So faltam meses, dias, horas, minutos, e segundos para o ano 2012

Madeleine

Banner1
Click here to download your poster of support

Radio Viseu Cidade Viriato

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Casa da Boneca fechou as portas

Image
A Casa da Boneca, um dos estabelecimentos comerciais mais antigos de Viseu, fechou as portas, não só devido à crise, mas também pelo cansaço dos proprietários

Não deverá haver viseense que não conheça a Casa da Boneca. Situada há mais de 130 anos na Praça D. Duarte, no Centro Histórico, trata-se de uma das casas comerciais mais antigas da cidade e onde ao longo de várias décadas se vendeu todo o tipo de brinquedos. 

Na memória de muitos estão os dias de época de Natal em que era quase impossível andar dentro da loja devido ao elevado número de clientes. Não deverá haver criança em Viseu que não tenha recebido uma prenda da Casa da Boneca, tendo em conta que alturas houve em que os actuais proprietários assinalavam o Dia da Criança com a oferta de uma boneca ou de um peluche a cada aluno das escolas do concelho. No entanto, a idade dos comerciantes e a mudança de hábitos nas compras ditaram o fim do estabelecimento. 

"Tudo o que é bom acaba", explica Maria Odete Nascimento enquanto olha para as prateleiras vazias, onde até há três anos se amontoavam brinquedos. O marido, João Nascimento, colocou na montra um cartaz em que agradece todo o carinho que receberam ao longo dos anos por parte dos clientes, que em muitos casos se transformaram em amigos.  "Achámos que está na altura de dar descanso à cabeça e de deixar de pensar todos os dias no negócio, que também está cada vez mais difícil", explica João Nascimento ao mesmo tempo que vai percorrendo o interior da loja, onde já só há uma caixa com brinquedos "para oferecer". 

"Chegava a haver alturas em que era quase impossível andar dentro da loja", sublinha Maria Odete Nascimento, ao mesmo tempo que mostra fotografias dos tempos em que era preciso a família toda a ajudar, porque não havia mãos a medir, tantas eram as solicitações, numa altura em que não havia hipermercados nem centros comerciais. "Lembro-me de um Dia da Criança em que foi necessário cortar o trânsito, para que as jovens pudessem andar à vontade na Praça", diz a comerciante ao mesmo tempo que mostra fotografias de concursos de Lego, realizados na loja. 

Ao longo das mais de três décadas, o casal assistiu a muitas mudanças, a começar pelo nome da Praça D. Duarte, que se chamava Praça de Camões. Viram os comerciantes da feira semanal trocarem aquela Praça pelo recinto junto ao rio Pavia, assistiram às obras de requalificação de todo o Centro Histórico, testemunharam a abertura e o encerramento de muitas lojas, e também à mudança dos hábitos de consumo. "Até eu preferia fazer compras num centro comercial, onde os miúdos podem andar à vontade, a temperatura é sempre boa e o estacionamento não está longe", admite João Nascimento. No dia 5 de Janeiro, Paulo de Carvalho vai estar em Viseu para actuar no Concerto de Reis, com a Filarmonia das Beiras. 

O cantor deverá passar também pela Praça D. Duarte já que faz questão de visitar o casal de comerciantes sempre que está na cidade. Mas este é apenas um dos "clientes" famosos que passaram pela Casa da Boneca. Foi das mãos de João e Maria Odete Nascimento que o antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, na altura em campanha, recebeu um coelho com uma cenoura. "Ele percebeu logo que a brincadeira se devia à cor do cabelo dele", lembra Maria Odete Nascimento, ao mesmo tempo que recorda passagens pela loja de Mário Soares, D. Duarte Pio e o antigo ministro Mota Pinto, entre outros. A possibilidade de um dos cinco filhos tomar conta do negócio está fora de questão, porque cada um tem a sua vida. No entanto, esperam que o próximo proprietário da loja mantenha, pelo menos o nome. "A Casa da Boneca foi inicialmente uma loja de tecidos, mas tinha uma boneca na montra, daí o nome. A tradição poderá ser mantida", acredita João Nascimento.

DV

Sem comentários: