas apenas quatro foram a julgamento acusados, individualmente, de um crime de homicídio por negligência.


A 2 de Julho desde ano, no mesmo despacho de pronúncia que condena a seis meses de cadeia os dois cirurgiões, o Tribunal de Viseu absolve os outros dois clínicos indiciados.


Os factos reportam a 16 de Julho de 2001. Naquele dia, pelas 11.46 horas, Maria de Jesus Almeida, viúva, de 76 anos, com uma hérnia crural irredutível no seu histórico clínico, recorreu à Urgência do Hospital de S. Teotónio. Queixava-se de dores abdominais acompanhadas de vómitos e febre. Não passou da triagem. O médico que a atendeu, mandou-a para o Centro de Saúde de Jugueiros onde foi medicada contra uma alegada indisposição por ingestão de alimento estragado.


Face ao agravamento dos sintomas, Maria de Jesus voltou ao hospital a 19 de Julho, pelas 19,58 horas. Foi vista pelos arguidos José Morais e Castro e Alexandre Ribeiro. Os cirurgiões consideraram que a doente "estava a padecer de um processo péptico causado pela toma de anti-inflamatórios" e prescindiram de exames complementares. Com sinais de desidratação, a septuagenária foi mandada para casa, com uma carta para o médico de família, na qual era solicitada uma endoscopia.


O tribunal deu como provado que os dois arguidos deveriam ter mantido a paciente em observações e solicitado exames para excluir a oclusão intestinal.


A 21 de Julho, o estado da idosa agravou-se de tal forma que a mesma acabou por desfalecer num consultório privado a que recorreu. Transportada pelo INEM directamente para a sala de ressuscitação do S. Teotónio, morreu às 7.30 horas do dia seguinte com edema agudo do pulmão.


Revolta dos familiares


Os seis filhos revoltaram-se com a morte da mãe e ameaçaram accionar judicialmente o hospital e os médicos implicados. Mas apenas Maria das Dores, que ontem se escusou a prestar declarações, foi constituída assistente.


Em declarações feitas em Janeiro de 2006, o filho José António admitiu que a mãe, à excepção da hérnia, era uma pessoa saudável. "Fazia tudo em casa sozinha e até trabalhava no quintal".


"O presidente do CA do S. Teotónio está de férias no estrangeiro. Só quando regressar prestará esclarecimentos", disse fonte hospitalar.


Parabens Betty Boop...


Heroína da BD e dos desenhos animados, a eternamente sexy Betty Boop completa hoje 75 anos. Esta figura simpática e frágil foi criada pelo talento de Bud Couniham e conquistou fãs um pouco por todo o mundo até aos nossos dias.


Frágil, elegante, olhos grandes, boquinha pequena, a formar beicinho, pernas bem torneadas, medidas exactas, ombros e pernas nuas, liga na perna esquerda, voz suave em que pronunciou vezes sem conta o famoso "boop-oop-a-doop"…


Esta é a imagem de marca de Betty Boop que, se hoje pouco mais provoca do que um sorriso, quando chegou à BD, a 23 de Julho de 1934, em tiras diárias da autoria de Bud Couniham, possivelmente fez sonhar mais do que um leitor.


Esse foi, no entanto, o segundo nascimento da sensual pin-up dos anos 30, inspirada no visual da cantora Helen Kane, já que a sua estreia acontecera a 9 de Agosto de 1930, em versão animada, num filme intitulado "Dizzy Dishes", da autoria de Grim Natwick e Max Fleisher. O que poucos sabem é que então era uma… cadela (literalmente!), fazendo parceria com o cãozinho Bimbo, numa tentativa de emular o sucesso crescente e imparável do par Mickey e Minnie Mouse. Como a ideia não teve sucesso, a evolução para figura humana surgiu como alternativa, em filmes ambientados no meio cinematográfico, bem explícitos quanto ao tema sexo, com a cantora e actriz a usar vestidos bem curtos e, por vezes, até transparentes.


Depois de uma parceria com Popeye, em 1933, a entrada em vigor do Hays Act, uma lei censória que veio regulamentar e "limpar" o cinema e os quadradinhos, obrigou a despojar Betty Boop do carácter provocador e provocante que a distinguia, tornando-lhe a vida breve nos quadradinhos, marcados por um humor ingénuo. A tira diária terminou logo em Março de 1935 e as pranchas dominicais, iniciadas em Dezembro de 1934, resistiram apenas até Novembro de 1937. Nos anos 80, ensaiou novo regresso à BD, em parceria com o (em tempos também) popular Felix the Cat, mas a experiência terminaria ao fim de quatro anos.


Hoje, quando muitos ignoram as suas origens desenhadas, esta septuagenária que hoje cumpre as suas Bodas de Ouro na BD não é mais do que uma popular referência retro, usada e abusada em merchandising.


quarta-feira, 22 de julho de 2009

Sera que vem ai as Portagens??????

A instalação de estruturas metálicas, tipo pórtico, na A25 e A17, está a preocupar as Câmaras de Aveiro e Ílhavo. Fala-se em portagens que vêm aí, mas o gabinete do ministro das Obras Públicas afirma que não há legislação.


As câmaras de Aveiro e de Ílhavo pediram "esclarecimentos" ao Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações sobre a eventual introdução de portagens na A25 (Aveiro-Barra) e A17 (Aveiro-Vagos), apesar de não terem sido informadas sobre essa possibilidade.


Em causa está a instalação de diversos pórticos nos troços daquelas duas auto-estradas, sem que as duas autarquias tenham sido informadas, ao mesmo tempo que nos últimos dias têm circulado na Internet, mensagens de correio electrónico alertando para essa possibilidade.


A concessionária daquelas duas auto-estradas, a Aenor, questionada pelo JN sobre para que servem as estruturas metálicas que já foram montadas e sobre a possibilidade de introdução de portagens na A25, optou pelo silêncio.


"Não compete à Aenor pronunciar-se sobre este tema".


Por outro lado, João Morgado Fernandes, do gabinete de imprensa do ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, disse que "a instalação desse tipo de estruturas é da responsabilidade das concessionárias, pelo que só a elas compete pronunciar-se sobre o assunto".


"A cobrança de portagens nas SCUT está dependente de legislação (Portarias) que ainda nem sequer foi publicada", acrescentou o assessor de imprensa do ministro Mário Lino .


As Câmaras de Aveiro e Ílhavo, presididas por Élio Maia e Ribau Esteves defendem que a circulação naqueles dois troços não deve ser taxada, nomeadamente o troço Aveiro-Barra, na A25, já que não existem alternativas.


Na realidade, sem ser a A25, entre Aveiro e a Barra, a alternativa é atravessar o centro congestionado da Gafanha da Nazaré, uma realidade que já não existe há mais de vinte anos.


Mesmo a alternativa entre Aveiro e Vagos obriga à circulação pela EN 109 e o atravessamento do centro da cidade de Ílhavo, onde antes de existir a A25, no Verão, era com dificuldade que se circulava.


Se no que diz respeito à A25 entre Aveiro e a Barra, o presidente da Câmara de Ílhavo, Ribau Esteves nem sequer admite portagens naquele troço da A25, quanto à A17 só admite o pagamento de taxas de circulação desde que existam alternativas, o que não acontece.


Coronhada na cabeça...

Um empresário de Paços de Ferreira acordou ontem, terça-feira, pelas quatro da manhã, com uma violenta pancada na cabeça desferida com a coronha de uma caçadeira por encapuzados. Roubaram-lhe uma carrinha Mercedes.


"Queremos dinheiro!", gritaram dois encapuzados a José Costa e Sousa, 39 anos. "Não tenho!", respondeu-lhes a vítima que solicitou anonimato. Mas os assaltantes abriram a mesinha de cabeceira e encontraram 250 euros em notas e uma chave suplente da sua viatura Mercedes Classe A, de 2003. De seguida, foram até ao hall da entrada da vivenda, em Carvalhosa, Paços de Ferreira, e levaram a chave principal da carrinha, bem como uma carteira. Antes de saírem, ainda mandaram calar dois bebés gémeos do agredido - que entretanto acordaram com o barulho - e agrediram o sogro do dono da casa, que também tentou resistir ao assalto. Em casa estava também um filho, de 11 anos.


Contas feitas, a vítima e o sogro enfrentaram cinco encapuzados, que estavam espalhados pela casa. A salvo ficou outra viatura (BMW), estacionada na garagem.


Pormenor a que as vítimas tomaram atenção foi a circunstância de os assaltantes não terem precisado de arrombar qualquer porta para entrar na habitação. "Há tempos perdi a chave de casa. Ou pelo menos, julguei que perdi. Quem fez isto pode ser alguém que me conheça ou tenha seguido os passos", explica o empresário do ramo mobiliário, agora em situação de desemprego.


"Além do prejuízo do Mercedes e do dinheiro, tenho o prejuízo moral de os meus filhos terem assistido a tudo!", acrescenta quem, vendo-se com um golpe na cabeça e ensanguentado, deslocou-se ao Hospital de Penafiel.


Ontem à tarde, a vítima de assalto e agressão deslocou-se até ao Instituto de Medicina Legal do Porto para efectuar exame médico-legal. Foi também às instalações da PJ-Porto prestar declarações. As autoridades recuperaram-lhe entretanto a carteira e documentos, encontrados em Gondomar.


Menino recém-nascido encontrado em Mirandela ainda tinha cordão umbilical intacto...

Um bebé recém-nascido foi, ontem, terça-feira, encontrado com vida, por uma habitante de Mirandela, após ter sido abandonado na rua junto a uma residência de estudantes, envolto num casaco. A Judiciária está a investigar o caso.


Pouco passava das 14 horas, quando uma mulher residente em Mirandela estacionou o seu automóvel junto à residência de estudantes local, um acesso que não tem saída e que é utilizado habitualmente como estacionamento para os funcionários da referida residência e do Centro Cultural de Mirandela, situado a escassos metros.


Achou estranha a presença de um casaco preto, abandonado no passeio e, por curiosidade, foi ver mais de perto.


"Inicialmente, até parecia que era um boneco, mas depois vi que se tratava de um recém-nascido envolto naquela peça de vestuário", contou a mulher, solicitando anonimato. Diz ter ficado em pânico e sem saber o que fazer.


Logo depois chega um outro cidadão que chamou de imediato o 112. "Quando fomos ver o bebé vimos que ainda tinha o cordão umbilical e que tinha algum sangue seco, talvez devido à elevada temperatura que se registava", superior a 30 graus, na altura, disse.


Esta cidadã de Mirandela não entende como é possível que ainda se cometam este tipo de "atrocidades" e está chocada, até porque, acrescenta, é um menino "lindo", que ainda "abriu os olhos e começou a chorar". Depois do pedido de socorro para o 112, uma ambulância SIV (Suporte Imediato de Vida), do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) transportou o bebé para o Hospital de Bragança, onde existe a única maternidade do Centro Hospitalar do Nordeste.


O rapaz está internado no serviço de neonatologia e, segundo fonte da administração, o seu estado de saúde está a evoluir favoravelmente. Segundo fonte do INEM, o bebé "tinha ainda poucas horas de vida e apresentava sinais de desidratação e de alguma fome".


A administração do Centro Hospitalar do Nordeste já comunicou o caso ao Ministério Público, que agora tem a criança à sua responsabilidade e deve entregá-la a uma instituição.


A brigada Anti-Crime da PSP de Mirandela vedou o local onde foi encontrado o recém-nascido, identificou a mulher que encontrou o bebé e recolheu o casaco utilizado para o entregar à Polícia Judiciária (PJ).


A PJ está a investigar o sucedido, sendo possível enquadrar os factos num crime de "exposição ou abandono", de ser humano indefeso ao perigo, punível com pena de prisão entre dois e cinco anos.


Défice do Estado sobe 284% ...

Mais apoios sociais e uma redução da actividade económica explicam o aumento de 284% no défice das contas públicas, face a igual período do ano passado. As receitas do Estado caíram 20,7%, enquanto que as despesas subiram 5,4%.


O ministro das Finanças apresentou, ontem, a Execução Orçamental do Estado relativa aos primeiros seis meses do ano. Teixeira dos Santos revelou que a receita estatal caiu quase 21%, enquanto o défice do subsector Estado, que inclui as contas da Administração Pública e da Segurança Social, chegou aos 7,3 mil milhões de euros. Em igual período do ano passado, o valor do défice era de 1,9 mil milhões de euros, o que aponta para uma subida de 284%. Ou seja, o défice das contas públicas quase que quadruplicou até Junho.


A queda das receitas justifica o comportamento das contas públicas, uma descida relacionada com a quebra dos impostos - uma vez que apenas o imposto sobre o tabaco e o da circulação é que aumentaram -, e com os reembolsos mais rápidos do IRS.


Perante este cenário, o governante garantiu que "não há descontrolo nas contas públicas" e que o Governo já esperava por esta subida do défice. "A quebra significativa da receita do Estado em termos homólogos tem a ver com as condições económicas, a aceleração dos reembolsos de IRS e IVA, o impacto das medidas de alívio fiscal, a redução do IVA e a redução do Pagamento Especial por Conta", sublinhou Teixeira dos Santos. Para o ministro, Portugal "bateu no fundo no mês de Junho e agora é de esperar uma recuperação" das contas públicas no segundo semestre.


Para corrigir o aumento do défice, o Governo rejeitou a possibilidade de subir os impostos e de apresentar um orçamento rectificativo, não havendo assim a intenção de aprovar quaisquer "medidas de correcção" das contas públicas. "Apesar do contexto de incerteza, estamos na rota prevista", afirmou Teixeira dos Santos, acrescentando que não tem "indicadores que dêem sinais de alerta e que suscitem qualquer acção correctiva a meio do ano".


De acordo com o relatório da Direcção-Geral do Orçamento (DGO), a receita do subsector Estado ascendeu a 1,6 mil milhões de euros, apresentando um decréscimo de 20,7%. O documento explica que os valores melhoram se forem eliminadas as medidas políticas tomadas pelo Executivo para injectar liquidez na economia, como a redução da taxa do IVA de 21 para 20%, ou a aceleração nos reembolsos do IRS. Sem estas decisões do Executivo, "a receita fiscal registaria, para o mesmo período, um decréscimo de 10,1% relativamente a igual período do ano anterior". Assim se explica que os reembolsos do IRS tenham aumentado 876,4% face a igual período de 2008, o que corresponde a mais 1204 milhões de reembolsos.


Em contra-ciclo, a despesa do Estado subiu 5,4% para os 2,3 mil milhões de euros, em relação ao mesmo semestre do ano passado, e também neste caso, Teixeira dos Santos diz que a despesa pública está controlada. "A evolução da despesa e em particular da despesa corrente primária apresenta um andamento muito estável ao logo destes meses, não há aqui sinais de crescimentos anómalos deste agregado da despesa", afirmou.


A contribuir para uma maior despesa do Estado esteve o aumento dos gastos com apoios sociais para fazer frente à actual crise financeira. O montante aplicado em subsídio de desemprego e apoios ao emprego cresceu 23,9%, com o Estado a gastar mais 960 milhões de euros. De acordo com os dados da DGO, foram canalizados 5722,9 milhões de euros em pensões e complementos, um valor que corresponde a 42,1% do orçamento. Quanto ao abono de família, foram gastos 471,6 milhões de euros, mais 31,9% do valor aplicado no mesmo período do ano passado.


terça-feira, 21 de julho de 2009

Júpiter terá sido atingido por um cometa...

Planeta terá sido atingido por um objecto, possivelmente um cometa, indicaram astrónomos perante imagens da NASA que mostram um rasgão junto do pólo sul do gigante feito de gás.


foto AFP/NASA
Júpiter terá sido atingido por um cometa
Imagem de colisão em Júpiter

As imagens, obtidas na segunda-feira pelo telescópio de infra-vermelhos da agência espacial norte-americana no Havai, surgem por ocasião do 15.º aniversário de outro choque com um cometa.


Em 1994, Júpiter foi bombardeado por fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9.


Conselho Nacional de Ética rejeita ...

Diploma relativo ao testamento vital e consentimento informado foi considerado confuso, contraditório e ameaçador do bem-estar das pessoas doentes.


No parecer, baseado na proposta dos conselheiros Daniel Serrão e João Lobo Antunes e aprovado por unanimidade na passada quinta-feira, o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) começa por pôr em causa o título do diploma (Direito dos doentes à informação e ao consentimento informado) que "induz em erro porque a declaração antecipada de vontade e o acesso ao processo clínico não relevam do consentimento informado".


Os conselheiros consideraram ainda que o projecto de lei minimiza o tema das declarações antecipadas de vontade (testamento vital), dedicando-lhe apenas dois dos 24 artigos do diploma, e confunde o direito da pessoa doente a conhecer as informações pessoais de saúde com o acesso ao seu processo clínico.


O CNECV analisou três partes distintas do projecto de lei.


A primeira, relativa ao consentimento informado para actos médicos, foi considerada "muito insuficiente" quanto ao objectivo de reunir e harmonizar as diversas disposições legais com incidência ética.


"Se não tem este objectivo, foi considerada de pouco interesse, contraditória e perturbadora de quem a tivesse de aplicar", refere o parecer.


Quanto às manifestações antecipadas de vontade, o diploma foi considerado "tão superficial e incompleto para regular uma questão da maior importância social que nada se sugeriu para a melhorar".


O CNECV sugere que deve ser preparada uma lei completa sobre o assunto, como acontece noutros países europeus.


Relativamente à parte que legisla sobre o "acesso livre dos doentes ao seu processo clínico sem 'ingerência' de médico, foi considerada tão ameaçadora do bem-estar das pessoas doentes, que terá de ser completamente reformulada para proteger o direito do doente a conhecer as informações sobre o seu corpo doente, mas sem que tal conhecimento agrave a sua situação clínica".


O CNECV salienta que o parecer incide sobre o articulado do projecto de lei e não sobre as questões de fundo que lhe estão associadas e sublinha "a necessidade de uma discussão nas diversas instâncias alargada à sociedade civil" quanto a estas matérias.


A proposta socialista, que foi aprovada na generalidade na Assembleia da República a 28 de Maio, foi adiada para a próxima legislatura devido à falta do parecer do CNECV e por falta de tempo, explicou a autora do documento, Maria de Belém Roseira, na passada segunda-feira.


O diploma defende o reforço dos direitos dos doentes à sua autodeterminação, nomeadamente na aceitação ou recusa de intervenções médicas, sobretudo as que prolonguem desnecessariamente a vida (distanásia), disposições que deverão ficar ressalvadas no testamento vital.


Consultar parecer do CNECV


Menina de 13 anos morre atropelada...

Um automóvel ligeiro atropelou mortalmente uma adolescente de 13 anos em Penina, Portimão.


De acordo com fonte do Comando Distrital de Operação de Socorro, em declarações à Lusa, o incidente registou-se na Estrada Nacional 125, tendo o alerta sido dado às 05:13.


A menor não resistiu aos ferimentos sofridos e morreu no local, tendo sido transportada o corpo para o Gabinete Médico-legal.


Além de duas ambulâncias do INEM, estiveram ainda no local os bombeiros de Portimão e a GNR.


Gripe A: 14 novos casos em Portugal....

Portugal viu confirmados 14 casos novos de gripe A em apenas 24 horas, avança o Ministério da Saúde através de um comunicado. A maioria contraiu a doença no estrangeiro.


No mesmo comunicado o ministério da Saúde acrescenta que: «Desde o início de Maio verificou-se em Portugal, um total cumulativo de 174 casos confirmados de gripe A (H1N1). Estas pessoas retomaram a sua vida diária, com normalidade».


Jovem conta como sobreviveu à gripe A


E para evitar a propagação do vírus, volta a alertar a população para os cuidados que deve ter: «A lavagem frequente das mãos, da protecção da boca e do nariz ao tossir ou espirrar, sempre que possível com lenços de papel que não devem ser reutilizados».


Fábrica de baterias para carros eléctricos irá criar 200 postos de trabalho directos...

Portugal vai receber a primeira fábrica de baterias para carros eléctricos. Sines e Estarreja são as localizações possíveis escolhidas pela Nissan. Num investimento de 250 milhões, a fábrica irá produzir 60 mil unidades por ano.


Perante um cenário de crise económica e, consequentemente, de desemprego, nem tudo são más notícias para o país. O Governo e a Renault-Nissan celebraram ontem um acordo para a instalação de uma fábrica de baterias de iões de lítio para veículos eléctricos em Portugal. Um projecto que irá criar 200 postos de trabalho directos e entre 500 a 1000 indirectos.


A Nissan irá investir 250 milhões de euros, numa unidade que terá uma capacidade de produção de 60 mil unidades por ano. A localização da nova fábrica ainda está em estudo, no entanto, entre as escolhas da Nissan está Estarreja ou Sines, avançou Basílio Horta, à margem da cerimónia onde foi anunciado o investimento do grupo nipónico em Portugal. A decisão será tomada em breve, mas o presidente da AICEP adiantou que a nova fábrica tem de ser instalada numa zona servida por um porto, tendo em conta que este será um produto para exportar, deverá ainda ser servida por boas acessibilidades rodoviárias e estar próxima de uma universidade.


Sem avançar datas para o arranque das obras, Basílio Horta sublinhou que "o importante é fazer o contrato de investimento para que a fábrica avance o mais depressa possível", mostrando interesse em que "esta fábrica fosse classificada como Projecto de Interesse Nacional, assim que a localização esteja definida".


Localização à parte, para José Sócrates, a nova fábrica representa o primeiro passo para a instalação de investimentos no país no sector tecnológico. "A nova fábrica de baterias será o primeiro passo para a instalação em Portugal de mais investimentos que vão ocorrer nos próximos anos, no que diz respeito à mobilidade eléctrica e ao carro eléctrico", disse o primeiro-ministro.


Para cobrir as exigências do volume inicial vai ainda ser construída outra fábrica de baterias no Reino Unido. Além disso, a aliança Renault-Nissan está já em negociações com outros governos da Europa para identificar novas localizações para fábricas de baterias. Entretanto, as duas unidades vão fornecer veículos eléctricos nos mercados dos EUA e do Japão, a partir de 2010.


Recorde-se que o novo carro eléctrico irá ser apresentado no dia 2 de Agosto no Japão e será um carro familiar com cinco lugares, uma autonomia de 160 quilómetros e uma velocidade máxima na ordem dos 145 quilómetros/hora.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

H1N1 - actualizacao - 20 de Julho 2009

Paises contaminados


Paises contaminados com H1N1 - AFRICA

1

Egipto

120

2

Africa do Sul

103

3

Marrocos

26

4

Quenia

22

5

Argelia

8

6

Zambia

6

Libia

6

Uganda

6

7

Tunisia

5

8

Cabo Verde

3

Etiopia

3

9

Sudao

2

Botswana

2

Costa do Marfim

2

10

Tanzania

1

Ilhas Mauricias

1

Seycheles

1


TOTAL

317


Paises contaminados com H1N1 - AMERICA

1

Estados Unidos

40617

2

Mexico

13646

3

Chile

10926

4

Canada

10156

5

Argentina

3056

6

Peru

2503

7

Brasil

1175

8

Bolivia

585

9

Uruguai

550

10

Panama

524

11

Costa Rica

428

12

El Salvador

404

13

Nicaragua

387

14

Guatemala

374

Equador

374

15

Venezuela

281

16

Colombia

202

17

Paraguai

164

18

Cuba

144

19

Honduras

123

20

Republica Dominicana

108

21

Trinidad e Tobago

65

22

Jamaica

44

23

Barbados

23

Bahamas

23

24

Ilhas do Caimao

22

25

Belize

15

26

Suriname

11

27

Curacao

8

28

Sant Maarten

7

29

Aruba

5

30

Bermuda

4

31

Haiti

3

Martinica

3

Antiqua e Barbuda

3

32

Guadalupe

2

Ilhas Virgens Britanicas

2

Guiana

2

33

Sao Vicente e Granadinas

1

San Martin

1

San Kitts e Nevis

1

Santa Lucia

1

Dominica

1


TOTAL

86974


Paises contaminados com H1N1 - ASIA

1

Tailandia

4057

2

Japao

3663

3

China

3392

4

Filipinas

2668

5

Singapura

1217

6

Israel

1004

7

Malasia

835

8

Coreia do Sul

448

9

Vietname

345

10

Brunei

334

11

Arabia Saudita

285

12

India

229

13

Indonesia

157

14

West Bank e Gaza

104

15

Taiwan

93

16

Libano

72

17

Kuwait

44

18

Sri Lanka

37

19

Jordania

36

20

Baren

35

21

Iraque

26

22

Qatar

23

23

Bangladesh

22

24

Afeganistao

15

25

Nepal

14

26

Oman

13

27

Camboja

9

28

Emiato Arabes Unidos

8

Yemen

8

29

Laos

7

30

Siria

5

31

Irao

3

32

Burma

2


TOTAL

19210


Paises contaminados com H1N1 - EUROPA

1

Reino Unido

10649

2

Espanha

1309

3

Alemanha

834

4

Franca

475

5

Grecia

323

6

Chipre

297

7

Suecia

274

8

Italia

258

9

Suica

220

10

Holanda

179

11

Portugal

160

12

Irlanda

153

13

Finlandia

133

14

Belgica

126

15

Noruega

120

16

Dinamarca

98

17

Malta

92

18

Servia

81

19

Eslovenia

63

20

Romenia

60

21

Austria

55

22

Polonia

37

23

Eslovaquia

31

24

Hungria

27

25

Croacia

26

26

Republica Checa

24

27

Estonia

22

28

Bulgaria

19

Luxemburgo

19

29

Ilhas do Canal da Mancha

16

30

Macedonia

13

31

Montenegro

10

32

Islandia

9

Letonia

9

33

Lituania

7

Ilha do Man

7

34

Bosnia Herzegovuna

2

35

Georgia

1

Monaco

1

Ucrania

1


TOTAL

16240


Paises contaminados com H1N1 - EURASIA

1

Turquia

116

2

Russia

9


TOTAL

125


Paises contaminados com H1N1 - OCEANIA

1

Australia

12048

2

Nova Zelandia

2255

3

Fiji

73

4

Nova Caledonia

34

5

Polinesia Francesa

5

6

Vanuatu

3

7

Tonga

2

8

Ilha do Cook

1

Samoa

1

Papua Nova Guine

1

Palau

1


TOTAL

14424



Mortos confirmados




Mortos confirmados - AMERICA

1

Estados Unidos

263

2

Argentina

137

3

Mexico

125

4

Canada

45

5

Chile

40

6

Peru

11

7

Uruguai

9

8

Colombia

8

Paraguai

8

9

Costa Rica

7

10

Equador

5

11

Brasil

4

12

El Salvador

3

13

Jamaica

2

Republica Dominicana

2

Bolivia

2

Guatemala

2

14

Venezuela

1

Honduras

1


TOTAL

675


Mortos confirmados - ASIA

1

Tailandia

24

2

Filipinas

3

3

Brunei

1

Singapura

1

China

1


TOTAL

30


Mortos confirmados - EUROPA

1

Reino Unido

29

2

Espanha

4


TOTAL

33


Mortos confirmados - OCEANIA

1

Australia

31

2

Nova Zelandia

10


TOTAL

41